segunda-feira, 31 de maio de 2010

Clero corrompido: vocações abortadas, heresias e outras podridões.

Adeus, Homens de Bem
Paulo Pedrosa
Como os Liberais trouxeram a corrupção para a Igreja Católica
(Goodbye, Good Men: How Liberals Brought Corruption to the Catholic Church)
Introdução

É doloroso constatar o nível de degradação a que chegou grande parte do clero atual, pós Vaticano II, com escândalos de toda natureza em toda parte do mundo. Particularmente no campo da moral sexual, a mídia divulga cada vez mais casos de pedofilia e homossexualismo envolvendo clérigos e religiosos católicos. Isso se deve, em parte, à propaganda anticatólica massiva com a qual os meios de comunicação têm bombardeado o mundo inteiro, e em parte à atual decadência moral e doutrinária, talvez sem precedentes na História da Igreja.

O livro recém lançado de Michael S. Rose, Goodbye Good Men, tenta exatamente identificar por que o clero atual padece tão grande número de escândalos. Sendo um católico conservador, ele atribui os problemas atuais da Igreja à ala liberal que passou a dominá-la após o concílio Vaticano II, mas não investiga os canais que este mesmo concílio abriu para que tais males fossem perpetrados pelos herdeiros do modernismo do início do século XX e pelos teólogos adeptos da Nova Teologia.

Em suma, ele detecta o agente causador, o liberalismo clerical, mas não investiga a sua origem, nem os mecanismos através dos quais ele empesteou a Igreja, levando-a ao ponto em que se encontra atualmente.

Passemos então a uma análise do conteúdo da obra.

Rose inicia seu livro lembrando ter sido este publicado pouco depois dos escândalos que balançaram os Estados Unidos em 2002, após a revelação dos crimes do padre John Goghan (assassinado recentemente na prisão) e a denúncia de acobertamento pelo Cardeal Bernard Law de Boston e sua posterior renúncia.

Tal rede de escândalos e acobertamento é tão arraigada no meio clerical americano, que este foi comparado por Patrick Buckanan, um político americano influente, com os chefões da Máfia que arranjam refúgios para seus assassinos.

Em resposta a tal acusação, o Bispo James Quinn, de Cleveland, sugeriu que os líderes da Igreja deveriam guardar os registros de padres criminosos na embaixada do Vaticano, que tem imunidade diplomática e não pode sofrer investigações.

Porque isto acontece? Para responder, Michael S. Rose entrevistou mais de 150 pessoas, antes do acontecimento em Boston, dentre ex-seminaristas, padres e especialistas.

De acordo com Rose, a origem dos problemas de escândalos sexuais e seu acobertamento, está na formação que os futuros padres recebem nos seminários.

Os candidatos a padre que demonstram apoio total à doutrina católica, principalmente no que concerne aos ensinamentos de moral sexual da Igreja, são dispensados por serem considerados “homófobos rígidos e sem caridade”, enquanto que os candidatos que se mostram contrários aos ensinamentos da Igreja e/ou se declaram homossexuais abertamente, são acolhidos de braços abertos .

Uma vez dentro dos seminários, os alunos são incentivados a deixar aflorar e explorar sua homossexualidade, enquanto os alunos mais vinculados à moral ensinada pela igreja são perseguidos e expulsos.

Segundo Rose isto tudo é muito bem sabido em todos os círculos internos da igreja, principalmente entre bispos e padres, mas muito pouco se faz para resolver o problema.

Enfim, Rose declara que os liberais seqüestraram e adulteraram o sacerdócio, de forma a mudar a Igreja Católica em seu interior, a partir da degradação moral e doutrinária dos seminários modernos.



Uma Crise criada pelo homem

“Me parece que esta ‘crise’ de vocações é precipitada por pessoas que querem mudar a agenda da Igreja, por pessoas que não suportam candidatos ortodoxos leais aos ensinamentos magisteriais do Papa e dos bispos, e por pessoas que desencorajam candidatos viáveis de buscar o sacerdócio e os votos da vida religiosa como a Igreja define estes ministérios”.

Estas são as palavras do Arcebispo de Omaha, Elden F. Curtiss citadas por Rose e que resume todo o pensamento deste seu livro.

Um ano após o Concílio Vaticano II, o padre jesuíta Robert E. McNally já previa que haveria uma grande escassez de padres, e disse que “no curso do próximo século o sacerdócio Católico pode quase desaparecer”.

Então, segundo Rose, a falta de padres atualmente não é causada pela falta de vocações, mas pelas atitudes e políticas deliberadamente e efetivamente tomadas pelos diretores vocacionais e outras pessoas de influência no ambiente de formação dos padres, de maneira a dispensar vocações sacerdotais verdadeiras. E estas pessoas que desencorajam as vocações sacerdotais são as mesmas que promovem a ordenação de homens casados e mulheres para substituir as vocações tradicionais que eles mesmos abortaram.

Rose segue afirmando que algumas dioceses americanas têm revisto mais cuidadosamente os seminários e suas metodologias para seleção e formação de sacerdotes, e têm obtido excelentes resultados.

A diocese de Omaha, por exemplo, do citado Arcebispo Curtiss, tem conseguido a ordenação de sete sacerdotes por ano para uma população de apenas 215.000 católicos.

Este resultado salta a vista quando comparado com uma diocese mais “liberal” como Wisconsin, por exemplo, que ordenou apenas quatro padres num período de oito anos.

A diocese ultraliberal de Milwaukee, liderada pelo arcebispo Rembert Weakland, com uma população católica de 700.000, ordenou apenas dois padres em 2001.

Em 1991, o arcebispo Weakland, que não é “weak” (fraco) apenas no nome, escreveu uma carta pastoral para os Católicos de Milwaulkee dizendo ao seu rebanho que ele iria ordenar homens casados, sujeito à aprovação de Roma.

Em 1995 ele foi abertamente contra a carta pastoral Ordinatio Sacerdotalis, do Papa João Paulo II, na qual o papa ensinou que a Igreja não tem a autoridade para ordenar mulheres.

Este mesmo arcebispo recentemente ‘antecipou’ sua aposentadoria, pois fora manchete em jornais americanos por causa de um escandaloso caso de chantagem, onde se revelou que ele pagara $450.000 dólares de sua diocese para calar um homossexual que tivera um caso com ele logo no inicio de seu arcebispado.

Das entrevistas realizadas por Michael S. Rose, ele conclui que os obstáculos que impedem vocações verdadeiras são:

- Um processo de seleção rigoroso e dirigido;

- Aconselhamento psicológico antiético;

- Corpo docente e diretores espirituais focados em detectar sinais de ortodoxia entre os seminaristas.

- Vida moral prática de alguns estudantes e de professores que não são compatíveis com os padrões Cristãos.

- Apoio a práticas homossexuais.

- Promoção de idéias e ensinamentos que minam a crença católica nas doutrinas mais fundamentais da Igreja.

- Contestação aberta da liturgia apropriada e devoções tradicionais.

- Abuso e manipulação psicológica e espiritual.

Segundo Rose, aqueles em posição de autoridade nos seminários são motivados por um desejo de “revisar” o sacerdócio e redefinir o ministério da Igreja de acordo com seu próprio modelo (o modernista). Este modelo normalmente envolve mulheres sacerdotes, paróquias dirigidas por leigos, adoração secularizada, e uma visão “liberal” da doutrina da Igreja – em outras palavras, uma igreja dessacralizada e “ politicamente correta.”



O Fenômeno do Porteiro (The Gatekeeper Phenomenon)

Neste capítulo Rose especificamente trata do assunto de rejeição dos candidatos logo na entrevista de admissão dos seminários.

Atualmente, cartas de recomendação, relatórios psicológicos e psiquiátricos, verificação de antecedentes criminais, testes padronizados e uma série de entrevistas são os filtros utilizados para seleção dos candidatos ao sacerdócio.

Tais filtros, apesar de necessários, acabam sendo responsáveis pela eliminação de muitos bons candidatos, uma vez que são orientados para selecionar candidatos aptos a aceitar as modificações que os liberais introduziram e insistem em introduzir na Igreja.

Thomas Fath escreveu num artigo da New Oxford Review, que “ouve-se que pessoas que fazem as entrevistas iniciais têm uma visão modernista sobre as qualidades que um padre precisa ter”. De acordo com Fath a mensagem é: “temos muitas pessoas com uma filosofia da Igreja Velha; o que estamos procurando são novos padres que tenham a visão de como a Igreja deveria ser”.

Por isso, em algumas dioceses e ordem religiosas é aplicado um teste onde o candidato deve responder em sua opinião, o que a Igreja deveria ser.

Segundo o Arcebispo Curtiss, uma das questões mais importantes levantadas na seleção de candidatos é se o mesmo aprova ou não a ordenação de mulheres para o sacerdócio.

Freqüentemente, é o diretor vocacional que conduz a entrevista, e é bastante comum que seja assistido por uma freira, que funciona como uma espécie de “inquisitora”. Em alguns casos até, os bispos tem permitido que freiras encrenqueiras, algumas que até abandonaram suas ordens, ocupem cargos de confiança no escritório vocacional e nos postos administrativos dos seminários.

Parece ser bem normal que freiras liberais, mesmo não sendo diretoras vocacionais, acabem por ser os funcionários mais ativos do escritório vocacional. Muitas vezes elas definem se o candidato pode ou não ingressar no seminário.

Muitos seminaristas contam histórias de como, numa entrevista com uma freira assistente para admissão no seminário, o telefone toca ou alguém bate à porta. A freira, empolgada, entra em uma conversa animada, ao longo da qual ela diz entusiasticamente que ela espera ser ordenada para o sacerdócio em alguns anos ou então se diz plenamente favorável à ordenação de mulheres.

Esta parece ser uma estratégia usada nas dioceses mais liberais para desanimar candidatos mais ortodoxos. A irmã na verdade está tentando ver qual a reação do candidato a essa farsa.

Outro filtro na admissão de candidatos é a avaliação psicológica do mesmo.

Nessa avaliação, feita por um psicólogo muitas vezes não católico, é fator importante de avaliação qual é a postura do candidato com relação à homossexualidade. Quer-se saber se o candidato está apto a aceitar a prática da homossexualidade na sociedade moderna ou, mais especificamente, no seu ambiente de estudo e de trabalho.

Se o candidato adota posturas de acordo com o magistério católico como, por exemplo: “Ame o pecador, mas deteste o pecado”; ou que “os atos homossexuais são intrinsecamente desordenados e contrários à lei natural”, ele é logo taxado de “sexualidade doentia” ou “sexualmente imaturo”. Imagine se ele disser que “O homossexualismo é tão vil que clama aos céus por vingança” então?

A um candidato, nestas entrevistas com psicólogos, são feitas várias perguntas de ordem sexual tendenciosas que colocam como únicas opções situações pecaminosas. Tais psicólogos não têm treinamento doutrinário e desconhecem o ensino tradicional da Igreja, e se baseiam exclusivamente em padrões de julgamento moldados pela sociedade laica. Quando o candidato mostra não ser complacente com a visão moderna da sociedade em termos de sexualidade, normalmente é dito que suas atitudes não são “pastorais” e, portanto, ele não está apto a servir a igreja pelo sacerdócio.

Em seus relatórios, muitas vezes reconhecendo que os candidatos têm muito boa aptidão mental e desembaraço, os psicólogos relatam que: “suas convicções religiosas permitem subentender uma raiva, desajuste social e imaturidade sexual”. Tais avaliações psicológicas são responsáveis por eliminar até mesmo candidatos com vida paroquial ativa e com recomendações de seus párocos.

Com relação a este problema, o semanário católico conservador americano, The Wanderer, publicou um artigo relatando como um certo doutor Joseph Wicker estava rejeitando mais candidatos do que recomendando. Tal doutor Wicker diz não se considerar mais um católico, e faz apologia da Maçonaria, da qual ele é grão-mestre em sua região, além de ser adepto da Rosacruz, ambas seitas condenadas pela Igreja Católica. Mesmo assim, tal doutor tem pleno consentimento do arcebispo de Cincinatti, que está ciente de todos esses fatos.

Em muitos casos, os psicólogos aprovam condicionalmente candidatos que mostrem tendência à ortodoxia, contanto que façam terapia por um dado período de tempo.

Escreve então Rose:

“Para reiterar, o fato de se considerar questões sexuais durante avaliações psicológicas é compreensível, principalmente em se considerando os processos multimilionários que atualmente acontecem. As dioceses têm que tomar cuidado para rejeitar aqueles que demonstram tendências para perversões sexuais. As evidências, contudo, mostram que muitos dos psicólogos contratados para fazer a seleção para a diocese recusam-se a recomendar homens que se atenham ao magistério da Igreja em matérias sexuais, especialmente com relação ao celibato do sacerdócio e à homossexualidade. Tais candidatos são chamados de sexualmente imaturos ou sexualmente disfuncionais. Assim, aqueles que abraçam o celibato sacerdotal como proposto pela Igreja e que dão evidencias que não aceitam relações homossexuais como normais e aceitáveis do ponto de vista de comportamento, são tratados como os que mostram sinais de perversões sexuais” (obra citada, p.37. O negrito é meu).

O problema pode ser resumido desta forma: muitos psicólogos que são contratados pelas dioceses, para seleção de candidatos ao seminário, têm por muitas vezes crença totalmente diversa da católica. Então falham em objetivamente selecionar candidatos aptos a exercer o sacerdócio de acordo com o magistério da Igreja.

Algumas outras vezes, as entrevistas com diretores vocacionais ou comitês de admissão rejeitam candidatos por razões ideológicas. O autor cita o caso de um candidato que fora questionado sobre a ordenação de mulheres. Tendo o mesmo respondido de acordo com os ensinamentos da Igreja, foi então rejeitado, e recebeu a seguinte explicação do diretor vocacional: “Se você não acredita na ordenação de mulheres, então não pode entrar em nossa ordem”.

Pessoas que mostram admiração pelo Papa e pelos ensinamentos da Igreja freqüentemente são descartadas por serem “muito rígidas” ou “muito dogmáticas”.

Chega-se ao absurdo de rejeitar candidatos por sua paróquia ser reconhecidamente “muito ortodoxa”, e até mesmo existem casos de homens que fingem ser efeminados para serem aceitos no seminário.

A uma pessoa foi dito que era “muito rígido” e “muito focado” para ser padre. Querendo entender o porquê destes argumentos, este veio a descobrir que “muito rígido” significa “levar o Papa muito a sério” e que ser “muito focado” significa ter muita devoção por Nossa Senhora e por praticar a espiritualidade Mariana de São Luis Maria Grignon de Montfort.

É obvio que tais coisas podem até levar o candidato a perder sua fé.

Para os que pretendam “corrigir” o “problema” são sugeridos retiros com padres e psicólogos, tendo no programa, prosaicos exercícios como “se imaginar como sendo Deus”, o que mostra a que ponto a gnose se desmascara nestes seminários modernistas. Nestes retiros , muitas vezes dirigidos por freiras feministas, os candidatos são levados a entender que “a Igreja está mudando, e seria necessário ser flexível para aceitar uma Igreja pluralista”.

Rose também relata uma posição curiosa do reitor do Seminário do Sagrado Coração em Detroit, que encaminha candidatos ortodoxos para terapia, de forma que eles deixem de ser tão “conservadores”.

No Capítulo 3 Rose menciona um livro texto usado em seminários americanos sobre sexualidade, que apresenta conteúdo pornográfico, que ele descreve cruamente, descrevendo inclusive imagens do livro que ilustram atos obscenos. Este tema, ele irá retomar em um capítulo posterior.



A Sub-cultura Gay (The Gay Subculture)

No livro The Changing Face of the Priesthood, do padre Donald B. Cozzens, escrito quando este ainda era reitor do Seminário St. Mary de Cleveland, somos alertados de um aumento da preocupação geral de que o sacerdócio estava se transformando numa “profissão gay”. Segundo ele, uma grande parte do corpo docente e discente dos seminários é composta por um número significativo de pessoas de orientação homossexual. Isto atrapalha o desenvolvimento de homens heterossexuais dentro do seminário, impedindo o prosseguimento dos seus estudos e sua preparação para o sacerdócio.

Rose diz não se tratar de uns poucos de tendência homossexual, que entretanto guardam uma perfeita castidade. Pelo contrário, o que existe é uma atmosfera homossexual intensa, ativa e ameaçadora.

Dentre os absurdos decorrentes dessa situação , - que explica o assédio sexual que os padres perpetram em suas paróquias -, Rose relata casos em que seminaristas se vestem como mulheres e se maquiam dentro dos seminários. Professores que enchem uma perua com seminaristas para ir a bares gays. Fotos pornográficas de homens nus nos alojamentos.

Se por acaso acontece algum tipo de reclamação dos seminaristas a respeito do comportamento dos seus colegas “gays”, então, via de regra, o reitor diz coisas como: “Não perguntamos aos nossos candidatos a sua orientação sexual nem suas histórias sexuais. Seria uma violação dos direitos civis de um homem negar sua ordenação nestas bases”. A sacrossanta declaração dos direitos do homem da malfadada ONU não pode ser contestada, mas a própria vontade e ordem divinas sim.

Como resultado de tais políticas, vários homossexuais são ordenados sacerdotes, para vergonha da Igreja. Comenta-se que a profissão de padre católico hoje em dia é uma das quais há mais incidência da AIDS.

Também é comentado no livro de Rose, na pág. 59 que: “um grande número de estudantes tem sido convencido por professores liberais que promiscuidade com pessoas do mesmo sexo não é violação do celibato”.

Isto é uma distorção ultrajante da doutrina católica a qual eu mesmo, infelizmente, já ouvi da boca de um suposto religioso.

Os seminaristas que aceitam o magistério católico com relação à moralidade sexual são dispensados dos seminários como “encrenqueiros”. Também são ameaçados por colegas e professores por não se submeterem à homossexualidade, defendendo ou mesmo submetendo aos atos homossexuais, tendo assim suas carreiras ameaçadas.

Não estranhamente, muitos dos alunos mais abertamente homossexuais estabelecem vínculos estreitos com freiras feministas que ambicionam o sacerdócio.

Rose alega que se o problema é grande dentro dos seminários diocesanos, é pior ainda nas ordens religiosas, especialmente entre os Jesuítas.



O Semeador da Heterodoxia (The Heterodoxy Downer)

Rose diz que, além da imoralidade sexual, uma das maiores chagas dos seminários modernos é a heterodoxia teológica e a discordância aberta dos ensinamentos da Igreja. Segundo ele, muitos dos professores de seminários manifestam abertamente aversão ao que a Igreja ensina.

Freqüentemente, tais professores usam como livros texto trabalhos escritos por notórios detratores do ensino católico, teólogos como Richard McBrien, Edward Schillebeeckz, Hans Kung e Charles Curran.

Dentre dos “ensinamentos” que tais professores passam aos seminaristas temos:

- A Bíblia não deve ser levada muito a sério por causa de seus “laços culturais”.

- Uma religião é tão boa quanto outra qualquer.

- O papa não é infalível.

- O magistério é autoritariamente abusivo.

- A presença real de Cristo na Eucaristia é apenas um mito pré Vaticano II.

- Cristo na verdade não era divino.

- Deus é feminino.

- A missa é uma ceia na qual devemos comer pão “que parece pão realmente”.

- Mulheres devem ser ordenadas sacerdotisas em nome da igualdade.

- Homossexualismo é normal.

- Contracepção é moralmente aceitável.

Comentou um seminarista que o corpo discente até parece seguir do topo ao fim a doutrina modernista, tal como descrita e condenada por São Pio X na encíclica Pascendi, nos mínimos detalhes.

Na verdade, tais professores não suportam a Igreja, sua hierarquia, sua Eucaristia, nem sua liturgia.

É comum no corpo docente também a presença de freiras adeptas da teologia da libertação e feministas que anseiam pela sua sagração sacerdotal. Algumas até mesmo ensinam que os sacramentos não são necessários, tomando posturas mais agressivas e ousadas mesmo que as de Lutero.

Criticam a visão de um Deus paternalista, e querem um Deus criador andrógino para aplacar seus anseios feministas.

Toda doutrina e documentos anteriores ao Vaticano II apenas são usados em seminários americanos quando se quer fazer zombaria e ridicularizar a Igreja. As palavras de ordem dos seminários, que sempre aparecem durante as aulas e resumem o léxico eclesiástico atual são: abertura, tolerância e pastoral.

Abertura significa estar aberto para outras perspectivas, inclusive as heréticas.

Tolerância significa tolerar desvios da moral e da doutrina, a ponto de abandonarmos nossas crenças.

Pastoral significa que tudo vale; não se nega nada para ninguém a não ser para os que aceitam o ensino tradicional da Igreja.

Um professor de seminário definiu tradição e tradicionalismo:

“Tradição é a ‘fé viva dos mortos’ enquanto tradicionalismo é a ‘fé morta dos vivos’”.

Mas o que mais choca são os ensinamentos de cunho comportamental e sexual. Rose inclusive avisa que faz descrições explicitas de coisas imundas que são ensinadas nas salas de aula do seminário, abrangendo desde atos sexuais, incluindo homossexuais, até bestialidade. Para melhor ilustrar estas aulas, os alunos são convidados a assistir filmes pornográficos que reproduzem diversas obscenidades.

Em alguns seminários, os cursos de teologia são abertos para alunos externos, sendo aceitos alunos protestantes e até mesmos alunos não cristãos. É curioso o relato de uma aluna bruxa, praticante de Wicca, que fez o curso de teologia em um seminário americano. Além disso, ela era uma ativista lésbica e estava estudando para ser ordenada ministra da Igreja Metropolitana Comunitária (uma espécie de igreja New Age especializada em atender gays, lésbicas, bissexuais e transexuais).

No seminário Washington Theological Union (WTU) os seminaristas são obrigados a usar estranhos métodos gnósticos e da Nova era, como eneagrama, cristais, cartas de tarô, tabuas ouija, e muitos outros.



A Piedade ridicularizada

Outra razão para discriminação contra os seminaristas mais ortodoxos é a piedade litúrgica. Freqüentemente é negada a oportunidade de adoração eucarística e é proibido ao seminarista rezar o rosário em qualquer lugar do seminário, a não ser em seu próprio quarto. Também costuma ser proibido ao seminarista ajoelhar nos momentos apropriados da missa, como na consagração, por exemplo.

Entretanto, as experimentações nas missas celebradas nos seminários são muito ousadas.

Em alguns seminários, o corpo docente associa piedade com rigidez, sempre seguida por uma análise de problemas de sexualidade reprimida (eles só pensam nisso...).

Consta que, de acordo com Rose, se um seminarista ajoelha durante a comunhão, ele é tido como “suspeito” e invariavelmente “rígido”. O cerne de tal suspeita é na verdade ideológico, e não litúrgico. O seminarista que ajoelha durante a comunhão é culpado de três coisas: respeito, reverência e piedade, o que indica que o seminarista tem um conhecimento “ultrapassado” da Presença Real de Cristo na Eucaristia.

O corpo docente do seminário talvez então tenha medo de que a devoção ao Santíssimo Sacramento de alguma forma evite que o seminarista “veja Cristo nos outros e sirva de acordo”.

Dentre outras acusações de Rose, consta que os seminaristas não assistem missas diárias e que nos experimentos litúrgicos americanos, freqüentemente são utilizados ritos com profunda influência do movimento New Age e do feminismo “para satisfazer o desejo das freiras feministas de poder e dominação na Igreja”.



Terrorismo psicológico e lavagem cerebral

Para os seminaristas ortodoxos, existe sempre o risco do aconselhamento psicológico, que pode ser usado como um incentivo para o abandono do seminário, ou até mesmo para realizar lavagem cerebral no candidato.

Rose compara a pressão e a dinâmica utilizada nos seminários para que os seminaristas abandonem pontos de vista ortodoxos, com os campos de reeducação comunistas.

Seminaristas que espionam uns aos outros, ameaças, chantagens, intimidação, coerção e mesmo violência são empregados para proteger os statuso status quo do seminário.

O uso de psicólogos e terapias de grupo para seminaristas ortodoxos é bastante freqüente. Isso tem por objetivo ou expulsar os alunos indesejados ou oprimi-los de forma a submete-losa submetê-los.

Durante terapias de grupo, os seminaristas são induzidos a confessar seus pecados para todos os participantes, para que o grupo possa discuti-los. A terapia de grupo é uma técnica que tem sido abandonada pelos psicólogos nos últimos tempos. Num programa de terapia de grupo aplicado a oficiais da força aérea americana, aconteceram alguns casos de suicídio após sessões de terapia de grupo.

Dois psicanalistas da Filadélfia, Dr. Fraunces e Dr. Richard Fitzgibbons, que atendem seminaristas que passaram por tais tratamentos psicológicos preconizados pelo seminário, diz que as terapias são usadas para fazer o seminarista “sair do armário”, gíria que quer dizer assumir a homossexualidade. Os pacientes que adotam postura homossexual são aprovados, e os que demonstram um pouco de ortodoxia são dirigidos para terapia de grupo.

No restante do livro, Rose continua a descrever as provações a que são submetidos os seminaristas durante sua preparação para o sacerdócio, levando a expulsão no caso da maioria dos bons, ou a ordenação de pessoas que não tem a menor qualificação para o múnus.

Com tal crise criada, e conhecendo o que acontece nas paróquias e dioceses mundo afora, não é de se estranhar uma tremenda falha na formação dos presbíteros, o que Rose, apesar de sua percepção enviesada do problema (pois não atribui como causa mais profunda o Vaticano II e a reforma da liturgia), acertadamente indica ser uma crise artificialmente engendrada pelos modernistas no seio da Igreja.

--------------------------------------------------------------------------------
Para citar este texto:
Paulo Pedrosa - "Adeus, Homens de Bem"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=igreja&artigo=goodbye&lang=bra
Online, 31/05/2010 às 10:51h

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Mentiras dos "evangélicos": seitas, teologia da prosperidade e outras heresias.



Seita: uma grande mentira.

Por: Padre Inácio Vale.

"“Os homens são tão simplórios, e tão dominados por suas necessidades imediatas, que um mentiroso sempre encontrará muitos deles prontos para serem enganados”.

Nicolau Maquiavel (1469-1527)
Político e Historiador Italiano

Não bastassem o colapso do sistema imobiliário, o naufrágio da indústria automobilística e o mergulho na recessão, os americanos estão agora às voltas com uma vigarice monumental. Bernard Madoff, um figurão de Wall Strett, sumiu com 50 bilhões de dólares de seus clientes. Na delegacia para onde foi levado na semana passada e da qual saiu sob fiança, ele admitiu ter montado um gigantesco esquema tipo pirâmide – o mais manjado dos golpes financeiros. Consiste em remunerar os clientes mais antigos com o dinheiro dos novos investidores, sem produzir rendimentos reais. Madoff, que foi presidente da Nasdaq, a bolsa das empresas de tecnologia, oferecia retornos estáveis de 10% e 12% ao ano para o capital investido, independentemente dos altos e baixos do mercado. Nem mesmo a crise econômica havia batido às suas portas: seus investimentos cresceram 5,6% até novembro, enquanto o valor de mercado das empresas nas quais ele supostamente investia tinha encolhido 37,7%.
O esquema veio abaixo, como um castelo de cartas, quando clientes, de caixa baixa devido à crise, quiseram retirar 7 bilhões de dólares no começo deste mês. O próprio Madoff avisou os filhos de que tudo não passava de "“uma grande mentira”. (1).
O grande intelectual inglês, autor da obra clássica Ortodoxia G. K. Chesterton (1874-1936), escreveu: “Acreditar absolutamente em si mesmo é uma crença tão histérica e supersticiosa como acreditar em Joanna Southcote (1750-1814). Ela se dizia virgem e grávida do novo Messias, e chegou a ter muitos seguidores”.
O fundador da Suprema Ordem Universal da Santíssima Trindade (Soust), Inri Cristo que garante ser nada menos que a reencarnação de Jesus e prega sua mensagem conforme o figurino bíblico: túnica branca, manto vermelho, sandálias de couro e coroa de espinhos.
A quem pensa que tudo não passa de um grande teatro escreve o jornalista Bernardo Mello Franco, mas segundo o teólogo Edson Martins, que defendeu tese de doutorado sobre os seguidores de Inri na Universidade Metodista de São Paulo, garante que a devoção é real e afirma: “O movimento dele pode parecer bizarro, mas a fé dos seguidores não difere muito das outras religiões. Eles acreditam mesmo”. (2)
A grande mentira pregada por muitas seitas é a salvação das pessoas no profetismo do líder e de seus ensinos. Fora da sua seita não há salvação e nem felicidade.
Autoritarismo, exclusivismo e detentor de ‘toda verdade’ são características fundamentais das seitas.


"NINGUÉM VOS ENGANE
"
No discurso escatológico de nosso Senhor Jesus Cristo, os discípulos perguntam: “Qual o sinal da tua vinda e da consumação dos tempos? Jesus respondeu: “Atenção para que ninguém vos engane”. “Pois muitos virão em meu nome, dizendo: o Cristo sou eu, e ENGANARÃO A MUITOS”. “Pois hão de surgir falsos Cristos e falsos profetas, que apresentarão grandes sinais e prodígios de modo a enganar, se possíveis, até mesmo os eleitos”. Eis que eu vo-lo predisse” (Mt 24,1-24).
" A arte de enganar vem desde o princípio da humanidade, tendo como autor o diabo, o pai da mentira (Gn 3,13; Jo 8,44).
A mentira como fundamento para toda arte do inimigo, só encontra valia na conexão com a ganância, ambição, idolatria e todo tipo de poder pecaminoso.
Três terríveis pecados pretendem dominar completamente o ser humano: a ganância de possuir muito dinheiro, o prazer desenfreado da luxúria e o desejo ardente de ser adorado como um deus.
Tudo isso se pode conseguir criando uma seita. É muito fácil enganar o povo em nome de Deus. Uma seita ‘pode’ esconder todo tipo de crimes. Os líderes sectários sabem que não existe da parte do governo: municipal, estadual e federal uma fiscalização a rigor e permanente de suas atividades.
São sabedores dos fins obscuros das seitas poucos intelectuais, estudiosos da matéria e algumas autoridades competentes.
A nossa missão é esclarecer o povo sobre o perigo de certas seitas e conclamar as autoridades para uma maior atenção e averiguação dessas facções religiosas.
Diante de tantas seitas, não podemos ser ingênuos! Muita gente é usada e abusada de sua fé por seitas que vêem as pessoas como mercadorias.
São Paulo Apóstolo sabia e nos alerta sobre esses movimentos religiosos e suas táticas proselitistas: “Sabe, porém, o seguinte: nos últimos dias sobrevirão momentos difíceis. Os homens serão egoístas, gananciosos, jactanciosos, soberbos, blasfemos, rebeldes com os pais, sem afeto, mentirosos, incontinentes, cruéis, traidores, mais amigos dos prazeres do que de Deus; guardarão as aparências de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder. Afasta-te também destes”.
“Entre estes se encontram os que se introduzem nas casas e conseguem cativar mulherzinhas carregadas de pecados, possuídas de toda sorte de desejos, sempre aprendendo, mas sem jamais poder atingir o conhecimento da verdade. Do mesmo modo como Janes e Jambres se opuseram á Moises, assim também estas se opõem à verdade; são homens de espírito corrupto, de fé inconsistente. Mas eles não irão muito adiante, pois a sua loucura será manifesta á todos, como o foi daqueles” (2 Tm 3,1-9).


"CONCLUSÃO
"
Há um grande favorecimento para o crescimento da mentira sectária. A propaganda é violenta pela televisão, rádio, cinema, internet, revistas, livros, jornais, lojas, templos suntuosos e partido político. Tudo isso facilita chegar ao povo o engano da falsa doutrina cristã, a falsa prosperidade, promessas de curas, milagres, exorcismos, solução para todos os problemas e o céu mediante os dízimos e ofertas.
Cresce junto com o avanço da ciência e da tecnologia todo tipo de crises e a tamanha ignorância das pessoas.
"Vivemos o mundo dos paradoxos e da estupidez.
As seitas não só trabalham pela via da lavagem cerebral como também pela mente esturricada.
Cabe aos profissionais sérios e de boa vontade ajudar as pessoas em seu momento de crises – principalmente afetiva – encontrarem caminhos, ferramentas, alívio, consolo, equilíbrio e segurança na sua potencialidade em Jesus Cristo e na medicina.
É nosso dever mostrar o Cristo verdadeiro, o Cristo Filho de Deus, de Maria, o crucificado e ressuscitado, amigo dos apóstolos, amigo de Maria Madalena, da família de Lázaro, companheiros das nossas dores e curas, das nossas tristezas e alegrias, daqueles que ganham e dos que perdem, dos que vão e dos que ficam.
Infelizmente, o povo conhece o Cristo da propaganda, sectário e da auto-ajuda.
Por incrível que pareça ainda hoje muita gente precisa conhecer e ter um encontro definitivo com o Cristo dos Santos Evangelhos.

FALSIFICADORES DA PALAVRA DE DEUS

“Não somos como aqueles muitos que falsificam a palavra de Deus; é, antes, com sinceridade, como enviados de Deus, que falamos na presença de Deus, em Cristo’’ (2 Cor 2,17).
Ainda hoje não se sabe se certas telas do pinto holandês do século XVII Jan Vermeer, comprada por fortunas por alguns respeitados museus e por colecionador milionário, são verdadeiras. Pois os falsários estão por aí e um dos maiores foi Hanvan Meegeren (1889-1947), retratado em detalhes neste ‘’Eu fui Vermeer – lenda do falsário Que Enganou os Nazistas‘’ do escritor, tradutor e jornalista irlandês Frank Wynne.
Mais do que contar a história de Van Meegeren – a infância oprimida por um pai que execrava seu talento artístico, as obras anacrônicas na juventude (o modernismo eclodia na Europa), as primeiras falsificações, os enriquecimentos, a dependência de drogas, a prisão sob acusação de ter fornecido obras holandesas aos nazistas depois que se descobriu que havia vendido um Veermer (falsificado, naturalmente) a Goering, o marechal do Terceiro Reich, e o julgamento -, Wynne desveda como é o minucioso trabalho de peritos na autenticação de uma obra, além de despertar a reflexão sobre o que faz, afinal um trabalhador ser considerado uma obra-prima.
Isto porque o financiamento de Van Meegeren na “arte” de falsificar era tão grande e enganou tantos especialistas ao longo dos anos que, mesmo após confessar ser autor das falsificações, teve de pintar um ‘’Vermeer’’ para um júri. Sua obra, mais do que a de qualquer outro falsário, abalou os alicerces de um universo dependente da autenticação de peritos’’, escreveu Wynne (1).
Nosso tempo é marcado pelo apogeu das heresias e pela indústria da falsificação da palavra de Deus. Tudo isto se deve ao capitalismo da teologia da prosperidade, ao mundo gospel e ao culto a celebridade dos líderes religiosos de tais movimentos.
Os falsos pregadores da palavra de Deus têm tomado quase todo espaço dos verdadeiros ministros do evangelho libertador. Estão em quase todo o seguimento social.
Bons pastores com as suas boas ovelhas sofrem com esses mercenários pregadores que adentram em nossos lares perturbando a nossa mente com a suas heresias.
Todo o crente rebelde e sem caráter tem nesses pregadores seu verdadeiro pastor e ídolo.
Alguns pregadores que falsificam a palavra do Senhor – principalmente pela TV e rádio – são escândalos para os pregadores honestos para a Igreja e para o mundo.
A imagem que fica desses pregadores da mídia com seu luxo, glamuor," riqueza, soberba e poder mundano são de comerciante da religião.
Tudo isso prejudica demais a propagação do evangelho verdadeiro e macula a imagem dos verdadeiros homens de Deus.
Diz o pastor e teólogo Lourenço Stelio Rega: “Alguns pregadores desejam tomar posse da alma dos telespectadores como se conquistam um bem ou um produto”. Na realidade muitos demonstram estar interessados no bolso do futuro ‘’converso’’. Pregam o Evangelho e vende a salvação como se fosse mercadoria’’ (2).
" A MÃE DE TODO DESVIO
Diz São Paulo Apóstolo: "“Não somos como aqueles muitos que "falsificam a palavra de Deus’’. “São Paulo já tinha a revelação divina que muitos os bandidos que ganham fortunas com a falsificação da palavra de Deus”.
Segundo o estudioso Padre Oscar Quevedo,SJ, existem, só no Brasil, mais de 56 mil seitas e religiões.
Existem mais de 33.800 dominações protestantes, segundo o pesquisador e ex-missionário protestante americano Dave Armstrong (3).
A poderosa indústria de falsificação da sagrada revelação do Senhor Deus é a maior corrupção e escândalo na história do cristianismo.
Quantas traduções heréticas e interpretações maléficas. Como é vergonhoso o comércio da Bíblia. Ela é usada como a base para fundamentar a interpretação das doutrinas de homens, do demônio e dos dízimos e ofertas, com intuito de fazer a cabeça dos membros e dos visitantes a serem doadores em troca de bênçãos.
O dízimo foi uma prática da Lei do Antigo Testamento e nós vivemos na Era da Graça de Cristo do Novo Testamento. Jesus, os apóstolos e principalmente Paulo, o maior teólogo escritor e missionário da Igreja de Deus, nunca ensinaram tal prática. A citação de Mt 23,23 está fora do contexto da Nova Aliança, Cristo apenas recorda a Lei para os escribas fariseus, da mesma forma Hebreus capítulo 7.
O modo mais fácil de enganar e roubar o povo são em nome de Deus. As seitas crescem, falsos profetas e falsos pregadores ficam ricos com a falsificação da Bíblia, porque estão dentro do contexto da Sentença Latina:" “VULGUS VULT DÉCIPI” – O POVO QUER SER ENGANADO OU GOSTA DE SER ENGANADO’’. Já foi profetizado pelo grande apóstolo de Cristo São Paulo que esses pregadores: “são lobos vorazes que não pouparão o rebanho e com pregações pervertidas” (Atos 20, 29.30).
Hoje os tempos são mais belos e maiores para melhor comercializar em nome de Jesus. Onde está escrito no Novo Testamento a ordem de construir caríssimos templos? Fundar e dar nomes as denominações?
O filósofo francês Luc Ferry disse: ‘’O capitalismo globalizado foi que no fim das contas, liquidificou e liquidou os valores tradicionais, ao exigir que tudo desemboque na lógica de mercado. É por causa do capitalismo globalizado que não existem mais ideais transcendentais e tudo se torna mercadoria. Pois, no mundo de hoje, nós consumimos de tudo, não simplesmente computadores e automóveis, mais também consumimos cultura, religião, escola, política, etc. (4).
Depois do liberalismo teológico, dos cismas, é hoje a teologia da propriedade a pior heresia, na igreja pós-moderna. Ela é a mãe de todo o desvio eclesial, pastoral e teológico.
Existe hoje uma tremenda incompatibilidade de comunhão entre os pastores devido à famigerada teologia da prosperidade e seu espaço nas denominações neopentecostais e até em denominações ditas históricas. Que o diga os pastores sérios e pobres que não podem participar de grandes e caríssimos eventos. Os pastores ortodoxos e pobres são excluídos dos ricos “pastores”, “bispos”, “apóstolos” com seus megatemplos.
" CONCLUSÃO
“O mundo virtual estimula a criação de aparência sem conteúdo próprio’’, afirma a antropóloga Paula Sibilia no seu livro “O Show do Eu’’.
Cada vez mais é preciso aparecer para ser. A espetacularização tornou-se um modo de vida’’ diz Paula Sibilia.
Os pregadores da teologia da prosperidade e do mundo gospel estão dentro do ‘’reality shows’’.
São toneladas de lixo virtual dos ensinamentos desses pregadores fraudulentos do evangelho da saúde, da riqueza e do triunfo.
Seu modo de vida é de um teatro barato sem conteúdo e sem respeito para com Deus e sem para com seu semelhante. Sua espiritualidade é virtual.
Esses pregadores só querem aparecer, esnobar, brilhar mais do que o Sol e promover a sua imagem com intenção de moeda de troca.
A teologia da prosperidade tem o seu papel principalmente de desembocar, desprende no ser humano a ambição, a ganância e a idolatria pelas coisas terrenas.
O mundo virtual, a onda gospel, a teologia da prosperidade com a sua falsificação da palavra de Deus são as nossas terríveis desgraças eclesiais e seculares atuais.
Hoje mais do que nunca devemos atentar para sábias palavras do nosso Mestre e o Senhor Jesus de Nazaré: “Atenção para que ninguém vos engane. Pois muitos virão em meu nome, dizendo: O Cristo sou eu, enganarão a muito’’. “E SURGIRÃO MUITOS FALSOS PROFETAS E ENGANARÃO A MUITOS” (Mt 24,4.11).

Pe. Inácio José do vale
Pároco da Paróquia São Paulo Apóstolo
Professor de História da Igreja
Faculdade de teologia de Volta Redonda
E-mail.: pe.inaciojose.osbm@hotmail.com

Protestantismo: a nova Babel em que ninguém se entende!



O falacioso protestantismo

“Quanto a mim, não acreditaria no Evangelho se não me movesse a isso a autoridade da Igreja católica”. Santo Agostinho

O protestantismo vive num círculo vicioso. Vejamos, se hoje os Pais da Reforma ressuscitassem milagrosamente cairiam para trás ao ver a situação das igrejas por eles criadas e, muito provavelmente, seriam chamados de idólatras e pagãos por seus irmãos e filhos. Na verdade não precisamos ir tão longe na imaginação; comparem uma igreja metodista, anglicana, calvinista, luterana dos EUA, da Europa e do Brasil! Os metodistas ingleses e americanos usam imagens – ou ao menos usá-las não é motivo de discussão -, fazem igrejas em estilos góticos, gostam de cantos sacros e apreciam a piedosa devoção. Anglicanos invocam os santos, usam turibulo, seus líderes se paramentam como os Sacerdotes e Bispos católicos, constroem igrejas extremamente belas, usam velas, incensos etc. Já a Catedral Calvinista de Genebra honra a São Pedro, era lá onde Calvino pregava, fica ao lado do Museu da Reforma, quase um Vaticano protestante.

Os luteranos do hemisfério norte também seguem diversas tradições católicas que eram respeitadas até mesmo pelos reformadores, se assemelham aos anglicanos quanto a isso. Eu apenas abordei pontos externos, se fosse fazer uma análise teológica as diferenças entre as denominações seriam gritantes. Os Pais da Reforma eram homens, em sua maioria, doutos e cultos, tinham acesso a obras de grande peso na cristandade, dominavam línguas, tinham uma cultura destacada; Lutero era um teólogo com relevo no cenário alemão, Calvino tinha uma formação clássica, Wesley, que apareceu séculos mais tarde, se educou na prestigiosa Universidade de Oxford. A questão que aparece é a seguinte, se esses homens estavam errados na sua hermenêutica bíblica, na compreensão do tal cristianismo primitivo, por que raios um pastor qualquer em pleno mundo moderno se colocaria como o descobridor da verdade cristã? Qual a autoridade que ele usa? Os Pais da Reforma se diziam inspirados pelo Espírito Santo, iluminados por Deus, o mesmo Espírito Santo e o mesmo Deus que “inspira” e “ilumina” os homens que hoje fazem interpretações e chegam a conclusões diferentes das obtidas pelos Luteros e Calvinos da vida – conclusões essas que na época da reforma já não eram nada parecidas! E, muito provavelmente, esses mesmos pastores serão refutados no futuro por outros irmãos seus que enxergaram diferentes verdades na Sagrada Escritura. O mais irônico de tudo isso é que uma das bases fundamentais usadas por eles para endossar essas novas compreensões a respeito do cristianismo e da Bíblia são conhecimentos científicos, ou seja, um respaldo extra-bíblico que influencia no estudo e na hermenêutica dos textos da Sagrada Escritura. Onde foi parar a Sola Scriptura?

Os protestantes consideram a Bíblia auto-sustentável, ou seja, a chave da correta hermenêutica se encontra na própria Escritura. Pois bem, isso deveria confirmar que a hermenêutica bíblica, seja lá de qual tempo, é contínua e inerrante, já que interpreta um Livro eterno e também inerrante, mas não é isso que enxergamos dentro do protestantismo. Existe uma diversidade de análises, uma grande confusão na exegese, na forma de compreender a formação do texto, uma miscelânea de doutrinas oriundas de interpretações bem distintas. Se a Bíblia é auto-sustentável as descobertas históricas e arqueológicas, usadas pelos protestantes atuais como base para um novo olhar – como a defesa do tal cristianismo primitivo -, não se mantém, afinal a ortodoxa hermenêutica independe de fatores externos, se encontra na própria Escritura (Sola Scriptura). Com isso pouco importa se os Pais da Reforma viviam no séc. XVI e hoje vivemos no séc. XXI. Se a Bíblia é de inspiração divina, um Livro Sobrenatural, sua mensagem é para sempre, sua correta interpretação é a mesma ao longo dos séculos, afinal o que muda não é eterno, e o que não é eterno não é divino. Ou seja, um livro escrito por Deus só pode ser compreendido com a assistência de Deus, a ciência humana não seria capaz de entender a riqueza contida nas suas linhas. Ora, sem essa inspiração interpretar a Bíblia é quase como um jogo de sorte. Aí entra um ponto crucial; como conciliar, dentro do protestantismo, diversas interpretações de um único texto? Se a Escritura é divina ela não erra nem se contradiz – ou se descansa no sábado ou no domingo, ou se batiza crianças ou não, ou se usa imagens ou as considera idolatria, ou acredita nos santos ou acha que são deuses pagãos etc etc etc. Não pode haver uma diversidade hermenêutica para uma mesma frase contida no texto bíblico!

Percebam que no protestantismo não há uma continuidade na vivência da mensagem cristã interpretada pelos seus pastores, bispos, reverendos, missionários, apostólos e “bispas”, a todo o momento há ruptura e o surgimento de novas óticas, óticas essas que, como já foi dito, lançam mão de conteúdos extra-bíblicos, colocando de lado um dos pontos essenciais da Reforma Protestante; Somente a Escritura.

Talvez a saída mais natural do protestantismo tenha sido o desenvolvimento de doutrinas liberais, que depois deram origem ao modernismo. Considerar a Escritura um livro Sobrenatural pede, da mesma forma, uma interpretação sobrenatural, ou seja, uma interpretação inspirada. Como haver inspiração quando pululam o número de hermenêuticas tão diferentes e contraditórias? Esse foi o motivo que ajudou, entre alguns outros, na consolidação da corrente liberal dentro do pensamento reformado; se baseiam num arcabouço histórico, arqueológico, literário e filológico para compreender o texto bíblico, execrando tudo que seja contrário ao entendimento da razão humana. De uma maneira ou de outra esse método cria uma hermenêutica mais homogênea, já que acaba com a argumentação de inspiração divina; a medida é a ciência, se passou dela não serve. Entretanto dois problemas surgem; a destruição da origem Divina do texto – ele fica preso aos conhecimentos humanos – e a oposição a Sola Scriptura – na verdade não é lá da preocupação desses protestantes a fidelidade a nada. Ademais, a ciência nessa caso ocupa o espaço que todas as igrejas de origem apostólica dão ao que se chama Tradição, de origem divina e em plena sintonia com a Revelação contida na Escritura.

Um dos fundamentos básicos, quiçá o maior, que distancia o protestantismo da verdadeira religião é a não-aceitação da Sagrada Tradição. Os “reformados” acreditam que a Sagrada Escritura é a única regra da fé, não sendo necessária nenhum outra para viver de forma plena os ensinamentos cristãos, conhecer todo o legado deixado por Nosso Senhor Jesus Cristo. Antes de algum Evangelista pensar em escrever, sob a inspiração do Espírito Santo, os Apóstolos já pregavam e difundiam a Boa Nova. Foram necessárias décadas, depois do Pentecostes, para se iniciar a redação dos livros do Novo Testamento! Como havia comunidades cristãs num período onde não havia a Bíblia? Simples, por meio da pregação oral que trazia consigo a Tradição cristã. Como disse David Goldstein, judeu convertido ao catolicismo “S. Pedro converteu 3000 judeus; o Concílio de Jerusalém foi reunido e a lei judaica foi ab-rogada, antes que uma única linha do Novo Testamento fosse escrita. Antes que S. João escrevesse seu Evangelho, a Igreja católica celebrou seu jubileu de ouro; e S. Paulo poderia dizer que a fé de Cristo tinha sido proclamada por toda parte no mundo”

A primeira referência ao cânon bíblico, como o temos hoje, foi em 367 d.C, numa epístola de Santo Atanásio de Alexandria; santo que escreveu o credo que leva seu nome – credo atanasiano – reconhecido até mesmo por Lutero como grande autoridade doutrinal e incluído pela Igreja Anglicana no ‘Livro de Oração Comum’. Até o séc. IV não havia a mínima concordância de quais seriam os Livros inspirados. Os verdadeiros Evangelhos dividiam espaço com textos gnósticos e heréticos. Além disso raras eram as comunidades que tinham acesso a esses documentos. Todos se confirmavam na fé por meio da adesão oral, conheciam a doutrina cristã através dos ensinamentos proferidos pelos Apóstolos e seus sucessores. Quais os livros eram legitimamente cristãos? Dependiam de onde estivessem. As localidades divergiam na definição das escrituras, algumas acreditavam em livros que depois foram vistos como apócrifos, outras sequer tinham textos dos livros hoje considerados canônicos. Quem duvidaria da apostolicidade e inspiração divina do Pastor de Hermas, Epístola de Barnabé e da Didaché? A leitura desses livros, e de vários outros não-canônicos, era muito comum nas assembléias e nas pregações.

Ora, como então se definiu, se atestou, quais livros eram, de fato, inspirados? Foi uma autoridade externa e extra-bíblica. A lista definitiva dos livros canônicos apareceu no Concílio de Roma (382) e, posteriormente, confirmada nos Concílios de Hipona (393) e Cartago (397). A Sagrada Escritura não veio com um índice, nem o surgimento do seu cânon foi um ato de milagre divino. Os Padres conciliares apenas lançaram mão da Tradição apostólica, aquela que já confirmava os cristãos na fé, a usando como a medida para que assim pudessem endossar a inspiração dos escritos, ao mesmo tempo em que rechaçavam aqueles livros que contradiziam os ensinamentos orais. O próprio Lutero confirmou: “Somos obrigados a reconhecer muitas coisas aos católicos – (como por exemplo), que eles possuem a Palavra de Deus, que nós recebemos deles; de outro modo, não saberíamos nada sobre ela.” [1] Nosso Senhor nos ensinou “Ide, e pregai o Evangelho a toda criatura” (cf. Mt 28,19-20) e não “Ide e difundi as Escrituras”.

Prof. Alessandro Lima, no seu livro Cânon Bíblico, falou que a “atribuição de autoridade divina a um livro, isto é, a definição de sua canonicidade sempre dependeu da autoridade de algo que é exterior ao livro: a Tradição que lhe deu origem (e que portanto lhe é anterior) e o Magistério legitimamente estabelecido por Deus, reconhecido como seu legítimo guardião e difusor.” [2] De fato, o que os protestantes esquecem é que a Sagrada Escritura não fez o cristianismo, foi a Igreja, inspirada pelo Espírito Santo, que criou a Sagrada Escritura. Assim como os israelitas escreviam os textos sagrados quando já viviam a fé monoteísta, os cristãos escreveram os Evangelhos quando já eram crentes. Corinto e Tessalônica já eram cristãs quando São Paulo escreveu suas cartas, Teófilo já professava a fé em Nosso Senhor quando São Lucas o endereçou o Evangelho. A equação feita pelos protestantes é contrária; não foi a Bíblia que criou o cristianismo – afinal quando ainda não havia Escritura já havia fé cristã – mas foi o cristianismo, iluminado com as bençãos do Senhor, que escreveu a Bíblia. A Bíblia não caiu do céu; os livros do Novo Testamento foram escolhidos num Concílio da Igreja Católica, poder magisterial, composto por Padres que acreditavam na Tradição. Os protestantes aceitam esse cânon do Novo Testamento e seguem o cânon do Antigo Testamento definido por um sínodo de fariseus depois da morte de Cristo.

Existem dois grandes intervalos nos primórdios do cristianismo que devem ser levados em conta:

1 – Da ascensão de Cristo aos Céus até o fim da redação da Escritura

2 – Do fim da redação da Escritura até a estruturação do cânon bíblico.

No primeiro momento transcorreram 65 anos para que o último livro da Bíblia fosse acabado em meados do ano 100 d.C. Cristo morreu e ressuscitou por volta do ano 30, já os livros do Novo Testamento foram escritos bem depois; o Evangelho de São Marcos no ano 64; o Evangelho de São Lucas e de São Mateus entre os anos 65 e 80; as cartas de São Paulo entre os anos 51 e 67; o Apocalipse entre os anos 70 e 95. Como os cristãos teriam se mantido até lá? Ademais, mesmo que houvesse Evangelho seria humanante impossível, dentro da realidade tecnológica da época, fazer com que todas as comunidades cristãs – que já existiam mesmo sem Bíblia – tivessem acesso aos textos. O que manteve a fé desse povo senão a Tradição oral?

A outra lacuna ainda é maior. Se trata de uma período de séculos onde textos inspirados dividiam espaço com outros que eram produtos da gnose e da heresia. Até mesmo pensadores do quilate de Santo Atanásio (297-373), São Jerônimo (342-420) e Santo Agostinho (354-430) se fiavam em listas de canonicidade que partiam das crenças especificas de suas localidades – claro que até a definição magisterial. Ou seja, houve uma confusão instaurada na Igreja primordial a respeito da inspiração dos textos. Se a Sagrada Escritura se mantém por si mesma por que a disputa, por que a definição do cânon não ocorreu logo no início, desde que o último texto inspirado foi escrito? Simples, a Sagrada Escritura não era auto-autenticável! Não havia nada nela que sancionasse quais os livros que eram inspirados ou não. Nem mesmo havia assinatura nos Evangelhos. Por exemplo, como saber que foi São Mateus quem escreveu o seu Evangelho? Para nós católicos a Tradição sempre nos informou dessa verdade, por isso sempre acreditamos. Protestantes não só rejeitam a Tradição como acreditam na Sola Scriptura. Ora, apenas a Tradição ou o estudo bíblico-histórico poderiam afirmar que Mateus foi o redator do Evangelho que leva seu nome. As duas formas tratam de conclusões extra-bíblicas e, logicamente, se opõe a doutrina da Sola Scriptura.

O fato é que, na ausência da Tradição e do Magistério, simplesmente não há limites para a imaginação no que concerne à interpretação da Bíblia. Se não existe nenhuma autoridade, para além do indivíduo, que estabeleça qual o verdadeiro sentido e qual a verdadeira interpretação da Escritura Sagrada, então é instaurado o “vale tudo”. Em outras palavras, a teologia liberal (da qual o maior expoente foi o alemão Rudolf Bultmann) é uma conseqüência natural do Sola Scriptura. A pessoa, diante do texto bíblico, na prática se sente à vontade para seguir a interpretação que mais lhe aprouver. E quando perguntamos, por exemplo, a um calvinista “por que é assim e não assado, como ensinam os luteranos?”, ficamos sem resposta… Mas nós podemos dizer, como S. Agostinho diria: “É assim porque a Igreja Católica, com a autoridade que recebeu de Seu Fundador, Nosso Senhor Jesus Cristo, nos ensina que é assim!”. Não é a minha interpretação, nem a de fulano, nem a de beltrano que importa. É a interpretação da Igreja!

Como foi dito no começo do texto, a Sola Scriptura descamba para a teologia liberal, afinal a diversidade de interpretações e compreensões do texto bíblico é incompatível com o caráter inerrante e eterno da própria Escritura. Ora, o relevo que hoje os protestantes dão a ciência é o resultado da incapacidade de estipular uma hermenêutica comum. E por que? Simplesmente a Sagrada Escritura não se sustenta sozinha, a Tradição é essencial para o conhecimento pleno da revelação cristã e para a compreensão dos verdadeiros e perenes ensinos contidos no texto sagrado. O Magistério, por sua vez, tem a incumbência de, sustentado na Sagrada Escritura e na Sagrada Tradição, indicar a única e infalível interpretação da Bíblia. Sem a Tradição a Escritura fica confusa e sem o Magistério seu entendimento é impossível. O protestantismo acreditou na Sola Scriptura como forma de renegar a Tradição, colocaram no lugar desses valiosos e preciosos ensinamentos de Cristo o entendimento humano, com isso carrega em seu âmago um princípio genuinamente subjetivo e individual, desde já fadado ao erro e a confusão. A teologia liberal, se sustentando na ciência e renegando a sobrenaturalidade da Bíblia, apenas surge por ser fruto da Sola Scriptura! Com isso concluímos que o protestantismo, desde as suas origens, fincou as bases do relativismo hermenêutico, relativismo esse que é incompatível com um Livro de caráter Divino e, conseqüentemente, eterno e imutável; o triunfo da interpretação individual, no pensamento reformado, se opõe drasticamente a perenidade da mensagem cristã. O que cremos hoje é o que foi crido ontem e é o que será crido amanhã! No protestantismo o que é crido hoje é diferente do que foi crido ontem e é diferente do que será crido amanhã – além, é claro, das diversas formas de se entender o que crê e no que se crê.

[1] 21. Commentary on John, cap. 16, como citado em Paul Stenhouse, Catholic Ansewrs to “Bible” Christians (Kensington: Chevalier Press, 1993), p. 31.

[2] LIMA, Alessandro. O Cânon Bíblico – A Origem da Lista dos Livros Sagrados. São José dos Campos-SP: Editora COMDEUS, 2007, p. 17.

Qual é o verdadeiro protestantismo vindo da verdadeira hermenêutica bíblica? O protestantismo que usa imagens ou o que as considera idolatria? O protestantismo que venera os santos ou o que acha que são deuses pagãos? O protestantismo que celebra a Ceia – mesmo que simbólica – ou o que acredita que não passa de invenção romana? O protestantismo que valoriza algumas tradições ou aquele que diz vivenciar o tal cristianismo primitivo? São muitos protestantismos originados de um mesmo Livro, um Livro eterno e inerrante que não pode ser interpretado, em hipótese alguma, de diversas maneiras. A Verdade é única, se é contraditória não é Verdade, e se não é Verdade não é Deus!


Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte e o(s) autor(es).


Para citar este artigo:

RAVAZZANO, Pedro. Apostolado Veritatis Splendor: O FALACIOSO PROTESTANTISMO. Disponível em http://www.veritatis.com.br/article/5616. Desde 13/02/2009.

Sermões de S. Antônio: O Bom Cristão segue o exemplo das abelhas.



Os Sermões, de onde se extraiu este trecho aqui apresentado, encontram-se na íntegra em: Sermões Dominicais e Festivos de Santo Antônio. Doutor Evangélico, por Henrique Pinto Ramos (Org.), Editorial Restauração, Lisboa 1970.

O Bom Cristão segue o exemplo das abelhas

Lê-se na história natural que as abelhas pequeninas trabalham sem descanso. Têm asas fininhas e são de cores mais escuras, como se fossem queimadas.

Abelhas pequenas são os bons cristãos sem pretensões que só se ocupam de boas e úteis obras, de forma que o diabo não os encontra nunca de mãos vazias ou desocupadas.

Têm asas finas, isto é, desprezam as vaidades e os prazeres do mundo e se inflamam de amor pelo Reino Celestial. Com essas asas sobem alto, voando livres no ar puro, com o coração fixo na Glória de Deus.

As abelhas trabalhadeiras são de cor escura, como se fossem queimadas. A respeito disto, a alma cristã exclama no Cântico dos Cânticos (1.5-6): "Sou morena, mas formosa, ó filhas de Jerusalém, sou como as tendas de Cedar, como os pavilhões de Salomão. Não repareis na minha tez morena, pois foi o sol que me queimou!" Oh! anjos do céu, oh! almas santas, sou morena porque as abstinências, os jejuns, as vigílias e outras penitências me tomaram assim. Porém, sou bela na alma pela pureza da mente e pela integridade da fé. Sou morena como as tendas de Cedar, que quer dizer nômade; habito de fato em tendas móveis que se transportam de um lugar para o outro, das quais os soldados atacam ou nas quais são atacados, "porque não temos aqui embaixo nenhuma cidade permanente, andamos em busca da que há de vir" (Hb 13,14).

Não deis importância ao fato de eu ser morena, pois sou morena porque o sol me queimou. O sol em eclipse descora todas as coisas. Assim Jesus Cristo, o verdadeiro sol, "que conheceu seu ocaso" (SI 103,19) quando na cruz padeceu o eclipse da morte, deixou a atração das vaidades, as falsas glórias, todas as honras mundanas.

Por isso, a alma cristã pode afirmar com razão: "Sim, sou morena, minha pele é escura, o sol me queimou". Enquanto, com efeito, com os olhos da fé eu contemplo a meu Deus, meu esposo, meu Jesus, pregado na cruz, atravessado por cravos, alimentado com fel e vinagre, e coroado de espinhos, toda a beleza, toda a glória, toda a honra, toda a pompa mundana empalidece a meus olhos e perde todo o valor... Eis aqui, estas são as abelhas pequenas e escuras, como se fossem queimadas. Assim pensam e atuam os verdadeiros cristãos.

Abelhas de bela aparência são ao contrário todos os cristãos inautênticos e todos os que não sabem fazer outra coisa senão agitar aos quatro ventos as falsas credenciais de sua falsa honestidade e bondade, enquanto na realidade são somente sepulcros, de aparência bela e solene, porém cheios por dentro de podridão e ossos ressequidos...

As tentações do maligno atacam especialmente aquelas pessoas honestas e virtuosas que, quando percebem que não agiram corretamente, logo reconhecem suas culpas e se apressam a confessá-las e a fazer uma justa reparação. E aí, então, que na consciência dessas pessoas retas o maligno procura penetrar e instalar-se com o fim de transtornar sua sensibilidade moral. O bom cristão, porém, sabe opor-se com todas as forças a esses intentos e nunca permitir que tal projeto se realize.

Os bons cristãos deveriam seguir o exemplo das abelhas. Diz-se que as abelhas se colocam com todo o cuidado nos buracos da entrada da colméia e, na eventualidade de que algum bichinho consiga entrar, elas não o deixam em paz e o perseguem por todos os lados até expulsá-lo para fora da colméia.

O nome em latim das abelhas parece derivar do fato de que elas se entrelaçam entre si por melo das patinhas as quais, no entanto, elas não possuem no momento do nascimento. Por isso é que se chamam "apes", isto é, "sem pés". Os cristãos também se encontram unidos entre si por sentimentos de caridade, de recíproco amor. Esta, porém, não é uma prerrogativa natural; até São Paulo (cf. Ef 2,3) afirma que "somos destinados por natureza à cólera". É, antes, um dom gratuito depositado em seus corações por Deus.

Como as colméias, assim são os nossos corpos: possuem cinco entradas que são os cinco sentidos. Entre estes, de especial importância são os olhos com os quais temos que vigiar atentamente para que não penetre em nós algo estranho e turvo. Se alguma sugestão diabólica ou algum instinto perverso perturbar nosso espírito, não devemos de jeito nenhum e por nenhum motivo permitir que permaneça por muito tempo em nós. Com efeito, sua demora transforma-se em perigo e, assim o afirmam os moralistas, um pensamento mau, conservado com complacência, já constitui uma falta mortal. Portanto, logo que a consciência adverte que o pensamento está indo para o ilícito e não o afasta, está permitindo que se forme o assim chamado pensamento mau cultivado.

Como as abelhas, assim o bom cristão deve movimentar-se prontamente e, com o ferrão de sua boa consciência e da oração, tem que perseguir sem se cansar os intrusos até expulsá-los para fora da colméia do seu coração. (Dom. III in Quadr. 153, 27155, 10).

FONTE: WWW.FRANCISCANOS.ORG.BR

Carta Aberta aos Católicos Perplexos, do Mons. Marcel Lefebvre.


MONS. MARCEL LEFEBVRE
CARTA ABERTA AOS CATÓLICOS PERPLEXOS

“Série Cadernos PERMANÊNCIA”

“A ordem social cristã se situa no oposto das teorias marxistas que jamais causaram,
em todas das partes do mundo onde foram postas em prática, senão a miséria, o
esmagamento dos mais fracos, o desprezo do homem e a morte...”
“Esta ordem cristã se distingue, com toda a certeza também, dos regimes liberais
fundados na separação da Igreja e do Estado e cuja impotência em superar as crises se afirma cada vez mais. Como o poderiam após estarem voluntariamente privados d'Aquele que é a luz dos homens? Como poderiam reunir as energias dos cidadãos, uma vez que não têm mais outro ideal a propor-lhes, senão o bem estar e o conforto? Eles puderam entreter a ilusão durante certo tempo porque os povos conservavam hábitos de
pensamento cristãos e seus dirigentes mantinham mais ou menos conscientemente
alguns valores. “Na época das “reconsiderações”, as referências implícitas à vontade de Deus desaparecem; os sistemas liberais abandonados a si mesmos não sendo mais
acionados por alguma idéia superior, extenuam-se, tornando-se uma presa fácil para as ideologias subversivas. Há vinte anos, o liberalismo conquistou também a Igreja e é por isso que os católicos estão perplexos. Nova missa, nova teologia dos sacramentos, novo catecismo, novo direito canônico... É uma nova religião que se instala?”
Dom Lefebvre responde a esta pergunta com uma lógica impecável apoiando-se no
ensinamento constante da Igreja que não pertence ao passado e que não é perecível
pois: “não há aqui nem passado, nem presente, nem futuro, a Verdade é de todos os
tempos, ela é eterna.”

Edição fora de comércio
Feita por Editora Permanência
Rua Cosme Velho, 1204
Rio de Janeiro

Traduzido do original
francês por João Carlos
Cabral de Menedozas.
Direitos reservados
à Editions Albin Michel
22, Rue Huyghent 75014 - Paris


I
Que os católicos deste final do século XX estejam perplexos, quem o negará? Que o
fenômeno seja relativamente recente, correspondendo aos vinte últimos anos da História da Igreja, basta observar o que sucede para estar persuadido disto. Há pouco tempo, o caminho estava inteiramente traçado; ou se seguia ou não. Tinha-se a fé, ou então se tinha perdido, ou ainda jamais se tivera. Mas quem a possuía, quem havia entrado na santa Igreja pelo batismo, renovado suas promessas pela idade de onze anos, recebido o Espírito Santo no dia de sua confirmação, este sabia o que devia crer e o que devia fazer.
Hoje, muitos não mais o sabem. Ouvem-se nas igrejas tantos ditos estarrecedores,
lêem-se tantas declarações contrárias ao que tinha sido sempre ensinado, que a dúvida se insinuou nos espíritos.
No dia 30 de junho de 1968, encerrando o Ano da Fé, S.S. Paulo VI fazia, diante de
todos os bispos presentes em Roma e de centenas de milhares de fiéis uma profissão de fé católica. Em seu preâmbulo, ele prevenia cada um deles contra os danos causados à doutrina pois, dizia, “seria engendrar, como infelizmente se vê hoje, a perturbação e a perplexidade de muitas almas fiéis”.
A mesma palavra se encontra numa alocução de S.S. João Paulo II a 6 de fevereiro
de 1981: “Os cristãos de hoje em grande parte, se sentem perdidos, confusos, perplexos e mesmo decepcionados.” O Santo Padre resumia as causas deste fato da seguinte maneira:
“De todos os lados espalharam-se idéias que contradizem a verdade que foi
revelada e sempre ensinada. Verdadeiras heresias foram divulgadas nos domínios do
dogma e da moral, suscitando dúvidas, confusão, rebelião. A própria liturgia foi violada.
Mergulhados num ”relativismo” intelectual e moral, os cristãos são tentados por um
iluminismo vagamente moralista por um cristianismo sociológico, sem dogma definido e
sem moralidade objetiva.” Esta perplexidade se manifesta a todo o instante nas
conversas, nos escritos, nos jornais, nas emissões radiofônicas ou televisionadas, no comportamento dos católicos, traduzindo-se este último numa diminuição considerável da prática como o testemunham as estatísticas, uma desafeição relativamente à missa e aos sacramentos, um relaxamento geral dos costumes.
Foi-se levado a perguntar, por conseguinte, o que provocou um tal estado de coisas.
A todo efeito corresponde uma causa. É a fé dos homens que diminuiu, por um eclipse da generosidade da alma, um apetite de gozo, uma atração pelos prazeres da vida e pelas múltiplas distrações que oferece o mundo moderno? Não são estas as verdadeiras
razões, elas sempre existiram dum modo ou de outro; a queda rápida da prática religiosa provém antes do espírito novo que se introduziu na Igreja e que lançou a suspeita sobre um passado inteiro de vida eclesiástica, de ensino e de princípios de vida. Tudo isto se fundava sobre a fé imutável da Igreja, transmitida pelos catecismos que eram reconhecidos por todos os episcopados.
A fé se estabelecia sobre certezas. Abalando-as, semeou-se a perplexidade.
Tomemos um exemplo: a Igreja ensinava — e o conjunto dos fiéis acreditava — que
a religião católica era a única verdadeira. Com efeito, ela foi fundada pelo próprio Deus, enquanto que as outras religiões são obra dos homens. Em conseqüência disto o cristão deve evitar toda relação com as falsas religiões e de outra parte, fazer tudo para trazer os seus adeptos à religião de Cristo.
Isto é ainda verdadeiro? Com toda a segurança. A verdade não pode mudar, senão
jamais teria sido verdade. Nenhum dado novo, nenhuma descoberta teológica ou
científica — se é que podem existir descobertas teológicas — jamais fará com que a
religião católica não seja mais o único caminho da salvação.
Mas eis que o próprio papa assiste a cerimônias religiosas destas falsas religiões,
reza e prega nos templos de seitas heréticas. A televisão espalha no mundo inteiro as imagens destes contatos estarrecedores. Os fiéis não compreendem mais.
Lutero — e eu tornarei a isto nas páginas que seguem — separou da Igreja povos
inteiros, transtornou a Europa espiritual e politicamente, arruinando a hierarquia católica, o sacerdócio católico, inventando uma falsa doutrina da salvação, uma falsa doutrina dos sacramentos. Sua revolta contra a Igreja será o modelo seguido por todos os futuros revolucionários que lançarão a desordem na Europa e no mundo. É impossível, quinhentos anos mais tarde, fazer dele, como alguns quereriam, um profeta ou um doutor da Igreja, quando não um santo.
Ora, se eu leio a Documentation Catholique1 ou as revistas diocesanas, encontro
escrito aí, pela pena da Comissão mista católico-luterana, oficialmente reconhecida pelo Vaticano I: “Entre as idéias do concílio Vaticano II, onde se pode ver um acolhimento dos postulados de Lutero, se acham por exemplo:
— a descrição da Igreja como “Povo de Deus” (idéia mestra do novo direito
canônico: idéia democrática e não mais hierárquica);
— o acento colocado sobre o sacerdócio de todos os batizados;
— o compromisso em favor do direito da pessoa à liberdade em matéria de religião.
Outras exigências que Lutero tinha formulado em seu tempo podem ser
consideradas como sendo satisfeitas na teologia e na prática da Igreja de hoje: o emprego da língua vulgar na liturgia, a possibilidade da comunhão sob as duas espécies e a renovação da teologia e da celebração da Eucaristia.”
Que confissão considerável! Satisfazer às exigências de Lutero, que se mostrou o
inimigo resoluto e brutal da missa e do papa! Dar acolhimento aos postulados do
blasfemador que dizia: “Eu afirmo que todos os lupanares, os homicídios, os roubos, os adultérios são menos maus que esta abominável missa!” Desta reabilitação tão aberrante se pode tirar senão uma conclusão: ou se deve condenar o concílio Vaticano II que a autorizou, ou se deve condenar o concílio de Trento e todos os papas que, desde o século XVI, declararam o protestantismo herético e cismático.
Compreende-se que diante de uma tal reviravolta os católicos estejam perplexos.
Mas eles têm tantos motivos de o estar! No decurso dos anos presenciaram a
transformação do fundo e da forma das práticas religiosas que os adultos tinham
conhecido na primeira parte de sua vida. Nas igrejas, os altares foram destruídos ou
mudados de destino em proveito de uma mesa, freqüentemente móvel ou encaixada. O
tabernáculo não ocupa mais o lugar de honra, na maior parte das vezes; foi dissimulado sobre um sustentáculo e posto ao lado: onde ele ficou no centro o sacerdote ao rezar a missa, lhe volta as costas. Celebrante e fiéis face a face, dialogando em conjunto.
Qualquer um pode tocar os vasos sagrados, freqüentemente substituídos por cestos,
pratos, tigelas de louç a; leigos, inclusive mulheres, distribuem a comunhão que se recebe na mão. O Corpo de Cristo é tratado com uma falta de reverência que insinua a dúvida sobre a realidade da transubstanciação.
Os sacramentos são administrados dum modo que varia conforme os lugares;
tomarei como exemplos a idade do batismo e da confirmação, o da bênção nupcial

1 La Documentation Catholique, 3 de julho de 1983, n.º 1085, pp. 696-697.

acompanhada de cantos e de leituras que nada têm a ver com a liturgia, tomadas de
empréstimo a outras religiões ou de uma literatura decididamente profana, quando não
exprimem simplesmente idéias políticas.
O latim, língua universal da Igreja, e o gregoriano desapareceram de um modo
quase geral. A totalidade dos cânticos foi s ubstituída por cantigas modernas, nas quais não é raro encontrar os mesmos ritm os que os dos lugares de prazer.
Os católicos ficaram surpresos também pelo brusco desaparecimento do hábito
eclesiástico, como se os sacerdotes e as religiosas tivessem vergonha de aparecer com tais.
Os pais que enviam seus filhos ao catecismo verificam que não mais se lhes
ensinam as verdades da fé, mesmo as mais elementares: a Santíssima Trindade, o
mistério da Encarnação, a Redenção, o pecado original, a Imaculada Conceição. Daí se
origina um sentimento de profunda confusão: tudo isto não é mais verdade, está caduco, “ultrapassado”? As próprias virtudes cristãs não são mais mencionadas; em que manual de catequese, por exemplo, se fala da humildade, da castidade, da mortificação? A fé se tornou um conceito flutuante, a caridade uma espécie de solidariedade universal e a esperança é sobretudo a es perança num mundo melhor.
Tais novidades não são aquelas que, na ordem humana, aparecem com o tempo, às
quais nos habituamos, a que assimilamos depois de um primeiro período de surpresa e
de hesitação. No decorrer da vida de um homem, muitas maneiras de comportamento se
transformam; se eu fosse ainda missionário na África dirigir-me-ia para lá de avião e não mais de navio quando não fosse senão pela dificuldade de encontrar uma companhia marítima que fizesse ainda o trajeto. Neste sentido pode-se dizer que é preciso viver com seu tempo e ademais se está obrigado a isso.
Mas os católicos aos quais se quis impor novidades na ordem espiritual e
sobrenatural em virtude do mesmo princípio, compreenderam bem que isto não era
possível. Não se muda o Santo Sacrifício da Missa, os sacramentos instituídos por Jesus Cristo, não se muda a verdade revelada uma vez por todas, não se substitui um dogma por outro.
As páginas que vão seguir quereriam responder às questões que vós vos pondes,
vós que conhecestes uma outra face da Igreja. Elas quereriam também esclarecer os
jovens nascidos depois do concílio e aos quais a comunidade católica não oferece o que eles têm direito de esperar dela. Desejaria, enfim, dirigir-me aos indiferentes ou aos agnósticos que a graça de Deus tocará num dia ou noutro mas que correm o risco de encontrar então igrejas sem sacerdotes e uma doutrina que não corresponde às aspirações de sua alma.
E ademais é com toda a evidência, uma questão que interessa a todo o mundo, se
se julga pelo interesse que nisto demonstra a imprensa de informação geral, em particular
em nosso país. Os jornalistas também dão mostras de perplexidade. Alguns títulos ao
acaso: “O cristianismo vai morrer?”, “Haverá ainda sacerdotes no ano 2000?”
A estas perguntas eu quero responder, não trazendo de minha parte teorias novas,
mas me referindo à Tradição ininterrupta e entretanto tão abandonada nestes anos que a muitos leitores ela aparecerá como qualquer coisa de novo.


II
Preciso dissipar logo de início um mal-entendido, de maneira a não ter mais que
retornar ao assunto: eu não sou um chefe de movimento, muito menos o chefe de uma
Igreja particular. Não sou, como não cessam de escrever, “o chefe dos tradicionalistas”.
Chegou-se a qualificar certas pessoas de “lefevristas” como se se tratasse de um
partido ou de uma escola. É um abuso de linguagem.
Não tenho doutrina pessoal em matéria religiosa. Eu me ative toda a minha vida ao
que me foi ensinado nos banc os do seminário francês de Roma, a saber, a doutrina
católica segundo a transmissão que dela fez o magistério de século em século, desde a morte do último apóstolo, que marca o fim da Revelação.
Não deveria haver nisso um alimento próprio a satisfazer o apetite do sensacional
que experimentam os jornalistas e através deles a opinião pública atual. No entanto, toda a França ficou em alvoroço no dia 29 de agosto de 1976 ao saber que eu ia rezar missa em Lille. Que haveria de extraordinário no fato de um bispo celebrar o Santo Sacrifício?
Tive de pregar diante de uma platéia de microfones e cada um de meus ditos era saudado como uma declaração retumbante. Mas que dizia eu a mais do que poderia dizer qualquer outro bispo? Ah, eis aí a chave do enigma: os outros bispos, desde um certo número de anos, não diziam mais as mesmas coisas. Ouviste-os freqüentemente falar do reinado social de Nosso Senhor Jesus Cristo, por exemplo?
Minha aventura pessoal não cessa de me surpreender: estes bispos, na sua maioria,
foram meus condiscípulos em Roma, formados do mesmo modo. E eis que
repentinamente eu me encontrava inteiramente só. Eles tinham mudado, renunciavam ao
que tinham aprendido. Eu, que nada tinha inventado, continuava o mesmo. O cardeal
Garrone chegou a dizer-me num dia: “Enganaram-nos, no seminário francês de Roma.”
Enganaram-nos em quê? Não hav ia ele, antes do concílio, feito as crianças de seu
catecismo recitar milhares de vezes, o ato de fé: “Meu Deus, eu creio firm emente em
todas as verdades que revelastes e que nos ensinais por meio de Vossa Igreja, porque
Vós não podeis nem Vos enganar nem nos enganar”?
Como todos estes bispos puderam metamorfosear-se desta maneira? Vejo uma
explicação no seguinte: eles permaneceram na França, deixaram-se infectar lentamente.
Na África eu estava protegido. Regressei justamente no ano do concílio; o mal já estava feito. O Vaticano II não fez mais do que abrir as comportas que retinham a onda destruidora.
Num abrir e fechar de olhos, antes mesmo do encerramento da quarta sessão,
sucedia a derrocada. Tudo ou quase tudo ia ser levado de roldão e, para começar, a
prece. O cristão, que tem o sentido e o respeito de Deus, fica chocado pela maneira como o fazem rezar hoje em dia. Qualificaram-se de “repetições enfadonhas” as fórmulas aprendidas de cor, não mais as ensinam às crianças, elas não figuram nos catecismos, à exceção do Padre-Nosso, numa nova versão de inspiração protestante que obriga ao tratamento por tu. Tratar a Deus por tu de um modo sistemático não é sinal de uma grande reverência e não salienta o gênio de nossa língua que nos oferece um tratamento diferente, conforme nos dirigimos a um superior, a um parente, a um companheiro. Neste mesmo Padre-Nosso post-conciliar, pede-se a Deus que não nos “submeta à tentação”, expressão pelo menos equívoca, ao passo que nossa tradução francesa tradicional constitui um aperfeiçoamento em relação à fórmula latina calcada bastante e inabilmente no hebraico. Que progresso houve aí? O tratamento por tu invadiu o conjunto da liturgia vernácula; o novo missal dos domingos o emprega dum modo exclusivo e obrigatório, sem que se vejam as razões de uma tal mudança tão contrária aos costumes e à cultura franceses.
Fizeram-se testes nas escolas católicas com crianças de doze e treze anos. Só
alguns sabiam de cor o Padre-Nosso, em francês, naturalmente, outros poucos a sua Ave Maria. Com cerca de uma ou duas exceções, estas crianças ignoravam o Símbolo dos
Apóstolos, o “Eu pecador”, os atos de fé, de esperança, de caridade e de contrição, o “Angelus”, o “Lembrai-vos”... Como saberiam ele tudo isto, uma vez que a maior parte nem mesmo jamais ouviu falar deles? A oração deve ser “espontânea”; é preciso falar a Deus sem preparação, diz-se agora, e se desdenha a maravilhosa pedagogia da Igreja que cinzelou todas estas preces às quais os maiores santos recorreram.
Quem encoraja ainda os cristãos a fazer a oração da manhã e da noite em família, a
recitar o “Benedicite” e as “Graças”? Soube que em numerosas escolas católicas não se quer mais rezar no início das aulas tomando como pretexto que existem alunos não
crentes ou pertencentes a outras religiões e que não se deve chocar sua consciênc ia nem ostentar sentimentos triunfalistas. Dão-se congratulações por acolher nestas escolas uma grande maioria de não-católicos e mesmo de não-cristãos e por nada fazer para conduzi-los a Deus. Os alunos católicos, estes, devem ocultar sua fé sob o pretexto de respeitar as opiniões de seus colegas.
A genuflexão não é mais praticada a não ser por um número restrito de fiéis; foi
substituída por uma inclinação de cabeça ou, às mais das vezes, por absolutamente
nada. Entra-se numa igreja e senta-se. A mobília foi trocada, os genuflexórios
transformados em lenha, em muitos lugares se colocaram poltronas idênticas às das
salas de espetáculo, o que per mite de resto, instalar mais confortavelmente o público, enquanto que as igrejas são utilizadas para concertos. Citou-se-me o caso duma capela do Santíssimo Sacramento, numa grande paróquia parisiense, onde um certo número de pessoas, que trabalhavam nos arredores, vinha fazer uma visita na hora do almoço. Um dia ela foi fechada por causa de trabalhos; quando reabriu suas portas, os genuflexórios tinham desaparecido, sobre uma moqueta confortável haviam disposto bancos estofados e muito fofos de um preço certamente elevado e comparáveis aos que se podem encontrar no vestíbulo das grandes sociedades ou das companhias aéreas. O
comportamento dos fiéis mudou logo; uns se punham de joelhos sobre a moqueta, mas a
maior parte se instalava comodamente e meditava de pernas cruzadas diante do
tabernáculo. Havia certamente no espírito do clero desta paróquia uma intenção; não se fazem arranjos custosos sem refletir no que se pratica. Verifica-se uma vontade de modificar as relações do homem com Deus no sentido da familiaridade, da desenvoltura, como se se tratasse com Ele de igual para igual. Como se persuadir, se se suprimem os gestos que materializam a “virtude de religião”, de que se está na presença do Criador e do Soberano Senhor de todas as coisas? Não se corre também o risco de diminuir o sentimento de Sua Presença real no tabernáculo?
Os católicos estão outrossim desorientados pela idéia preconcebida de banalidade e
mesmo de vulgaridade que se lhes impõe nos lugares de culto, dum modo sistemático.
Taxou-se de triunfalismo tudo o que concorria para a beleza dos edifícios e para o
esplendor das cerimônias. A decoração deve aproximar-se do c enário quotidiano, do
“vivido”. Nos séculos de fé se oferecia a Deus o que se possuía de mais precioso; é na da vila que se podia ver o que justamente não pertencia ao universo quotidiano:
peças de ourivesaria, obras de arte, tecidos finos, rendas, bordados, estátuas da
Santíssima Virgem coroada de jóias. Os cristãos faziam sacrifícios financeiros para honrar o Altíssimo com o que tinham de melhor. Tudo isto concorria para a oração, ajudava a alma a elevar-se; é um proceder natural ao homem: quando os reis magos se dirigiram ao pobre presépio de Belém, eles levaram ouro, mirra e incenso. Brutalizam-se os católicos fazendo-os rezar numa ambiência trivial, em “salas polivalentes” que não se distinguem de nenhum outro lugar público, ficando às vezes mesmo aquém deste. Aqui e ali, abandona-se uma magnífica igreja gótica ou românica para construir ao lado uma espécie de hangar despojado e triste, ou então se organizam “eucaristias domésticas” em salas de refeição e até em cozinhas. Falou-se-me de uma destas, celebrada na residência de um defunto na presença de sua família e de seus amigos; após a cerimônia, tirou-se o cálice e, sobre a mesma mesa, coberta com a mesma toalha, se preparou uma refeição.
Durante este tempo, a algumas centenas de metros, os pássaros estavam sós a cantar os louvores do Senhor, em torno da igreja do século XIII ornada de vitrais magníficos.
Aqueles dentre vós, leitores, que conheceram o anteguerra, se recordam certamente do
fervor das procissões de Corpus-Christi, com os múltiplos altares, os cantos, os turíbulos, o ostensório resplandecente levado pelo sacerdote à luz do sol, debaixo do pálio bordado a ouro, os estandartes, as flores, as campainhas. O sentido de adoração nascia na alma das crianças e nela se incrustava para toda a vida. Este aspecto primordial da oração parece muito negligenciado. Falar-se-á ainda da evolução necessária, dos novos hábitos
de vida? Os embaraços do trânsito de veículos não impedem as manifestações de rua, os que delas participam não experimentam nenhum respeito humano para exprimir suas
opiniões políticas ou suas reivindicações justas ou não. Por que somente Deus seria
posto de lado? Por quê apenas os cristãos deveriam abster-se de render-Lhe o culto
público que Lhe é devido? O desaparecimento quase total na França das procissões não tem por origem uma desafeição dos fiéis. Ele foi prescrito pela nova pastoral que, não obstante, avança sem cessar a pesquisa duma “participação ativa do Povo de Deus”. Em 1969 um pároco de Oise era destituído por seu bispo depois de ter recebido a proibição de organizar a procissão tradicional de Corpus Christi; mesm o assim a procissão se realizou e atraiu duas vezes mais pessoas do que a vila possuía de habitantes. Dir-se-á que a nova pastoral, aliás em contradição neste ponto, com a Constituição conciliar sobre a Santa Liturgia, se afina com as aspirações profundas dos cristãos que se mantêm apegados a tais formas de piedade?
Em troca, o que se lhes propõe? Pouca coisa, pois o serviço do culto se reduziu
rapidamente. Os padres não celebram mais o Santo Sacrifício todos os dias, e
concelebram o resto do tempo, o número das missas diminuiu em grandes proporções.
No campo é praticamente impos sível assistir à missa durante a semana; no domingo é
necessário tomar uma condução para se dirigir à localidade à qual cabe a vez de receber o sacerdote do “setor”. Numerosas igrejas da França foram definitivamente fechadas, outras não se entreabrem senão algumas vezes por ano. Como a isto se acrescentava a crise de vocações, ou antes a crise do acolhimento que lhes é dado, a prática religiosa se tornou mais difícil de ano para ano. As grandes cidades são, em geral, melhor servidas, mas na maior parte do tempo é impossível comungar, por exemplo nas primeiras sextas-feiras ou nos primeiros sábados do mês. Não se deve mais pensar, naturalmente, em
missa diária; em muitas paróquias citadinas elas se celebram por encomenda, para um
grupo determinado em hora combinada com ele e de tal sorte que o transeunte ao entrar casualmente se sente estranho a uma celebração recheada de alusões às atividades e à vida do grupo. Lançou-se o descrédito sobre o que se chamou de celebrações individuais em oposição às celebrações comunitárias; na realidade, a comunidade se fragmentou em pequenas células; não é raro verem-se sacerdotes celebrar em casa de um cristão comprometido em atividades de ação católica ou em outras, na presença de alguns militantes. Ou então o horário do domingo de manhã se encontra repartido entre as diferentes comunidades lingüísticas: missa portuguesa, missa francesa, missa espanhola... Numa época onde as viagens ao estrangeiro se multiplicaram, os católicos são levados a assistir a missas nas quais eles não compreendem uma palavra sequer, e isto ainda que se lhes faça entender que não é possível rezar sem “participar”. Como fariam eles?
Não mais missas ou então muito poucas, não mais procissões, não mais visitas ao
Santíssimo Sacramento, não mais vésperas... A oração em comum foi reduzida à sua
expressão mais simples. Mas quando o fiel superou as dificuldades de horários e de
deslocamentos, que encontra ele para matar sua sede espiritual? Falarei mais adiante da liturgia e das graves alterações que ela sofre, mantenhamo-nos por agora mais no
exterior das coisas, nas formas desta oração comum. Muito freqüentemente o clima das
“celebrações” choca o senso religioso dos católicos. É a intrusão dos ritmos profanos com todas as espécies de instrumentos de percussão, a guitarra, o saxofone. Um músico responsável pela música sagrada numa diocese do norte da França escrevia, apoiado por numerosas personalidades eminentes do mundo musical: “A despeito das apelações correntes, a música destes cantos não é moderna: este estilo musical não é novo, mas se praticava em lugares e ambientes muito profanos (cabarés, “music-hall”, freqüentemente por danças mais ou menos lascivas expressas ridic ulamente com nomes estrangeiros)... foi-se levado ao balanceio, ou “swing”: todos têm o desejo de se agitar. Eis aí uma “expressão corporal” certamente estranha à nossa cultura ocidental, pouco favorável ao recolhimento e cujas origens são turvas... Na maior parte do tempo nossas assembléias, que já experimentam tanta aflição por não se igualarem aos negros e aos cambaios numa medida de 6/8, não respeitam o ritmo exato, e a bateria falha: então não se tem mais o desejo de se agitar, mas o ritmo se torna informe e faz acentuar ainda mais a pobreza habitual da linha melódica.”
Como fica a oração nisto tudo? Felizmente parece que em mais de um lugar se
voltou a costumes menos bárbaros. Então se é submetido, se se quer cantar, às
produções dos organismos oficiais especializados na música de igreja, pois não é questão de utilizar a maravilhosa herança dos séculos passados. As melodias habituais, sempre
as mesmas, são de uma inspiração muito medíocre. Os trechos mais elaborados,
executados por corais, se ressentem da influência profana, excitam mais a sensibilidade do que penetram na alma, como faz o cantochão; as palavras inventadas de todas as peças com um vocabulário novo, como se um dilúvio tivesse destruído, há uma vintena de anos, todos os antifonários nos quais, mesmo querendo fazer coisa nova, se se poderia ter inspirado, adotam o estilo do momento e logo saem da moda, não são mais compreensíveis depois de um espaço de tempo muito curto. Inumeráveis discos destinados à “animação” das paróquias difundem paráfrases de salmos, que se têm aliás como tais e que suplantam o texto sagrado de ins piração divina. Por que não cantar os próprios salmos?
Apareceu uma novidade há pouco tempo: cartazes afixados na entrada das igrejas
diziam: “Para louvar a Deus, batei palmas.” Então, no decurso da celebração, a um sinal do animador, os assistentes levantam os braços acima da cabeça e batem palmas em cadência, com entusiasmo, produzindo um estrépito insólito no recinto do santuário. Este gênero de inovação, sem ligações com nossos hábitos mesmo profanos, que tenta implantar um gesto artificial na liturgia, sem dúvida não terá futuro; ele contribui não obstante, para desencorajar os católicos e aumenta a sua perplexidade. Poderíamos abster-nos de freqüentar as “Gospel Nights”, mas que fazer quando estas práticas desoladoras se apoderam das raras missas de domingo?
A pastoral de conjunto, segundo o termo adotado, constrange o fiel a gestos novos,
cuja utilidade ele não percebe, que vão contra a sua natureza. É preciso, antes de
qualquer coisa, que tudo se faça de maneira coletiva, com mudanças de palavra,
mudanças de evangelho, mudanças de objetivos, com apertos de mão. O povo segue
relutando, como demonstram as cifras; as últimas estatísticas acusam uma nova baixa,
entre 1977 e 1983, na freqüência à Comunhão, enquanto que a oração pessoal conhece
uma ligeira ascensão.2 A pastoral de conjunto portanto, não conquistou o povo católico.
Eis o que leio num boletim paroquial da região parisiense:
“Há dez anos, a missa das nove e meia possuía, de vez em quando, um estilo um
pouco particular, no sentido de que a proclamação do Evangelho era seguida de uma
troca pela qual os fiéis se reenc ontravam em grupos de uma dezena. De fato, na primeira vez que se tentou uma tal celebração, 69 pessoas constituíram grupos de troca, 138 ficaram à parte. Poder-se-ia pensar que com a ajuda do tempo, este fato se iria modificando. Não aconteceu nada disso.” A equipe paroquial organizou então uma reunião para saber se continuariam ou não as “missas com troca”. Compreende-se que, tendo dois terços dos paroquianos resistido até então às novidades post-conciliares, não tenham sido encantados por estas conversas improvisadas em plena missa. Como é difícil ser católico hoje! A liturgia francesa, mesmo sem “troca”, atordoa os assistentes sob um fluxo de palavras, muitos se
queixam de não poder rezar durante a missa. Então, quando rezarão eles?
Os cristãos desconcertados vêem propor-se-lhes receitas que são sempre
aprovadas pela hierarquia contanto que elas se afastem da espiritualidade católica. O yoga e o zen são as mais estranhas. Orientalismo desastroso que coloca a piedade em caminhos falsos, pretendendo conduzir a uma “higiene da alma”. Quem falará também
dos danos da express ão corporal, degradação da pess oa ao mesmo tempo que exaltação
do corpo, contrária à elevação para Deus? Estas modas novas introduzidas até nos
mosteiros de contemplativos, com muitas outras, são extremamente perigosas e dão
razão àqueles que ouvimos dizer: “Mudam a nossa religião.”

2 Sondagem MADAME FIGARO/SOFRES, setembro de 1983.
A primeira pergunta feita era: Comungais uma vez por semana ou mais?
Uma vez por mês, mais ou menos? O que responde mais ou menos à assistência à missa, visto que todos hoje comungam.
As respostas afirmativas passaram de 16% a 9%.

III
Tenho debaixo dos olhos fotografias publicadas por jornais católicos e que
representam a missa tal como ela é rezada com bastante freqüência. A respeito da
primeira, eu tenho dificuldade em compreender de qual momento do Santo Sacrifício se
trata. Atrás de uma mesa ordinária de madeira que não tem aspecto muito conveniente,
sem qualquer toalha a cobri-la, dois personagens de paletó e gravata elevam ou
apresentam, um deles um cálice, o outro um cibório. A legenda me diz que são
sacerdotes, dos quais um é capelão federal da Ação católica. Do mesmo lado da mesa,
junto do primeiro celebrante, duas moças de calças compridas; junto do segundo, dois
rapazes de camisa esportiva. Uma guitarra está apoiada num tamborete.
Outra fotografia: a cena se passa no canto de um compartimento que poderia ser a
sala de um centro de jovens. O padre está de pé, com um hábito branco de Taizé diante de um banco de vaqueiro que serve de altar; vê-se uma grande tigela de argila e um pequeno copo do mesmo material, bem como dois cotos de vela acesos. Cinco jovens vestidos de tailleurs estão sentados no chão, e um deles dedilha a guitarra.
Terceira foto, referente a um acontecim ento ocorrido há alguns anos: a vigilância
marítima de alguns ecologistas que queriam impedir as experiências atômicas francesas na ilhota de Mururoa. Há entre eles um sacerdote que celebra a missa na coberta do barco, em companhia de dois outros homens. Todos os três estão de short,
apresentando-se um deles, de resto, com o peito nu. O padre ergue a hóstia, sem dúvida para a elevação. Ele não está nem de pé nem ajoelhado, mas sentado ou antes recostado numa super-estrutura da embarcação.
Um traço comum se depreende destas imagens escandalosas: a Eucaristia foi
rebaixada ao nível dum ato corr iqueiro, na vulgaridade do ambiente, dos instrumentos utilizados, das atitudes, dos trajes. Ora, as revistas ditas católicas, vendidas nos mostruários das igrejas não apresentam mais estas fotografias para criticar tais maneiras de proceder mas ao contrário, para recomendá-las. La Vie julga mesmo que isso não é suficiente. Utilizando, conforme o seu hábito, trechos de cartas de leitores para dizer o que ela pensa sem se comprometer, escreve: “A reforma litúrgica deveria ir mais longe...
As repetições desnecessárias, as fórmulas sempre repisadas, toda esta ordenação freia uma verdadeira criatividade.” O que deveria ser a missa? O seguinte: “Nossos problemas são múltiplos, nossas dificuldades crescem e a Igreja parece estar ausente.
Freqüentemente se sai da missa enfadado; há como um deslocamento entre nossa vida,
nossas preocupações do momento, e o que se nos propõe a viver no domingo.”
Certamente se sai enfadado duma missa que se esforçou em descer ao nível dos
homens em lugar de elevá-los para Deus e que mal compreendida, não permite superar
os “problemas”. O encorajamento a ir ainda mais longe traduz uma vontade deliberada de destruir o sagrado. Despoja-se assim o cristão de alguma coisa que lhe é necessária, à qual ele aspira, pois é levado a honrar e a reverenciar tudo o que tem uma relação com Deus. Quanto mais a matéria do Sacrifício destinada a tornar-se o Seu corpo e o Seu sangue! Porque confeccionar hóstias cinzentas ou marrons deixando uma parte de sua sêmea? Quer-se fazer esquecer a expressão supressa no novo ofertório: hanc immaculatam hostiam, esta hóstia imaculada?
Não obstante esta não é senão uma inovação menor. Ouve-se falar freqüentemente
da consagração de pedaços de pão comum, fermentado, em lugar do trigo puro prescrito
e cujo emprego exclusivo foi ainda relembrado recentemente na instrução Inaestimabile donum. Estando todos os limites transpostos, viu-se mesmo um bispo americano recomendar a confecção de bolinhas com leite, ovos, levedura, mel e margarina. A dessacralização se estende às pessoas consagradas ao serviço de Deus, com o desaparecimento do traje eclesiástico para os sacerdotes e as religiosas, o uso apenas dos nomes próprios, o tratamento por tu, o modo de vida secularizado em nome dum novo princípio e não, como se tenta fazer cr er, por necessidades práticas. Aduzo, como prova disto, estas religiosas que abandonaram o seu claustro para morar em apartamentos alugados em cidades, fazendo assim uma dupla despesa, que deixam o
véu e devem arcar com os gastos em idas regulares ao cabeleireiro.
A perda do sagrado conduz também ao sacrilégio. Um jornal do oeste da França nos
informa que o concurso nacional de balizas se realizou, em 1980, na Vendeia. Houve uma missa durante a qual as balizas dançaram, distribuindo algumas delas, em seguida, a comunhão. E o que mais é, a cerimônia foi coroada com uma dança em roda, da qual participou o celebrante com paramentos sacerdotais. Não tenho a intenção de estabelecer aqui um catálogo dos abusos que se encontram, mas de dar alguns exemplos mostrando porque os católicos de hoje têm toda a razão de estarem perplexos e mesmo
escandalizados. Não revelo nenhum segredo, a própria televisão se encarrega de difundir nos lares, durante a emissão de domingo de manhã, a desenvoltura inadmissível que bispos ostentam publicamente em relação ao Corpo de Cristo, como nesta missa televisionada de 22 de novembro de 1981, na qual o cibório foi substituído por cestos que os fiéis passavam uns para os outros e que acabaram por serem postos no chão com o que restava das Sagradas Espécies.
Em Poitiers, na Sexta-feira Santa do mesmo ano, uma concelebração com grande
aparato consistiu em consagrar promiscuamente pães e pichéis de vinho sobre mesas
aonde cada um se vinha servir.
Os concertos de música profana organizados nas igrejas são agora generalizados.
Aceita-se mesmo emprestar os lugares de culto para audições de música rock, com todos os excessos que elas acarretam habitualmente. Igrejas e catedrais foram entregues à orgia, à droga, às imundícies de toda a espécie e não é o clero local que efetuou cerimônias expiatórias, mas grupos de fiéis justamente revoltados com estes escândalos.
Como é que os bispos e padres que os favoreceram não receiam atrair sobre si e sobre o conjunto de seu povo a maldição divina? Ela apareceu já na esterilidade que castiga as suas obras . Tudo se perde, se desorganiza porque o Santo Sacrifício da Missa, profanado como está, não dá mais a graça nem mais a transmite.
O menosprezo da presença real de Cristo na Eucaristia é o fato mais flagrante pelo
qual se exprime o espírito novo, que não é mais católico. Sem chegar até os excessos
espalhafatosos de que eu acabo de falar, é todos os dias que isto se verifica. O concílio de Trento explicitou sem dúvida possível que Nosso Senhor es tá presente nas menores partículas da hóstia consagrada. Sendo assim, que pensar da comunhão na mão?
Quando se serve duma patena, mesmo se as comunhões são pouco numerosas,
nela ficam sempre partículas. Por conseguinte, estas partículas ficam agora nas mãos dos fiéis. Em vista disto a fé se abala em muitas pessoas, sobretudo nas crianças.
A nova maneira não pode ter senão uma explicação: se se vem à missa para partir o
pão da amizade, da refeição comunitária, da fé comum, então é normal que não se
tomem precauções excessivas. Se a Eucaristia é um símbolo materializando a simples
lembrança de um acontecimento passado, a presença espiritual de Nosso Senhor, é
inteiramente lógico que haja pouca preocupação com as migalhas que podem cair no
chão. Mas se se trata da presença do próprio Deus, de nosso Criador, como o quer a fé da Igreja, como compreender que se admita uma tal prática e até que se encoraje, a despeito de documentos romanos bem recentes ainda?
A idéia que se esforça por inculcar assim é uma idéia protestante contra a qual se
rebelam os católicos ainda não contaminados. Para melhor impô-la, obrigam-se os fiéis a comungar de pé.
É conveniente que se vá receber sem o menor sinal de respeito ou de consolação, a
Cristo diante do qual, como diz São Paulo, se dobra todo o joelho no céu, na terra e nos infernos? Muitos sacerdotes não se ajoelham mais diante da Sagrada Eucaristia; o novo rito da missa os encoraja a isso. Para tal não vejo senão duas razões possíveis: ou um imenso orgulho que nos faz tratar a Deus como se fôssemos seus iguais ou a certeza de que Ele não está realmente na Eucaristia.
Estou movendo um processo de intenção contra a pretensa “Igreja conciliar”? Não,
eu nada invento. Escutai como se exprime o decano da faculdade de teologia de
Estrasburgo:
“Fala-se também da presença dum orador, dum ator, designando com isto uma
qualidade diferente de um simples “estar lá” topográfico. Enfim qualquer um pode estar presente por uma ação simbólica que não realiza fisicamente, mas que outros efetuam por fidelidade criadora à sua intenção profunda. Por exemplo, o festival de Bayreuth realiza, sem dúvida, uma presença de Ricardo Wagner, que é bem superior em
intensidade àquela que podem manifestar obras ou concertos ocasionais consagrados ao
músico. É nesta última perspectiva que convém situar a presença eucarística de Cristo.”
Comparar a missa ao festival de Bayreuth! Não, decididamente, não estamos de
acordo nem nas palavras nem na música.
IV
Para preparar o Congresso eucarístico de 1981 foi distribuído um questionário cuja
primeira pergunta era esta:
“Dentre estas duas definições: “Santo Sacrifício da Missa” e “Refeição eucarística”,
qual adotais espontaneamente?” Haveria muito a dizer sobre esta maneira de interrogar os católicos deixando-lhes de algum modo a escolha e fazendo apelo a seu julgamento pessoal num assunto onde a espontaneidade nada tem a fazer. Não se escolhe sua definição de missa como se escolhe um partido político.
Ai! A insinuação não resulta duma imperícia do redator deste questionário. É preciso
convencer-se disto: a reforma litúrgica tende a substituir a noção e a realidade do
Sacrifício pela realidade duma refeição. É assim que se fala de celebração eucarística, de
Ceia, mas o termo “Sacrifício” é muito menos evocado; ele desapareceu quase totalmente
dos manuais de catequese bem como da pregação. Está ausente do Canon nº. 2 dito de
Santo Hipólito.
Esta tendência se une àquela que nós verificamos a propósito da Presença real; se
não há mais sacrifício, não há mais necessidade de vítima. A vítima está presente em
vista do sacrifício. Fazer da missa uma refeição memorial, uma refeição fraterna é o erro
dos protestantes. Que aconteceu no século XVI? Precisamente o que está para suceder
hoje. Eles substituíram imediatamente o altar por uma mesa, suprimiram o crucifixo
colocado sobre aquele, e fizeram o “presidente da assembléia” voltar-se para os fiéis. O
cenário da Ceia protestante se encontra em Pedras Vivas, a compilação composta pelos
bispos da França e que todas as crianças dos catecismos devem utilizar
obrigatoriamente: “Os cristãos se reúnem para celebrar a Eucaristia. É a missa... Eles
proclamam a fé da Igreja, rezam pelo mundo inteiro, oferecem o pão e o vinho... O
sacerdote que preside à assembléia diz a grande oração de ação de graças...”
Ora, na religião católica é o sacerdote que celebra a missa, é ele que oferece o pão
e o vinho. A noção de presidente é tomada de empréstimo ao protestantismo. O
vocabulário segue a transformação dos espíritos. Dizia-se antigam ente: “Dom Lustiger
celebrará uma missa pontificial.” Foi-me relatado que na Rádio Notre-Dame, a frase
utilizada presentemente é: “João Maria Lustiger presidirá a uma concelebração.”
Eis como se fala da missa numa brochura editada pela Conferência dos bispos
suíços:
“A refeição do Senhor realiza primeiramente a comunhão com Cristo. É a mesma
comunhão, que Jesus realizava durante sua vida terrestre sentando-se à mesa com os
pecadores, que continua na refeição eucarística desde o dia da Ressurreição. O Senhor
convida Seus amigos a se reunirem e estará presente entre eles.”
Pois bem, todo o católico está obrigado a responder dum modo categórico: Não! A
missa não é isto. Não é a continuação duma refeição semelhante àquela para a qual
Nosso Senhor convidou São Pedro e alguns discípulos em uma manhã, à beira do lago,
após a Sua ressurreição: “Quando saltaram em terra, viram umas brasas preparadas e
um peixe em cima e pão... Disse-lhes Jesus: “Vinde, almoçai” nenhum dos discípulos,
sabendo que era o Senhor, ousava perguntar-lhe: “Quem sois vós”. Jesus chega, toma o
pão, deu-lho, e igualmente do peixe” (João XXI, 9-13).
A comunhão do sacerdote e dos fiéis é uma comunhão com a vítima que se
ofereceu sobre o altar do sacrifício. Este é maciço, de pedra; se não o é, contém ao
menos a pedra d'ara que é uma pedra sacrifical. Nela se incrustaram as relíquias dos
mártires, porque eles ofereceram o seu sangue pelo seu Mestre. Esta comunhão do


sangue de Nosso Senhor com o sangue dos mártires nos encoraja a oferecer também as
nossas vidas.
Se a missa é uma refeição, eu compreendo porque o padre se volta para os fiéis.
Não se preside a uma refeição dando as costas aos convivas. Mas um sacrifício se
oferece a Deus, não aos assistentes. É por esta razão que o padre, à testa dos fiéis, se
volta para Deus, para o crucifixo que domina o altar.
Insiste-se em qualquer ocasião no que o Novo Missal dos domingos chama “o relato
da instituição”. O Centro Jean-Bart, centro oficial do bispado de Paris declara: “No
coração da missa há um relato.” Ainda uma vez. Não! A missa não é uma narração, é
uma ação.
Três condições indispensáveis existem para que ela seja a continuação do Sacrifício
da Cruz: a oblação da vítima, a transubstanciação que a torna presente efetivamente e
não simbolicamente, a celebração por um sacerdote que toma o lugar do Sacerdote
principal que é Nosso Senhor e que deve ser consagrado por seu sacerdócio.
Assim a missa pode alcançar a remissão dos pecados. Um simples memorial, um
relato da instituição acompanhado de uma refeição estaria longe de ser suficiente para
isto. Toda a virtude sobrenatural da missa provém de sua relação com o Sacrifício da
Cruz. Se não se acredita mais nisto, não se acredita mais em nada da Igreja, esta não
tem mais razão de ser, não se deve pretender mais ser católico. Lutero havia
compreendido muito bem que a missa é o coração, a alma da Igreja. Ele dizia:
“Destruamos a missa e teremos destruído a Igreja.”
Ora, nós percebemos que o Novus Ordo Missae, isto é, a nova regulamentação
adotada após o concílio, se alinha sobre concepções protestantes, ou pelo menos se
aproxima perigosamente delas. Para Lutero a missa pode ser um sacrifício de louvor, ou
seja, um ato de louvor, de ação de graças, mas não certamente um sacrifício propiciatório
que renova e aplica o Sacrifício da Cruz. Para ele o Sacrifício da Cruz se realizou num
momento determinado da história; é prisioneiro desta história, nós não nos podemos
aplicar os méritos de Cristo a não ser pela nossa fé em sua morte e em sua ressurreição.
Ao contrário, a Igreja afirma que este sacrifício se realiza misticamente, de uma maneira
incruenta, pela separação do corpo e do sangue sob as espécies do pão e do vinho. Esta
renovação permite aplicar aos fiéis presentes os méritos da cruz, perpetuar esta fonte de
graças no tempo e no espaço. O Evangelho de São Mateus termina com estas palavras:
“E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.”
A diferença de concepção não é pequena. Não obstante fazem-se esforços para
reduzi-la, pela alteração da doutrina católica, e desta alteração se podem observar
numerosos sinais na liturgia.
Lutero dizia: “O culto se dirigia a Deus como uma homenagem, de agora em diante
ele se dirigirá ao homem para consolá-lo e iluminá-lo. O sacrifício ocupava o primeiro
lugar, o sermão vai suplantá-lo”. Isto significava a introdução do culto do homem, e na
igreja, a importância dada à “liturgia da palavra”. Abramos os novos missais, esta
revolução se realizou neles. Uma leitura foi acrescentada às duas que existiam, bem
como uma “prece universal” utilizada freqüentemente para transmitir idéias políticas ou
sociais; contando com a homilia, termina-se num desequilíbrio em proveito da palavra.
Acabado o sermão, a missa está bem perto de seu fim.
Na Igreja, o sacerdote é marcado por um caráter indelével que faz dele um ''alter
Christus”; só ele pode oferecer o Santo Sacrifício. Lutero considera a distinção entre
clérigos e leigos como “a primeira muralha elevada pelos romanistas”; todos os cristãos
são sacerdotes, o pastor não faz senão exercer uma função presidindo a “missa
evangélica”. No novo “ordo”, o “eu” do celebrante foi substituído pelo “nós”; escreve-se


por toda a parte que os fiéis “celebram”, são associados aos atos cultuais, lêem a
Epístola, eventualmente o Evangelho, distribuem a comunhão, fazem por vezes a homilia,
que pode ser substituída por uma troca em pequenos grupos sobre a Palavra de Deus”,
reúnem-se com antecedência, para “estabelecer” a celebração do domingo. Mas isto não
passa de uma etapa; há numerosos anos ouve-se emitir pelos responsáveis de
organismos episcopais proposições deste gênero: “não são os ministros, mas é a
assembléia que celebra” (Fichas do Centro nacional de pastoral litúrgica) ou “A
assembléia é o sujeito principal da liturgia”; o que conta não é mais o “funcionamento dos
ritos, mas a imagem que a assembléia se dá a si própria e as relações que se instauram
entre os concelebrantes” (P. Gelineau, artífice da reforma litúrgica e professor no Instituto
Católico de Paris). Se é a assembléia que conta, compreende-se que as missas
particulares sejam mal consideradas, o que faz com que os sacerdotes não as rezem
mais, pois é cada vez menos fácil encontrar uma assembléia sobretudo durante a
semana. É uma ruptura com a doutrina invariável: a Igreja tem necessidade da
multiplicação dos Sacrifícios da missa tanto para a aplicação do Sacrifício da Cruz como
para todos os fins que lhe são assinalados: adoração, ação de graças, propiciação3 e
impetração.4
Isto não é ainda suficiente, o objetivo de vários é eliminar decididamente o
sacerdote, o que dá lugar às famosas ADAP (Assembléias dominicais na ausência do
padre). Poder-se-ia conceber três fiéis reunindo-se para rezar em conjunto de modo a
honrar o dia do Senhor; ora, estas ADAP são na realidade uma espécie de missas “em
branco”, às quais só falta a consagração, e ainda, como se pode ler num documento do
Centro regional de estudos sócio-religiosos de Lille, somente porque “até nova ordem os
leigos não têm o poder de executar este ato”. A ausência do padre pode s er desejada “a
fim de que os fiéis aprendam a desembaraçar-se por si mesmos. O P. Gelineau em
Liturgia amanhã, escreve que as ADAP não passam de uma “transição pedagógica até
que as mentalidades tenham mudado” e conclui com uma lógica embaraçadora que há
ainda sacerdotes demais na Igreja, ”demais sem dúvida para que as coisas evoluam
depressa”.
Lutero suprimiu o ofertório: por quê oferecer a Hóstia pura e sem mácula se não há
mais sacrifício? No novo “ordo” francês o ofertório é praticamente inexistente; aliás ele
não tem mais este nome. O novo missal dos domingos fala de “orações de apresentação”.
A fórmula utilizada lembra mais uma ação de graças, um agradecimento pelos frutos da
terra. Para se dar conta disto basta compará-la com as fórmulas tradicionalmente
empregadas pela Igreja, onde aparece claramente o fim propiciatório e expiatório do
sacrifício, “que vos ofereço... pelos meus inumeráveis pecados, ofensas e negligências;
por todos os assistentes e por todos os cris tãos vivos e defuntos; a fim de que a mim e a
eles aproveite este sacrifício para a vida eterna. Elevando o cálice o sacerdote diz em
seguida: Senhor, nós vos oferecemos o cálice de vossa redenção e imploramos a vossa
misericórdia que ele suba como suave perfume à presença de v ossa divina majestade,
pela salvação nossa e de todo o mundo.”
Que resta disto na missa nova? O seguinte: Bendito és Deus do universo, tu que nos
dás este pão, fruto da terra e do trabalho dos homens. Nós t'o apresentamos; ele se
tornará o pão da v ida”, e igualmente para o vinho que se tornará “o vinho do Reino
eterno”. De que serve acrescentar um pouco mais longe: “Lav ai-me de minhas faltas,
Senhor, purificai-me de meu pecado” e: “Que sacrifício, neste dia, encontra graça diante
de ti”? Qual pecado? Qual sacrifício? Que ligação pode fazer o fiel entre esta
apresentação vaga das oferendas e a redenção que ele está habilitado a esperar? Eu

3 Ação de tornar Deus propício.
4 Ação de obter as graças e as bênçãos divinas.


colocarei uma outra questão: porque substituir um texto claro e cujo sentido é completo
por uma seqüênc ia de frases enigmáticas mal ligadas entre si? Se se experimenta a
necessidade de mudança, esta deve ser para melhorar. Estas poucas menções que
parecem retificar a insuficiência das “orações de apresentação” fazem ainda pensar em
Lutero, que se aplicava a arranjar as transições. Ele conservava o mais possível as
cerimônias antigas limitando-se a mudar-lhes o sentido. A missa mantinha em grande
parte seu aparato exterior, o povo encontrava nas igrejas quase o mesmo cenário, quase
os mesmos ritos, com retoques feitos para agradar-lhe, pois doravante se dirigia a ele
muito mais do que anteriormente; tinha ademais consciência de contar com alguma coisa
no culto, tomava nele uma parte mais ativa pelo canto e pela oração em voz alta. Pouco a
pouco o latim dava lugar definitivamente ao alemão.
Tudo isto não vos faz lembrar de nada? Lutero se inquieta igualmente em criar
novos cânticos para substituir “todos os estribilhos da papistaria”; as reformas tomam
sempre um ar de revolução cultural.
No novo “ordo”, a parte mais antiga do Canon romano, que remonta à idade
apostólica, foi remanejada para aproximá-la da fórmula consecratória luterana, com um
acréscimo e uma supressão. A tradução francesa a extrapolou alterando a significação
das palavras “pro multis”. Em lugar de “meu sangue... que será derramado por vós e por
um grande número”, nós lemos: “que será derramado por vós e pela multidão”. O que não
significa a mesma coisa e que teologicamente não é neutro.
Vós pudestes notar que a maior parte dos padres pronuncia hoje sem parar a parte
principal do Canon que começa por “Na véspera de sua paixão ele tomou o pão em suas
santas e veneráveis mãos...” sem fazer a pausa incluída pela rubrica do missal romano:
“Segurando com as duas mãos a hóstia entre o indicador e o polegar ele pronuncia as
palavras da Consagração em voz baixa mas distinta e atentamente sobre a hóstia.” O tom
muda, ele se torna intimativo, as cinco palavras “Hoc est enim Corpus mesm” operam o
milagre da transubstanciação, do mesmo modo que as que são ditas para a consagração
do vinho. O novo missal convida o celebrante a manter o tom narrativo, como se ele
procedesse, efetivamente, a um memorial. Sendo a criatividade de regra, vêem-se certos oficiantes recitar o seu texto mostrando a hóstia à roda ou mesmo partindo-a com ostentação para ajuntar o gesto às palavras e ilustrar melhor a s ua narração. Tendo sido supressas duas genuflexões dentre quatro, e omitindo-se por vezes as que restaram, tem-se o direito de se perguntar se o sacerdote possui mesmo o sentido de consagrar, supondo que tenha realmente a intenção de fazê-lo.
E então, de católicos perplexos vós vos tornais católicos inquietos: a missa à qual
acabais de assistir era válida? A hóstia que recebestes era verdadeiramente o corpo de Cristo?
É um grave problema. Como pode o fiel julgar a respeito? Existem para a validez
duma missa condições essenciais: a matéria, a forma, a intenção e o sacerdote
validamente ordenado. Se se preenchem as condições, não se vê como se poderia
deduzir a invalidade. As orações do ofertório, do Canon e da Comunhão do sacerdote são necessárias à integridade do sacrifício e do sacramento, mas não à sua validade. O cardeal Mindzenty, pronunciando “clandestinamente” na sua prisão as palavras da
Consagração sobre um pouco de pão e de vinho para nutrir-se do corpo e do sangue de
Nosso Senhor sem ser percebido pelos seus guardas efetuou certamente o sacrifício e o sacramento. Uma missa celebrada com os bolinhos com mel do bispo americano de que
já falei é certamente inválida, como aquela em que as palavras consecratórias fossem
gravemente alteradas ou mesmo omitidas. Eu não invento nada: chamou a atenção o
caso dum celebrante que, tendo feito um tal uso da criatividade, muito simplesmente se esqueceu da Consagração. Mas como aquilatar a intenção do sacerdote? Que haja
sempre menos missas válidas, à medida que a fé dos sacerdotes se corrompe e que eles não têm mais a intenção de fazer o que sempre fez a Igreja — pois a Igreja não pode mudar de intenção — é evidente.
A formação atual daqueles que são chamados seminaristas não os prepara para
celebrar missas válidas. Não se lhes ensina mais a considerar o Santo Sacrifício como a obra essencial de sua vida sacerdotal.
De outra parte pode-se dizer sem nenhum exagero que a maior parte das missas,
celebradas sem pedra d'ara, com utensílios vulgares, pão fermentado, introdução de
palavras profanas no próprio corpo do Canon, etc., são sacrílegas e pervertem a fé ao mesmo tempo que a diminuem. A dessacralização é tal que estas missas podem chegar a perder seu caráter sobrenatural, o “mistério da fé”, para não serem mais do que atos de religião natural.
Vossa perplexidade assume talvez a forma seguinte: posso assistir a uma missa
sacrílega mas que entretanto é válida, na falta de outra e para satisfazer à obrigação dominical? A resposta é simples: estas missas não podem ser objeto duma obrigação; devem-se-lhes aplicar as regras da teologia moral e do direito canônico no que concerne à participação ou à assistência a uma ação perigosa para a fé ou eventualmente sacrílega.
A nova missa, mesmo dita com piedade e no respeito às normas litúrgicas, cai sob o
golpe das mesmas reservas, uma vez que ela está impregnada de espírito protestante.
Ela traz em si um veneno prejudicial à fé. Posto isto, o católico francês de hoje reencontra as condições de prática religiosa que são as dos países de missão. Nestes, os habitantes de certas regiões não podem assistir à missa senão três ou quatro vezes por ano. Os fiéis de nosso país deveriam fazer o esforço de assistir uma vez por mês à missa de sempre, verdadeira fonte de graças e de santificação, num dos lugares onde ela continua a ser estimada.
Com efeito, eu devo na verdade dizer e afirmar sem medo de me enganar que a
missa codificada por S. Pio V — e não inventada por ele como se dá a entender
freqüentemente — exprime claramente estas três realidades: sacrifício, presença real e sacerdócio dos padres. Ela tem em conta também, como precisou o concílio de Trento, a natureza do homem, que tem necessidade de alguns auxílios exteriores para elevar-se à meditação das coisas divinas. Os usos estabelecidos não o foram ao acaso, não se pode atropelá-los ou aboli-los de modo súbito, impunemente. Quantos fiéis, quantos jovens sacerdotes, quantos bispos perderam a fé desde a adoção das reformas! Não se contrariam a fé e a natureza sem que elas se vinguem.
Mas justamente, afirmam-nos, o homem não é mais o mesmo que há um século
atrás; sua natureza foi modificada pela civilização técnica na qual ele está imerso. Que absurdo! Os inovadores se acautelam bem de revelar aos fiéis o seu desejo de
alinhamento com o protestantismo. Invocam um outro argumento: a mudança. Eis o que
se explica na escola teológica noturna de Estrasburgo:
“Nós devemos reconhecer hoje que estamos em presença duma verdadeira
mutação cultural. Uma certa maneira de celebrar o memorial do Senhor estava ligada a
um universo religioso que não é mais o nosso.” Está dito em poucas palavras e tudo
desaparece. É preciso recomeçar da estaca zero. Tais são os sofismas de que se servem
para fazer-nos mudar a nossa fé. O que é um “universo religioso”? Seria melhor falar
francamente e dizer: “uma religião que não é mais a nossa”.
V
Os católicos que na verdade sentem que se operam transformações radicais têm
dificuldades em resistir à propaganda insistente, comum a todas as revoluções. Dizem-
lhes: “Vós não aceitais a mudança, mas a vida consiste na mudança. Mantendes-vos no
fixismo, o que era bom há cinqüenta anos não convém mais à mentalidade atual nem ao
gênero de vida que temos. Vós vos apegais ao vosso passado, não sois capazes de
mudar vossos hábitos.” Muitos se submeteram à reforma para não incorrer nesta censura, não encontrando os argumentos suscetíveis de preservá-los de acusações infamantes:
“Vós sois retrógrados, passadistas, não viveis com o vosso tempo.”
O cardeal Ottaviani dizia já dos bispos: “Eles têm medo de parecer velhos.”
Mas nós jamais recusamos certas mudanças, certas adaptações que testemunham
a vitalidade da Igreja. Em matéria litúrgica, não é a primeira reforma à qual assistem homens da minha idade: eu acabava justamente de nascer quando São Pio X se
preocupava em introduzir melhoramentos, especialmente dando mais importância ao ciclo temporal, antecipando a idade da primeira comunhão para as crianças e restaurando o
canto litúrgico que havia conhecido um obscurecimento. Pio XII, em seguida, reduziu a duração do jejum eucarístico em razão das dificuldades inerentes à vida moderna,
autorizou pelo mesmo motivo a celebração da missa vespertina, recolocou o ofício da
vigilia pascal na noite do Sábado santo, remodelando ofícios da semana santa. João XXIII mesmo fez alguns retoques, antes do concílio, no rito chamado de S. Pio V.
Mas nada disto se aproximava de perto ou de longe daquilo que se realizou em
1969, a saber uma nova concepção da missa.
Censuram-nos também por nos apegarmos a fórmulas exteriores e secundárias
como o latim. É, proclama-se, uma língua morta que ninguém compreende, como se o
povo cristão a compreendesse mais nos séculos XVII ou XIX. Que negligência teria
mostrado a Igreja, segundo eles, esperando tanto tempo para suprimi-las! Eu penso que ela possuía as suas razões. Não se deve admirar que os católicos experimentem a
necessidade de uma maior compreensão dos textos admiráveis nos quais eles haurem
seu alimento espiritual, nem que desejem associar-se mais intimamente à ação que se
desenrola sob os seus olhos. Entretanto não seria satisfazer-lhes adotar as línguas
vernáculas do princípio ao fim do Santo Sacrifício. A leitura em francês da Epístola e do Evangelho constitui um melhoramento, e é praticada, quando isto convém, em São
Nicolau du Chardonnet, como também nos priorados da Fraternidade que fundei. Quanto
ao resto, o que se ganharia, seria fora de proporção com o que se perderia. Pois a
compreensão dos textos não é o fim último da prece nem o único meio de pôr a alma em oração, isto é, em união com Deus. Se se dá uma atenção demasiadamente grande ao
sentido dos textos, isto pode mesmo ser um obstáculo. Eu me admiro que não o
compreendam enquanto se prega ao mesmo tempo uma religião do coração, menos
intelectual, mais espontânea. A união com Deus se obtém ora por meio de um canto
religioso e celeste, ora por uma ambiência geral da ação litúrgica, pela piedade e o
recolhimento do lugar, sua beleza arquitetônica, pelo fervor da comunidade cristã, pela dignidade e piedade do celebrante, pela decoração simbólica, pelo perfume do incenso, etc.
Contanto que a alma se eleve, pouco importa por qual degrau o faça. Disto fará
experiência qualquer um que abrir a porta duma abadia beneditina que conservou o culto divino em todo o seu esplendor.
Isto não diminui em nada a necessidade de buscar uma melhor compreensão das
orações, das preces e dos hinos assim como uma participação mais perfeita; mas é um
erro querer chegar aí pelo emprego puro e simples da língua vernácula e pela supressão total da língua universal da Igreja, infelizmente consumada quase em toda a parte do mundo. Basta ver o sucesso das missas, celebradas no entanto segundo o novo ordo nas quais se mantiveram o canto do Credo do “Sanctus” e do “Agnus Dei”.
Pois o latim é uma língua universal. Ao empregá-lo, a liturgia nos forma para uma
comunhão universal, isto é, católica. Pelo contrário localizando- se, individualizando-se, ela perde esta dimensão que marca profundamente as almas.
Para evitar cometer tal erro, bastava observar os ritos orientais nos quais as ações
litúrgicas se exprimem, há muito tempo, na língua vulgar. Ora, aí se verifica um
isolamento o qual os membros destas comunidades sofrem. Quando elas se dispersam
fora de seu país de origem têm necessidade de sacerdotes que lhes sirvam para a missa, para os sacramentos, para toda a espécie de cerimônia: elas constroem igrejas especiais que as colocam, por força das circunstâncias, à parte do resto do povo católico.
Tiram eles proveito disto? Não apareceu de um modo evidente que a língua litúrgica
particular as tenha tornado mais fervorosas e mais praticantes do que aquelas que se
beneficiam de um idioma universal, não entendido por muitos, talvez, mas suscetível de tradução.
Se observarmos fora da Igreja, como o Islão conseguiu assegurar sua coesão
enquanto ele se espalhava em regiões tão diferentes e entre povos de raças tão diversas como a Turquia, a África do Norte, a Indonésia ou a África negra? Impondo por toda parte o árabe como língua única do Corão. Na África eu via os marabus fazerem crianças aprender de cor os capítulos do Corão dos quais elas não podiam compreender uma palavra sequer. E o que é mais, o Islão chega até a interditar a tradução de seu Livro santo. É de bom tom atualmente admirar a religião de Maomé à qual se sabe, se converteram milhares de franceses, fazer coleta nas igrejas para construir mesquitas na França.
Houve bastante cautela entretanto de não se inspirar no único exemplo que podia
ser retido: a persistência duma língua única para a oração e para o culto.
O fato de ser o latim uma língua morta prega a favor de sua manutenção: ela é o
melhor meio de proteger a expressão da fé contra as adaptações lingüísticas que ocorrem naturalmente no decurso dos séculos. O estudo da semântica foi muito difundido há uma dezena de anos, e mesmo introduzido nos programas de francês dos colégios. Um dos objetos da semântica não é a mudança de significação das palavras, as variações de sentido observadas na sucessão dos tempos e freqüentemente em períodos muito curtos? Tiremos então partido desta ciência para compreender o perigo de confiar o depósito da fé a modos de dizer que não são estáveis. Credes que se teria podido conservar durante dois milênios sem corrupção alguma, a formulação das verdades eternas, intangíveis, com línguas evoluindo sem cessar e diferentes segundo os países e mesmo segundo as regiões? As línguas vivas são mutáveis e instáveis. Se se confia a liturgia ao idioma do momento, será preciso adaptá-lo continuamente, tendo em conta a semântica. Nada de estranho que se devam constituir sem cessar novas comissões e que os sacerdotes não tenham mais tempo de dizer a missa.
Quando fui ver Sua Santidade Paulo VI em Castelgandolfo em 1976, eu lhe disse:
“Não sei se vós sabeis, Santíssimo Padre, que existem atualmente treze preces
eucarísticas oficiais na França.” O papa então elevou os braços para o céu e me
respondeu: “Mas bem mais, senhor bispo, bem mais!” Fui então levado a me propor uma
questão: existiriam tantas se os liturgistas fossem obrigados a compô-las em latim? Além destas fórmulas postas em circulação após terem sido impressas cá e lá, seria necessário falar também dos cânons improvisados pelo sacerdote no momento da celebração e de todos os incidentes que ele introduz desde a “preparação penitencial” até a “despedida da
assembléia”. Credes que isto sucederia se ele devesse oficiar em latim?
Uma outra forma exterior contra a qual se levantou toda uma opinião, é o uso da
batina não tanto nas igrejas ou para as visitas ao Vaticano, como também na vida de cada dia. A questão não é essencial, mas tem grande importância. Cada vez que o papa
lembrou isto — e João Paulo II por sua parte o fez com insistência — elevaram-se
protestos indignados nas fileiras do clero. Eu lia num diário parisiense as declarações feitas a este propósito por um padre de vanguarda: “É folclore... Na França, o uso duma vestimenta reconhecível não tem sentido, pois não há nenhuma necessidade de se reconhecer um padre na rua. Ao contrário a batina ou o “clergyman” provoca aversão. O padre é um homem como todos os outros. Certamente, ele preside à Eucaristia”. Este “presidente” exprimia ali idéias contrárias ao Evangelho e às realidades sociais mais verificadas. Em todas as religiões, os chefes religiosos usam distintivos. A antropologia da qual se faz muito caso, aí está para atestá-lo. Entre os muçulmanos se vêem utilizar vestimentas diferentes, colares e anéis. Os budistas se vestem com uma túnica tingida de açafrão e raspam a cabeça de um certo modo. Podem-se notar nas ruas de Paris e de outras grandes cidades jovens ligados a esta doutrina e cujo modo de trajar não suscita nenhuma crítica.
A batina assegura especificação do clero, do religioso ou da religiosa, como o
uniforme a do militar ou do mantenedor da paz. Com uma diferença porém: estes,
retomando o comportamento civil, se tornam cidadãos como os outros, enquanto que o
sacerdote deve conservar sua veste distintiva em todas as circunstâncias da vida social.
Com efeito o caráter sagrado que ele recebeu na ordenação fá-lo viver no mundo sem ser do mundo. Lemos isto em São João: “Vós não sois do mundo... minha escolha vos tirou do mundo” (XV, 19). Sua veste deve ser distinta e ao mesmo tempo escolhida num
espírito de modéstia, de discrição e de pobreza.
Uma segunda razão é o dever do padre de dar testemunho de Nosso Senhor: “Vós
sereis minhas testemunhas”, “não se coloca o castiçal debaixo do alqueire”. A religião não é para ser acantonada nas sacristias, como decretaram há muito tempo os dirigentes dos países do Leste, Cristo mandou-nos exteriorizar a nossa fé, torná-la visível por um testemunho que deve ser visto e compreendido por todos. O testemunho da palavra, certamente mais essencial para o sacerdote que o do traje, é todavia grandemente facilitado pela manifestação muito clara do sacerdócio que é o uso da batina.
A separação entre a Igreja e o Estado, aceita, estimada por vezes como o melhor
estatuto, fez o ateísmo penetrar pouco a pouco em todos os domínios da atividade e nos permite bem verificar que bom número de católicos e mesmo de sacerdotes não têm mais uma idéia exata do lugar da religião católica na sociedade civil. O laicismo invadiu tudo.
O sacerdote que vive numa sociedade deste gênero tem a impressão crescente de
ser estranho a ela, e depois de ser incômodo, de ser a testemunha dum passado votado
ao desaparecimento. Sua presença é tolerada , e nada mais, ao menos é assim que ele a considera. Daí o seu desejo de se alinhar pelo mundo laicizado, de se confundir com a massa.
Falta a este tipo de padre ter viajado a países menos descristianizados que o
nosso. Falta-lhe sobretudo uma fé profunda no seu sacerdócio.
É também avaliar mal o senso religioso que ainda existe. Supõe-se dum modo
inteiramente gratuito que aqueles perto dos quais nos encontramos nas relações de
negócios ou no trato casual são arreligiosos. Os jovens sacerdotes que saem de Ecône e todos aqueles que não sacrificaram à corrente do anonimato o verificam todos os dias.
Aversão? É inteiramente contrário. As pessoas os abordam nas ruas, nas plataformas das estações para falar-lhes; freqüentes vezes é simplesmente para expressar-lhes sua alegria em ver sacerdotes. Na Igreja nova se preconiza o diálogo. Como iniciá-los se nós começamos por dissimular-nos aos olhos dos possíveis interlocutores? Nas ditaduras comunistas o primeiro cuidado dos donos da situação foi interditar o uso da batina; isto faz parte dos meios destinados a sufocar a religião. Deve-se acreditar que o inverso é também verdadeiro. O padre que se apresenta como tal por sua aparência exterior é uma pregação viva. A ausência de sacerdotes reconhecíveis numa grande cidade denota um grave recuo da pregação do Evangelho; é a continuação da obra nefasta da Revolução e das leis de separação.
Acrescentemos que a batina preserva o padre do mal, impõe-lhe uma atitude,
lembra-lhe a todo instante sua missão sobre a terra, defende-o das tentações. Um
sacerdote de batina não tem crise de identidade. Os fiéis, quanto a eles, sabem com
quem tratam; a batina é uma garantia da autenticidade do sacerdócio. Católicos me
falaram da dificuldade que eles experimentavam em se confessar com um padre de
jaquetão, tendo impressão de confiar a um qualquer os segredos de sua consciência. A
confissão é um ato judiciário; por que a justiça civil sente a necessidade de fazer seus magistrados usarem a toga?

VI
O católico, seja ele um praticante regular ou um que reencontra o caminho da igreja
nos grandes momentos da vida, é levado a fazer-se perguntas no fundo tais como esta: o que é o batismo?
É um fenômeno novo: não há muito tempo, qualquer um sabia responder e ademais
ninguém lhe perguntava. O primeiro efeito do batismo é a remissão do pecado original, isto se sabia, transmitido de pai para filho e de mãe para filha.
Mas eis que não se fala mais disto em parte alguma. A cerimônia s implificada que se
realiza na igreja evoca o pecado num contexto tal que par ece tratar-se daquele ou
daqueles que cometerá o batizado na sua vida e não da falta original com a qual nós
todos nascemos carregados.
O batismo aparece por conseqüência simplesmente como um sacramento que nos
une a Deus, ou antes, nos faz aderir à comunidade. Assim se explica o rito de “recepção”
que se impõe em certos lugares como uma primeira etapa, numa primeira cerimônia. Isto não é devido a iniciativas particulares, uma vez que nós encontramos amplos
desenvolvimentos sobre o batismo por etapas nas fichas do Centro nacional de pastoral litúrgica. Chama-se também batismo diferido. Após a recepção, o “encaminhamento”, a “busca”, o sacramento será ou não administrado, quando a criança puder, segundo os
termos utilizados determinar-se livremente, o que pode ocorrer numa idade bastante
avançada, dezoito anos ou mais. Um professor de dogmática muito apreciado na nova
Igreja estabeleceu uma distinção entre os cristãos cuja fé e cultura religiosa ele se julga capaz de autentificar, e os outros — mais de três quartos do total — aos quais não atribui senão uma fé suposta quando eles pedem o batismo para seus filhos. Estes cristãos “da religião popular” são descobertos no decorrer das reuniões de preparação e dissuadidos de ir além da cerimônia de acolhimento. Esta maneira de agir seria “mais adaptada à situação cultural de nossa civilização”.
Recentemente, devendo um pároco do Somme inscrever duas crianças para a
comunhão solene, exigiu as certidões de batismo, que lhe foram enviadas pela paróquia de origem da família. Ele verificou então que uma das crianças tinha sido batizada mas que a outra não, contrariamente ao que acreditavam os seus pais. Ela havia simplesmente sido inscrita no registro de recepção. É uma das situações que resultam destas práticas; o que se dá é efetivamente um simulacro de batismo, que os fiéis tomam de boa fé pelo verdadeiro sacramento.
Que tudo isto vos desconcerte é bem compreensível. Tendes também que fazer
frente a uma argumentação especiosa, que figura mesmo nos boletins paroquiais,
geralmente sob a forma de sugestões, de testemunhos subscritos por nomes próprios, ou seja, anônimos. Lemos num deles que Alamo e Evelina declaram: “O batismo não é um
rito mágico que apagaria por milagre qualquer pecado original. Nós cremos que a
salvação é total, gratuita e para todos: Deus escolheu todos os homens no seu amor, não importa com que condição, ou antes sem condição. Para nós, fazer-se batizar é decidir mudar de vida, é um compromisso pessoal que ninguém pode assumir em vosso lugar, é uma decisão consciente que supõe uma instrução prévia, etc.” Quantos erros
monstruosos em poucas linhas! Elas tendem a justificar um outro método: a supressão do batismo das criancinhas. É ainda mais um alinhamento com os protestantes, com
desprezo do ensinamento da Igreja desde as origens, como escrevia Santo Agostinho no
fim do século IV: “O costume de batizar as crianças não é uma inovação recente, mas o eco fiel da tradição apostólica. Este costume por si só e fora de todo o documento escrito, constitui a regra certa da verdade.” O concílio de Cartago no ano de 251 prescrevia que o batismo fosse conferido às crianças “mesmo antes de seu oitavo dia” e a Sagrada Congregação para a Doutrina de Fé relembrava esta obrigação a 21 de novembro de 1980 baseando-a “numa norma de tradição imemorial”.5
É preciso que saibais disto para fazer valer um direito sagrado quando se pretende
recusar-vos a fazer participar os vossos recém-nascidos da vida da graça. Os pais não esperam que seu filho tenha dezoito anos para decidir em seu lugar sobre o seu regime alimentar ou sobre uma operação cirúrgica necessária devido ao seu estado de saúde. Na ordem sobrenatural seu dever é ainda mais imperioso e a fé que preside ao sacramento quando a criança não é capaz de assumir por si mesma um “compromisso pessoal”, é a fé da Igreja. Pensai na aterradora responsabilidade que tereis privando vosso filho da vida eterna no Paraíso. Nosso Senhor disse de um modo claro: “Ninguém pode entrar no Reino de Deus se não renascer por meio da água e do Espírito Santo.”
Os frutos desta pastoral singular não se fizeram esperar. Na diocese de Paris em
1965 uma criança dentre duas era batizada, mas em 1976 só uma dentre quatro. O clero
duma paróquia dos arredores observa, sem mostrar muito pesar por isso, que ocorriam ali 450 batismos em 1965 e 150 em 1976. Para o c onjunto da França a baixa prossegue.
De 1970 a 1981 a cifra global descia de 596.673 a 530.385, enquanto que a população
crescia de mais de três milhões no mesmo tempo.
Tudo isto provém do fato de se ter falseado a definição do batismo. Desde que se
cessou de dizer que ele apagava o pecado original, as pessoas perguntaram: “Que é o
batismo?” e logo depois: “Para que serve o batismo?” Se elas não foram até este ponto, refletiram pelo menos nos argumentos que lhes eram apresentados e admitiram que não se impunha a urgência e que afinal de contas a criança poderia sempre, na adolescência, engajar-se, se quisesse, como quem se inscreve num partido ou num sindicato. De igual maneira se colocou a questão para o casamento. O matrimônio foi sempre definido por seu fim principal, que era a procriação, e seu fim secundário, que era o amor conjugal. Pois bem, no concílio, se quis transformar esta definição e dizer que não havia mais fim primário, mas que os dois fins que acabo de citar eram equivalentes. Foi o cardeal Suenens que propôs esta mudança e eu me lembro ainda do cardeal Brown, superior geral dos dominicanos, levantando-se para dizer: “Caveatis, caveatis! (Tomai
cuidado!) Se aceitamos esta definição, nós vamos contra toda a Tradição da Igreja e
pervertemos o sentido do matrimônio. Não temos o direito de modificar as definições
tradicionais da Igreja.”
Ele citou textos em apoio de sua advertência e a emoção foi grande na nave de São
Pedro. O Santo Padre pediu ao cardeal Suenens que este moderasse os termos que tinha
empregado e mesmo os mudasse. A Constituição pastoral Gaudium et Spes contém mais
de uma passagem ambígua, onde o acento é posto na procriação “sem subestimar por
isso os outros fins do matrimônio”. O verbo latino post habere permite traduzir: “sem colocar em segundo plano os outros fins do casamento”, o que significaria: pô-los todos no mesmo plano. É assim que se quer entendê-lo hoje em dia; tudo o que se diz do casamento se liga à falsa noção expressa pelo cardeal Suenens que o amor conjugal — que bem se chamou simplesmente e mais cruamente “sexualidade” — vem à testa dos fins do matrimônio. Conseqüência: a título da sexualidade, todos os atos são permitidos:
contracepção, limitação dos nascimentos, e enfim aborto.
Uma má definição e eis-nos em plena desordem.
A Igreja em sua liturgia tradicional, faz o padre dizer: “Senhor, assisti em vossa
bondade as instituições que vós estabelecestes para a propagação do gênero humano...”
Ela escolheu a passagem da Epístola de São Paulo aos Efésios que precisa os deveres
dos esposos, fazendo de suas relações recíprocas uma imagem das relações que unem
5 Instrução PASTORALIS ACTIO.
Cristo e a sua Igreja. Muito freqüentemente os próprios esposos são convidados a compor a sua missa, sem mesmo serem obrigados a escolher a epístola nos livros santos, substituindo-a por um texto profano, tomando uma passagem do Evangelho sem relação com o sacramento recebido. O sacerdote, em sua exortação, se acautela de fazer menção das exigências às quais eles se devem submeter, por medo de apresentar uma imagem rebarbativa da Igreja, eventualm ente de chocar os divorciados presentes na assistência.
Como para o batismo, fizeram-se experiências de casamento por etapas ou
casamentos não sacramentais, que escandalizam os católicos; experiências toleradas
pelo episcopado, que se desenrolam segundo esquemas fornecidos por organismos
oficiais e encorajados por responsáveis dioc esanos. Uma ficha do Centro Jean-Bart indica algumas maneiras de proceder. Eis uma delas: “Leitura do texto: o essencial é invisível aos olhos (Epístola de São Pedro). Não houve aí troca de consentimentos, mas uma liturgia atropelada, sinal do trabalho e da solidariedade operária. Troca de alianças (sem bênção) em silêncio. Alusão à profissão de Roberto: liga, soldadura (ele é chumbador). O
beijo.
O Padre-Nosso pelos crentes da assistência. Ave Maria! Os jovens esposos
depositam um buquê de flores diante da estátua de Maria.”
Pôr que Nosso Senhor teria instituído sacramentos se se devia substituí-los por este
gênero de cerimônia isenta de todo sobrenatural, à exceção das duas preces que lhe
põem termo? Falou-se muito de Lugny no Saona e Loire, há alguns anos. Para motivar
esta “liturgia de recepção” tinha-se dito que se queria dar aos jovens pares o desejo de voltarem para casar na verdade em seguida. Dois anos mais tarde, dentre duzentos falsos matrimônios, nenhum par tinha voltado para regularizar sua situação. Se eles o tivessem feito, o pároco desta igreja teria oficializado e acobertado com sua caução senão com sua bênção, no decorrer de 2 anos, o que simplesmente não passava de um concubinato.
Uma pesquisa de origem eclesiástica revelou que, em Paris, 23% das paróquias
tinham já efetuado celebrações sacramentais para casais dos quais um dos membros, se
não mesmo os dois, não era crente, com a intenção de comprazer às famílias ou aos
próprios noivos, freqüentem ente por preocupação com conveniências sociais.
É escusado dizer que um católico não tem o direito de assistir a tais encenações.
Quanto aos pretensos casados, eles poderão sempre dizer que estiveram na igreja e
acabarão sem dúvida por acreditar na regularidade de sua situação, à força de ver seus amigos seguir o mesmo caminho. Os fiéis desorientados se perguntam se não é melhor isto do que nada. O indiferentismo se instala; está-se disposto a aceitar qualquer outra fórmula, o simples casamento na municipalidade ou ainda a co-habitação juvenil, a propósito da qual tantos pais dão prova de “compreensão”, para chegar à união livre.
A descristianização total está em via de concretizar-se; aos casais faltarão as graças que decorrem do sacramento do matrimônio para educar seus filhos, se ao menos eles consentem em tê-los. As rupturas destas uniões não santificadas se multiplicam a ponto de inquietar o Conselho econômico e social, do qual uma relação recente mostra que mesmo a sociedade laica tem consciência de correr para a sua ruína em conseqüência da instabilidade das famílias ou das pseudo-famílias.
A extrema unção não é mais verdadeiramente o sacramento dos enfermos, o
sacramento dos doentes; é agora o sacramento dos velhos, alguns padres o administram
às pessoas em idade avançada que não apresentam nenhum sinal particular de morte
próxima. Ele não é mais o sacramento que prepara para o último instante, que apaga os pecados antes da morte, e que prepara a união definitiva com Deus. Tenho debaixo dos olhos uma nota distribuída numa igreja de Paris a todos os fiéis para avisá-los da data da próxima extrema-unção: “O sacramento dos enfermos é conferido às pessoas ainda bem conservadas, em meio a toda a comunidade cristã, durante a celebração eucarística.

Data: no domingo, na missa das 11 horas.” Estas extremas-unções são inválidas.
O mesmo espírito coletivista provocou a voga das celebrações penitenciais. O
sacramento da penitência não pode ser senão individual. Por definição e conforme a sua essência, ele é, como lembrei mais acima, um ato judiciário, um julgamento. Não se pode julgar sem estar a par de uma causa; é preciso ouvir a causa de cada um para julgá-la e depois perdoar ou reter os pecados . S. S. João Paulo II insistiu várias vezes neste ponto,
dizendo notadamente no dia 1°. de abril de 1983 a bispos franceses que a confissão
pessoal das faltas seguida da absolvição individual “é antes de tudo uma exigência de
ordem dogmática”. Por conseguinte é impossível justificar as cerimônias de
“reconciliação” explicando que a disciplina eclesiástica se abrandou, que se adaptou às
exigências do mundo moderno. Não se trata de um caso de disciplina.
Havia precedentemente uma exceção; a absolvição geral dada em caso de
naufrágio, de guerra: absolvição aliás cujo valor é discutido pelos autores. Não é permitido
fazer da exceção uma regra. Se se consultam os Atos da Sé apostólica salientam-se as
expressões seguintes tanto nos lábios de Paulo VI como nos de João Paulo II em
diversas ocasiões: “o caráter excepcional da absolv ição coletiva”, “em caso de grave
necessidade”, “caráter inteiramente excepcional”, “circunstâncias excepcionais”...
As celebrações deste gênero não deixaram contudo de se tornar um hábito, sem
entretanto serem freqüentes numa mesma paróquia, à falta de fiéis dispostos a pôr-se em
ordem com Deus mais de duas ou três vezes no ano. Não se experimenta mais a
necessidade disto, o que era de prever, visto que a noção de pecado se extinguiu nos
espíritos. Quantos sacerdotes lembram a necessidade do sacramento da penitência? Um
fiel me disse que, confessando-se conforme os seus deslocamentos numa ou noutra das
igrejas parisienses onde ele sabe poder encontrar um “sacerdote de acolhimento”, recebe
freqüentemente as felicitações ou os agradecimentos deste, todo surpreso de ter um
penitente.
Estas celebrações submetidas à criatividade dos “animadores” compreendem
cantos; ou então se coloca um disco. Depois se dá um lugar à liturgia da palavra antes de
uma prece litânica à qual a assembléia responde: “Senhor, tende piedade do pecador
que sou”, ou uma espécie de exame de consciência geral. O “Eu pecador me confesso a
Deus” precede a absolvição dada uma vez por todas e a todos os assistentes, o que não
deixa de pôr um problema: uma pessoa presente que não a desejasse vai receber a
absolvição contra a sua vontade? Vejo numa folha roneotipada distribuída aos
participantes de uma destas cerimônias, em Lourdes, que o responsável se coloca a
questão: “Se desejamos receber a absolvição, venhamos mergulhar nossas mãos na
água da fonte e tracemos sobre nós o sinal da cruz” e, no fim: “Sobre aqueles que se
benzeram com o sinal da cruz com a água da fonte o sacerdote impõe as mãos (?).
Unamo-nos à sua prece e recebamos o perdão de Deus.”
Um jornal católico inglês, The Universe, fazia-se, há alguns anos, o defensor duma
operação lançada por dois bispos e que consistia em reaproximar da Igreja os fiéis que tinha há muito tempo abandonado a prática religiosa. O apelo lançado pelos bispos assemelhava-se aos comunicados publicados pelas famílias de adolescentes fugitivos: “O
pequeno X pode retornar à sua casa, não lhe será feita nenhuma censura.”
Dizia-se então a estes futuros filhos pródigos: “Vossos bispos vos convidam durante
esta Quaresma a rejubilar-vos e a celebrar. A Igreja oferece a todos os seus filhos, à imitação de Cristo, o perdão de seus pecados, com toda liberdade e facilidade, sem que eles o mereçam e sem que o peçam. Ela os pressiona a aceitá-lo e lhes suplica que voltem para casa. Há muitos que desejam retornar à Igreja após anos de afastamento, mas eles não se podem resolver a ir confessar-se. Em todo o caso não logo...”

Eles podiam então aceitar o oferecimento seguinte: “Na missa da estação à qual o
bispo assistirá no vosso decanato (aqui se mencionam o dia e a hora) todos os que
estiverem presentes serão convidados a aceitar o perdão de todos os seus pecados
passados. Não lhes é necessário confessar-se neste momento. Ser-lhes-á suficiente ter o pesar de seus pecados e o desejo de retornar a Deus, de confessar seus pecados mais tarde após serem acolhidos de novo no aprisco.
“Esperando, eles não têm senão que deixar Nosso Pai dos céus” estreitá-los em
seus braços e abraçá-los ternamente”! Mediante um ato generoso de arrependimento o
bispo concederá a todos os presentes que o desejarem, o perdão de seus pecados. Eles
podem então imediatamente voltar à santa comunhão”...
O Jornal da Gruta, folha bimensal de Lourdes, reproduzindo este curioso
mandamento episcopal impresso sob o título “General absolution. Communion now,
confession later” (“Absolvição geral. Comunhão já, confissão mais tarde”) comentava-o assim: “Nossos leitores poder ão dar-se conta do espírito profundamente evangélico que o inspirou, assim como da compreensão pastoral das situações concretas das pessoas.”
Eu não sei o resultado que foi obtido, mas a questão é outra: a anistia pronunciada
pelos dois bispos evoca a liquidação dos estoques em fim de semana comercial. Pode a
pastoral tomar a dianteira sobre a doutrina a ponto de levar à comunhão do Corpo de
Cristo a fiéis dos quais muitos estão provavelmente em estado de pecado mortal, após
terem abandonado há tantos anos a prática religiosa? Certamente não. Como encarar tão levianamente pagar a conversão com sacrilégio? E esta conversão tem porventura muitas probabilidades de ser seguida de perseverança? Em todo caso pudemos verificar que antes do concílio e do aparecimento desta pastoral de aceitação contavam-se 50 a 80.000 conversões por ano na Inglaterra. Elas caíram quase a zero. A árvore se conhece pelos seus frutos.
Os católicos estão tão perplexos na Grã-Bretanha como na França. Um pecador ou
um apóstata que seguiu o conselho de seu bispo apresentando-se à absolvição coletiva e à mesa sagrada nestas condições, não corre o risco de perder sua confiança na validade de sacramentos tão facilmente administrados. Que vai acontecer se, em conseqüência, ele negligencia “regularizar” a situação confessando-se? Sua volta falha à casa do Pai não fará senão tornar mais difícil uma conversão definitiva.
Eis aonde termina o laxismo dogmático. Nas cerimônias penitenciais que se
praticam, dum modo menos extravagante, em nossas paróquias, que certeza tem o
cristão de estar verdadeiramente perdoado? Ele é abandonado às inquietudes que
conhecem os protestantes, aos tormentos interiores provocados pela dúvida. Certamente
não ganhou com a troca.
Se a coisa é má no plano da validade, ela também o é no plano psicológico. Assim,
que absurdo conceder perdões coletivos, salvo, para as pessoas que têm pecados
graves, desde que se confessem em seguida! Elas não se vão designar diante das outras como tendo pecados graves na consciência, é evidente! É como se o segredo da
confissão fosse violado.
Deve-se acrescentar que o fiel que comungar após a absolvição coletiva, não verá
mais a necessidade de se apr esentar de novo ao tribunal da penitência e isto se
compreende. As cerimônias de reconciliação não se ajuntam pois à confissão auricular, elas a eliminam e a suplantam. Está-se a caminho do desaparecimento do tribunal da penitência, instituído como os seis outros pelo próprio Senhor. Nenhuma preocupação pastoral poderia justificá-lo.
Para que um sacramento seja válido é preciso a matéria, a forma e a intenção. Isto
nem mesmo o papa pode mudar. A matéria é de instituição divina; o papa não pode dizer:

“Amanhã se usará o álcool para batizar as crianças ou o leite.” Ele não pode mais mudar essencialmente a forma. Há palavras essenciais; por exemplo não se pode dizer: “Eu te batizo em nome de Deus”, pois o próprio Cristo fixou a forma: “Vós batizareis em nome do Padre e do Filho e do Espírito Santo.”
O sacramento da confirmação é igualmente mal-administrado. Uma fórmula corrente
hoje é: “Eu te assinalo com a Cruz e recebe o Espírito Santo.” Mas o ministro não precisa então qual é a graça especial do sacramento pelo qual se dá o Espírito Santo e o sacramento é inválido.
Por isso eu respondo sempre aos pedidos dos pais que têm uma dúvida sobre a
validez da confirmação recebida por seus filhos ou que temem fazê-la administrar-lhes duma maneira inválida, vendo o que sucede em torno deles. Os cardeais diante dos quais eu me devi explicar em 1975 me censuraram por isto, continua-se desde então a publicar comunicados reprovadores a cada uma das minhas viagens. Eu expliquei por que
procedia assim. Eu concordo com o desejo dos fiéis que me pedem a confirmação válida
mesmo se ela não é lícita, porque nós estamos num tempo no qual o direito divino natural e sobrenatural prevalece sobre o direito positivo eclesiástico quando este se opõe ao primeiro em lugar de lhe ser o canal. Estamos numa crise extraordinária e não se deve admirar de que eu adote por vezes uma atitude que se afasta da ordinária.
A terceira condição de validade do sacramento é a intenção. O bispo ou o sacerdote
deve ter a intenção de fazer o que quer a Igreja. O próprio Papa também não pode mudá-lo.
A fé do sacerdote não é um elemento necessário; um sacerdote ou um bispo pode já
não ter fé; outro pode ter menos fé e outro, uma fé não totalmente íntegra. Isto não tem uma influência direta na validade dos sacramentos, mas pode ter uma influência indireta.
Lembremos o Papa Leão XIII que proclamava que todas as ordenações anglicanas não
eram válidas por falta de intenção. Isto porque tinham perdido a fé, que não é somente a fé em Deus, mas a fé em todas as verdades contidas no Credo, inclusive “Credo in unam
sanctam catholicam et apostolicam Ecclesiam”, quer dizer, “Creio na Igreja que é una”; por isso, os anglicanos não podem fazer o que quer a Igreja.
Não ocorrerá o mesmo com os padres que perdem a fé? Já vemos como alguns não
celebram o sacramento da Eucaristia conforme a definição do Concílio de Trento. “Não,
— dizem estes sacerdotes — há muito tempo que se realizou o Concílio de Trento. De lá
para cá, já tivemos o Vaticano II. Hoje é a transignificação, a transfinalização.
Transubstanciação? Não, isto não existe mais. A presença real do Filho de Deus sob as espécies do pão e do vinho? Ora, não mais no nosso tempo!”
Quando um sacerdote diz isto, a consagração é inválida. Não há missa nem
comunhão. Pois os cristãos são obrigados a crer, até o fim dos tempos, o que definiu o concílio de Trento sobre a Eucaristia. Podem-se tornar mais explícitos os termos de um dogma, porém não se podem mudar, isto e impossível. O concílio Vaticano II não
acrescentou nem tirou nada; aliás, não o poderia ter feito. Porém aquele que declara não aceitar a transubstanciação está, segundo os termos do próprio concilio de Trento, anatematizado e, portanto, separado da Igreja.
É por esta razão que os católicos deste fim do século XX têm a obrigação de ser
mais vigilantes que seus pais.

VII
Há cada vez menos sacerdotes, é um lugar comum, o homem da rua mais
indiferente às questões religiosas é informado disto por seu jornal em intervalos regulares.
Faz já mais de quinze anos que aparecia um livro intitulado Amanhã, uma igreja sem
padres? Mas a situação é ainda mais grave que parece. Seria preciso acrescentar:
quantos sacerdotes ainda têm fé? E mesmo pôr uma terceira questão: Certos padres
ordenados nestes últimos anos, o foram verdadeiramente? De outra maneira, as
ordenações, ao menos em parte, são válidas? A dúvida é idêntica à que pesa sobre os
outros sacramentos. Ela se estende a certas sagrações de bispos, por exemplo àquela
que se realizou em Bruxelas durante o verão de 1982, na qual o bispo sagrante disse ao ordenando: “Sê apóstolo como Gandhi, Helder Câmara e Maomé!” Podem-se conciliar
estas referências, ao menos no que concerne a Gandhi e a Maomé, com a intenção
evidente de fazer o que quer a Igreja?
Eis o fascículo duma ordenação sacerdotal que se desenrolou em Toulouse há
alguns anos. Um “animador” começa a celebração apresentando o ordenando, designado
por seu nome próprio: C. e dizendo: “Ele decidiu viver (o dom total, que fez a Deus) mais em profundidade, consagrando-se totalmente ao serviço da Igreja na classe operária.” C. efetuou seu “encaminhamento”, ou seja, seu seminário, em equipe. É esta equipe que o apresenta ao bispo: “Nós vos pedimos reconhecer, autenticar o seu proceder e ordená-lo sacerdote. “O bispo lhe faz então várias perguntas consideradas como definição do sacerdócio: Queres ser ordenado sacerdote “para ser, com os crentes, Sinal e Testemunha do que buscam os homens, em seus esforços de Justiça, de Fraternidade e de Paz” “para servir ao Povo de Deus”, “para reconhecer na vida dos homens a ação de Deus em modos de vida, culturas e opções múltiplas”, “para celebrar a ação de Cristo e assegurar este serviço”, queres participar comigo e com o conjunto dos bispos da responsabilidade que nos foi confiada para o serviço do Evangelho” ?
A matéria do sacramento foi preservada: é a imposição das mãos que se deu a
seguir e a forma igualmente: são as palavras da ordenação. Mas se é obrigado a notar
que a intenção não é clara. O Padre é ordenado para o uso exclusivo duma classe social e antes de tudo para estabelecer a justiça, a fraternidade e a paz num plano que parece ademais limitado à ordem natural? A celebração eucarística que segue, a “primeira missa”, em suma, do novel sacerdote se processa neste sentido. O ofertório foi composto para a circunstância do momento: “Nós te acolhemos, Senhor, recebendo de tua parte
este pão e este vinho que nos ofereces, nós queremos representar com isso todo o nosso trabalho, nossos esforços por construir um mundo mais justo e mais humano, tudo o que tentamos instituir a fim de serem asseguradas melhores condições de vida...” A oração sobre as oferendas é ainda mais duvidosa: “Olha, Senhor, nós te oferecemos este pão e este vinho; que eles se tornem para nós uma das formas de tua presença.” Não, as pessoas que celebram desta maneira não têm a fé na Presença real!
Uma coisa é certa: a primeira vítima desta ordenação escandalosa é o jovem que se
acaba de comprometer para sempre, sem saber exatamente em quê ou acreditando que
o sabe. Como não chegará ele, dentro de um prazo mais ou menos curto, a se fazer
certas perguntas pois o ideal que se lhe propôs não pode satisfazer-lhe por muito tempo; a ambigüidade de sua missão se lhe revelará. É o que se chama “a crise da identidade do sacerdote”. O padre é essencialmente o homem da fé. Se ele não sabe mais aquilo que ele é, perde a fé em si mesmo, naquilo que é o seu sacerdócio.
A definição do sacerdócio dada por São Paulo e pelo concílio de Trento foi
radicalmente modificada. O sacerdote não é mais aquele que sobe ao altar e oferece a
Deus um sacrifício de louvor e para a remissão dos pecados. Inverteu-se a ordem dos
fins. O sacerdócio tem um fim principal, que é oferecer o sacrifício, e um fim secundário: a evangelização.
O caso de C., que está longe de ser o único, nós temos disto múltiplos exemplos,
mostra a que ponto a evangelização prevalece sobre o sacrifício e os sacramentos. Ela é um fim em si mesma. Este grave erro tem conseqüências trágicas: a evangelização, perdendo seu objetivo, será desorientada, ela buscará motivos que agradam ao mundo, como a falsa justiça social, a falsa liberdade que tomam nomes novos: desenvolvimento, progresso, construção do mundo, melhoramento das condições de vida, pacifismo. Nós estamos totalmente na linguagem que conduz a todas as revoluções.
Não sendo mais o sacrifício do altar a razão primordial do sacerdócio são todos os
sacramentos que estão em jogo e para os quais o “responsável do setor paroquial e sua “equipe” farão apelo aos leigos, ao passo que eles mesmos estão demasiado ocupados com tarefas sindicais ou políticas e freqüentemente mais políticas que sindicais. Com efeito, os padres que se comprometem nas lutas sociais escolhem quase exclusivamente as organizações mais politizadas. No seio destas eles partem para a guerra contra as estruturas políticas, eclesiais, familiares, paroquiais. Nada mais deve permanecer. Jamais o comunismo encontrou agentes tão eficazes como estes padres.
Eu expunha um dia a um cardeal o que fazia nos meus seminários, a espiritualidade
orientada sobretudo para o aprofundamento da teologia do Sacrifício da missa e para a prece litúrgica. Ele me disse:
— Mas senhor bispo, é exatamente o oposto do que os jovens sacerdotes desejam
atualmente em nosso país. Não se define mais o sacerdote a não ser em relação à
evangelização.
Eu respondi:
— Que evangelização? Se ela não tem uma relação fundamental e essencial com o
Santo Sacrifício como a compreendeis? Evangelização política, social, humanitária?
Se não anuncia mais Jesus Cristo, o apóstolo se torna militante sindicalista e
marxista. É normal. Compreende-se muito bem. Ele tem necessidade de uma nova
mística, ele a encontra desta maneira, mas perdendo a do altar. Completamente
desorientado, não nos admir amos se ele se casa e abandona seu sacerdócio. 285
ordenações na França, em 1970, 111 em 1980. Mas quantos retornaram ou retornarão à
vida civil? Mesmo as cifras dramáticas que se citam não correspondem ao crescimento
real do clero. O que se propõe aos jovens e o que se diz que eles “desejam atualmente”
não corresponde visivelmente às suas aspirações.
Aliás é fácil fazer a prova. Não há mais vocações porque não se sabe mais o que é o
Sacrifício da Missa. Em conseqüência, não se pode mais definir o sacerdote. Em
compensação, onde o Sacrifício é conhecido e estimado como a Igreja sempre ensinou,
as vocações são numerosas.
Tenho testemunho disto nos meus próprios seminários. Aí não se faz outra coisa
senão reafirmar as verdades de sempre. As vocações vêm para nós por si mesmas, sem
publicidade. A única publicidade foi feita pelos modernistas. Ordenei 187 sacerdotes em treze anos. Desde 1983, o ritmo regular atingido é de 35 a 45 ordenações por ano. Eu não digo isto para daí tirar qualquer glória pessoal: neste domínio também nada inventei.
Os jovens que pedem para entrar em Ecône, em Ridgefield (EUA), em Zaitzkofen (RFA), em Francisco Alvares (Argentina), em Albano (Itália) são atraídos pelo Sacrifício da Missa.
Que graça extraordinária para um jovem subir ao altar como ministro de Nosso Senhor,
ser um outro Cristo! Nada é mais belo nem mais grandioso aqui na terra. Para isto vale a abandonar sua família, renunciar a constituir uma, renunciar ao mundo, aceitar a pobreza.
Contudo, se não há mais este atrativo, então, eu digo francamente, aquilo não vale
mais a pena, e é por isso que os seminários estão vazios.
Se se continua na linha adotada pela Igreja há vinte anos, à pergunta: Haverá ainda
padres no ano 2000? pode-se responder: Não. Se se retorna às verdadeiras noções da
fé, haverá vocações tanto nos seminários como nas congregações religiosas.
Com efeito, o que é que faz a grandeza e a beleza dum religioso e duma religiosa? É
oferecer-se como vítima no altar com Nosso Senhor Jesus Cristo. Do contrário, a vida
religiosa não possui mais sentido algum. A juventude na nossa época é tão generosa
como nas épocas anteriores. Ela aspira a dedicar-se. É a nossa época que é falha.
Tudo está ligado; abalando-se a base do edifício, destrói-se inteiramente. Não mais
missa, não mais sacerdotes. O ritual, antes de ser reformado, fazia o bispo dizer:
“Recebei o poder de oferecer a Deus o Santo Sacrifício e de celebrar a santa missa, tanto pelos vivos como pelos mortos, em nome do Senhor.” Ele havia previamente benzido as mãos do ordenando ao pronunciar estas palavras: “Afim de que tudo que elas abençoarem seja abençoado e tudo o que consagrarem seja consagrado e santificado...”
O poder conferido é expresso sem ambigüidade: “Que eles operem para a salvação de
vosso povo, e pela sua santa bênção, a transubstanciação do pão e do vinho no corpo e no sangue de vosso divino Filho.”
O bispo diz agora: “Recebei a oferenda do povo santo para apresentá-la a Deus.”
Ele faz do novo sacerdote mais um intermediário que o detentor do sacerdócio, que um
sacrificador. A concepção é toda diferente. O sacerdote foi sempre considerado, na santa Igreja, como alguém que possui um caráter dado pelo Sacramento da Ordem. Viu-se um bispo não suspenso escrever: “O padre não é aquele que faz coisas que os simples fiéis não fazem; ele não é mais um “Outro Cristo” do que qualquer um batizado.” Este bispo tirava simplesmente as conclusões do ensinamento que prevalece desde o concílio e da nova liturgia.
Introduziu-se uma confusão a propósito do sacerdócio dos fiéis e do sacerdócio dos
padres. Ora, como diziam os cardeais encarregados de fazer suas observações sobre o
muito famoso catecismo holandês, “a grandeza do sacerdócio ministerial (o dos padres) na sua participação do sacerdócio de Cristo, difere do sacerdócio comum dos fiéis de uma maneira não somente gradual mas essencial”. Pretender o contrário vem a dar, também neste ponto, no alinhamento com o protestantismo.
A doutrina constante da Igreja é que o sacerdote está revestido de um caráter
sagrado indelével: Tu es sacerdos in aeternum. Por mais que faça, diante dos anjos,
diante de Deus, na eternidade, ele continuará sacerdote. Embora lance sua batina às
urtigas, use um pulôver vermelho ou de qualquer outra cor, cometa os maiores crimes, isto não mudará nada. O sacramento da or dem modificou-o na sua natureza.
Nós estamos longe do sacerdote “escolhido pela assembléia para assumir uma
função na Igreja”, e ainda mais do sacerdócio por tempo limitado, proposto por alguns, no fim do qual o preposto ao culto — pois não vejo outro termo para designá-lo — retoma o seu lugar entre os fiéis.
Esta visão dessacralizada do ministério sacerdotal conduz muito naturalmente a
interrogar-se sobre o celibato dos padres. Grupos de pressão ruidosos reclamam sua
abolição, não obstante as advertências repetidas do magistério romano. Viram-se nos
Países Baixos, seminaristas fazer a greve das ordenações para obterem “garantias” a
este respeito. Não citarei as vozes episcopais que se elevaram para pressionarem a
Santa Sé a abrir este processo.

A questão nem mesmo se colocaria se o clero tivesse conservado o sentido da
missa e do sacerdócio.
Pois a razão profunda apresenta-se por si própria quando se compreendem bem
estas duas realidades. É a mesma razão que faz com que a Santíssima Virgem
permaneceu virgem: tendo trazido Nosso Senhor no seu seio era justo e conveniente que ela o fosse. Igualmente o padre, pelas palavras que ele pronuncia, na Consagração, faz vir Deus à terra. Ele tem uma tal proximidade com Deus, Ser espiritual, Espírito antes de tudo, que é bom, justo e eminentemente conveniente que ele seja também virgem e permaneça celibatário.
Existem, objetar-se-á, padres casados no Oriente. Que não haja engano a respeito,
isto não passa de uma tolerância. Os bispos orientais não podem ser casados, nem os
que exercem função de alguma importância. Este clero venera o celibato sacerdotal, que faz parte da mais antiga Tradição da Igreja e que os apóstolos observaram desde o instante de Pentecostes, continuando aqueles que, como São Pedro, eram casados a
viver ao lado de suas esposas mas não as “conheciam” mais.
É sintomático o fato de que os padres que sucumbem às miragens duma pretensa
missão social ou política contraírem quase automaticamente o matrimônio. As duas
coisas vão paralelas.
Querer-se-ia fazer-nos crer que os tempos atuais justificam todas as maneiras de
abandono, que é im possível, nas condições atuais de vida, ser casto, que o voto de
virgindade para os religiosos e religiosas é um anacronismo. A experiência destes vinte anos mostra que os danos causados ao sacerdócio, sob o pretexto de adaptá-lo à época atual são mortais para o sacerdócio. Ora não se pode mesmo encarar uma “Igreja sem padres”; a Igreja é essencialmente sacerdotal.
Triste époc a que quer a união livre para os leigos e o casamento para os clérigos!
Se vós percebeis neste aparente ilogismo uma lógica implacável que tem por objeto a
ruína da sociedade cristã, tendes uma boa visão das coisas e fazeis um julgamento exato.

VIII
Nas fileiras católicas eu ouvi freqüentemente e continuo a ouvir esta observação:
“Querem impor-nos uma religião nova.” O termo é exagerado? Os modernistas que se
infiltraram por todos os lados na Igreja e que comandam o jogo tentaram primeiramente
tranqüilizar: “Mas não, vós tendes esta impressão porque formas caducas foram
substituídas por outras, por razões que se impunham: não se pode mais rezar exatamente
como se fazia antigamente, era preciso sacudir a poeira, adotar uma linguagem
compreensível aos homens de nosso tempo, praticar a abertura em direção de nossos
irmãos separados... Mas seguramente nada mudou.”
Depois eles tomaram menos precauções e os mais ousados passavam mesmo às
declarações quer em grupos pequenos diante de pes soas já ganhas à sua causa, quer
publicamente. Um padre Cardonell se ufanava bastante anunciando um novo cristianismo
no qual seria contestada “a famosa transcendência que faz de Deus o monarca universal”
e arrogando-se abertamente o modernismo de Loisy: “Se vós nascestes numa família
cristã, os catecismos por vós aprendidos são esqueletos da fé.” “Nosso cristianismo,
proclamava ele, aparece o melhor possível de forma neo-capitalista”. O cardeal Suenens, após ter reconstruído a Igreja a seu modo, convocava a “abrir-se ao mais largo pluralismo teológico” e reclamava o estabelecimento duma “hierarquia das verdades” com o que se deveria crer muito, com o que se deveria um pouco e com o que não tinha mais importância.
Em 1973, nos edifícios do arcebispado de Paris, o padre Bernardo Feillet ministrava
um curso, da maneira mais oficial, dentro do quadro da “formação cristã dos adultos” onde afirmava várias vezes: “Cristo não venceu a morte. Ele foi levado à morte pela morte... No plano da vida, Cristo foi vencido e todos nós o seremos. É que a fé não foi justificada por nada, vai ser este grito de protesto contra este universo que acaba, como dizíamos há pouco, pela percepção do absurdo, pela consciência da condenação e pela realidade do nada.”
Eu poderia citar um número importante de casos deste gênero que causav am mais
ou menos escândalo, eram mais ou menos desaprovados, e por vezes não o eram
absolutamente. Mas o povo cristão, em sua grande maioria, não se dava conta do fato; se se informava pelos jornais, pensava tratar-se de abusos que não tinham nenhum caráter geral e não punham em jogo sua própria fé.
Ele começou a interrogar-se e a inquietar-se quando encontrou nas mãos dos seus
filhos livros de catecismo que não mais expunham a doutrina católica tal como era
ensinada de maneira imemorial.
Todos os novos catecismos se inspiraram mais ou menos no Catecismo holandês
publicado pela primeira vez em 1966. As proposições contidas nesta obra eram tão
forjadas que o papa nomeou um comissão cardinalícia para examiná-lo, o que se realizou em Gazzada, na Lombardia, em abril de 1967. Ora, esta comissão destacou dez pontos a respeito dos quais ela aconselhava que a Santa Sé exigisse modificações.
Era um modo de dizer, conforme aos costumes post-conciliares, que estes pontos
estavam em desacordo com a doutrina da Igreja; alguns anos antes, teriam sido
decididamente condenados e o Catecismo holandês posto no “Index”. Com efeito, os
erros ou omissões destacadas afetam o essencial da fé.
Que encontramos aí? O Catecismo holandês ignora os anjos e não considera as
almas humanas como criadas imediatamente por Deus. Ele deixa entender que o pecado
original não foi transmitido por nossos primeiros pais a todos os seus descendentes, mas que foi contraído pelos homens pelo fato de sua vida no meio da comunidade humana, onde reina o mal; ele teria de alguma sorte um caráter epidêmic o. A virgindade de Maria não é afirmada. Não se diz que Nosso Senhor foi morto pelos nossos pecados, enviado para este fim por seu Pai, e que a graça divina nos foi restituída a este preço.
Por via de conseqüência, a missa é apresentada como um banquete e não como um sacrifício. Nem a Presença real nem a realidade da transubstanciação são afirmadas dum modo claro.
A infalibilidade da Igreja e o fato de que ela detém a verdade desapareceram deste
ensinamento, como também a possibilidade para inteligência humana de “significar e
atingir os mistérios revelados.” O Soberano Pontífice perde o seu poder pleno, supremo e universal. A Santíssima Trindade, o mistério das três pes soas divinas não são apresentados de maneira satisfatória. A comissão critica também a exposição feita sobre a eficácia dos sacramentos, a definição do milagre, a sorte reservada às almas dos justos após a morte. Ela aponta obscuridades na explicação das leis morais e das “soluções de casos de consciência”, que não dão importância à indissolubilidade do matrimônio.
Mesmo se todo o resto é, neste livro, “bom e louvável”, o que não é nada de admirar
pois os modernistas sempre misturaram o verdadeiro com o falso, assim como notava
com firmeza São Pio X, há certamente bastante razão para dizer que se trata duma obra perversa, eminentemente perigosa para a fé. Ora sem esperar o relatório da comissão e até deturpando o mesmo, os promotores da operação faziam publicar traduções em várias línguas. E por conseguinte, o texto jamais foi modificado. Às vezes o texto da comissão era acrescentado ao índice, às vezes não. Falarei mais adiante do problema da obediência. Quem desobedece nesta questão? Quem denuncia um tal catecismo?
Os holandeses traçaram o caminho. Nós depressa os alcançamos. Não farei o
histórico da catequese francesa para não me deter senão na sua última transformação, a “compilação católica de documentos privilegiados da fé” intitulado Pedras Vivas e a maré dos “roteiros catequéticos”. Estas obras deveriam, para respeitar a definição da palavra catequese, ostensivamente em pregada em todos os documentos, proceder por meio de perguntas e respostas. Eles abandonaram esta construção que permitia um estudo sistemático do conteúdo da fé e não dão quase nunca respostas. Pedras Vivas tem o cuidado de nada afirmar, salvo as proposições novas, insólitas, estranhas à Tradição.
Os dogmas, quando são evocados, o são como crenças particulares a uma parte
dos homens aos quais este livro chama “cristãos”, pondo-os em concorrência com os
judeus, os protestantes, os budistas e mesmo os agnósticos e os ateus. Nos vários
roteiros os “animadores de catequese” são convidados a fazer com que a criança abrace uma religião, pouco importa qual. Aliás se tem interesse em colocar-se à escuta dos descrentes que têm muito a ensinar-lhe. O importante é “fazer equipe”, prestar serviço entre camaradas de classe e preparar para amanhã as lutas sociais, nas quais será preciso comprometer-se, mesmo com os comunistas, como explica a história edificante de
Madalena Delbêl, esboçada em Pedras Vivas e narrada minuciosamente em certos
roteiros. Um outro “santo” proposto à imitação das crianças é Martim Luther King,
enquanto que se elogiam Marx e Proudhon “grandes defensores da classe operária” que
“parecem vir de fora da Igreja”. Esta, vede bem, teria querido empreender este combate,
não soube como fazê-lo. Contentou-se com “denunciar a injustiça”. Eis o que se ensina às
crianças.
Contudo m ais grave ainda é o descrédito que se lança sobre os Livros santos, obra
do Espírito Santo. Enquanto que se esperava ver começar a compilação de textos
escolhidos da Bíblia pela Criação do mundo e do homem, Pedras Vivas começa pelo livro
do Êxodo, sob o título: “Deus cria seu povo.” Como os católicos não estariam, mais que
perplexos, desconcertados com este desvio de vocabulário?
É precis o chegar ao Primeiro Livro de Samuel para fazer um recuo em direção do
Gênesis e aprender que Deus não criou o mundo. Eu não invento nada também desta


vez, está escrito: “O autor desta narração da Criação se pergunta, como muitas pessoas,
o modo pelo qual o mundo começou. Os crentes refletiram. Um deles compôs um
poema...” Depois, na corte de Salomão, outros sábios refletem no problema do mal. Para
explicá-lo eles escrevem um “relato figurado” e nós temos a tentação pela serpente, a
queda de Adão e de Eva. Mas nada de castigo: o texto é truncado neste lugar. Deus não
castiga, assim como a nova Igreja não mais condena, salvo aqueles que permanecem
fiéis à Tradição. O pecado original, citado entre aspas é um “mal de nascimento”, uma
“enfermidade que remonta às origens da humanidade”; qualquer coisa de muito vago, e
inexplicável.
Evidentemente, toda a religião desmorona. Se não se pode mais responder àquilo
que concerne ao problema do mal, não vale mais a pena pregar, celebrar missas,
confessar. Quem vos escutará?
O Novo Testamento se abre com Pentecostes. O acento se coloca sobre esta
primeira comunidade que eleva um grito de fé. Em seguida estes cristãos “se lembram” e
a história de Nosso Senhor se desprende das brumas de sua memória. Começando pelo
fim: a Ceia, o Gólgota. Depois vem a vida pública e enfim a infância, sob este título
ambíguo: “Os primeiros discípulos fazem a narração da infância de Jesus.”
Sobre estas bases, os roteiros não terão trabalho em fazer compreender que os
Evangelhos da infância são uma piedosa lenda, como os povos antigos tinham o costume
de fazer ao traçarem a biografia de seus grandes homens. Pedras Vivas fornece ademais
uma data tardia dos Evangelhos, que reduz sua credibilidade, e, num quadro tendencioso,
mostra os Apóstolos e seus sucessores pregando, celebrando e ensinando antes de “reler
a vida de Jesus a partir da sua vida”. É uma inversão completa: sua experiência pessoal
se torna a origem da Revelação em vez de ser a Revelação que modela seu pensamento
e sua vida.
A propósito dos novíssimos, Pierres Vivantes mantém uma inquietante confusão. O
que é alma? “É preciso alento para correr; é preciso alento para ir até o fim das coisas
difíceis. Quando alguém está morto se diz: “Ele rendeu seu último suspiro.” O alento é a
vida, a vida íntima de alguém. Chama-se também “a alma”. Num outro capítulo a alma é
comparada ao coração, o coração que bate, o coração que ama. O coração é também a
sede da consciência. Como prosseguir? Em que consiste então a morte? Os autores do
livro não se pronunciam: “Para alguns, a morte é a parada definitiva da vida. Outros
pensam que se pode viver ainda depois da morte, mas sem saber se isto é certo. Outros
enfim têm a firme segurança. Os cristãos são destes.“ A criança não tem mais do que
escolher, a morte é uma matéria de opção. Mas aquele que segue os cursos de
catecismo não é cristão? Neste caso por que lhe falar dos cristãos na terceira pessoa em
lugar de dizer firmemente: “Nós, nós sabemos que existe uma vida eterna, que a alma
não morre”? O paraíso é objeto dum desenvolvimento também equívoco: “Os cristãos
falam por vezes do paraíso para designar a alegria perfeita de estar com Deus para
sempre depois da morte: é o “céu”, o Reino de Deus, a Vida eterna, o reino da Paz.”
Esta explicação continua muito hipotética. Pareceria que se tem a ver com um modo
de dizer, com uma metáfora tranqüilizadora empregada pelos cristãos. Nos so Senhor nos
prometeu, se nós observarmos os seus mandamentos, o céu que a Igreja sempre definiu
como “um lugar de felicidade perfeita onde os anjos e os eleitos vêem a Deus e o
possuem para sempre”. A catequese marca um recuo certo no que era afirmado nos
catecismos. Disto não pode resultar senão uma falta de confiança nas verdades
ensinadas e uma desmobilização espiritual: de que serve resistir a seus instintos e seguir
o caminho estreito se não se sabe muito bem o que espera o cristão após a morte?
O católico não vai buscar de seus sacerdotes e de seus bispos sugestões que lhe
permitam fazer uma idéia sobre Deus, o mundo, os fins últimos; ele lhes pede o que deve


crer e o que deve fazer. Se eles lhes respondem por um amontoado de proposições e de
projetos de vida, ele não tem mais a fazer senão se constituir uma religião pessoal, ele se
torna protestante. A catequese faz das crianças pequenos protestantes.
A palavra chave da reforma é a caça às “certezas”. Criticam-se os cristãos que as
possuem como um avarento guardaria o seu tesouro, eles são tidos como egoístas, como
fartos, envergonham-nos. É preciso abrir-se às opiniões contrárias, admitir as diferenças,
respeitar as idéias dos franco-maçons, dos marxistas, dos muçulmanos, mesmo dos
animistas. O sinal de uma vida santa é dialogar com o erro.
Então tudo é permitido. Falei das conseqüências da nova definição do casamento;
não são conseqüências eventuais, o que poderia suceder se os cristãos tomassem esta
definição ao pé da letr a. Elas não tardaram a realizar-se, nós o verificamos pela licença
dos costumes que se difunde cada dia mais. Mas, o que é mais consternador, é que a
catequese lhe presta auxílio. Tomemos um “material catequético” como se diz, publicado
em Lyon por volta de 1972 com o “imprimatur” e destinado aos educadores. O título? Eis
o homem. O dossiê consagrado à moral diz o seguinte: “Jesus não teve intenção de
deixar à posteridade uma “moral” seja ela política, social ou tudo o que se quiser... A
única exigência que subsiste é o amor dos homens entre si... Depois disto, vós sois livres;
a vós cabe escolher a melhor maneira, em cada circunstância, de exprimir este amor que
vós dedicais a vossos semelhantes.”
O dossiê “Pureza”, da mesma origem, tira as aplic ações desta lei geral. Após ter
explicado, a despeito do Gênesis, que o vestuário não apareceu senão tardiamente,
“como sinal dum nível social, duma dignidade” e para desempenhar uma “função de
dissimulação”, define-se a pureza como o seguinte: “Ser puro é estar na ordem, e ser fiel
à natureza... Ser puro é estar em harmonia, em paz com a terra e com os homens; é estar
de acordo sem resistência nem violência, às grandes forças da natureza.” Encontramos
agora uma pergunta e uma resposta: “Uma tal pureza é compatível com a pureza dos
cristãos? — Não somente é compatível mas necessária a uma pureza humana e cristã.
Jesus Cristo não negou nem rejeitou nenhuma destas descobertas, destas aquisições
fruto da longa pesquisa dos povos — muito pelo contrário ele lhes veio dar um
prolongamento extraordinário: “Não vim abolir mais cumprir”. Em apoio destas afirmações,
os autores dão como exemplo Maria Madalena: “Nesta assembléia, é ela que é pura,
porque amou muito, amou profundam ente. “É assim que se deturpou o Evangelho: de
Maria Madalena não se retém senão o pecado, a vida dissoluta: o perdão que Nosso
Senhor lhe concedeu é apresentado como uma aprovação de sua existência passada,
não se tem em conta a exortação divina: “Vai e não peques mais” nem o firme propósito
que levou a antiga pecadora até o Calvário, fiel a seu Mestre no resto de seus dias. Este
livro revoltante não conhece nenhum limite:
“Pode-se ter relações com uma moça, perguntam os autores, mesmo se se sabe
muito bem que é para se divertir ou para ver o que é uma mulher?” E eles respondem:
Colocar assim o problema das leis da pur eza é indigno dum verdadeiro homem, dum
homem que ama, dum cristão... Isto significaria impor ao homem um arrocho, um jugo
intolerável? Ao passo que Cristo veio precisamente livrar-nos do jugo pesado das leis:
“Meu jugo é suave e meu fardo leve”. “Vede como se interpretam as palavras mais santas
para perverter as almas! De Santo Agostinho retiveram apenas uma frase: “Ama e faze o
que quiseres!”
Enviaram-me livros ignóbeis que apareceram no Canadá. Não se fala aí a não ser
do sexo e sempre em caracteres destacados: a sexualidade vivida na fé, a promoção
sexual, etc. As imagens são absolutamente repugnantes. Parece que se quer dar, por
toda a força, à criança o desejo e a obsessão do sexo, fazer-lhe crer que não há senão
isto na vida. Numerosos pais cristãos protestaram, reclamaram mas não havia nada a


fazer e devido a uma boa razão: lê-se na última página que estes catecismos são
aprovados pela comissão de catequese. A permissão de imprimir foi dada pelo presidente
da comissão episcopal de ensino religioso de Québec!
Um outro catecismo aprovado pelo episc opado canadense convida a criança a
romper com tudo: com seus pais, com a Tradição, com a sociedade, a fim de reencontrar
sua personalidade que todos estes vínculos asfixiam, a libertar-se dos complexos que lhe
advêm da sociedade ou da família. Buscando sempre uma justificação no Evangelho, os
que dão este gênero de conselho pretendem que Cristo viveu estas rupturas e assim se
revelou filho de Deus. É portanto Ele que quer façamos o mesmo.
Pode-se adotar uma concepção tão contrária à religião católica, sob a cobertura da
autoridade episcopal? Em vez de falar de ruptura, dever-se-ia falar dos vínculos que
devemos buscar porque eles constituem a nossa vida. Que é o amor de Deus senão um
vínculo com Deus, uma obediência a Deus, a seus mandamentos? O vínculo com os pais,
o amor pelos pais são liames de vida e não de morte. Ora, eles são apresentados à
criança como qualquer coisa que a constrange, que a estreita, que diminui sua
personalidade e dos quais ela se deve desembaraçar!
Não, não é mais possível que deixeis c orromper os vossos filhos desta maneira.
Falo francamente: vós não podeis enviá-los a estes catecismos que os fazem perder a fé.


IX
As devastações da catequese são visíveis nas gerações que já tiveram que as
sofrer. Eu tinha incluído na Ratio Studiorum de meus seminários, como a Sagrada
Congregação dos seminários e universidades obrigou desde 1970, um ano de
espiritualidade colocado no início dos estudos que duram seis anos. Espiritualidade, isto
é, ascetismo, mística, formação na meditação e na oração, aprofundamento das noções
de virtude, de graça sobrenatural, de presença do Espírito Santo...
Foi-nos preciso muito pouco tempo para desiludir-nos. Nós nos demos conta de que
estes jovens, tendo vindo com um vivo desejo de se tornarem verdadeiros sacerdotes,
possuindo uma vida interior mais profunda que muitos de seus contemporâneos e o
hábito da oração, não conheciam mesmo as noções fundamentais de nossa fé. Não se
lhes haviam ensinado. Durante o ano de espiritualidade, foi preciso ministrar-lhes o
catecismo!
Eu contei muitas vezes o nascimento do seminário de Ecône. Nesta casa situada no
Valais entre Sion e Martigny, estava previsto que os futuros sacerdotes não fariam ali
senão este primeiro ano de espiritualidade: em seguida eles seguiriam os cursos da
universidade de Friburgo. Se a criação dum seminário completo foi muito rapidamente
visada é porque a universidade de Friburgo não assegurava mais um ensino
verdadeiramente católico.
A Igreja sempre considerou as cátedras universitárias de teologia, de direito
canônico, de liturgia e de direito eclesiástico como órgãos de seu magistério ou pelo
menos de sua pregação. Ora é coisa certa que atualmente em todas ou quase todas as
universidades católicas, não é mais a fé católica ortodoxa que se ensina. Não vejo uma só
para fazê-lo nem na Europa livre, nem nos Estados Unidos, nem na América do Sul. Há
nelas professores que sob o pretexto de pesquisas teológicas, se permitem emitir
opiniões que vão contra nossa fé e não somente em aspectos secundários.
Falei mais cima deste decano da faculdade de teologia de Estrasburgo para quem a
presença de Nosso Senhor na missa se pode com parar à de Wagner no Festival de
Baireuth. Para ele não se tr ata mais da questão do “Novo Ordo”: o mundo evolui com tal
rapidez que estas coisas se encontram logo no tempo passado. Ele julga portanto que é
preciso prever uma Eucaristia que provirá do próprio grupo. Em que consistirá ela? Ele
mesmo não o sabe. Mas, profetiza no seu livro Pensamentos contemporâneos e
expressão da fé euc arística, os membros do grupo, encontrando-se, criarão o sentimento
desta comunhão com Cristo que estará presente no meio deles, mas sobretudo não sob
as espécies do pão e do vinho. Ele sorri desta Eucaristia que se chama “sinal eficaz”,
definição comum a todos os sacramentos. “Isto é ridículo, diz ele, não podem dizer mais
estas coisas presentemente; em nossa época isto não tem mais sentido.”
Os jovens alunos que ouvem estas coisas da boca de seu professor, e além do mais
decano da faculdade, os jovens seminaristas que assistem a estes cursos são pouco a
pouco impregnados pelo erro; eles recebem uma formação que não é mais católica.
Acontece o mesmo com aqueles que ouviam há pouco um professor dominicano de
Friburgo assegurar que as relações pré-matrimoniais são uma coisa normal e desejável.
Meus próprios seminaristas conheceram outro dominicano que lhes ensinava a
compor novos cânones: “Isto não é muito difícil; eis aqui alguns princípios que podereis
utilizar facilmente quando fordes sacerdotes.” Poder-se-iam multiplicar os exemplos.
Smulders, na Escola superior de teologia de Amsterdam, suspeita que São Paulo e São
João tenham imposto abusivamente o conceito de Jesus filho de Deus, e rejeita o dogma
da Encarnação. Schille-beeckx, na universidade de Nimega, emite as idéias mais


extravagantes, inventa a transignificação, submete o dogma às variações impostas pelas
circunstâncias de cada época, assinala um fim social e terrestre à doutrina da salvação.
Küng, em Tübingen, antes de lhe interditarem de ensinar numa cátedra de teologia
católica, punha em questão o mistério da Santíssima Trindade, a Virgem Maria, os
sacramentos e tratava Jesus de narrador público desprovido de “toda a cultura teológica”.
Snackenburg, na universidade de Würzburg, acusa São Mateus de ter forjado o episódio
da Confissão de Cesaréia, para autenticar o primado de Pedro. Rahner, que acaba de
morrer, minimizava a Tradição nos seus cursos na universidade de Munique, negava
praticamente a Encarnação falando sem cessar, a propósito de Nosso Senhor, de um
homem “concebido naturalmente”, negava o pecado original e a Imaculada Conceição,
preconizava o pluralismo teológico.
Todos eles foram colocados nas nuvens por elementos avançados do neo-
modernismo; eles têm o apoio da imprensa, de tal maneira que suas teorias tomam
importância aos olhos do público e seus nomes são conhecidos. Eles parecem desde
então representar toda a teologia e autorizam a crer na idéia de que a doutrina da Igreja
mudou.
Eles podem prosseguir seu ensino pernicioso durante longos anos, interrompidos às
vezes por leves sanções. Os papas relembram dum modo regular os limites da missão do
teólogo. “Não é mais possível, dizia ainda recentemente João Paulo II, desviar-se,
separar-se dos pontos fundamentais de referência que são os dogmas definidos, sob a
pena de perder a identidade católica. “Schille-beeckx, Küng, o padre Pohier foram
repreendidos mas não condenados, este último por um livro em que negava a
ressurreição corporal de Cristo.
Pode-se imaginar que, nas universidades romanas, inclusive na Gregoriana, se
permitem, sob o pretexto de pesquisa teológica, as teorias mais inverossímeis sobre as
relações entre a Igreja e o Estado, sobre o divórcio e sobre outras questões
fundamentais?
É certo que o fato de se ter transformado o Santo Ofício, que sempre foi considerado
pela Igreja como o Tribunal da fé, favorece estes abusos. Até então qualquer um, fiel,
padre e com mais forte razão, bispo, podia submeter ao Santo Ofício um escrito, uma
revista, um artigo e perguntar o que a Igreja pensava a respeito, se este escrito era
conforme ou não à doutrina católica. Um mês, seis semanas mais tarde, o Santo Ofício
respondia: “Isto é justo, isto é falso, isto se deve distinguir, há um a parte verdadeira e uma
parte falsa.”
Todo documento era, desta maneira, examinado e julgado definitivamente. Choca-
vos o fato que se possam levar assim os escritos de uma terceira pessoa ao
conhecimento dum tribunal? Que acontece então nas sociedades civis? Não existe um
Conselho constitucional para decidir o que é conforme ou não à Constituição? Não
existem tribunais, a que se recorre a respeito dos diferentes prejuízos sofridos pelos
particulares e pelas coletividades? Pode-se mesmo pedir ao juiz intervir no caso de
moralidade pública contra a afixação de um cartaz licencioso ou contra um jornal vendido
às claras e cuja primeira página constitui um ultraje aos bons costumes, embora o limite
do que é permitido tenha recuado consideravelmente, nestes últimos tempos, em
numerosos países.
Mas na Igreja, não se aceitava mais a intervenção dum tribunal, não se devia mais
julgar nem condenar. Os modernistas extraíram dos Evangelhos, como os protestantes, a
frase que lhes interessava: “Não julgueis.” Mas não tiveram em conta o fato de que Nosso
Senhor logo após disse: “Acautelai-vos dos fals os profetas... É pelos seus frutos que os
julgareis.” O católico não deve julgar inconsideradamente as faltas de seus irmãos, seus
atos pessoais, mas Cristo lhe deu a ordem de preservar sua fé e como ele o fará sem


lançar um olhar crítico a tudo o que se faz ler ou ouvir? É ao magistério que ele se dirigirá
quando uma opinião lhe parecer duvidosa; eis para quê servia o Santo Ofício. Mas este,
desde a reforma que o afetou, se define a si próprio como “Ofício de pesquisas
teológicas”. A diferença é sensível.
Lembro-me de ter perguntado ao cardeal Browne, antigo superior geral dos
dominicanos que esteve muito tempo no Santo Ofício:
— Eminência, tendes a impressão de que esta mudança é radical ou simplesmente
superficial e acidental?
— Oh, disse-me ele, mas não! A mudança é essencial. É por isso que não nos
devemos admirar de que não mais se condene ou tão pouco, se o Tribunal para a fé da
Igreja não exerce mais sua função frente aos teólogos e a todos aqueles que escrevem
sobre os assuntos religiosos. Segue-se que os erros se disseminam por toda a parte, eles
deixaram as cátedras universitárias para invadir os catecismos e os presbitérios das mais
remotas paróquias. O veneno da heresia acabou por apoderar-se de toda a Igreja. O
magistério eclesiástico está portanto submetido a uma crise muito grave.
Os arrazoados mais absurdos são utilizados para fazerem o jogo destes teólogos,
que de teólogos só possuem o nome. Viu-se um padre Duquoc, professor em Lyon,
percorrer a França fazendo conferências sobre a oportunidade de conferir o sacerdócio a
certos fiéis, inclusive às mulheres. Bom número e católicos reagiram aqui e ali, um bispo
do sul tomou firmemente posição contra este pregador duvidoso, o que acontece algumas
vezes. Mas em Laval, os leigos ouviram escandalizados a resposta do episcopado:
“Nosso dever mais absoluto nesta circunstância é preservar a liberdade de palavra na
Igreja.” É estarrecedor! Onde se pôde adquirir esta noção de liberdade de palavra? Ela é
totalmente estranha ao direito da Igreja. E além do mais, far-se-ia disto um dever absoluto
do bispo! Isto redunda numa inversão total do senso da responsabilidade episcopal, que
consiste em defender a fé e em preservar da heresia o povo que lhe foi confiado.
Eu preciso citar exemplos, escolhidos aliás no domínio público; que o leitor queira
acreditar entretanto, que não escrevo para criticar pessoas. É a atitude que se fixou
sempre o Santo Ofício. Ele não considerava as pessoas mas somente as obras. Tal
teólogo se queixava de que se condenara um de seus livros sem ouvi-lo. Mas o Santo
Ofício condenava precisamente trechos de obras e não os autores. Dizia: “Este livro
contém frases que não são conformes à doutrina tradicional da Igreja”. Um ponto, eis
tudo! Por que remontar àquele que as havia escrito? Suas intenções, sua culpabilidade
são da competência dum outro tribunal, o da penitência.


X
Existe, nesta confusão de idéias em que os cristãos parecem comprazer-se, uma
tendência particularmente prejudicial à fé e tanto mais perigosa quanto ela se apresenta
sob as aparências de caridade. A palavra, que apareceu em 1927 por ocasião dum
congresso realizado em Lausanne, deveria por si própria prevenir os católicos se eles se
referiam à definição que lhe dão todos os dicionários: ”Ecumenismo: movimento favorável
à reunião de todas as Igrejas cristãs numa só.” Não se podem misturar princípios
contraditórios, é evidente, não se podem reunir de maneira a fazer deles uma só coisa, a
verdade e o erro. A não ser que se adotem os erros e se rejeite toda ou parte da verdade.
O ecumenismo se condena por si mesmo.
O termo conheceu uma tal voga desde o último concílio, que penetrou a linguagem
profana. Fala-se de ecumenismo universitário, de ecumenismo informático, e lá sei mais
ainda, para exprimir um gosto ou uma idéia preconcebida de diversidade, de ecletismo.
Na linguagem religiosa, o ecumenismo se estendeu ultimamente às religiões não
cristãs, traduzindo-se bem depressa em atos. Um jornal do Oeste nos indica por um
exemplo preciso a maneira pela qual se processa a evolução: numa pequena paróquia na
região de Cherburgo, a população católica se preocupa com trabalhadores muçulmanos
que acabam de chegar para uma construção. É uma atitude caridosa pela qual não se
pode deixar de felicitá-los. Numa segunda fase, vemos os muçulmanos pedir um local
para festejar o Ramadã e os cristãos oferecer-lhes o sub-solo de sua igreja. Depois
começa a funcionar neste lugar uma escola corâmica. No fim de dois anos, os cristãos
convidam os muçulmanos a fes tejar o Natal com eles, “em torno de uma prece comum
preparada com extratos dos capítulos do Corão e com versículos do Evangelho. A
caridade mal entendida levou estes cristãos a pactuarem com o erro.
Em Lille, os dominicanos ofereceram uma capela aos muçulmanos para ser
transformada em mesquita. Em Versalhes, pediu-se auxílio financeiro nas igrejas para “a
aquisição dum lugar de culto para os muçulmanos”. Duas outras capelas foram-lhes
cedidas em Roubaix e em Marselha, assim como uma igreja em Argentenil. Os católicos
se fazem os apóstolos do pior inimigo da Igreja de Cristo, que é o Islão e oferecem seus
óbulos a Maomé! Há, parece, mais de 400 mesquitas na França e em muitos casos são
os católicos que deram o dinheiro para sua construção.
Todas as religiões têm hoje direito de cidadania na Igreja. Um cardeal francês
celebrava um dia a missa em presença de monges tibetanos que tinham sido colocados
na primeira fila vestidos com seus hábitos de cerimônia, e se inclinava diante deles
enquanto que um animador anunciava: “Os bonzos participarão conosco da celebração
eucarística.” Numa igreja de Rennes foi celebrado o culto de Buda; na Itália, vinte monges
foram iniciados solenemente no Zen por um budista.
Não acabaria de citar os exemplos de sincretismo aos quais assistimos. Vêem-se
desenvolver associações, nascer movimentos que encontram sempre para presidir-lhes
um eclesiástico em pesquisa, como aquela que quer chegar “à fusão de todas as
espiritualidades no amor”. Ou projetos pasmosos como a transformação de Nossa
Senhora da Guarda em lugar de culto monoteísta para os cristãos, os muçulmanos e os
judeus, projeto felizmente contrariado por grupos de leigos.
O ecumenismo, na sua acepção estrita, reservada então aos cristãos, faz organizar
celebrações eucarísticas comuns com os protestantes, assim como sucedeu em particular
em Estrasburgo. Ou então são os anglicanos que são convidados na catedral de Chartres
para celebrar a “Ceia eucarística”. A única celebração que não se admite nem em
Chartres, nem em Estrasburgo, nem em Rennes, nem em Marselha é a da santa missa


segundo o rito codificado por São Pio V.
Que conclusão pode tirar de tudo isso o católico que vê as autoridades eclesiásticas
dar cobertura a cerimônias tão escandalosas? Que todas as religiões se equivalem, que
ele poderia muito bem obter sua salvação com os budistas ou os protestantes. Ele corre o
risco de perder a fé na santa Igreja. É bem o que se lhe sugere; quer-se submeter a Igreja
ao direito comum, quer-se pô-la no mesmo plano que as outras religiões, recusa-se a
dizer, mesmo entre os sacerdotes, os seminaristas e os professores de seminário, que a
Igreja Católica é a única Igreja, que ela possui a verdade, que somente ela é capaz de dar
a salvação aos homens por Jesus Cristo. Agora se diz abertamente: “A Igreja não é senão
um fermento espiritual na sociedade, mas em pé de igualdade com as outras religiões, um
pouco mais que as outras, talvez...” Aceita-se em rigor, e nem sempre, em conferir-lhe
uma ligeira superioridade.
Neste caso, a Igreja seria apenas útil, não mais necessária. Ela constituiria um dos
meios de alcançar a salvação.
É preciso dizê-lo c laramente, uma tal concepção se opõe dum modo radical ao
próprio dogma da Igreja católica. A Igreja é a única arca da salvação, nós não devemos
ter medo de afirmá-lo. Vós freqüentemente ouvistes dizer. “Fora da Igreja não há
salvação” e isto choca as mentalidades contemporâneas. É fácil fazer crer que este
princípio não está mais em vigor, que se renunciou a ele. Parece ser de uma severidade
excessiva.
Entretanto, nada mudou, nada pode ser mudado neste domínio. Nosso Senhor não
fundou várias igrejas, mas só uma. Não há senão uma só cruz pela qual nos possamos
salvar e esta cruz foi dada à igreja católica; ela não foi dada às outras. À sua Igreja, que é
sua esposa mística, Cristo deu todas as suas graças. Nenhuma graça será distribuída ao
mundo, na história da humanidade, sem passar por ela.
Isto quer dizer que nenhum protestante, nenhum muçulmano, nenhum budista,
nenhum animista será salvo? Não; e constitui um segundo erro pensá-lo.
Aqueles que reclamam da intolerância ouvindo a fórmula de São Cipriano “Fora da
Igreja não há salvação” rejeitam o Credo: “Reconheço um só batismo para a remissão dos
pecados” e estão insuficientemente instruídos a respeito do batismo. Há três maneiras de
recebê-lo: o batismo da água, o batismo do sangue (é o dos mártires que c onfessam sua
fé sendo ainda catecúmenos) e o batismo de desejo.
O batismo de desejo pode ser explícito. Bastantes vezes, na África, ouvíamos um de
nossos catecúmenos dizer: “Meu padre, batizai-me logo, pois se eu morrer antes de
vossa próxima passagem, eu irei para o inferno.”
Nós lhe respondíamos: “Não; se não tendes pecado mortal na consciência e se
tendes o desejo do batismo, já tendes a sua graça em vós.”
Tal é a doutrina da Igreja, que reconhece também o batismo de desejo implícito. Ele
consiste no ato de fazer a vontade de Deus. Deus c onhece todas as almas e sabe, por
conseqüência que nos meios protestantes, muçulmanos, budistas e em toda a
humanidade, existem almas de boa vontade. Elas recebem a graça do batismo sem o
saberem, mas duma maneira efetiva. Por aí mesmo elas se unem à Igreja.
Mas o erro consiste em pensar que elas se salvam por meio de sua religião. Elas se
salvam em sua religião mas não por meio dela. Não há salvação por meio do Islão ou
pelo xintoísmo. Não há Igreja budista no céu, nem Igreja protestante. São coisas que
podem parecer duras de ouvir, mas esta é a verdade. Não fui eu quem fundou a Igreja, foi
Nosso Senhor, o Filho de Deus. Nós, sacerdotes, somos obrigados a dizer a verdade.


Mas a preço de quantas dificuldades os homens dos países não penetrados pelo
cristianismo chegam a receber o batismo de desejo! O erro é um obstáculo ao Espírito
Santo. Isto explica porque a Igreja tenha sempre enviado missionários a todos os países
do mundo, que inúmeros dentre eles tenham conhecido aí o martírio. Se se pode
encontrar a salvação em qualquer religião, para que atravessar os mares, ir submeter-se,
em climas insalubres, a uma vida penosa, à doença, a uma morte precoce? Desde o
martírio de Santo Estevão, o primeiro a dar sua vida por Cristo e o qual por esta razão se
festeja no dia seguinte ao do Natal, 26 de dezembro, os Apóstolos puseram-se a caminho
para ir difundir a boa nova na bacia do Mediterrâneo; te-lo-iam feito se se soubesse que
haveria salvação também no culto de Cibele ou pelos mistérios de Eleusis? Por que
Nosso Senhor lhes teria dito: “Ide evangelizar às nações”?
E assombroso que hoje em dia alguns pretendam deixar cada um seguir o seu
caminho para Deus s egundo as crenças em vigor no seu “meio cultur al”. A um padre que
queria converter crianças muçulmanas, o seu bispo disse: “Não, fazei delas boas
muçulmanas, será muito melhor do que torná-las católicas!” Foi-me certificado que os
monges de Taizé tinham pedido, antes do concílio, para abjurar seus erros e tornar-se
católicos. As autoridades disseram-lhes então: “Não, esperai. Depois do concílio vós
sereis a ponte entre os católicos e os protestantes.”
Os que deram esta resposta assumiram uma grave responsabilidade diante de
Deus, pois a graça vem num momento, talvez não venha sempre. Atualmente os caros
padres de Taizé, que têm sem dúvida boas intenções, estão ainda fora da Igreja e
semeiam a confusão no espírito dos jovens que os vão ver.
Falei das conversões que cessaram brutalmente em países como os Estados
Unidos, onde se contavam cerca de 170.000 por ano, a Grã Bretanha, a Holanda... O
espírito missionário se extingue porque se deu uma falsa definição da Igreja e por causa
da declaração conciliar sobre a liberdade religiosa, da qual devo agora falar.


XI
No concílio, foi o esquema sobre a liberdade religiosa que suscitou as mais acirradas
discussões. Isto se explica facilmente pela influência que exerciam os liberais e pelo
interesse que tinham nesta questão os inim igos hereditários da Igreja. Passaram-se vinte
anos e é possível ver agora que nossos receios não eram exagerados quando este texto
foi promulgado, sob a forma duma declaração que reunia noções opostas à Tradição e ao
ensinamento de todos os últimos papas. Tanto isto é verdadeiro que princípios falsos ou
expressos dum modo ambíguo têm infalivelmente aplicações práticas reveladoras do erro
cometido em adotá-los. Vou mostrar, por exemplo, como os ataques dirigidos contra o
ensino católico na França pelo governo socialista são a conseqüência lógica da nova
definição dada à liberdade religiosa pelo Vaticano II.
Façamos um pouco de teologia para compreender bem com que espírito esta
declaração foi redigida. A argumentação inicial — e nova — fazia repousar a liberdade,
para cada homem, de praticar interior e exteriormente a religião de sua escolha, sobre a
“dignidade da pessoa humana”. Era portanto esta dignidade que fundamentava a
liberdade, que lhe dava sua razão de ser. O homem podia aderir a qualquer erro em nome
de sua dignidade.
Isto era pôr o carro à frente dos bois, apresentar as coisas pelo avesso. Pois aquele que adere ao erro decai de sua dignidade e nada se pode mais estabelecer sobre o erro.
De outra parte, o que fundamenta a liber dade não é a dignidade, mas a verdade: “A
Verdade vos tornará livres”, disse Nosso Senhor.
Que se entende por dignidade? O homem a tira, segundo a doutrina católica, de sua
perfeição, isto é do conhecimento da verdade e da aquisição do bem. O homem é digno
de respeito segundo sua intenção de obedecer a Deus e não segundo seus erros. Estes
geram indefectivelmente o pecado. Quando Eva, a primeira pecadora, sucumbiu, disse: ”A serpente me enganou.” O seu pecado e o de Adão acarretaram a degradação da
dignidade humana da qual sofremos desde então.
Daí resulta que não se pode ligar a liberdade à degradação como à sua causa. Ao
contrário, a adesão à verdade e o amor de Deus são os princípios da autêntica liberdade religiosa. Pode-se definir esta como a liberdade de render a Deus o culto que lhe é devido e de viver segundo seus mandamentos.
Se tendes seguido bem este raciocínio, a liberdade religiosa não se pode aplicar às
religiões falsas, ela não sofre a partilha. Na sociedade civil, a Igreja proclama que o erro não tem direitos; o Estado somente deve reconhecer para os cidadãos o direito de praticarem a religião de Cristo.
Certamente, isto deve parecer como uma pretensão exorbitante àquele que não tem
fé. O católico não contaminado pelo espírito do tempo julga-o normal e legítimo. Mas ai!
Muitos, entre os cristãos, perderam de vista estas realidades. Repetiu-se tanto que era preciso respeitar as idéias dos outros, colocar-se em seu lugar, aceitar seus pontos de vista, divulgou-se tanto este contra-senso: “A cada um a sua verdade”; tanto se tomou o diálogo pela virtude cardeal por excelência, diálogo que leva obrigatoriamente a
concessões: o cristão, por uma caridade mal entendida, acreditou que devia fazê-las mais que seus interlocutores, é freqüentemente o único a fazê-las. Não se imola mais, como os mártires, pela verdade; é a verdade que é por ele imolada.
De outra parte, a multiplicação dos estados leigos na Europa cristã habituou os
espíritos ao laicismo e os conduziu a adaptações contrárias à doutrina da Igreja. A
doutrina não se adapta, ela é fixa, definida uma vez por todas.


À comissão central preparatória do concílio, dois esquemas tinham sido
apresentados, um pelo cardeal Bea sob o título “Da liberdade religiosa”, o outro pelo cardeal Ottaviani, sob o título ”Da tolerância religiosa”.
O primeiro se estendia por catorze páginas sem nenhuma referência ao magistério
que o precedeu. O segundo compreendia sete páginas de texto e dezesseis páginas de
referências, indo de Pio VI (1790) a João XXIII (1959).
O esquema do cardeal Bea continha, no meu parecer e no de um número não
negligenciável de padres, afirmações em desacordo com a verdade da Igreja eterna. Lia-se nele, por exemplo: “É por isso que se deve louvar o fato de que, em nossos dias, a liberdade e a igualdade religiosas são proclamadas por numerosas nações e pela Organização Internacional dos Direitos do Homem.”
O Cardeal Ottaviani, por seu turno, expunha muito corretamente a questão: “Da
mesma forma que o poder civil se julga com o direito de proteger os cidadãos contra as seduções do erro... ele pode mesmo regular e moderar as manifestações públicas dos outros cultos e defender os seus cidadãos contra a difusão das falsas doutrinas que, a juízo da Igreja, põem em perigo sua salvação eterna.”
Leão XIII dizia (Rerum novarum) que o bem comum temporal, fim da sociedade civil,
não é puramente de ordem material, mas “principalmente um bem moral”. Os homens se
organizaram em sociedade em vista do bem de todos; como se poderia excluir o bem
supremo, que é a bem-aventurança celeste?
Há um outro aspecto das coisas que guia a Igreja quando ela nega o direito de
cidadania às religiões errôneas: os propagadores de idéias falsas exercem naturalmente uma pressão sobre os mais fracos, os menos instruídos. Quem contestará que o dever do estado seja o de proteger os fracos? É seu principal dever, a razão de ser da organização em sociedade. Ele defende seus indivíduos dos inimigos, no exterior, protege-os na vida quotidiana contra as agressões de todo o gênero, contra os ladrões, os assassinos, os vigaristas e mesmo os Estados leigos asseguram uma proteção em matéria de costumes, proibindo por exemplo a afixação de jornais pornográficos, se bem que a situação se tenha degradado bastante na França neste últimos anos e que ela seja dos piores países
como a Dinamarca. Mas enfim, por longo tempo os países de civilização cristã
conservaram o senso de suas obrigações em relação aos mais vulneráveis e em
particular às crianças! O povo permaneceu sensível a isso e pede ao Estado, por
intermédio de suas associações familiares, que tome as medidas necessárias.
Proibir-se-ão emissões de rádio em que o vício é muito ostensivamente
apresentado, embora ninguém esteja obrigado a escutá-las, mas porque as crianças
dispõem freqüentemente de transistores e por conseguinte não estão mais protegidas. A doutrina da Igreja, que pode parecer excessivamente severa, é acessível ao raciocínio corrente e ao bom senso.
É de regra atualmente rejeitar toda forma de repressão e deplorar que ela se tenha
exercido em certos momentos da história. SS. João Paulo II, cedendo a esta moda,
condenou a Inquisição por ocasião de sua viagem à Espanha. Mas da Inquisição não se
quer reter senão os exageros, esquecendo que a Igreja, criando o Santo Ofício, cujo título exato é “Sanctum Officium Inquisitonis”, preenchia sua função de defesa das almas e perseguia aqueles que tentavam falsificar a fé e punham assim em perigo uma população inteira no que concernia à sua eterna salvação. A Inquisição vinha em socorro dos próprios hereges, como se vai em socorro de pessoas que se lançam ao mar para acabar com a vida; acusar-se-iam os salvadores de exercer uma repressão intolerável para com esses infelizes? Para usar duma outra comparação, eu não penso que ocorra à mente de um católico, mesmo perplexo, censurar um governo por interdizer a droga, sob o pretexto de que ele exerce deste modo uma repressão sobre os drogados.
Pode-se compreender que um pai de família imponha a fé a seus filhos. Nos Atos
dos Apóstolos, o centurião Cornélio, tocado pela graça, recebe o batismo “com todos os de sua casa”. Igualmente Clóvis se fez batizar com os seus soldados.
Os benefícios que traz a religião católica mostra o caráter ilusório de preconceitos
dos clérigos post-conciliares de abster-se de toda a pressão, e mesmo de toda a
influência em relação aos “não crentes”. Na África, onde passei a maior parte de minha vida, as missões combateram os flagelos que são a poligamia, a homossexualidade, o
desprezo com que é considerada a mulher. Esta, cuja situação degradante se sabe qual é na sociedade islâmica, se torna uma escrava ou um objeto, desde que a civilização cristã desaparece. Não se pode duvidar do direito da verdade se impor e substituir as religiões falsas. E não obstante a Igreja não preconiza na prática uma intransigência cega em
relação ao culto público delas. Ela professou sempre que este podia ser tolerado pelos poderes públicos em vista a evitar um mal maior. É por isso que o cardeal Ottaviani preferia o termo “tolerância religiosa”.
Se nós nos colocamos no caso de um Estado católico, onde a religião de Cristo é
reconhecida oficialmente, esta tolerância evita perturbações que seriam prejudiciais ao conjunto. Numa sociedade laic a que profes sa a neutralidade, a lei da igreja, seguramente, não será observada. Então, direis, de que serve mantê-la?
É que em primeiro lugar não se trata duma lei humana que se pode ab-rogar ou
modificar. Depois o próprio abandono do princípio tem graves conseqüências; nós já
temos registrado várias.
Os acordos entre o Vaticano e certas nações que atribuíam muito justamente um
estatuto preferencial à religião católica foram revistos. É o caso da Espanha e há pouco tempo o da Itália, onde o catecismo não é mais obrigatório nas escolas. Até onde se irá?
Os novos legisladores da natureza humana pensaram que o papa é também um chefe de
Estado? Seria ele levado a laicizar o Vaticano, a autorizar a construção ali dum templo ou duma mesquita?
É também o desaparecimento dos Estados católicos. No mundo atual, há estados
protestantes, um estado anglicano, estados muçulmanos, estados marxistas e não se
quer mais que haja estados católicos! Os católicos não teriam mais o dever de trabalhar em estabelecê-los, mas o dever de manter o indiferentismo religioso do Estado!
Pio IX chamou a isso “delírio” e “uma liberdade de perdição”. Leão XIII condenou o
indiferentismo do Estado em matéria religiosa. O que era bom no seu tempo então não é mais verdadeiro?
Não se pode afirmar a liberdade de todas as comunidades religiosas na sociedade
humana sem conceder igualmente a liberdade moral a estas comunidades. O Islão admite
a poligamia, os protestantes têm, segundo as Igrejas, posições mais ou menos laxistas a indissolubilidade dos vínculos conjugais e sobre a contracepção... O critério do bem e do mal desaparece. Na Europa, o aborto não é proibido pela lei a não ser na Irlanda católica. Não é possível que a Igreja de Deus acoberte de certa m aneira estes excessos afirmando a liberdade religiosa.
Outra conseqüência: as escolas livres. O Estado não pode mais compreender que
existam escolas católicas e que elas se atribuam a parte do leão no setor do ensino
particular. Ele as coloca no mesmo plano, como se viu recentemente, que as escolas
fundadas pelas seitas e diz: ”Se nós vos permitirmos existir, devemos fazer o mesmo para Moon e por qualquer outra comunidade deste gênero, que têm uma reputação tão má.” E a Igreja não possui mais argumentos! O governo socialista tirou muito bem partido da declaração sobre a liberdade religiosa. Conforme o mesmo princípio imaginou-se fazer uma fusão das escolas católicas com as outras, contanto que estas observem o direito natural! Ou então as abriram às crianças de qualquer religião, lisonjeando-se algumas de ter mais crianças muçulmanas que cristãs.
É assim que a Igreja, aceitando um estatuto de direito comum nas sociedades civis,
corre o risco de tornar-se uma seita entre as outras. Ela se coloca na conjuntura de
desaparecer, pois é evidente que a verdade não pode ceder seus direitos ao erro sem se renegar.
As escolas livres adotaram na França para se manifestarem nas ruas um hino muito
belo mas cujas palavras traem o contágio deste espírito detestável: “Liberdade, tu és a única verdade.” A liberdade, considerada como um bem absoluto, é quimérica. Aplicada à ordem religiosa, conduz ao relativismo doutrinal e à indiferença prática. Os católicos perplexos devem agarrar-se à palavra de Cristo que eu citava: “É a verdade que os libertará”.


XII
Resumamos. O bom senso cristão se choca a cada instante com a nova religião. O
católico está exposto a uma dessacralização geral; tudo se lhe mudou, adaptou. Faz-se-lhe compreender que todas as religiões trazem a salvação, que a Igreja acolhe
indistintamente os cristãos separados e mesmo o conjunto dos crentes, inclinem-se eles diante de Buda ou de Krishna. Explica-se que os clérigos e os leigos são membros iguais do “Povo de Deus” de modo que leigos designados para funções particulares assumem tarefas clericais (vêem-se celebrar sozinhos os enterros e encarregar-se do viático aos doentes, enquanto que os clérigos assumem as tarefas dos leigos, se vestem como eles, vão trabalhar nas usinas, se inscrevem nos sindicatos, fazem política. O novo direito canônico reforça esta concepção. Ele confere prerrogativas inéditas aos fiéis, reduzindo a diferença entre estes e os sacerdotes e instituindo o que chama de “direitos”: teólogos leigos podem ter acesso às cátedras de teologia nas universidades católicas, os fiéis participam do culto divino no que estava reservado a certas ordens menores e à administração de certos sacramentos: distribuição da comunhão, participação no testemunho ministerial, nas cerimônias do casamento.
Fórmula suspeita, pois a doutrina de sempre ensina que a Igreja de Deus é a Igreja
Católica.
De outra parte lê-se que a Igreja de Deus “subsiste” na Igreja Católica. Se se aceita esta formulação recente, pareceria que as comunidades protestantes e ortodoxas façam igualmente parte dela, o que é falso, uma vez que elas se separaram da única Igreja fundada por Jesus Cristo: Credo in unam sanctam Ecclesiam.
O novo direito canônico foi redigido às pressas e na confusão, e a prova disto é que, promulgado em janeiro de 1983, ele conhecia, em novembro do mesmo ano, 114
modificações. Também isto desconcerta o cristão, que tinha o hábito de se referir à
legislação eclesiástica, como a qualquer coisa de fixo.
Se, como pai de família, ele tem a preocupação de educar bem seus filhos, sendo
praticamente assíduo ou afastado da prática dos sacramentos, as decepções o esperam
.As escolas católicas adotaram em numerosos casos a co-educação, ministra-se nelas a
educação sexual, o ensino religioso desaparece nas classes superiores, não é raro
encontrarem-se professores com orientações socialistas, senão comunistas. Por ocasião de uma questão que causou muito rumor no oeste da França, um destes educadores, eliminado pelos pais e depois reintegrado pela direção diocesana, apresentava assim sua defesa. “Seis meses depois de ter entrado em Notre Dame, um pai de aluno quis simplesmente eliminar-me pois no início do ano eu me havia apresentado sob todos os pontos de vista, político (de esquerda), social, religioso... Não era possível, na sua opinião ser professor de filosofia e socialista num estabelecimento privado”.
Um outro caso que sucede no Norte: um novo diretor é nomeado numa escola pela
direção diocesana: os pais se dão conta, ao cabo de algum tempo, de que ele é militante num sindicato de esquerda, de que se trata dum sacerdote reduzido ao estado leigo e casado, de que seus filhos não parecem ter sido batizados. Pelo Natal ele organiza uma festa para os alunos e os pais, com a participação do Auxílio popular que é, como se sabe, uma organização comunista. Então os católicos de boa vontade se perguntam se é útil fazer esforços para pôr seus filhos na escola livre.
Numa instituição para moças do centro de Paris, o catequista se apresenta numa
manhã como o capelão de Fresnes, que acompanha um jovem detento de dezoito anos.
Eles explicam às alunas que os prisioneiros se sentem muito sós, que têm necessidade de afeição, de contatos com o exterior e de correspondência. Se uma ou outra das alunas quiser tornar-se protetora, ela pode dar seu nome e seu endereço. Mas sobretudo não se deve falar disto aos pais, pois eles não compreendem estas coisas; isto deve permanecer um assunto de jovens.
Noutro lugar, é uma professora primária que é repreendida, desta vez por um grupo
de pais, por ter ensinado a seus alunos fórmulas de catecismo e a Ave-Maria. Ela foi
absolvida pelo bispo, coisa que não poderia ser mais normal, mas que parece tão insólita que a carta foi reproduzida na “Famille éducatrice” e assinala um acontecimento. Como entender isto? Quando o governo francês decidiu acabar com a escola livre, ela se mostrou vulnerável porque, na quase totalidade dos casos, não correspondia mais à sua missão, quer num ponto, quer em vários. Seus adversários tinham motivos de dizer: que fazeis no sistema educativo? Para que servis? Nós fazemos a mesma coisa; por que duas escolas? Certamente encontram-se ainda reservas de fé e convém render homenagem a numerosos professores conscientes de suas responsabilidades, mas o ensino católico não se afirma mais de um modo claro em face da escola pública, ele percorreu uma boa metade do caminho no qual o querem comprometer os zeladores do laicismo. Foi-me relatado que, nas manifestações, grupos haviam causado escândalo cantando “Queremos Deus nas nossas escolas”. Os organizadores tinham secularizado o mais possível os cantos, os slogans, os discursos afim de, diziam eles, não pôr em posição embaraçosa as pessoas que tinham vindo sem preocupações religiosas particulares, e entre as quais se encontravam descrentes e até socialistas. É fazer política querer afastar o comunismo e o socialismo de nossas escolas? O católico sempre pensou que a Igreja se opunha a estas doutrinas devido ao ateísmo militante que elas professam. Ele tem visto perfeitamente razão quanto ao princípio e quanto às aplicações: o ateísmo determina modos radicalmente diferentes de conceber o sentido da vida, o destino das nações, as orientações da sociedade. Houve tanto mais
estranheza ao ler em Le Monde de 5 de junho de 1984 que Dom Lustiger, respondendo
às perguntas deste jornal e exprimindo de resto várias idéias muito justas, se queixa de
ter visto escapar uma oportunidade histórica com o voto do Parlamento sobre a escola
livre. Esta oportunidade, explica ele, consistia em encontrar, em acordo com os socialo-
comunistas, um certo número de valores fundamentais para a educação das crianças.
Que valores fundamentais comuns pode haver entre a esquerda marxista e a doutrina
cristã?
É tudo o oposto.
Mas o católico vê com surpresa intensificar-se o diálogo entre a hierarquia
eclesiástica e os comunistas.
Os dirigentes soviéticos, e também terroristas como Yasser Arafat são recebidos no
Vaticano. O concílio deu o tom, recusando renovar a condenação do comunismo. Não
encontrando sinal disto nos esquemas que lhes eram submetidos, quatrocentos e
cinqüenta bispos, lembremo-lo, tinham assinado uma carta reclamando uma revisão neste
sentido. Eles se apoiavam nas condenações passadas e, em particular, na afirmação de
Pio XI que qualificava o comunismo de “intrinsecamente perverso”, significando com isto
que não havia nesta ideologia aspectos negativos e aspectos positivos, mas que se devia
rejeitá-lo em sua integralidade. Tem-se lembrança do que adveio daí: a emenda não foi
transmitida aos padres, o secretariado central do concílio declarou não ter tido
conhecimento dela, depois a comissão admitiu que a tinha recebido mas
demasiadamente tarde, o que não era exato. Foi um escândalo, que terminou pela
anexação, por ordem do papa, à constituição Gaudium et spes, duma passagem alusiva
sem grande alcance.
Quantas declarações de bispos para justificar, senão para encorajar a colaboração


com os comunistas, independentemente do ateísmo ostensivo! “Não compete a mim, mas
aos cristãos, que são adultos responsáveis, dizia Dom Matagrin, ver em que condições
eles podem colaborar com os comunistas.” Para Dom Delorme os cristãos devem “lutar
por mais justiça no mundo com todos os que são animados pela justiça e pela liberdade,
inclusive os comunistas”. É o mesmo tom em Dom Poupard que incita a “trabalhar com
todos os homens de boa vontade em todas as obras da justiça onde se constrói
incansavelmente um mundo novo”.
Num boletim diocesano, a oração fúnebre dum padre operário foi arranjada assim:
“Ele tomou o partido do mundo dos trabalhadores por ocasião das eleições municipais.
Não podia ser o sacerdote de todos, ele optou por aqueles que faziam a escolha da
sociedade socialista. Foi duro para ele. Criou-se inimigos, mas também muitos novos
amigos. Tito Paulo era um homem posicionado”. Um bispo dissuadia, há pouco tempo,
seus sacerdotes de falar nas suas paróquias da obra “ajuda à Igreja na miséria” dizendo:
“minha impressão é que esta obra se apresenta sob aparências muito exclusivamente
anticomunistas.”
Verifica-se com assombro que a excusa dada a este gênero de colaboração repousa
sobre a noção, falsa em si mesma, de que o partido comunista teria por objetivo instaurar
a justiça e a liberdade. É preciso relembrar sobre este assunto as palavras de Pio IX: ”Se
os fiéis se deixam enganar pelos promotores das manobras atuais, se consentem em
conspirar com eles para os sistemas perversos do socialismo e do comunismo, que o
saibam e o considerem seriamente: acumulam para si mesmos e junto do divino Juiz
tesouros de vingança no dia da cólera; e, na espera disto, não provirá desta conspiração
nenhuma vantagem temporal para o povo, mas antes um aumento de misérias e de
calamidades.”
Basta, para ver a justeza desta advertência lançada em 1849, há mais de cento e
quarenta anos, observar o que se passa em todos os países colocados sob o jugo
comunista. Os acontecimentos deram razão ao papa do Syllabus e, não obstante isto, a
ilusão continua viva e mesmo se acentua. Mesmo na Polônia país católico entre todos, os
pastores não apresentam mais a questão da fé católica e da s alvação das almas como
primordial e que deve fazer aceitar todos os sacrifícios, inclusive o da vida. O que mais
importa no seu espírito é não provocar ruptura com Moscou, o que permite a Moscou
reduzir a uma escravidão ainda mais completa o povo polonês, sem encontrar a
verdadeira resistência.
O padre Floridil mostra com clareza os compromissos da “Ostpolitik” vaticana:6
“É sabido que os bispos tchecoslovacos consagrados por Mons. Casaroli são
colaboradores do regime, como o são os bispos que dependem do patriarcado de
Moscou... Feliz de ter podido dar um bispo a cada diocese húngara, o papa Paulo VI
rendeu homenagem a Janos Kadar, primeiro secretário do partido comunista húngaro”
principal promotor e o mais autorizado da normalização das relações entre a Santa Sé e a
Hungria”. Mas o papa não dizia o preço elevado pelo qual tinha sido paga esta
normalização: a instalação em postos importantes da Igreja de “padres da paz”... De fato,
grande foi o estupor dos católic os quando ouv iram o sucessor do cardeal Mindzenty, o
cardeal Laszlo Lekai, prometer intensificar o diálogo entre católicos e marxistas”. Falando
da perversidade intrínseca do comunismo, Pio XI acrescentava: “e não se pode admitir
em nenhum terreno a colaboração com ele da parte de qualquer que deseja salvar a
civilização cristã!!
Esta ruptura com o ensino da Igreja, ajuntando-se àquelas que enumerei, nos obriga
a afirmar que o Vaticano está ocupado por modernistas e por homens deste mundo que

6 R. P. Ulisses Floridi, MOSCOU ET LE VATICAN, Ed. France-Empire.


acreditam encontrar nas astúcias humanas e diplomáticas mais eficácia para a salvação
do mundo do que aquilo que foi instituído pelo divino fundador da Igreja.
Citei o cardeal Mindszenty; como ele, todos os heróis e os mártires do comunismo,
em particular os cardeais Beran, Stepinac, Wyszynski, Slipyi são considerados como
testemunhas embaraçosas pela atual diplomacia vaticana e, digamo-lo como reprovações
mudas no que respeita aos primeiros, hoje adormecidos na paz do Senhor, enquanto que
se abafa a grande voz do cardeal Slipyi.
As mesmas aproximações se realizaram com a franco-maçonaria, não obstante a
declaração desprovida de ambigüidade da Congregação para a Doutrina da Fé em
fevereiro de 1981, à qual havia precedido uma declaração da Conferência episcopal
alemã em abril de 1980. Mas o novo direito canônico não faz menção delas e não formula
expressamente nenhuma sanção. Os católicos souberam anteriormente que os maçons
B'nai Brith tinham sido recebidos no Vaticano e, numa data recente, o arcebispo de Paris
acolhia, para uma conversa, o grão mestre duma loja, enquanto certos eclesiásticos não
se cansam de querer reconciliar a Sinagoga de Satã com a Igreja de Cristo.
Tranqüilizam-se os católicos dizendo-lhes como para o resto: “A condenação das
seitas ontem era talvez fundada, mas os irmãos tripingados não são mais aqueles que
eram”. “Vejamo-los então agindo. O escândalo da loja P2, na Itália, está ainda bem fresco
nas memórias. Na França não há dúvida de que a lei laica contra o ensino livre é antes de
tudo obra do Grande Oriente, que multiplicou as pressões junto do Presidente da
República e de seus filiados presentes no governo e nos gabinetes ministeriais para que
se realize enfim o “grande serviço da educação nacional”. Eles agiram mesmo, desta vez,
às claras; jornais como Le Monde fiz eram regularmente a justificação de suas
negociações, seu plano e sua estratégia foram publicadas em suas revistas.
Devo acrescentar que a maçonaria é sempre o que era? O antigo grão mestre do
Grande Oriente, Jacques Mitterand, que confessava pela rádio em 1969: “Nós tivemos
sempre bispos e padres nas nossas lojas”, fazia a seguinte profissão de fé: “Se coloc ar o
Homem sobre o altar em vez de nele colocar Deus é o pecado de Lúcifer, todos os
humanistas desde o Renascimento cometem este pecado. “ Esta foi uma das censuras
invocadas contra os franco-maçons, quando foram excomungados pela primeira vez pelo
papa Clemente XII em 1738. Em 1982, o grão mestre Jorge Marcou não dizia outra coisa:
”É o problema do homem que prevalece.” Na primeira ordem de suas preocupações,
quando foi reeleito figurava o abono do aborto pelo seguro social, “passando por esta
medida a igualdade econômica das mulheres.”
Os franco-maçons penetram na Igreja. Em 1976, informava-se de que aquele que
tinha sido a alma da reforma litúrgica, Mons. Bugnini, era franco-maçon. Pode-se julgar,
desta revelação, que não era ele o único. O véu que cobria a maior mistificação da qual o
clero e os fiéis foram objeto começava a rasgar-se. Vê-se mais claro com o tempo e os
adversários seculares da Igreja também: ”Há alguma coisa que mudou na Igreja, escreve
Jacques Mitterand, as respostas formuladas pelo papa às questões mais candentes,
como o celibato dos padres ou a regulação dos nascimentos, são ardentemente
contestadas no seio da própria Igreja; a palavra do Soberano Pontífice é questionada por
certos bispos, por padres, por fiéis. Para o franco-maçon o homem que discute o dogma
já é um franco-maçon sem avental.”
Um outro irmão, M. Marsaudon, do rito escocês, fala assim do ecumenismo cultivado
no decurso do concílio: ”Os católicos, particularmente os conservadores, não se deverão
esquecer por isso de que todo o caminho conduz a Deus. E (deverão) manter-se nesta
corajosa noção de liberdade de pensamento que, pode-se verdadeiramente falar aí de
revolução, oriunda de nossas lojas maçônicas, se estendem magnificamente sobre a
cúpula de São Pedro”.


Eu queria citar-vos ainda um texto próprio a esclarecer esta questão e mostrando
quem espera ser o vencedor do outro na reaproximação preconizada pelo abade Six e
pelo padre Riquet. Ele é extraído da revista maçônica Humanismo, número de novembro-
dezembro de 1968. “Entre os pilares que desabariam mais facilmente, citemos o poder
doutrinal dotado de infalibilidade que tinha acreditado solidificar, transcorridos cem anos,
o primeiro concílio do Vaticano, e que acaba de suportar assaltos conjugados na ocasião
do aparecimento da encíclica Humanae Vitae; a presença real eucarística que a Igreja
tinha conseguido impor às massas mediev ais e que desaparecerá com o progresso das
intercomunicações e das concelebrações entre padres católicos e pastores protestantes;
o caráter sagrado do sacerdote, que decorria da instituição do sacramento do Ordem e
que cederá o lugar a um caráter eletivo e temporário; a distinção entre a Igreja dirigente e
o clero “negro”, operando-se o movimento, de agora em diante da base para o cimo,
como em toda democracia; a desaparição progressiva do caráter ontológico e metafísico
dos sacramentos e, com toda a certeza, a morte da confissão, tornando-se o pecado na
nossa civilização uma das noções mais anacrônicas que nos legou a severa filosofia da
Idade Média, herdeira do pessimismo bíblico.”
Notar-se-á que os franco-maçons estão prodigiosamente interessados no futuro da
Igreja, mas é para devorá-la. Os católicos devem sabê-lo, não obstante as sereias que
procuram fazê-los dormir, e todas estas forças destruidoras são estreitamente
dependentes umas das outras. A maçonaria se define como a filosofia do liberalismo, cuja
forma aguda é o socialismo. O conjunto se agrupa muito bem sob o termo empregado por
Nosso Senhor: ”as Portas do inferno”.


XIII
Mas donde provém então que as portas do inferno dirijam neste momento uma tal
sarabanda? A história da Igreja foi sempre agitada por perseguições, heresias, conflitos
com o poder temporal, pela conduta licenciosa em certas épocas, duma parte do clero,
mesmo de alguns papas. Desta vez a crise parece mais profunda, uma vez que atinge a
própria fé. O modernismo contra o qual nos chocamos não é uma heresia do mesmo tipo
que qualquer outra, mas a cloaca coletora de todas as heresias; as perseguições não
provêm somente do exterior, mas do interior do santuário; o escândalo de um clero
demissionário ou dissoluto pretende institucionalizar-se, os mercenários que abandonam
as ovelhas ao lobo são encorajados e cobertos de honras.
Reprovam-me por vezes o fato de eu denegrir a situação, de lançar um olhar
reprovador, por não sei que complacência rabugenta, sobre uma evolução em resumo
lógica e necessária. Mas o próprio papa, que foi a alma do Vaticano II, verificou muitas
vezes seguidas a decomposição da qual falo com tristeza. A 7 de dezembro de 1969,
Paulo VI dizia: “A Igreja se encontra numa hora de inquietude, de autocrítica, dir-se-ia
mesmo, de autodestruição. É como uma reviravolta interior, aguda e complexa. Como se
a Igreja se golpeasse a si própria.”
No ano seguinte ele confessava: “Em numerosos domínios, o concílio não nos deu
até o presente a tranqüilidade mas antes suscitou perturbações e problemas não úteis à
consolidação do Reino de Deus na Igreja e nas almas.”
Até este grito de alarme do dia 29 de junho de 1972, na festa de são Pedro e são
Paulo: ”A fumaça de Satanás entrou por alguma brecha no templo de Deus: a dúvida, a
incerteza, a problemática, a inquietude, a insatisfação, o desafio abriram caminho... A
dúvida entrou nas nossas consciências.”
Qual é esta brecha? Podemos situar no tempo, com certeza, o momento em que ela
se produziu: 1789 e lhe dar um nome: a Revolução.
Os princípios maçônic os e anticatólicos da Revolução francesa levaram dois séculos
para penetrar nas cabeças clericais e nas cabeças mitradas. É hoje um fato consumado,
tal é a realidade, e a causa, católicos inquietos, de vossas perplexidades. Foi preciso que
os fatos estivessem diante dos nossos olhos para que nós acreditássemos, pois a priori
julgaríamos esta empresa impossível, incompatível com a própria natureza da Igreja
ajudada pelo Espírito de Deus.
Numa página famosa, escrita em 1877, Mons. Gaume fazia a própria revolução
definir-se: “Eu não sou o que se acredita. Não sou nem o carbonarismo, nem o tumulto,
nem a troca da monarquia pela república, nem a substituição de uma dinastia por outra,
nem a perturbação momentânea da ordem pública. Eu não sou nem os uivos dos
Jacobinos nem os furores da Montanha, nem o combate das barricadas nem a pilhagem,
nem o incêndio, nem a lei agrária, nem a guilhotina, nem os afogamentos. Não sou nem
Marat nem Robespierre, nem Babeuf nem Mazzini nem Kossuth. Estes homens são meus
filhos, não são eu. Estas coisas são minhas obras, não são eu. Estes homens e estas
coisas são fatos passageiros e eu sou um estado permanente... Sou o ódio de toda a
ordem que o homem não estabeleceu e na qual ele não é rei e Deus ao mesmo tempo.”
Tem-se aqui a chave da vontade da “mudança” na Igreja; trata-se de substituir uma
instituição divina por uma instituição feita pela mão do homem. E o homem toma a
dianteira de Deus. Ele invade tudo, tudo começa e termina nele, é diante dele que se se
prosterna.
Paulo VI definia esta reviravolta da maneira seguinte em seu discurso de


encerramento do concílio: “O humanismo leigo e profano apareceu enfim em sua terrível
estatura e, num certo sentido, desafiou o concílio. A religião de Deus que se fez homem
se encontrou com a religião (pois é uma delas) do homem que se faz Deus.” Ele
acrescentava logo que, apesar deste terrível desafio, não se havia dado nenhum choque,
nenhum anátema. Ai! Dando mostras duma “simpatia sem limites pelos homens” o
concílio faltou ao dever de lembrar dum modo firme que não há compromisso possível
entre as duas atitudes e mesmo o discurso de encerramento pareceu dar início àquilo que
vemos pôr em prática cada dia. “Reconhecei-lhe ao menos este mérito (ao concílio), vós
humanistas modernos que renunciais à transcendência das coisas supremas, e sabei
reconhecer nosso nov o humanismo, nós também, nós mais do que qualquer outro, temos
o culto do homem.”
Depois ouvimos da mesma boca frases a desenvolverem este tema: ”Os homens, no
fundo, são bons, são orientados para a razão, para a ordem e o bem comum” (Mensagem
para a Jornada da Paz, 14 de novembro de 1970). “O cristianismo e a democracia têm em
comum um princípio de base: o respeito pela dignidade e pelo valor da pessoa humana...
A promoção integral do homem” (Manilha, 20 de novembro de 1970). Como não estar
aterrado por este par alelo, enquanto que a democracia, sistema especificamente leigo,
ignora no homem sua qualidade de filho de Deus resgatado, único aspecto que lhe
confere sua dignidade? A promoção do homem não é certamente a mesma, vista por um
cristão ou por um descrente.
A mensagem pontifical se secularizava a cada ocasião. Em Sydney, a 3 de
dezembro de 1970, ouvíamos com surpresa esta afirmação: ”Não há mais isolamento
permitido: é chegada a hora da grande solidariedade dos homens entre si, para o
estabelecimento duma comunidade mundial unida e fraterna.” A paz entre todos os
homens certamente, mas os católicos não reconheciam mais as palavras de Cristo: “Eu
vos dou a minha paz; mas não vo-la dou como a dá o mundo.” O liame que unia a terra ao
céu parecia ter-se rompido: “Pois bem, nós estamos na democracia! Isto quer dizer que o
povo manda, que o poder provém do número, da população tal como é.” (Paulo VI, 1 de
janeiro de 1970). Jesus tinha dito a Pilatos: “Não terias nenhum poder sobre mim se te
não fosse dado do alto.” Todo o poder vem de Deus e não do número, mesmo se a
escolha do chefe tenha sido feita por um sistema eletivo. Pilatos era o representante
duma nação pagã e não obstante nada podia sem a permissão do Pai do céu.
E eis que a democracia entra na Igreja. O novo direito canônico mostra os poderes
residindo no “Povo de Deus”. Esta tendência a fazer participar o que se chama base do
exercício do poder se encontra em todas as estruturas estabelecidas: sínodo,
conferências episcopais, conselhos presbiterais ou pastorais, comissões nacionais; há
instituições equivalentes nas ordens religiosas.
É a democratização do magistério, perigo mortal para milhões de almas
desamparadas e intoxicadas as quais os médicos não socorrem, pois ela arruinou a
eficácia de que era provido precedentemente o magistério pessoal dos papas e do bispos.
Quando se põe uma questão concernente à fé ou à moral, ela é submetida a múltiplas
comissões teológicas que não chegam a pronunciar-se a respeito, porque os membros
estão divididos em suas opiniões, em seus métodos. Basta ler os relatos das assembléias
em todos os escalões para reconhecer que a colegialidade do magistério equivale à
paralisia do mesmo.
Foi a pessoas que Nosso Senhor mandou apascentar seu rebanho, não a uma
coletividade; os Apóstolos obedeceram às ordens do Mestre e até o século XX foi assim.
Foi preciso chegar ao nosso tempo para ouvir falar da Igreja em estado de concílio
permanente, de Igreja em contínua colegialidade. Os resultados não se fizeram esperar:
tudo está de pernas para o ar, os fiéis não sabem a quem se dirigir.


À democratização do magistério segue-se naturalmente a democratização do
governo que se realizou sob o impulso do famoso slogan da “colegialidade”, difundida a
todos os ventos pela imprensa comunista, protestante e progressista.
Colegializou-se o governo do papa ou o dos bispos com um colégio presbiteral, ou
do padre de paróquia com um conselho pastoral de leigos, tudo articulado em
inumeráveis comissões, conselhos, sessões, etc. O novo Código de Direito Canônico está
todo impregnado desta noção. O papa é nele definido antes de tudo como o chefe do
colégio episcopal. Encontra-se aí a doutrina já sugerida pelo documento Lumen Gentium
do concílio, segundo a qual o colégio dos bispos unido ao papa, goza como ele do poder
supremo na Igreja, e isto dum modo habitual e constante.
Não é uma modificação superficial; esta doutrina do duplo poder supremo é contrária
ao ensino e a prática do magistério da Igreja. Ela se opõe às definições do Concílio
Vaticano I e a encíclica de Leão XIII Satis Cognitum. Somente o papa tem o poder
supremo; ele não o comunica senão na medida em que julga oportuno, e em
circunstâncias extraordinárias. Só o papa tem um poder de jurisdição que se estende ao
mundo inteiro.
Assiste-se assim a uma restrição da liberdade do poder do Soberano Pontífice. Sim,
é a revolução! Os fatos demonstram que não temos aí uma modificação sem alcance
prático, João Paulo II é o primeiro papa verdadeiramente atingido pela refor ma. Podem-se
citar vários casos precisos em que ele voltou atrás numa decisão sob a pressão duma
conferência episcopal, o catecismo holandês terminou por receber o “imprimatur” do
arcebispo de Milão sem que as modificações exigidas pela comissão cardinalícia tivessem
sido feitas. Aconteceu o mesmo com o catecismo canadense, a propósito do qual eu ouvi
uma voz autorizada dizer em Roma: “Que quereis que se faça diante duma conferência
episcopal?”.
A independência tomada pelas conferências foi ilustrada também na França a
respeito dos catecismos. Os novos manuais estão em oposição em quase todos os
pontos à exortação apostólica Catechesi Tradendae. A visita ad limina dos bispos da Ilha
de França, em 1982, consistiu para eles em fazer homologar pelo papa uma catequese
que manifestamente não tem sua aprovação. A alocução pronunciada no fim da visita por
João Paulo II tem todas as características dum compromisso, graças ao qual os bispos
poderiam regressar de cabeça erguida a seu país e perseverar em sua empresa nefasta.
A conferência do cardeal Ratzinger, em Paris e em Lyon, indica bem que Roma não
aquiesceu às razões dadas pelos bispos da França para instaurar uma nova pedagogia e
uma nova doutrina, mas que a Santa Sé foi constrangida a proceder assim por pressões
desta sorte, por sugestões e conselhos, em lugar de dar as ordens requeridas para
recolocar as coisas no bom caminho e condenar, se for preciso, como sempre fizeram os
papas guardiães do depósito da fé.
Quanto ao bispo, cuja jurisdição pareceria assim ter aumentado, ele próprio é vítima
da colegialidade, que o paralisa no governo de sua diocese.
Quantas reflexões foram feitas pelos próprios bispos a este respeito e c omo são
instrutivas. Teoricamente pode o bispo, em numerosos casos, agir contra o voto da
assembléia, por vezes mesmo contra uma maioria, se o voto não foi submetido à Santa
Sé; mas na prática isto se revela impossível. Após o fim da assembléia, as decisões são
publicadas pelo sec retário. Elas são conhecidas por todos os padres e fiéis, os
intermediários veiculam o essencial. Que bispo poderá opor-se de fato a estas decisões
sem demonstrar seu desacordo com a assembléia e encontrar imediatamente diante de si
alguns espíritos revolucionários que apelarão para a assembléia contra ele?
O bispo é o prisioneiro da colegialidade, que se deveria limitar a ser um organismo


de consulta, de reunião, mas não se tornar um órgão de decisão. Mesmo para as coisas
mais simples ele deixou de ser o chefe em sua casa. Pouco depois do concílio, como eu
visitava nossas comunidades, o bispo duma diocese do Brasil veio buscar-me muito
cortesmente na plataforma da estação.
— Eu não posso hospedar-vos no palácio episcopal, diss e-me, mas mandei
preparar-vos um alojamento no seminário menor.
Ele próprio me conduziu até lá, a casa estava em efervescência, eu via por toda
parte, nos corredores e nas escadas, moços e moças.
— Estes jovens são seminaristas? perguntei.
— Infelizmente não! Acreditai bem que não estou de acordo com a presença de
todos estes jovens no meu seminário, mas é a conferência episcopal que decidiu que
devíamos doravante fazer sessões de ação católica em nossos estabelecimentos. Estes
que vedes estão aqui por oito dias. Que quereis que eu faça? Não posso proceder
diferentemente dos outros!
Os poderes conferidos por direito divino a pessoas foram assim confiscados, quer se
trate do papa quer dos bispos, em proveito duma entidade cuja influência não fez senão
reforçar-se.
As conferências episcopais, dir-se-á, não datam de hoje; Pio X já as havia aprovado
no começo do século. É exato, mas este santo papa lhes havia dado uma definição que
as justificava: ”Estamos persuadidos de que estas assembléias de bispos são da maior
importância para manter e desenvolver o reino de Deus em todas as regiões e em todos
os domínios. Quando os bispos guardiães das coisas santas, põem assim em comum
suas luzes, resulta que não somente percebem melhor as necessidades de seus povos e
escolhem os remédios mais convenientes, mas ainda estreitam os vínculos que os uniam
entre si.”
Não se tratava, por conseguinte, duma instituição de caráter oficial, tomando, como
tal, decisões aplicáveis obrigatoriamente por seus membros. Tanto como um congresso
de sábios não fixa a maneira pela qual as pesquisas deverão ser conduzidas num tal ou
tal laboratório.
A conferência episcopal funciona como um Parlamento, o conselho permanente do
episcopado francês é o seu órgão executivo. O bispo se assemelha mais a um prefeito, a
um comissário da República, para empregar a terminologia na moda, do que ao sucessor
dos Apóstolos encarregado pelo papa de governar uma diocese.
Nestas assembléias, se vota; os escrutínios são mesmo tão numerosos que foi
preciso instalar em Lourdes um sistema de voto eletrônico. Segue-se necessariamente a
formação de partidos, pois as duas coisas não acontecem uma sem a outra. Quem diz
partidos, diz divisões. Quando o governo habitual é submetido a votos consultivos no seu
exercício normal ele se torna ineficaz. É então a coletividade que sofre com isto.
A introdução do colegialismo acarretou um enfraquecimento considerável de sua
eficácia uma vez que o Espírito Santo é mais facilmente contrariado e contristado numa
assembléia que numa pessoa. Quando as pessoas são responsáveis, elas agem, falam,
mesmo se algumas se calam. Na assembléia, é o número que decide.
Mas o número não faz a verdade.
Ele não causa também a eficácia, como se verifica após vinte anos de colegialismo,
e como se teria podido pressupor sem fazer a experiência; o fabulista falava, há já muito
tempo, dos “muitos cabidos que se reuniram para nada”. Haveria necessidade de copiar
os regimes políticos em que o sufrágio justifica as decisões, dado que eles não têm mais


chefes soberanos? A Igreja possui a imensa vantagem de saber o que deve fazer para
difundir o reino de Deus. Seus chefes são instituídos. Quanto tempo perdido em elaborar
declarações comuns, que jamais satisfazem porque foi necessário ter em conta pareceres
de uns e de outros! Quantas viagens incessantes para se dirigirem a comissões, e
subcomissões, a reuniões preparatórias! Dom Etchegaray dizia em Lourdes, no
encerramento da assembléia de 1978: ”Nós não sabemos mais onde pôr a cabeça.”
Daí resulta que o poder de resistência da Igreja ao comunismo, à heresia, à
imoralidade, diminui consideravelmente. É o que seus adversários desejavam e é porque
eles tanto fizeram, no momento do concílio e desde então, para impelila pelo caminho da
democracia.
Se se observa bem, é com sua divisa que a Revolução penetrou na Igreja de Deus.
A liberdade, é a liberdade religiosa tal como foi dito mais acima, a qual dá direito ao erro.
A igualdade, é a colegialidade, com a destruição da autoridade pessoal, da autoridade de
Deus, do papa, dos bispos, a lei do núm ero. A fraternidade enfim é representada pelo
ecumenismo.
Por estas três palavras, a ideologia revolucionária de 1789 tornou-se a Lei e os
Profetas. Os modernistas chegaram ao que queriam.


XIV
A aproximação que eu faço da crise da Igreja com a Revolução Francesa não é uma
simples metáfora. Nós estamos na continuidade dos filósofos do século XVIII e do
transtorno que suas idéias provocaram no mundo. Os que transmitiram este veneno à
Igreja são os mesmos a confessá-la. É o cardeal Suenens exclamando: ”o Vaticano II, é o
1789 na Igreja”, e acrescentava, entre outras declarações desprovidas de precauções
oratórias: ”Não se compreende nada da Revolução Francesa ou russa se se ignora o
antigo regime ao qual elas puseram fim... Igualmente em matéria eclesiástica, uma reação
não se julga senão em função do estado de coisas que a precedem.”
O que precedeu e que ele considerava como devendo ser abolido, é o maravilhoso
edifício hierárquico que tinha no seu cimo o papa, vigário de Jesus Cristo sobre a terra: ”O
concílio Vaticano II marcou o fim duma época, por menos que se recue, ele marcou
mesmo o fim de uma série de épocas, o fim de uma era”.
O padre Congar, um dos artífices das reformas não falava de outra maneira: “A
Igreja fez, pacificamente, sua Revolução de outubro.” Plenamente consciente, ele notava:
“A declaração sobre a liberdade religiosa diz materialmente o contrário do Syllabus”. Eu
poderia citar um grande número de testemunhos deste gênero. Em 1976, o Pe. Gelineau,
um dos chefes de fila do centro nacional de pastoral litúrgica, não deixava nenhuma ilusão
àqueles que querem ver no novo ordo alguma coisa um pouco diferente do rito que era
universalmente celebrado até então, mas nada de fundamentalmente chocante: ”A
reforma decidida pelo segundo concílio do Vaticano deu o sinal do degelo... lanços
inteiros de muralha desabam... Que não haja engano a respeito: traduzir não é dizer a
mesma coisa com outras palavras. É mudar a forma... Se as formas mudam, o rito muda.
Se se muda um elemento a totalidade significativa é modificada... É preciso dizer sem
circunlóquios: o rito romano tal como nós o conhecemos, não existe mais. Foi destruído”.7
Os católicos liberais estabeleceram verdadeiramente um estado revolucionário. Eis o
que líamos no livro de um deles, o senador do Doubs, M. Prelot8 “Lutamos durante um
século e meio para fazer prevalecer nossas opiniões no interior da Igreja e não tivemos
êxito. Enfim chegou o Vaticano II e triunfamos. Doravante as teses e os princípios do
catolicismo liberal foram definitiva e oficialmente aceitos pela Santa Igreja.”
É por meio da obliqüidade deste catolicismo liberal que a Revolução se introduziu,
sob o pretexto de pacifismo, de fraternidade universal. Os erros e os falsos princípios do
homem moderno penetraram na Igreja e contaminaram o clero, graças a papas liberais e
ao favor do Vaticano II.
Uma vez que há um momento em que é preciso saber r epor as coisas no devido
lugar, eu lembrarei que não era refratário à reunião de um concílio ecumênico em 1962.
Pelo contrário eu o saudei com uma grande esperança. Testemunho disto hoje é uma
carta que eu endereçava em 1963 aos padres do Espírito Santo e que foi publicada numa
de minhas obras precedentes.9 Nela eu escrevia: “Digamos, sem hesitação, que certas
reformas litúrgicas eram necessárias e que é desejável que o concílio continue neste
caminho.” Eu reconhecia que se impunha uma renovação para pôr fim a uma certa
esclerose que provinha do fato de se haver cavado um fosso entre a oração, acantonada
nos limites dos lugares de culto, e a ação, a escola, a profissão, a cidade.
Nomeado pelo papa membro da comissão central preparatória, participei de seus
trabalhos com assiduidade e entusiasmo, durante os anos que duraram. A comissão

7 DEMAIN LA LITURGIE, Ed. du Cerf.
8 LE CATHOLICISME LIBÉRAL, 1969.
9 UN ÉVÊQUE PARLE, Ed. Dominique Martin Morin.


central estava encarregada de verificar e examinar todos os esquemas preparatórios que
provinham de comissões especializadas. Eu estava bem colocado, pois, para saber o que
tinha sido feito, o que devia ser examinado e o que devia ser apresentado à assembléia.
Este trabalho era conduzido com muita consciência e perfeição. Possuo setenta e
dois esquemas preparatórios; neles a doutrina da Igreja é absolutamente ortodoxa, estão
adaptados duma certa maneira à nossa época, mas com muita moderação e sabedoria.
Tudo estava preparado para a data anunciada e, a 11 de outubro de 1962, os padres
tomavam lugar na nave da basílica de São Pedro em Roma. Mas houve um
acontecimento que não tinha sido previsto pela Santa Sé: o concílio, desde os primeiros
dias foi invadido pelas forças progressistas. Nós o experimentamos, sentimos, e quando
digo “nós”, eu entendo a maioria dos padres do concílio naquele momento.
Tivemos a impressão de que se passava alguma coisa de anormal, e esta impressão
se confirmou rapidamente: quinze dias após a sessão de abertura, não restava mais
nenhum dos setenta e dois esquemas. Tudo havia sido recambiado, rejeitado, lançado ao
cesto.
Isto se produziu da seguinte maneira: tinha sido previsto no regulamento do concílio
que eram precisos dois terços dos votos para rejeitar um esquema preparatório. Ora
quando se procedeu ao sufrágio, houve sessenta por cento contra os esquemas e
quarenta por cento a seu favor. Por conseguinte, os opositores não obteriam os dois
terços e normalmente o concílio deveria desenrolar-se a partir destes trabalhos
preparatórios.
É então que se manifestou uma organização poderosa, muito poderosa, posta em
ação por cardeais das margens do Reno, com todo um secretariado, exatamente no
momento oportuno. Eles foram ter com o papa João XXIII dizendo-lhe: “É inadmissível,
Santíssimo Padre, querem fazer-nos estudar esquemas que não tiveram a maioria” e
obtiveram ganho de causa: o imenso trabalho realizado foi posto à parte, a assembléia se
encontrou de mãos vazias, sem nenhuma preparação. Que presidente de conselho
administrativo, por pequena que seja a sua sociedade, aceitaria ocupar o seu lugar sem
ordem do dia, sem dossiê? Contudo foi assim que o concílio começou.
Depois, houve a questão das comissões conciliares que seria precisa nomear.
Problema árduo: imaginai bispos chegando de todos os paises do mundo e encontrando-
se bruscamente juntos no recinto conciliar. Na maior parte, eles não se conheciam,
conheciam três ou quatro colegas e alguns outros de nome entre os 2.400 que lá
estavam. Como poderiam saber quais eram os padres aptos a fazer parte da comissão do
sacerdócio, da liturgia, do direito canônico, etc.?
Muito legitimamente o cardeal Ottaviani fez passar para todos a lista dos membros
das comissões preconciliares, das pessoas que, por conseguinte, haviam sido escolhidas
pela Santa Sé e tinham já trabalhado sobre os assuntos a respeito dos quais se deveria
debater. Isto podia ajudar a escolher, sem que houvesse nenhuma obrigação e era
certamente desejável que alguns destes homens experimentados figurassem nas
comissões.
Mas então se elevou um grito; não tenho necessidade de relembrar o nome do
príncipe da Igreja que se levantou e proferiu o discurso seguinte: “É uma pressão
intolerável que foi exercida sobre o concílio fornecendo nomes. É preciso deixar aos
padres conciliares a sua liberdade. Ainda uma vez, a Cúria romana procura colocar os
seus membros.”
Um pouco tomado de surpresa diante desta brutal intervenção, levantou-se a sessão
e, à tarde, o secretário, Mons. Felici, anunciou: “O Santo Padre reconhece que é talvez melhor que sejam as conferências episcopais que se reúnam e forneçam listas.”
As conferências episcopais eram, nesta época, ainda embrionárias, elas formaram
bem ou mal as listas que se lhes pediam sem aliás terem podido reunir-se como seria
preciso, pois não lhes deram senão vinte e quatro horas.
Mas os que haviam urdido este pequeno golpe de Estado as tinham feito de
antemão com indivíduos selecionados nos diversos países.
Eles puderam adiantar-se às conferências e, de fato, obtiveram uma grande maioria.
O resultado foi que as comissões eram formadas de membros pertencentes, em dois
terços, à fração progressista, tendo sido o terço restante nomeado pelo papa.
Dos novos esquemas proveio logo uma orientação inteiramente diferente da dos
primeiros. Gostaria de publicar um dia uns e outros para que se possa fazer a
comparação e verificar qual era a doutrina da Igreja no dia que precedeu o concílio.
Quem possui alguma experiência das assembléias civis ou clericais compreenderá
em que situação se encontravam os padres. Destes novos esquemas bem se podiam
modificar algumas frases, algumas proposições a modo de emendas, não se podia mudar
o essencial. As conseqüências serão graves. Um texto distorcido na sua origem jamais se corrige inteiramente, conserva a marca de seu redator e do pensamento que o inspira. O concílio, desde este momento, estava orientado.
Um terceiro elemento contribuiu para dirigi-lo no sentido liberal. Em lugar dos dez
presidentes que João XXIII havia nomeado, o papa Paulo VI instituiu para as duas últimas sessões quatro moderadores sobre os quais o mínimo que se pode dizer é que eles não foram escolhidos dentre os cardeais mais moderados. Sua influência foi determinante
sobre a massa dos padres conciliares.
Os liberais formavam uma minoria, mas uma minoria atuante, organizada, apoiada
por uma plêiade de teólogos modernistas dentre os quais se encontravam todos os
nomes que não cessaram de mandar e desmandar, como Leclerc, Murphy, Congar,
Rahner, Küng, Schillebeeckx, Bisset, Cardonnel, Chenu... Que se pense na produção
enorme dos impressos do IDOC, o centro de informação holandês subvencionado pelas
conferências episcopais alemã e neerlandesa, que pressionava a todo o instante os
padres a agirem no s entido esperado pela opinião internacional, criando uma sorte de psicose neste particular: não se devia decepcionar a expectativa do mundo que esperava ver a Igreja aderir a seus pontos de vista. Os instigadores deste movimento estavam em condições favoráveis de exigir instantaneamente a adaptação da Igreja ao homem moderno, ou seja, ao homem que quer libertar-se de tudo. Eles se prevaleciam de uma
Igreja esclerosada, inadaptada, impotente, batiam a mão no peito de seus predecessores.
Os católicos eram apresentados como tão culpados pelas divisões de outrora como os
protestantes e os ortodoxos: deviam pedir perdão aos “irmãos separados” presentes em
Roma onde estes tinham sido convidados em grande número a participar dos trabalhos.
A Igreja da Tradição era culpada de suas riquezas, de seu triunfalismo, os padres do
concílio se sentiam culpados de estar fora do mundo, de não ser do mundo; eles já se
envergonhavam de suas insígnias episcopais, em breve eles se envergonhariam mesmo
de aparecer de batina.
Esta ambiência de liberação deveria apossar-se logo de todos os domínios, o
espírito colegial iria ser o manto de Noé que se lança sobre a vergonha de exercer uma
autoridade pessoal, tão contrária à mentalidade do homem do século XX, digamos: o
homem liberal! A liberdade religiosa, o ecumenismo, a pesquisa teológica, a revisão do
direito canônico atenuariam o triunfalismo duma Igreja que se proclamava a única arca da
salvação. Como se diz que há “pobres envergonhados”, houve “bispos envergonhados”,
nos quais se influenciava, dando-lhes má consciência. É um processo que foi empregado em todas as revoluções.
Os efeitos estão inscritos em muitas passagens das atas do concílio. Que se releia a
este respeito o começo do esquema “A Igreja no mundo deste tempo” sobre a mutação do
mundo moderno, o movimento acelerado da história, as condições novas que afetam a
vida religiosa, a predominância das ciências e das técnicas. Como não ver nestes textos a expressão do mais puro liberalismo?
Nós poderíamos ter tido um concílio esplêndido, tomando como mestre neste
assunto o papa Pio XII. Não creio que haja um problema do mundo moderno, da
atualidade, que ele não tenha resolvido com toda a sua ciência, toda a sua teologia e toda
a sua santidade. Ele lhes deu uma solução quase definitiva, tendo verdadeiramente visto
as coisas sob o ângulo da fé.
Mas não se podia vê-los assim, no momento em que se recusava a fazer um concílio
dogmático. O Vaticano II é um concílio pastoral; João XXIII o disse, Paulo VI o repetiu. No
correr das sessões, quisemos várias vezes fazer definir noções; foi-nos respondido: “mas
não fazemos aqui dogmatismo, não fazemos filosofia, fazemos pastoral.” Que é a
liberdade? Que é a dignidade humana? Que é a colegialidade? É-se reduzido a analisar
indefinidamente os textos para saber o que é preciso entender por isto, e não se chega
senão a aproximações, pois os termos são ambíguos. E isto não por negligência ou por
acaso; o padre Schillebeckx o confessou: ”Nós introduzimos termos equívocos no concílio
e sabemos o que daí tiraremos depois.” Estas pessoas sabiam o que faziam.
Todos os outros concílios que ocorreram no decurso dos séculos eram dogmáticos.
Todos combateram erros. Ora, sabe Deus se havia erros a combater em nosso tempo!
Um concílio dogmático teria sido dos mais necessários. Eu me lembro do cardeal
Wyszinsky a dizer-nos: ”Mas fazei então um esquema sobre o comunismo; se há um erro
que é grave hoje e que ameaça o mundo, é certamente ele. Se o papa Pio XI creu dever
escrever uma encíclica sobre o comunismo, seria igualmente bem útil que nós, aqui
reunidos em assembléia plenária, consagrássemos um esquema a esta questão.”
O comunismo, o erro mais monstruoso que jamais saiu do espírito de Satã, tem suas
entradas oficiais no Vaticano, sua revolução mundial é singularmente facilitada pela não
resistência oficial da Igreja e mesmo pelos apoios freqüentes que nela encontra, apesar
das advertências desesperadas dos cardeais que sofreram as masmorras dos países do
Leste. A recusa deste concílio pastoral em condená-lo solenemente basta sozinha para
cobri-lo de vergonha diante de toda a história; quando se pensa nas dezenas de milhões
de mártires, nos cristãos e nos dissidentes despersonalizados cientificamente nos
hospitais psiquiátricos, utilizados como cobaias para as experiências. E o concílio pastoral
se calou. Tínhamos obtido quatrocentas e cinqüenta assinaturas de bispos em favor duma
declaração contra o comunismo. Elas foram esquecidas numa gaveta... Quando o relator
da Gaudium et Spes respondeu às nossas perguntas, ele nos disse: “houve duas petições
para solicitar uma condenação do comunismo — Duas? exclamamos nós. Há mais de
quatrocentas — Ah, eu não estou a par disto.” Feitas as buscas, elas foram encontradas,
mas demasiado tarde.
Eu vivi estes fatos. Fui eu que havia levado as assinaturas a Mons. Felici, secretário
do concílio, em companhia de Dom Proença Singaud, arcebispo de Diamantina, e sou
obrigado a dizer que aconteceram coisas para falara verdade, inadmissíveis. Não o faço
para condenar o concílio e não ignoro que isto influencie na perplexidade de muitos
católicos.
Pois enfim, pensam eles, o concílio é mesmo assim inspirado pelo Espírito Santo!
Não necessariamente. Um concílio pastoral, não dogmático, é uma pregação, que


por si não compromete a infalibilidade. Quando pedimos a Mons. Felici, no fim das
sessões: “Não poderíeis dar-nos o que os teólogos chamam a nota do concílio?”, ele
respondeu: “É preciso distinguir segundo os esquemas, os capítulos, os que já são objeto
de definições dogmáticas no passado, é preciso fazer reservas.”
Portanto, o Vaticano II não é um concílio como os outros e é por isso que nós temos
o direito de julgá-lo, com prudência e reserva. Eu aceito no concílio e nas reformas tudo o
que está em plena concordância com a Tradição. A obra que fundei prova isto
amplamente. Nossos seminários, em particular, correspondem perfeitamente aos desejos
expressos pelo concílio e à Ratio fundamentalís da Sagrada Congregação para o ensino
católico.
Mas é impossível pretender que somente as aplicações post-conciliares são más. As
rebeliões de clérigos, as contestações da autoridade pontifícia, todas as extravagâncias
da liturgia e da nova teologia, o esvaziamento das igrejas, nada teriam então a ver com o
concílio como se afirmou ainda bem recentemente? Ora essa! Tudo isso é fruto dele.
Eu compreendo, ao dizer isto, que não faço senão aumentar, leitores inquietos,
vossa perplexidade. E não obstante, nesta balbúrdia brilhou uma luz própria a reduzir a
nada os es forços do mundo para levar a cabo a destruição da Igreja de Cristo: O Santo
Padre proclamou a 30 de junho de 1968 sua profissão de fé. É um ato que, do ponto de
vista dogmático, é mais importante que todo o concílio.
Este Credo, redigido pelo sucessor de Pedro para afirmar a fé de Pedro, revestiu-se
de uma solenidade absolutamente extraordinária. Quando ele se levantou para pronunciá-
lo, os cardeais também se levantaram e toda a multidão quis imitá-los mas ele fez
sentarem-se todos de novo; queria ser o único, na qualidade de Vigário de Cristo, a
proclamar seu Credo, e o fez com as palavras mais solenes, em nome da Santíssima
Trindade, diante dos santos anjos e de toda a Igreja. Por conseguinte ele praticou um ato
que engaja a fé da Igreja.
Temos assim esta consolação e esta confiança de s entir que o Espírito Santo não
nos abandonou. Pode-se dizer que a arca da fé, tomando seu ponto de apoio no concílio
Vaticano I, reencontra um novo ponto de apoio na profissão de fé de Paulo VI.


XV
Na origem da revolução, que é “o ódio de toda a ordem que o homem não
estabeleceu e na qual ele não é rei e Deus ao mesmo tempo” encontra-se o orgulho que
já tinha sido a causa do pecado de Adão. A revolução na Igreja se explic a pelo orgulho de
nossos tempos modernos que se crêem tempos novos, tempos em que o homem enfim
“compreendeu por s i mesmo a sua dignidade, em que tomou uma maior consciência de si
mesmo” a tal ponto que se pode falar de metamorfose social e cultural cujos efeitos
repercutem sobre a vida religiosa... O próprio movimento da história se torna tão rápido
que cada um tem dificuldade em segui-lo... Em poucas palavras, o gênero humano passa
duma noção antes estática da ordem das coisas a uma concepção mais dinâmica e
evolutiva: daí nasce uma imensa problemática nova que provoca novas análises e novas
sínteses”. Estas frases surpreendentes figurando, com muitas outras semelhantes, na
exposição preliminar da constituição “A Igreja no mundo deste tempo” auguram mal o
retorno ao espírito evangélico; vê-se que este dificilmente sobrevive a tanto movimento e
a tantas transformações.
E como compreender o seguinte: ”Uma sociedade de tipo industrial se estende
pouco a pouco, transformando radicalmente as concepções da vida em sociedade” senão
que se dá como certo o que se deseja ver produzir-se: uma concepção da sociedade que
nada terá a ver com a concepção cristã, segundo a doutrina social da Igreja? Tais
premissas não poderão senão conduzir a um novo Evangelho, a uma nova religião. Ei-la:
“Que eles vivam (os crentes) em união muito estreita com os outros homens de seu
tempo e que se esforcem em compreender a fundo suas maneiras de pensar e de sentir,
tais como se exprimem na cultura. Que eles unam o conhecimento das ciências e das
novas teorias, como as descobertas mais recentes, com os costumes e o ensino da
doutrina cristã, para que o senso religioso e a retidão moral caminhem a par, neles, do
conhecimento científico e dos incessantes progressos técnicos; eles poderão assim
apreciar e interpretar todas as coisas com uma sensibilidade autenticamente cristã”
(Gaudium et Spes, 62-6). Singulares conselhos, enquanto que o Evangelho nos manda
evitar as doutrinas perversas! E que não se diga que podem ser entendidas de duas
maneiras: a catequese atual as entende como queria Schillebeeckx: ela aconselha às
crianças freqüentar a escola dos ateus, porque estes têm muito a lhes ens inar e que de
resto, para não crer em Deus, eles têm suas razões, que é proveitoso conhecer.
Pode-se também dizer que a primeira frase do capítulo primeiro: ”Crentes e
descrentes estão geralmente de acordo neste ponto, que tudo na terra deve ser ordenado
ao homem como a seu centro e a seu cume”, se explica no sentido cristão pelo que
segue. Ela tem uma significação em si mesma, aquela que precisamente se vê pôr em
obra em toda a parte na Igreja post-conciliar, sob a forma duma salvação reduzida ao
desenvolvimento econômico e social da humanidade.
Por minha parte, penso que os crentes que admitirem esta proposição como base
comum num diálogo com os descrentes e que unirem as teorias novas com a doutrina
cristã perderão a fé, nem mais nem menos. A regra de ouro da Igreja é invertida pelo
orgulho dos homens de nosso tempo; não se escuta mais a palavra sempre viva e
fecunda de Cristo, mas a do mundo. Este agiornamento se condena por si mesmo. A raiz
da desordem atual está neste espírito moderno ou antes moder nista que recusa
reconhecer o Credo, os mandamentos de Deus e da Igreja, os sacramentos, a moral
cristã como a única fonte de renovação par a todos os tempos até o fim do mundo.
Deslumbrados pelos “progressos da técnica que vão até transformar a face da terra e já
se lançam à conquista do espaço” (Gaudium et Spes, 5-1), os homens da Igreja, que não
devem ser confundidos com a Igreja, parecem considerar que Nosso Senhor não podia


prever a evolução tecnológic a de nossa época e que, por conseguinte, sua mensagem
não está adaptada a ela.
O sonho dos liberais desde um século e meio consiste em consorciar a Igreja com a
revolução. Durante um século e meio também, os Soberanos Pontífices condenaram este
catolicismo liberal; citemos, entre os documentos, os mais importantes: a bula Auctorem
fidei de Pio VI, contra o concílio de Pistóia, a encíclica Mirari vos de Gregório XVI contra
Lamennais, a encíclica Quanta cura e o Syllabus de Pio IX, a encíclica Immortale Dei de
Leão XIII, contra o direito novo, os documentos de são Pio X contra “le Sillon” e o
modernismo, e especialmente o decreto Lamentabili, a encíclica Divini Redemptoris de
Pio XI, contra o comunismo, a encíclica Humani Generis do papa Pio XII.
Todos os papas recusaram o consórcio da Igreja com a revolução, que é uma união
adúltera e duma união adúltera não podem provir senão bastardos. O rito da missa é um
rito bastardo, os sacramentos, são sacramentos bastardos, nós não sabemos mais se são
sacramentos que conferem a graça ou que não a conferem. Os sacerdotes que saem dos
seminários são sacerdotes bastardos, não sabem mais o que são; não sabem mais que
são ordenados para subir ao altar, oferecer o sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo às
almas.
Em nome da revolução padres foram mandados para o cadafalso, religiosas foram
perseguidas e assassinadas. Lembrai-vos das barcaças de Nantes que eram afundadas
no alto mar depois de terem sido amontoados nelas todos os sacerdotes fiéis. Pois bem, o
que a Revolução fez não foi nada em comparação das obras do Vaticano II pois teria sido
preferível que os vinte ou trinta mil sacerdotes que abandonaram seu sacerdócio e seu
juramento feito diante de Deus tivessem sido martirizados, subido ao cadafalso; aos
menos eles teriam salvo sua alma e agora correm o risco de perdê-la.
Dizem-nos que entre estes pobres sacerdotes casados, muitos já se divorciaram,
muitos já introduziram pedidos de anulação de casamento em Roma. Chamar-se-á a isto
bons frutos do concílio? Vinte mil religiosas, nos Estados Unidos, e quantas outras nos
demais países, romperam os votos perpétuos que as uniam a Jesus Cristo, para correrem
também para o casamento. Se elas subissem ao cadafalso, teriam ao menos
testemunhado sua fé. O sangue dos mártires é semente de cristãos, mas os padres ou os
simples fiéis que se aliam ao espírito do mundo não fazem surgir messe nenhuma. É a
maior vitória do diabo ter querido destruir a Igreja sem fazer mártires.
A união adúltera da Igreja e da revolução se concretiza pelo diálogo. Nosso Senhor
disse: “Ide, ensinai as nações, convertei-as”, mas não falou: “Dialogai com elas sem tentar
convertê-las”. O erro e a verdade não são compatíveis entre si, dialogar com o erro é
colocar Deus e o demônio no mesmo plano. Eis o que sempre repetiram os papas e o que
os cristãos compreendiam facilmente, pois é também uma questão de senso comum.
Para impor uma atitude e reflexos diferentes, foi necessário agir sobre os cérebros de
modo a tornar modernistas os clérigos chamados a difundir a doutrina nova. É o que se
chama a reciclagem, processo de condicionamento destinado a remodelar o próprio
instrumento que Deus deu ao homem para conduzir seu julgamento.
Eu fui testemunha duma operação deste gênero na congregação que é a minha, e
da qual fui durante certo tempo superior geral. O que se exige em primeiro lugar da
pessoa é que ela “reconheça a mudança”: o concílio operou transformações, e por isso é
necessário que nós próprios mudemos. Mudança em profundidade, visto que se trata de
adaptar as faculdades de raciocínio para fazê-las coincidir com idéias fabricadas
arbitrariamente. Nós podemos ler num fascículo editado pela secretaria do arcebispado
de Paris, A Fé palavra por palavra: “A segunda operação, mais delicada, consiste em
assinalar as maneiras diferentes que têm os cristãos de apreciar, nas diversas mudanças,
o fato mesmo da mudança. Esta determinação tem muita importância porque as


oposições atuais dizem mais respeito às atitudes espontâneas e inconscientes diante da
mudança que ao começo preciso de cada mudança.
“Duas atitudes típicas se delineiam, parece, com a condição de não negligenciar por
isso todos os intermediários possíveis. Segundo a primeira cede-se a um certo número de
novidades depois de ter verificado que elas se impõem uma após outra. É o caso de
muitos cristãos, de muitos católicos, que cedem de degrau em degrau.
“Conforme a segunda, consente-se numa renovação de conjunto de formas da fé
cristã à margem duma era cultural inédita. Deixa de ass egurar-se sem cessar a fidelidade
à fé dos Apóstolos.”
Esta precaução oratória está bem na tradição dos modernistas: eles fazem sempre
protestos de seus sentimentos ortodoxos e tranqüilizam, com uma pequena frase, as
almas que ficariam espantadas por perspectivas como “a renovação do conjunto das
formas da fé cristã à margem duma era cultural inédita”, mas é já muito tarde, quando se
se prestou a estas manipulações e será bem o tempo de ocupar-se com a fé dos
Apóstolos, quando se tiver demolido completamente a fé!
Uma terceira operação se torna necessária no caso em que se retém o segundo
diagnóstico: “O cristão não pode pressentir nisto um risco terrível para a fé. Não vai ela
desaparecer pura e simplesmente, ao mesmo tempo que a problemática que a tinha
conduzido até aí? Ele pede então uma garantia fundamental que lhe permite ultrapassar
as primeiras atitudes estéreis.”
Todos os graus de resistência são então previstos. Que “garantia fundamental” se dá
por fim ao neófito? O Espírito Santo.”O Espírito Santo é precisamente quem assiste os
crentes no movimento da história.”
O objetivo está atingido: não há mais magistério, nem dogma, nem hierarquia, nem
mesmo Sagrada Escritura, como texto inspirado e historicamente certo: os cristãos são
diretamente inspirados pelo Espírito Santo.
Então a Igreja desmorona, o cristão reciclado é abandonado a todas as influências,
dócil a todos os slogans, pode-se conduzi-lo aonde se quer, agarrando-se, se ele busca
uma garantia a esta afirmação: ”O Vaticano II apresenta seguramente numerosos indícios
duma mudança de problemática.”
“A causa próxima e imediata (do modernismo) escreve Pio X na encíclica Pascendi,
reside numa perversão de espírito.” A reciclagem cria uma tal perversão naqueles que
não a possuíam. E o santo Pontífice cita esta observação de seu predecessor Gregório
XVI: ”É um espetáculo lamentável ver até onde vão as divagações da razão humana,
desde que se ceda ao espírito de novidade; que contrariamente à advertência do
Apóstolo, se pretende saber mais do que é pr eciso e que, fiando-se demasiadamente em
si mesmo, se pensa poder buscar a verdade fora da Igreja, na qual ela se encontra sem a
mais leve sombra de erro.”1 0

10 SINGULARI NOS, 1834.


XVI
No vocabulário inteiramente renovado dos homens da Igreja, algumas palavras
sobreviveram. Fé é uma delas. Contudo é empregada nas mais diversas acepções. Ora,
existe uma definição da fé, não se pode mudá-la. É a ela que se deve referir o católico
quando não entende mais nada do palavreado confuso e pretensioso que se lhe
apresenta.
A fé é a adesão da inteligência à verdade revelada pelo Verbo de Deus. Nós cremos
numa verdade que vem de fora e que não é, de maneira alguma, segregada por nosso
espírito. Nela acreditamos devido à autoridade de Deus que no-la revela, não é preciso
buscar alhures.
Esta fé ninguém possui o direito de no-la tomar para substituí-la por uma outra.
Vemos ressurgir uma definição modernista da fé, já condenada por Pio X há oitenta anos,
e segundo a qual ela seria um sentimento interior: não seria preciso procurar a explicação
da religião fora do homem: ”É pois no próprio homem que ela se encontra e, como a
religião é uma forma de vida, na vida mesma do homem.” Ela seria alguma coisa de
puramente subjetivo, uma adesão da alma a Deus sendo Ele próprio inacessível à nossa
inteligência, cada um por si, cada um na sua consciência.
O modernismo não é uma invenção recente, ele já não o era em 1907, data da
famosa encíclica; é o espírito perpétuo da Revolução, que nos quer fechar na nossa
humanidade e colocar Deus fora da lei. Sua falsa definição não busca senão corromper a
autoridade de Deus e a da Igreja.
A fé nos vem do exterior, nós estamos obrigados a nos submeter a ela. “Quem crer
será salvo, quem não crer será condenado”, é Nosso Senhor que o afirma.
Quando eu fui ver o papa em 1976, ele, para minha imensa surpresa, me reprovou o
fato de fazer meus seminaristas prestarem um juramento contra ele. Tive dificuldade de
compreender donde isto poderia provir, pois alguém com toda a evidência lhe havia
insuflado esta idéia, na intenção de prejudicar-me. Depois se fez a luz no meu espírito:
tinha-se interpretado neste sentido o juramento antimodernista que até agora todo o
sacerdote era obrigado a recitar solenemente antes de sua ordenação e todo o dignitário
eclesiástico no momento de receber seu cargo. S.S. Paulo VI o havia ele mesmo prestado
mais uma vez na sua vida. Ora, eis aqui o que se encontra neste juramento:
“Eu tenho como certíssimo e professo sinceramente que a fé não é um sentimento
religioso cego, que emerge das trevas do subconsciente sob a pressão do coração e a
inclinação da vontade moralmente informada! Mas que ela é um verdadeiro assentimento
da inteligência à verdade recebida de fora, pela qual nós cremos ser verdadeiro, devido à
autoridade de Deus, tudo o que foi dito, atestado e revelado por Deus pessoal, nosso
criador e soberano.”
O juramento antimodernista não é mais exigido para alguém se tornar padre ou
bispo; se o fosse, haveria ainda menos ordenações que há. Com efeito, o conceito de fé
foi falseado, e muitas pessoas, sem terem más intenções, se deixam influenciar pelo
modernismo. É porque elas aceitam crer que todas as religiões salvam, se cada um tem
uma fé segundo sua consciência, se é a consciência que produz a fé, não há razão de
pensar que uma fé salva melhor que outra, contanto que a consciência seja orientada
para Deus. Lêem-se afirmações como esta num documento proveniente da comissão de
catequese do episcopado francês: “A verdade não é qualquer coisa de recebido, de
inteiramente feito, mas alguma coisa que se faz.”
A diferença de ótica é total. Diz-se-nos que o homem não recebe a verdade, mas a


constrói. Ora nós sabemos e nossa própria inteligência no-lo confirma que a verdade não
se cria, não somos nós que a criamos. Mas como defender-se contra estas doutrinas
perversas que arruínam a religião, visto que estes “dizedores de novidades” se encontram
no próprio seio da Igreja? Eles foram, graças a Deus, desmascarados desde o início do
século dum modo que permite reconhecê-los facilmente. Não pensemos que se trata de
um fenômeno antigo que interessa apenas os escritores eclesiásticos: a Pascendi é um
texto que se acreditaria escrito hoje, é duma atualidade extraordinária e pinta, com cores
tão frescas que não se poderia admirá-la demasiadamente, estes inimigos do interior.
Ei-los “curtos em filosofia e em teologia sérias, se apresentando, com desprezo de
toda modéstia, como renovadores da Igreja... desprezadores de toda a autoridade,
indóceis a todo o freio.” “Sua tática é jamais expor suas doutrinas metodicamente e no
seu conjunto, mas de fragmentá-las de alguma sorte, de espalhá-las aqui e ali, o que faz
julgá-los ondulantes e indecisos, quando suas idéias, ao contrário, são perfeitamente
determinadas e consistentes... Tal página de sua obra poderia ser subscrita por um
católico; virai a página e vós credes estar lendo um racionalista... Censurados e
condenados, eles seguem o seu caminho dissimulando sob aparências enganadoras de
submissão uma audácia sem limites... Quem quer que tem a desgraça de criticar uma ou
outra de suas novidades, por monstruosa que ela seja, eles caem sobre ele em fileiras
cerradas, quem a nega é tratado de ignorante, quem a abraça e a defende é elevado às
nuvens... Uma obra aparece, respirando a novidade por todos os seus poros, eles a
acolhem com aplausos e gritos de admiração. Quanto mais um autor levar sua audácia a
difamar a antiguidade, a minar a Tradição e o magistério eclesiásticos tanto mais será
sábio. Enfim, se acontece que um dentre eles é golpeado pelas condenações da Igreja,
bem depressa os outros vão cerrar fileiras à sua volta, cumulá-lo de elogios e venerá-lo
quase como um mártir da verdade.”
Todos estes traços correspondem tão bem ao que vemos, que se acreditariam
esboçados bem recentemente. Em 1980, após a condenação de Hans Küng, um grupo de
cristãos procedia, diante da catedral de Colônia, a um auto de fé à guisa de protesto
contra a decisão da Santa Sé de retirar do teólogo suíço sua missão canônica; tinha-se
feito uma fogueira sobre a qual eles jogaram um manequim e obras de Hans Küng “afim
de simbolizar a interdição dum pensamento corajoso e honesto” (Le Monde). Pouco
antes, as sanções contra o P. Pohier haviam provocado outros levantamentos de
escudos: 300 dominicanos e dominicanas endereçaram uma carta pública de protesto
contra estas sanções, uma vintena de personalidades assinavam um outro texto; a abadia
de Boquen, a capela de Montparnasse e outros grupos de vanguarda vinham em ajuda. A
única novidade em relação à descrição de São Pio X é que eles não se dissimulam mais
sob aparências enganosas de submissão; tomaram confiança, têm muitos apoios na
Igreja para esconder-se ainda. O modernismo não está morto, ao contrário, progrediu e se
ostenta.
Continuemos a ler a Pascendi: “Depois disto, não há motivo de se admirar se os
modernistas perseguem com toda a sua malevolência, com toda a sua acrimônia, os
católicos que lutam vigorosamente pela Igreja. Não há sorte de injúrias que os
modernistas não vomitem contra eles. Se se trata dum adversário cuja erudição e vigor de
espírito o tornam temível: os modernistas buscarão reduzi-lo à impotência organizando
em torno dele a conspiração do silêncio”. É o caso hoje dos padres tradicionalistas
acossados, perseguidos, dos escritores religiosos ou leigos de quem a imprensa nas
mãos dos progressistas jamais diz uma palavra. Movimentos de juventude são também
postos de lado porque permanecem fiéis e cujas atividades edificantes, peregrinações ou
outras, ficam desconhecidas do público que no entanto poderia encontrar nisto um
reconforto.
“Se eles escrevem história, procuram com curiosidade e publicam aos quatro ventos,


sob o pretexto de dizer toda a verdade e com uma sorte de prazer mal dissimulado, tudo
que lhes parece macular na história da Igreja. Dominados por certos preconceitos,
destroem, tanto como podem, as piedosas tradições populares. Põem em ridículo certas
relíquias muito veneráveis por sua antiguidade. Eles são enfim possuídos pelo vão desejo
de fazer falar deles; o que não sucederia, eles bem o compreendem, se dissessem como
se tem sempre dito até aqui.”
Quanto à sua doutrina, ela repousa sobre alguns pontos seguintes, que não se terá
dificuldade em reconhecer nas correntes atuais: ”A razão humana não é capaz de elevar-
se até Deus, não, nem mesmo para conhecer, por meio das criaturas a sua existência.”
Sendo impossível toda revelação exterior, o homem buscará em si mesmo a satisfação da
necessidade do divino que sente e cujas raízes, se encontram no seu subconsciente. Esta
necessidade do divino suscita na alma um sentimento particular ”que une de algum modo
homem com Deus.“ Tal é a fé para os modernistas. Deus é assim criado na alma e é a
revelação.
Do sentimento religioso se passa ao domínio da inteligência que vai elaborar o
dogma: o homem deve pensar sua fé, é uma necessidade para ele, uma vez que é dotado
de inteligência. Ele cria fórmulas que não contêm a verdade absoluta mas imagens da
verdade, símbolos. Estas fórmulas dogmáticas estão, por conseguinte, submetidas à
mudança, elas evoluem. “Assim está aberto o caminho à variação substancial dos
dogmas.”
As fórmulas não são simples es peculações teológicas, elas devem ser vivas para
serem verdadeiramente religiosas. O sentimento deve assimilá-las ”vitalmente”.
Fala-se hoje da “vivência da fé”. “Afim de que elas sejam e permaneçam vivas,
continua Pio X, estas fórmulas devem ficar ajustadas ao crente e à sua fé. No dia em que
esta adaptação viess e a cessar, então elas se esvaziariam ao mesmo tempo de seu
conteúdo primitivo; não haveria outro partido a tomar senão mudá-las dado o caráter tão
precário e tão instável das fórmulas dogmáticas, compreende-se muitíssimo bem que os
modernistas as tenham em tão pouca estima se é que não as desprezam abertamente. O
sentimento religioso, a vida religiosa é o que eles têm sempre nos lábios”. Nas homilias,
nas conferências, nos catecismos, dá-se caça às “fórmulas preparadas.”
O crente faz sua experiência pessoal da fé, depois ele a comunica a outros pela
pregação, é assim que a experiência religiosa se propaga. “Quando a fé se tornou comum
ou, como se diz, coletiva” experimenta-se a necessidade de se organizar em sociedade
para conservar e fazer crescer o tesouro comum. Donde a fundação duma Igreja. A Igreja
é “o fruto da consciência coletiva, falando de outra maneira, da coleção das consciências
individuais: consciências que derivam dum primeiro crente - para católic os, de Jesus
Cristo”.
E a história da Igreja se escreve como segue: no início, quando s e acreditava ainda
que a autoridade da Igreja vinha de Deus, era concebida como autocrática. “Mas hoje se
voltou atrás a esse respeito. Assim como a Igreja é uma emanação vital da consciência
coletiva, de igual modo, por seu lado, a autoridade é um produto vital da Igreja.” Então é
preciso que o poder mude de mãos e venha da base. A consciência política criou o
regime popular, deve acontecer o mesmo na Igreja: “Se a autoridade eclesiástica não
quer, no mais íntimo das consciências, provocar e fomentar um conflito, cabe a ela ceder
às formas democráticas.”
Vós compreendeis agora, católicos perplexos, aonde o cardeal Suenens e todos os
teólogos turbulentos foram buscar suas idéias. A crise post-conciliar está em perfeita
continuidade com aquela que agitou o fim do último século e o início deste. Compreendeis
assim porque, nos livros de catecismo que vossos filhos trazem para a casa, tudo começa


nas primeiras comunidades, que se formaram depois de Pentecostes, quando os
discípulos sentiram a necessidade do divino, devido ao choque provocado por Jesus e
viveram em conjunto “uma experiência original”. Vós podeis explicar-vos a ausência dos
dogmas, a Santíssima Trindade, a Encarnação, a Redenção, a Assunção etc., nestes
mesmos livros e nos sermões. O texto de referência elaborado para a catequese pelo
episcopado francês se estende sobre a criação de grupos que serão “mini-Igrejas”
destinadas a recompor a Igreja de amanhã segundo o processo que os modernistas
creram ler no nascimento da Igreja dos Apóstolos: “Num grupo de catequese,
animadores, pais e crianças trazem sua experiência de vida, suas aspirações profundas,
imagens religiosas, um certo conhecimento das coisas da fé. Segue-se uma confrontação
que é condição de verdade, na medida em que ela põe em movimento os desejos
profundos das pessoas e as compromete realmente em direção das transformações
inevitáveis que todo o contato com o Evangelho manifesta. Bloqueios são possíveis. É no
final duma ruptura,duma conversão, duma espécie de morte que se pode, pela graça,
efetuar a confissão de fé.”
São os bispos que põem em aplicação às claras a tática modernista condenada por
são Pio X! Tudo se encontra neste parágrafo,1 1 relede-o com atenção. O sentimento
religioso provocado pela necessidade, as aspirações profundas, a verdade originando-se
na confrontação das experiências, a variação dos dogmas, a ruptura com a Tradição.
Para o modernismo os sacramentos nascem também duma necessidade “pois,
como se notou, a necessidade, a exigência, tal é, em seu sistema, a grande e universal
explicação”. É preciso dar à religião um corpo sensível. “Os sacramentos são (para eles)
puros sinais ou símbolos, embora dotados de eficácia. Eles os comparam a certas
palavras das quais se diz vulgarmente que elas têm sucesso, porque possuem a virtude
de irradiar idéias fortes e penetrantes que impressionam e comovem. Bem se pode dizer:
os sacramentos não foram instituídos senão para nutrir a fé: proposição condenada pelo
concílio de Trento.”
Esta idéia se reencontra em Besret, por exemplo, que foi “perito” no concílio: “Não é
o sacramento que põe o amor de Deus no mundo. O amor de Deus trabalha em todos os
homens. O sacramento é o momento de sua manifestação pública na comunidade dos
discípulos... Dizendo isto, não tenciono absolutamente negar o aspecto eficaz dos sinais
formulados. O homem se realiza também ao revelar-se e isto vale nos sacramentos como
no resto de sua atividade.1 2
Os Livros Santos? Eles são par a os modernistas “a compilação das experiências
feitas numa determinada religião”. É Deus que fala através destes livros, mas o Deus que
está em nós. São livros inspirados um pouco como se fala de inspiração poética; a
inspiração é assimilada à necessidade intensa que experimenta o crente de comunicar
sua fé por escrito. A Bíblia é uma obra humana.
Em Pedras Vivas, se diz às crianças que o Gênesis é um “poema” escrito um dia
pelos crentes que “refletiram”. Esta compilação, imposta pelos bispos da França a todos
os alunos do catecismo, respira modernismo em quase todas as páginas. Estabeleçamos
um pequeno paralelo: São Pio X: ”É uma lei (para os modernistas) que a data dos
documentos não poderia ser determinada de outra maneira senão pela data das
necessidades às quais a Igreja está sujeita sucessivamente.”
Pedras Vivas: ”Para ajudar estas comunidades a viver o Evangelho, alguns
Apóstolos lhes escrevem cartas que se chamam também Epístolas... Mas os Apóstolos
contaram sobretudo de viva voz o que Jesus tinha feito no meio deles e o que lhes havia

11 Texto de referência, § 312.
12 De commencement en commencement, p. 176.


dito... Mais tarde quatro autores — Marcos, Mateus, Lucas e João — escreveram o que
os Apóstolos disseram.”, “Redação dos Evangelhos: Marcos por volta de 70? Lucas entre
80-90? Mateus entre 80-90? João entre 95-100?”, “Eles narraram os acontecimentos da
vida de Jesus suas palavras e sobretudo sua morte e sua ressurreição para esclarecer a
fé dos crentes.”
São Pio X: “Nos Livros Sagrados (dizem) há vários lugares, relativamente à ciência
ou à história onde se verificam erros manifestos. Mas não é de história nem de ciência
que estes livros tratam, é unicamente de religião e de moral.”
Pedras Viv as: “É um poema (o Gênesis) e não um livro de ciência. A ciência nos diz
que foram precisos milhões de anos para ver apar ecer a vida.” “Os Evangelhos não
narram o relato da vida de Jesus como se refere hoje um acontecimento na rádio, na
televisão ou num jornal.”
São Pio X: Eles não hesitam em afirmar que os livros em questão, sobretudo o
Pentateuco e os três primeiros Evangelhos, se formaram lentamente de anexos feitos a
uma narração primitiva muito breve: interpolações à maneira de interpretações teológicas
ou alegóricas, ou simplesmente transições e suturas.”
Pedras Vivas: “O que se escreveu na maior parte destes livros tinha sido
inicialmente narrado de pai para filho. Um dia alguém o escreveu para transmiti-lo a seu
turno e freqüentemente o que escreveu, foi reescrito por outras pessoas ainda... 538,
dominação dos Persas: a reflexão e as tradições tornam-se livros. Esdras, por volta de
400, reúne (diversos livros) para fazer deles a Lei ou Pentateuco. Os rolos dos Profetas
são compostos. A reflexão dos Sábios acaba em diversas obras primas.”
Os católicos que se espantam com a linguagem nova utilizada na “Igreja Conciliar”
têm ademais a saber que ela não é tão nova, que Lammenais, Fuchs, Loisy já a
empregavam no século passado e que eles mesmos não tinham senão amontoado todos
os erros que puderam ocorrer no decurso dos séculos. A religião de Cristo não mudou e
não mudará jamais, não se deve deixar-se enganar.


XVII
É bem o modernismo que mina a Igreja do interior, em nossos dias como ontem.
Tomemos ainda na encíclica Pascendi alguns trechos correspondendo ao que estamos
vivendo. “Desde o momento em que seu fim é inteiramente espiritual, a autoridade
religiosa deve despojar-se de todo este aparato exterior, de todos estes ornamentos
pomposos pelos quais ela se dá como um espetáculo. Nisto eles se es quecem que a
religião, se ela pertence propriamente à alma, apesar disto não se confina a ela, e que a
honra prestada à autoridade recai sobr e Jesus Cristo que a instituiu.”
É sob a pressão destes “dizedores de novidades” que Paulo VI abandonou a tiara,
que os bispos se despojaram da batina roxa e mesmo da batina negra, assim como de
seu anel, que os sacerdotes se apresentam em traje civil e na maior parte do tempo numa
postura voluntariamente negligenciada. Não são somente as reformas gerais já postas em
obra ou reclamadas com insistência que são Pio X mencionou como sendo o desejo
“maníaco” dos modernistas reformadores. Vós os reconheceis nesta passagem: “No que
toca ao culto (eles querem) que se diminua o número de devoções exteriores ou ao
menos que se lhes detenha o crescimento... Que o governo eclesiástico se transforme
numa democracia, que se dê uma parte no governo ao clero inferior e mesmo aos leigos;
que a autoridade seja descentralizada. Reforma das congregações romanas, sobretudo
das do Santo Ofício e do Indice... Há enfim quem, fazendo eco a seus mestres
protestantes, desejam a supressão do celibato eclesiástico.”
Vedes que as mesmas reclamações são formuladas hoje e aí não há nenhuma
imaginação nova. Para o pensamento cristão e a formação dos futuros sacerdotes, a
vontade dos reformistas do tempo de Pio X era o abandono da filosofia escolástica, que
devia ser relegada “à história da filosofia entre os sistemas caducos” e eles preconizavam
“que se ensine aos jovens a filosofia moderna, a única verdadeira, a única que convém a
nossos tempos... que a teologia dita racional tenha por base a filosofia moderna, a
teologia positiva, por fundamento a história dos dogmas”. Neste ponto, os modernistas
obtiveram o que queriam, e mais ainda. No que se tem em lugar de seminário, ensina-se
a antropologia e a psicanálise, Marx em substituição a Santo Tomás de Aquino. Os
princípios da filosofia tomista são rejeitados, em proveito de sistemas incertos dos quais
eles mesmos reconhecem a inaptidão para dar conta da economia do universo, uma vez
que propulsionam a filosofia do absurdo. Um revolucionário destes últimos tempos,
sacerdote trapalhão muito escutado pelos intelectuais que colocava o sexo no centro de
tudo, não receava declarar em reuniões públicas: “As hipóteses dos antigos no domínio
científico eram puras asneiras e é sobre tais asneiras que Santo Tomás e Orígenes
apoiaram seus sistemas.” Ele caía, logo depois no absurdo, definindo a vida como “um
encadeamento evolutivo de fatos biológicos inexplicáveis.” Como o sabe ele, se é
inexplicável? Como um sacerdote, acrescentaria eu, pode pôr de lado a única explicação,
que é Deus?
Os modernistas seriam reduzidos a nada se devessem defender suas elucubrações
contra os princípios do Doutor Angélico, as noções de potência e ato, de essência, de
substância e de acidentes, de alma e de corpo, etc. Eliminando estas noções, eles
tornavam incompreensível a teologia da Igr eja e, como se lê no Motu Proprio Doctoris
Angelici, “disto resulta que os estudantes das disciplinas sagradas não percebem mais a
própria significação das palavras pelas quais os dogmas que Deus revelou são propostos
pelo magistério”. A ofensiva contra a filosofia escolástica é então necessária quando se
quer mudar o dogma, atacar a Tradição.
Mas o que é a Tradição? Parece-me que, com freqüência, a palavra é
imperfeitamente compreendida: comparam-na às tradições como existem nas profissões,


nas famílias, na vida civil: o buquê fixado sobre a cumieira da casa quando se coloca a
última telha, o cordão que se corta para inaugurar um monumento, etc. Não é disto que
eu falo; a tradição, não são os costumes legados pelo passado e conservados por
fidelidade a este, mesmo na ausência de razões claras. A tradição se define como o
depósito da fé transmitido pelo magistério de século em século. Este depósito é aquele
que nos deu a Revelação, isto é, a palavra de Deus confiada aos Apóstolos e cuja
transmissão é assegurada por seus sucessores.
Ora atualmente, se quer pôr todo o mundo em pesquisa “como se o Credo não nos
tivesse sido dado, como se Nosso Senhor não tivesse vindo trazer a Verdade, uma vez
por todas. Que se pretende enc ontrar com toda esta pesquisa? Os católicos a quem se
quer impor ”reconsiderações”, após se lhes ter feito “esvaziar suas certezas”, devem
lembrar-se do seguinte: o depósito da Revelação terminou no dia da morte do último
Apóstolo. Acabou, não se pode mais nele tocar até a consumação dos séculos. A
Revelação é irreformável. O concílio I do Vaticano relembrou-o explicitamente: “a doutrina
de fé que Deus revelou não foi proposta às inteligências como uma invenção filosófica
que elas tivessem que aperfeiçoar, mas foi confiada c omo um depósito divino à Esposa
de Jesus Cristo (Igreja) para ser por Ela fielm ente cons ervada e infalivelmente
interpretada.”
Mas, dir-se-á, o dogma que fez Maria a mãe de Deus não remonta senão ao ano de
431, o da transubstanciação a 1215, a infalibilidade pontifícia a 1870 e assim por diante.
Não houve aí uma evolução? De modo nenhum. Os dogmas definidos no curso das
idades estavam contidos na Revelação, a Igreja simplesmente os explicitou. Quando o
papa Pio XII definiu, em 1950, o dogma da Assunção, ele disse precisamente que esta
verdade da translação ao céu da Virgem Maria com seu corpo se encontrava no depósito
da Revelação, que ela existia já nos textos que nos foram revelados antes da morte do
último Apóstolo. Não se pode trazer nada de novo neste domínio, não se pode
acrescentar um só dogma, mas exprimir os que existem duma maneira sempre mais
clara, mais bela e mais grandiosa.
Isto é tão certo que constitui a regra a seguir para julgar os erros que se nos
propõem quotidianamente e para rejeitá-los sem nenhuma concessão. Bossuet o
escreveu com energia: “Quando se trata de explicar os princípios da moral cristã e os
dogmas essenciais da Igreja, tudo o que não aparece na tradição de todos os séculos e
especialmente na Antigüidade, é por isso mesmo não somente suspeito mas mau e
condenável; e é o principal fundamento sobre o qual todos os santos Padres (da Igreja) e
os papas mais que os outros, condenaram falsas doutrinas, não havendo nada de mais
odioso à Igreja romana que as novidades.”
O argumento que se faz valer aos fiéis aterrorizados é este: “Vós vos agarrais ao
passado, sois passadistas, vivei com vosso tempo!” Alguns desconcertados, não sabem o
que responder; ora, a réplica é fácil; aqui não há nem passado nem presente, nem futuro,
a Verdade é de todos os tempos, ela é eterna.
Para difamar a tradição, opõe-se-lhe a sagrada escritura, à maneira protestante,
afirmando que o Evangelho é o único liv ro que conta. Mas a tradição é anterior ao
Evangelho! Se bem que os Sinóticos tenham sido escritos bem menos tardiamente do
que se tenta fazer crer, antes que os Quatro tivessem terminado a sua redação,
passaram-se vários anos; ora a Igreja já existia, tinha havido Pentecostes, acarretando
numerosas conversões, três mil no mesmo dia, ao sair do Cenáculo. Em que acreditaram
eles naquele momento? Como se fez a transmissão da Revelação a não ser por tradição
oral? Não se poderia subordinar a tradição aos Livros Santos e com mais forte razão
recusá-la.
Mas não creiamos que, fazendo isto, eles tenham um respeito ilimitado pelo texto


inspirado. Eles contestam mesmo que ele o seja na sua totalidade: ”O que há de inspirado
no Evangelho? Somente as verdades que são necessárias à nossa salvação.” Por
conseguinte os milagres, os relatos da infância, os acontecimentos e atos de Nosso
Senhor são remetidos ao gênero biográfico mais ou menos lendário. No c oncílio discutiu-
se sobre esta frase: ”Apenas as verdades necessárias à salvação”; havia bispos que
queriam reduzir a autenticidade histórica dos evangelhos, o que mostra a que ponto o
clero estava gangrenado pelo néo-modernismo. Os católicos não se devem deixar iludir:
todo o Evangelho é inspirado; os que o escreveram tinham realmente sua inteligência sob
a influência do Espírito Santo, de tal sorte que a totalidade é a palavra de Deus, Verbum
Dei. Não é permitido escolher e dizer hoje: “Nós tomamos tal parte, nós não queremos tal
outra.“ Escolher é ser herético, segundo a etimologia grega da palavra.
Não é menos verdade que é a tradição que nos transmite o Evangelho, e pertence à
tradição, ao magistério, explicar-nos o que há no Evangelho. Se não temos ninguém para
no-lo interpretar, podemos ser muitos a compreender dum modo inteiramente oposto a
mesma palavra de Cristo. Desemboca-se então no livre exame dos protestantes e na livre
inspiração de todo este carismatismo atual que nos lança na pura aventura.
Todos os concílios dogmáticos nos deram a expressão exata da tradição, a
expressão exata do que os Apóstolos ensinaram. É irreformável. Não se podem mais
mudar os decretos do concílio de Trento, porque eles são infalíveis escritos e baixados
por um ato oficial da Igreja, à diferença do Vaticano II cujas proposições não são
infalíveis, porque os papas não quiseram comprometer sua infalibilidade. Ninguém então
vos pode dizer: “Vos nos agarrais ao passado, per manecestes no concílio de Trento.”
Porque o concílio de Trento não é o passado! A tradição se reveste dum caráter
intemporal, adaptado a todos os tempos e a todos os lugares.


XVIII
A indisciplina está por toda a parte na Igreja, comissões de padres enviam
intimações a seus bispos, os bispos desprezam exortações pontifícias, as próprias
recomendações e decisões conciliares não são respeitadas e apesar disto não se ouve
jamais pronunciar a palavra desobediência salvo para aplicá-la aos católicos que querem
continuar fiéis à tradição e simplesmente conservar a fé.
A obediência constitui um assunto grave, ficar unido ao magistério da Igreja e
particularmente ao Pontífice Supremo é uma das condições da salvação. Nós temos
profunda c onsciência disto e também ninguém mais do que nós é apegado ao sucessor
de Pedro atualmente reinante, como nós o fomos a seus predecessores, e eu falo aqui de
mim e dos numerosos fiéis rejeitados das igrejas, dos sacerdotes obrigados a celebrar a
missa em granjas como durante a Revolução Francesa, e a organizar catecismos
paralelos nas cidades e nos campos.
Somos apegados ao papa enquanto ele se faz o eco das tradições apostólicas e dos
ensinamentos de todos os seus predecessores. É a definição mesma do sucessor de
Pedro guardar este depósito! Pio IX nos ensina na Pastor aeternus: “O Espírito Santo com
efeito não foi prometido aos sucessores de Pedro para permitir-lhe publicar, segundo suas
revelações, uma nova doutrina mas para conservar estritamente e expor fielmente, com
sua assistência, as revelações transmitidas pelos Apóstolos, isto é, o depósito da fé.”
A autoridade delegada por Nosso Senhor ao papa, aos bispos e ao sacerdócio em
geral está ao serviço da fé. Servir-se do direito, das instituições, da autoridade para
aniquilar a fé católica e não mais comunicar a vida, é praticar o aborto ou a
contraconcepção espirituais. É por isso que estamos submissos e prontos a aceitar tudo o
que é conforme à nossa fé católica, tal como foi ensinada durante dois mil anos, mas
recusamos tudo o que lhe é contrário.
Pois enfim, um problema grave se colocou à consciência e à fé de todos os católicos
durante o pontificado de Paulo VI. Como é que um papa, verdadeiro s ucessor de Pedro,
assegurado pela assistência do Espírito Santo, pôde presidir à mais profunda e mais
ampla destruição da Igreja na sua história num espaço de tão pouco tempo, coisa que
nenhum heresiarca jamais conseguiu fazer? A esta pergunta será bem preciso responder
um dia.
Na primeira metade do século V, são Vicente de Lerins, que foi soldado antes de se
consagrar a Deus e declara ter sido “agitado muito tempo sobre o mar do mundo antes de
se recolher ao porto da fé”, falava assim do desenvolvimento do dogma: “Não haveria
nenhum progresso da religião na Igreja de Cr isto? Havê-los-á certamente e muito
importantes, de tal maneira que seja um progresso da fé e não uma mudança. Importa
que cresçam abundante e intensamente em todos e em cada um, nos indivíduos como
nas Igrejas, no decurso das épocas, a inteligência, a ciência, a sabedoria, contanto que
seja na identidade do dogma, dum mesmo pensamento”. Vicente conhecia o impacto das
heresias e deu uma regra de conduta ainda sempre boa após mil e quinhentos anos: “Que
fará então o cristão católico se alguma parcela da Igreja acaba por desligar-se da
comunhão, da fé universal? Que outro partido tomar senão preferir ao membro
grangrenado e corrompido o corpo em seu conjunto que é são? E se algum contágio novo
se esforça por envenenar, não mais uma pequena parte da Igreja, mas a Igreja inteira
duma só vez, então seu grande cuidado será apegar-se à antigüidade, que evidentemente
não pode mais ser seduzida por nenhuma novidade perigosa.”
Nas ladainhas das Rogações, a Igreja nos faz dizer: “Nós vos suplicamos, Senhor,
manter na vossa santa religião o Soberano Pontífice e todas as ordens da hierarquia


eclesiástica”. Isto quer bem dizer que uma tal desgraça pode suceder.
Na Igreja não há nenhum direito, nenhuma jurisdição que possa impor a um cristão
uma diminuição de sua fé. Todo o fiel pode e deve resistir, apoiado no catecismo de sua
infância, a quem quer que atentar contra a sua fé. Se ele se encontra em presença duma
ordem que a põe em perigo de corrupção, a desobediência é um dever imperioso.
É porque julgamos que nossa fé está em perigo pelas reformas e as orientações
post-conciliares, que temos o dever de desobedecer e de conservar a tradição.
Acrescentemos o seguinte: é o maior serviço que podemos prestar à Igreja e ao sucessor
de Pedro recusar a Igreja reformada e liberal. Jesus Cristo, Filho de Deus feito homem,
não é nem liberal nem reformável.
Eu ouvi por duas vezes enviados da Santa Sé me dizerem: ”O reinado social de
Nosso Senhor não é mais possível em nosso tempo, é preciso aceitar definitivamente o
pluralismo das religiões.” Eis exatamente o que eles me disseram.
Pois bem, eu não sou desta religião. Não aceito esta nova religião. É uma religião
liberal, modernista, que tem seu culto, seus sacerdotes, sua fé, seus catecismos, sua
Bíblia ecumênica traduzida em comum por católicos, judeus, protestantes, anglicanos,
jogando com pau de dois bicos, dando satisfação a todo o mundo, sacrificando muito
freqüentemente a interpretação do magistério. Nós não aceitamos esta Bíblia ecumênica.
Há a Bíblia de Deus, é Sua Palavra a qual não temos o direito de misturar com a palavra
dos homens.
Quando eu era criança, a Igreja tinha por toda parte, a mesma fé, os mesmos
sacramentos, o mesmo sacrifício da missa. Se me houvessem dito então que isto
mudaria, eu não teria podido acreditar. Em toda a extensão da cristiandade se rezava a
Deus da mesma maneira. A nova religião liberal e modernista semeou a divisão.
Cristãos estão divididos no seio duma mesma família devido a esta confusão que foi
instaurada, não vão mais à mesma missa, não lêem mais os mesmos livros. Sacerdotes
não sabem mais o que fazer: ou obedecem cegamente ao que seus superiores lhes
impõem e perdem de alguma sorte a fé de sua infância e de sua juventude, renunciam às
promessas que fizeram no momento de sua ordenação, prestando o juramento
antimodernista; ou resistem, mas é com a impressão de se separar do papa, do vigário de
Cristo. Nos dois casos, que dilaceração! Muitos sacerdotes morreram prematuramente de
desgosto.
Quantos outros foram obrigados a abandonar suas paróquias nas quais , há anos,
eles exerciam seu ministério, expostos à perseguição aberta de sua hierarquia e apesar
do apoio dos fiéis aos quais se arrancava o seu pastor.
Tenho debaixo dos olhos as despedidas comoventes de um deles à população das
duas paróquias das quais era vigário: “Na sua conversa de... o senhor bispo me dirigiu um
ultimatum: aceitar ou recusar a nova religião; eu não me poderia esquivar. Então para
continuar fiel ao compromisso de meu sacerdócio, para continuar fiel à Igreja eterna... fui
constrangido e forçado, contra a minha vontade, a retirar-me... A simples honestidade e
sobretudo minha honra sacerdotal me criam uma obrigação de ser leal, precisamente
nesta matéria de gravidade divina (a missa)... É esta prova de fidelidade e de amor que
devo dar a Deus e aos homens, a vós em particular e é a respeito dela que eu serei
julgado no último dia, como, aliás, todos aqueles a quem foi confiado este mesmo
depósito”.
Na diocese de Campos, no Brasil, a quase totalidade do clero foi expulsa das igrejas
após a saída de Dom Castro Mayer, por não querer abandonar a missa de sempre, tal
como a celebravam ainda até uma data recente.


A divisão afeta as mínimas manifestações de piedade. Em Val-de-Marne, o bispado
fez expulsar pela polícia vinte e cinco católicos que recitavam o rosário numa igreja
particular de vigário titular há muitos anos. Na diocese de Metz, o bispo fez intervir o
prefeito comunista para que fosse suspenso o empréstimo de um local concedido a um
grupo de tradicionalistas. No Canadá seis fiéis foram condenados pelo tribunal, que a lei
deste país permite ter competência nesta espécie de questão, por se haverem obstinado
a comungar de joelhos. O bispo de Antigonish os havia acusado de “perturbar
voluntariamente a ordem e a dignidade dum serviço religioso”. Os “perturbadores” foram
postos pelo juiz em liberdade sob vigilância durante seis meses! Ao mesmo tempo o bispo
proíbe aos cristãos de dobrarem o joelho diante de Deus! No ano passado, a
peregrinação dos jovens a Chartres terminou com uma missa nos jardins da catedral,
estando esta interditada à missa de são Pio V. Quinze dias mais tarde, as portas estavam
abertas de par a par para um concerto espiritual no decorrer do qual foram interpretadas
danças por uma antiga carmelita.
Duas religiões se afrontam; nós nos encontramos numa situação dramática, não é
possível deixar de fazer uma escolha, mas esta escolha não é entre a obediência e a
desobediência. O que se nos propõe, aquilo a que se nos convida expressamente, porquê
nos perseguem, é escolher um simulacro de obediência. O Santo Padre, com efeito, não
nos pode pedir que abandonemos nossa fé.
Nós escolhemos então conservá-la e não podemos enganar-nos atendo-nos àquilo
que a Igreja ensinou durante dois mil anos. A crise é profunda, sabiamente organizada e
dirigida, por sinal que se pode v erdadeiramente crer que o chefe do empreendimento não
é um homem, mas o próprio Satã. Ora é um golpe magistral de Satã ter chegado a fazer
os católicos desobedecerem a toda a tradição em nome da obediência. Um exemplo
típico é fornecido pelo aggiornamento das sociedades religiosas: por obediência se faz os
religiosos e religiosas desobedecerem às leis e constituições de seus fundadores as quais
eles juraram observar quando fizeram sua profissão. A obediência, neste caso, deveria
ser uma recusa categórica. A autoridade, mesmo legítima, não pode ordenar um ato
repreensível, mau. Ninguém pode obrigar qualquer pessoa a transformar seus votos
monásticos em simples promessas. Igualmente ninguém pode fazer que nos tornemos
protestantes ou modernistas.
Santo Tomás de Aquino a quem se é preciso sempre referir, chega mesmo a
perguntar-se na Suma Teológica se a “correção fraterna” prescrita por Nosso Senhor
pode-se exercer em relação aos superiores. Após ter feito todas as distinções úteis ele
responde: “Pode-se exercer em relação aos superiores quando se trata da fé.”
Se nos mantivéssemos mais firmes neste capítulo evitaríamos vir a assimilar bem
lentamente as heresias. No começo do século XVI, os ingleses conheceram uma aventura
do gênero daquela que nós vivemos, com esta diferença, que ela começou por um cisma.
Quanto ao resto, as semelhanças são espantosas e próprias a fazer-nos refletir. A nova
religião, que tomará o nome de anglicanis mo começa pela ofensiva contr a a missa, a
confissão pessoal, o celibato eclesiástico. Henrique VIII, se bem que assumiu a enorme
responsabilidade de separar seu povo de Roma, recusa as suges tões que lhe são feitas,
mas, no ano seguinte ao da sua morte, uma ordenação autoriza o uso do inglês na
celebração da missa. As prociss ões são interditadas, um novo ordo é imposto, o Order of
Communion, no qual o ofertório não existe mais. Para tranqüilizar os cristãos uma outra
ordenação proíbe toda a sorte de mudanças, enquanto que uma terceira permite aos
vigários suprimir as estátuas dos santos e da Santíssima Virgem nas igrejas. Obras de
arte veneráveis são vendidas a comerciantes, tudo como hoje nos antiquários e
bricabraques.
Alguns bispos apenas fizeram notar que o Order of Communion causava dano ao


dogma da presença real, dizendo que Nosso Senhor nos dá seu corpo e seu sangue
espiritualmente. O Confiteor traduzido em língua vernácula era recitado ao mesmo tempo
pelo celebrante e pelos fiéis, ele servia de absolvição. A missa era transformada em
refeição “turning into a Communion”. Mas mesmo os bispos lúcidos aceitavam finalmente
o novo livr o para manter a paz e a união. É exatamente pelas mesmas razões que a
Igreja post-conciliar queria impor-nos o novo ordo. Os bispos ingleses afirmaram, no
século XVI, que a missa era um “memorial”! Uma farta propaganda fez passar as
maneiras de ver luteranas para o espírito dos fiéis; os pregadores deviam ser aprovados
pelo governo.
Durante o mesmo tempo, o papa não é mais chamado senão o “bispo de Roma”, ele
não é mais o pai e sim o irmão dos outros bispos e no caso presente, o irmão do rei da
Inglaterra que se instituiu chefe da Igreja nacional. O Prayer Book de Crammer foi
composto misturando-se partes da liturgia grega com a liturgia de Lutero. Como não
pensar em Mons. Bugnini redigindo a missa dita de Paulo VI com a colaboração de seus
“observadores” protestantes adidos qualificados ao Conselho para a reforma da liturgia?
O Prayer Book começa por estas palavras: “A Ceia e Santa Comunhão comumente
chamada missa...” prefiguração do famoso artigo 7 da Institutio Generalis do Novo Missal,
retomado pelo Congresso Eucarístico de Lourdes em 1981: “A Ceia do Senhor, chamada
de outra maneira a missa...” A destruição do sagrado da qual eu falava mais acima,
estavam incluídas também na reforma anglicana: as palavras do Canon deviam
obrigatoriamente ser ditas em voz alta, assim como acontece nas “Eucaristias” atuais.
O Prayer Book foi também aprovado pelos bispos “para conservar a unidade interior
do reino”. Os sacerdotes que continuavam a dizer “a missa antiga” incorriam em penas
que iam da perda de seus proventos à exoneração pura e simples, em caso de
reincidência, e à prisão perpétua. É preciso reconhecer que em nossos dias não se põem
mais na prisão os sacerdotes “tradicionalistas”.
A Inglaterra dos Túdores descambou para a heresia sem bem se dar conta,
aceitando a mudança sob pretexto de adaptar-se às circunstâncias históricas do tempo,
tendo à frente seus pastores. É hoje toda a cristiandade que corre o risco de tomar o
mesmo caminho e vós pensastes que se nós, que temos uma certa idade, corremos um
perigo menor, as crianças, os jovens seminaristas formados nos novos catecismos, na
psicologia experimental, na sociologia, sem nenhuma tintura de teologia dogmática e
moral, de direito canônico, de história da Igreja, são educados numa fé que não é a
verdadeira, encontram normais as noções neo-protestantes que se lhes inculcam? Que
será da religião de amanhã se nós não resistimos?
Vós tereis a tentação de dizer: “Mas que podemos fazer? É um bispo que diz isto ou
aquilo. Vede, este documento vem da comissão da catequese, ou duma outra comissão
oficial.”
Portanto, nada mais vos resta senão perder a fé. Mas não tendes o direito de reagir
assim. São Paulo nos advertiu: “Se mesmo um anjo viesse do céu dizer-vos outra coisa
do que vos ensinei, não o escuteis.”
Tal é o segredo da verdadeira obediência.


XIX
Vós sois talvez, leitores perplexos, daqueles que vêem com tristeza e angústia o
rumo que tomam as coisas, mas não obstante receiam assistir a uma verdadeira missa,
apesar do desejo que experim entam, porque lhes fizeram crer que esta missa estava
interditada. Sois talvez daqueles que não mais se dirigem aos padres de blusão mas que
consideram com uma certa desconfiança os padres de batina, como se eles estivessem
sob o golpe de alguma censura; aquele que os ordenou não é um bispo suspenso a
divinis? Tendes medo de colocar-vos fora da Igreja; em princípio este temor é louvável,
mas é mal esclarecido. Quero dizer-vos em que consistem as sanções, as quais foram
postas em evidência, e com que os franco-maçons e os marxistas se regozijaram
ruidosamente. Um curto apanhado histórico se revela necessário para que se
compreenda bem.
Quando fui enviado ao Gabão como missionário, meu bispo me nomeou logo
professor no seminário de Libr eville, onde formei durante seis anos seminaristas, dentre
os quais alguns, em seguida, receberam a graça do episcopado. Feito bispo por meu
turno, em Dakar, pareceu-me que minha preocupação principal devia ser procurar
vocações, formar os jovens que correspondessem ao apelo de Deus e de conduzi-los ao
sacerdócio. Tive a alegria de conferir o sacerdócio ao que dev ia ser meu sucessor em
Dakar, Dom Thiandoum e a Dom Dionne, o atual bispo de Thiès, no Senegal.
De volta à Europa para tomar posse do cargo de superior geral dos padres do
Espírito Santo, esforcei-me por manter os valores essenciais da formação sacerdotal.
Devo confessar que já nessa época, no começo dos anos 60, a pressão era tal, as
dificuldades tão consideráveis que eu não pude obter o resultado que desejava; não podia
manter o seminário francês de Roma, colocado sob a autoridade de nossa congregação
na boa linha que era a sua quando nós mesmos aí estávamos, entre 1920 e 1930. Eu me
demiti em 1968 para não avalizar a reforma empreendida pelo capítulo geral num sentido
contrário ao da tradição católica. Antes já desta data, eu recebia numeros os apelos, de
famílias e de sacerdotes perguntando-me para que lugares de formação dirigir os jovens
que desejavam tornar-se padres. Confesso que estava muito hesitante. Exonerado de
minhas responsabilidades e quando cogitava em retirar-me, pensei na universidade de
Friburgo, na Suíça, ainda orientada e dirigida pela doutrina tomista. O bispo, Dom
Charrière me recebeu de braços abertos, aluguei uma casa e acolhemos nove
seminaristas que seguiam os cursos na universidade e levavam no resto do tempo, uma
verdadeira vida de seminário. Eles muito depressa manifestaram o desejo de continuar,
no futuro, a trabalhar juntos e, depois de refletir, fui perguntar a Dom Charrière se ele
aceitava assinar um decreto de fundação duma “Fraternidade”. Aprovou os seus estatutos
e assim nasceu, a 1° de novembro de 1970, a “Fraternidade Sacerdotal de São Pio X”.
Estávamos erigidos canonicamente na diocese de Friburgo.
Estes pormenores são importantes, vós ireis vê-lo. Um bispo tem o direito,
canonicamente, de erigir em sua diocese associações que Roma pelo próprio fato
reconhece. A tal ponto que se um bispo, sucessor do primeiro, desejar suprimir esta
associação, ele não o pode fazer sem recorrer a Roma. A autoridade romana protege o
que fez o primeiro bispo, afim de que as associações não estejam submetidas a uma
precariedade que seria nociva ao seu desenvolvimento. Assim o quer o direito da Igreja1 3.
A Fraternidade sacerdotal de São Pio X é por conseguinte reconhecida por Roma
dum modo inteiramente legal, ainda que sendo de direito diocesano, e não de direito
pontifício, o que não é indispensável. Existem centenas de congregações religiosas de

13 Cânon 493.


direito diocesano que têm casas no mundo inteiro.
Quando a Igreja aceita uma fundação, uma associação diocesana, ela aceita que
esta forme seus membros, se é uma congregação religiosa, ela aceita que haja um
noviciado, uma casa de formação. Para nós são os seminários. A 18 de fevereiro de
1971, o cardeal Wright, prefeito da Congregação do clero, me enviara uma carta de
encorajamento em que ele se mostrava tranqüilizado de que a Fraternidade ”poderia
muito bem concordar com o fim visado pelo concílio neste santo Dicastério em vista da
distribuição do clero no mundo”. E não obstante, em novembro de 1972 se falava na
assembléia plenária do episcopado francês, em Lourdes, de “seminário selvagem”, sem
que nenhum dos bispos presentes, necessariamente a par da situação jurídica do
seminário de Ecône, protestasse.
Por que nos consideravam como selvagens? Porque nós não dávamos a chave da
casa aos seminaristas para que eles pudessem sair todas as noites a seu gosto, porque
não os fazíamos ver a televisão de oito a onze horas, porque não usavam “col roulé” e
assistiam à missa todas as manhãs em lugar de ficarem na cama até a primeira aula.
E apesar disso, o cardeal Garrone1 4 , com quem eu me encontrei nesta época, me
dizia: “Vós não dependeis diretamente de mim e eu não tenho a dizer-vos senão uma
coisa: segui a ratio fundamentalis que eu dei para a fundação dos seminários, que todos
os seminários devem seguir.” A ratio fundamentalis prevê que se ensine ainda latim no
seminário, que se façam os estudos segundo a doutrina de Santo Tomás. Eu me permiti
responder: “Eminência, acredito que somos alguns poucos a segui-la”. É ainda mais
verdadeiro hoje e a ratio fundamentalis está ainda em vigor. Portanto, o que é que nos
reprova?
Quando foi necessário abrir um verdadeiro seminário e eu aluguei a casa de Ecône,
antiga casa de repouso dos monges do grande São Bernardo, fui encontrar dom Adam,
bispo de Sion, que me deu seu consentimento. Esta criação não era o resultado dum
projeto longínquo que eu tinha formado, ela se me impunha providenc ialmente. Eu tinha
dito: ”se a obra se espalha mundialmente, será o sinal de que Deus está com ela.” De ano
para ano o número dos seminaristas crescia: em 1970 havia 11 entradas, em 1974, 40. A
inquietude se espalhava entre os inovadores: era evidente que, se nós formávamos
seminaristas, era para ordená-los e que os futuros sacerdotes seriam fiéis à missa da
Igreja; à missa da tradição à missa de sempre. Não é preciso buscar em outra parte a
razão dos ataques aos quais nós estávamos expostos; um perigo para a Igreja neo-
modernista, importava detê-lo antes que fosse demasiado tarde.
É assim que, a 11 de novembro de 1974, chegavam ao seminário, com as primeiras
neves, dois visitadores apostólicos enviados por uma comissão nomeada pelo papa Paulo
VI e composta de três cardeais, Garrone, Wright e Tabera, sendo este último prefeito da
Congregação dos religiosos. Eles interrogaram 10 professores e 20 dos 104 alunos
presentes, assim como a mim mesmo, e regressaram dois dias mais tarde deixando uma
desagradável impressão: tinham feito aos seminaristas afirmações escandalosas,
julgando normal a ordenação de pessoas casadas, declarando que não admitiam uma
verdade imutável e emitindo dúvidas sobre a maneira tradicional de conceber a
Ressurreição de Nosso Senhor. Do seminário nada disseram nem deixaram nenhum
protocolo. Em conseqüência disto, indignado com as afirmações feitas, eu publicava uma
declaração que começava por estas frases:
“Nós aderimos de todo o coração, de toda a nossa alma à Roma católica, guardiã da
fé católica e das tradições necessárias à manutenção desta fé, à Roma eterna, mestra da
sabedoria e da verdade.

14 Prefeito da Congregação da Educação Católica.

“Recusamos pelo contrário e sempre temos recusado seguir a Roma de tendência
neo-modernista e neo-protestante que se manifestou claramente no concílio Vaticano II e
depois do concílio, em todas as reformas dele provenientes.”
Os termos eram sem dúvida um pouco incisivos, mas traduziam e traduzem sempre
o meu pensamento. É por causa deste texto que a comissão cardinalícia decidiu abater-
nos, pois ela não o podia fazer referindo-se à conduta do seminário: os cardeais dir-me-ão
dois meses mais tarde que os visitadores apostólicos tinham recolhido uma boa
impressão de sua investigação.
Ela convidou-me, a 13 de fevereiro seguinte, para uma “conversa” em Roma, para
esclarecer alguns pontos e eu fui até lá, sem duvidar de que se tratava de uma armadilha.
A conversa, desde o início, se tornou um interrogatório cerrado, de tipo judiciário. Ela foi
seguida por uma segunda, a 3 de março, e dois meses mais tarde, a comissão me
informava “com inteira aprovação de Sua Santidade”, das decisões que havia tomado:
Dom Mamie, novo bispo de Friburgo, se via reconhecer o direito de retirar a aprovação
dada à Fraternidade por seu predecessor. Pelo próprio fato esta, assim que suas
fundações e notadamente o seminário de Ecône, perdia o “direito à existência”.
Sem esperar notificação destas decisões, Dom Mamie me escrevia: Informo-vos pois
de que eu retiro os atos e as concessões efetuados por meu predecessor no que respeita
à Fraternidade sacerdotal são Pio X, particularmente o decreto de ereção de 1 de
novembro de 1970. Esta decisão é imediatamente efetiva.”
Se bem me tendes seguido, podeis verificar que esta supressão foi feita pelo bispo
de Friburgo e não pela Santa Sé. Em virtude do cânon 493 é assim uma medida nula de
pleno direito por defeito de competência.
A isto se acrescentou um defeito de causa suficiente. A decisão não se pode apoiar
senão na minha declaração de 21 de novembro de 1974, julgada pela comissão “em
todos os pontos inaceitável”, uma vez que pelos dizeres da dita comissão, os resultados
da visita apostólica eram favoráveis. Ora, minha declaração jamais foi objeto duma
condenação da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé (o antigo Santo Ofício), a
única habilitada a julgar se ela está em oposição à fé católica. Ela não foi tida “em todos
os pontos inaceitável” a não ser por três cardeais, no decorrer do que ficou considerado
oficialmente como uma conversa.
A existência jurídica da própria comissão não foi jamais demonstrada. Por qual ato
pontifical foi ela instituída? Em que data? Em que forma foi tomada? A quem foi
notificada? O fato de as autoridades romanas se haverem recusado a apresentá-lo,
permite duvidar de sua existência. “Na dúvida de direito, a lei não obriga”, diz o Código de
direito canônico. Ainda menos quando é a competência e mesmo a existência da
autoridade que é duv idosa. Os termos “com a inteira aprovação de Sua Santidade“ são
juridicamente insuficientes; eles só poderiam substituir o decreto que deveria ter
constituído a comissão cardenalícia e definir seus poderes.
Outras tantas irregularidades de procedimento que tornam nula a suspensão da
Fraternidade. Não se deve esquecer ademais que a Igreja não é uma sociedade totalitária
de tipo nazista ou marxista, e que o direito, mesmo quando ele é respeitado — o que não
é o caso nesta questão — não constitui algo de absoluto. Ele é relativo à verdade, à fé, à
vida. O direito canônico é feito para fazer-nos viver espiritualmente e conduzir-nos assim
à vida eterna. Se se emprega esta lei para impedir-nos de lá chegar, para fazer abortar de
qualquer maneira nossa vida espiritual, estamos obrigados a desobedecer exatamente da
mesma sorte que os cidadãos estão obrigados, numa nação, a desobedecer à lei do
aborto.
Para permanecer no plano jurídico eu introduz i dois recursos sucessivos junto ao


Tribunal apostólico, que é um pouco o equivalente ao Tribunal Supremo de cassação no
direito civil. O cardeal secretário de Estado, Mons. Villot, proibiu este tribunal supremo da
Igreja de recebê-los, o que corresponde a uma intervenção do executivo no judiciário.


XX
Um fato sem dúvida não deixou de surpreender-vos: em nenhum momento desta
questão se tratou da missa, a qual, não obstante, está no coração do conflito. Este
silêncio forçado constitui a confissão de que o rito chamado de São Pio V continua bem
autorizado.
Nesta matéria, os católicos podem estar perfeitamente tranqüilos: esta missa não foi
interditada nem o pode ser. São Pio V que, repitamo-lo, não a inventou mas “restabeleceu
o missal segundo a regra antiga e os ritos dos Santos Padres”, nos dá todas as garantias
na bula Quo Primum, assinada por ele a 14 de julho de 1570. ”Decidimos e declaramos
que os Superiores, Administradores, Cônegos, Capelães e outros padres de qualquer
título por que sejam designados, ou os Religiosos de qualquer ordem, não podem ser
obrigados a celebrar a missa de modo diferente do que fixamos, e que jamais, em tempo
algum, quem quer que seja poderá constrangê-los e forçá-los a deixar este missal ou a
ab-rogar a presente instrução ou modificá-la, mas que ela permanecerá sempre em vigor
e válida, em toda a sua força... Se entretanto alguém se permitisse uma tal alteração,
saiba que incorreria na indignação de Deus Todo Poderoso e de seus bem-aventurados
Apóstolos Pedro e Paulo.”
Supondo que o papa pudesse voltar atrás a respeito deste indulto perpétuo, seria
preciso que o fizesse por um ato também solene. A constituição apostólica Missale
Romanum de 3 de abril de 1969 autoriza a missa dita de Paulo VI, que não contém
interdição alguma expressamente formulada da missa tridentina.15 A tal ponto que o
cardeal Ottaviani podia dizer em 1971: “O rito tridentino da missa, que eu saiba, não foi
abolido”. Mons. Adam que pretendia, na assembléia plenária dos bispos suíços, que a
constituição Missae Romanum tinha interditado celebrar, salvo indulto, segundo o rito de
São Pio V, teve de retratar-se, depois de lhe pedirem que dissesse em que termos esta
interdição teria sido pronunciada.
Daí resulta que se um padre fosse censurado, e mesmo excomungado por esta
causa, a condenação seria absolutamente inválida. São Pio V canonizou esta santa
missa; ora, um papa não pode revogar uma canonização, assim como não o pode fazer
com a de um santo. Nós podemos celebrá-la com toda a tranqüilidade e os fiéis assisti-la
sem o menor constrangimento, sabendo, quanto ao mais, que ela é a melhor maneira de
manter a sua fé.
Isto é tão verdadeiro que Sua Santidade João Paulo II, após vários anos de silêncio
sobre o capítulo da missa, acabou por desapertar a golilha imposta aos católicos. A carta
da Congregação para o culto divino datada de 3 de outubro de 1984, “autoriza” de novo o
rito de são Pio V para os fiéis que o pedirem. Ela impõe, certamente, condições que não
podemos aceitar e, doutra parte, não tínhamos necessidade deste indulto para usufruir
dum direito que nos foi outorgado até o fim dos tempos.
Mas este primeiro gesto — rezemos para que haja outros desta espécie — tira a
suspeita indevidamente lançada sobre a missa e libera as consciências dos católicos
perplexos que hesitavam ainda em assisti-la.
Venhamos agora à suspensão a divinis que me golpeou a 22 de julho de 1976. Ela
foi conseqüência das ordenações de 29 de junho em Ecône: fazia três meses nos
chegavam de Roma objurgações, súplicas, ordens, ameaças para dizer-nos que
cessássemos nossas atividades, que não mais procedêssemos a estas ordenações
sacerdotais. Durante os dias que precederam, não deixamos de receber mensagens e
enviados: que nos diziam eles? Seis vezes seguidas pediram-me restabelecer relações

15 Tridentino: que se refere ao Concílio de Trento.


normais com a Santa Sé, aceitando o rito novo e celebrando-o eu mesmo. Chegou-se até
a me enviar um monsenhor que se ofereceu para concelebrar comigo, puseram-me nas
mãos um missal novo prometendo-me que se eu celebrasse a missa de Paulo VI em 29
de junho, diante de toda a assembléia vinda para rezar pelos novos sacerdotes, tudo seria
dali em diante aplainado entre Roma e mim.
O que significa que não me proibiam conferir estas ordenações mas as queriam
segundo a nova liturgia. Ficava c laro a partir deste momento que é sobre o problema da
missa que desenrolava o drama entre Roma e Ecône, e que ainda se desenrola. Eu disse,
no sermão da missa de ordenação: ”Amanhã talvez aparecerá nos jornais a nossa
condenação, é muito possível devido a esta ordenação de hoje: serei atingido por uma
suspensão provavelmente, estes jovens sacerdotes por uma irregularidade que em
princípio deveria impedi-los de dizer a santa missa. É possível. Pois bem eu apelo para
São Pio V”.
Certos católicos puderam ser perturbados por minha recusa desta suspensão a
divinis. Mas o que é preciso compreender bem, é que tudo isto forma uma cadeia: por que
se me recusava efetuar estas ordenações? Porque a Fraternidade tinha sido supressa e o
seminário deveria ter sido fechado. Mas precisamente, eu não tinha aceito esta
supressão, este fechamento, porque tinham sido decididos ilegalmente, porque as
medidas tomadas estavam maculadas por diversos vícios canônicos tanto de forma como
de fundo ( notadamente o que os autores de direito administrativo denominam “desvio de
poderes”, isto é, a utilização de competências contra o objetivo para o qual elas devem
ser exercidas). Teria sido preciso que eu aceitasse tudo desde o início, mas não o fiz
porque fomos condenados sem julgamento, sem poder defender-nos, sem admoestação,
sem escrito e sem recurso. Uma vez que se recusa a primeira sentença, não há razão de
não recusar as outras, pois as outras se apóiam sempre naquela. A nulidade duma
acarreta a nulidade do que se segue.
Uma outra questão se coloca por vezes aos fiéis e aos sacerdotes, pode-se ter
razão contra todo o mundo? Por ocasião de uma conferência de imprensa, o enviado de
“Le Monde” me dizia: “Mas enfim vós estais só. Só contra o papa, só contra todos os
bispos. Que significa vosso combate?” Pois bem, não, eu não estou sozinho. Tenho toda
a tradição comigo, a Igreja existe no tempo e no espaço. E depois, eu sei que muitos
bispos pensam como nós em seu foro interior. Hoje, desde a carta aberta ao papa que
Dom Castro Mayer assinou comigo, somos dois a nos termos declarado abertamente
contra a protestantização da Igreja. Temos muitos padres conosco. E depois há nossos
seminários que fornecem atualmente cerca de 40 novos sacerdotes cada ano, nossos 250
seminaristas, nossos 30 irmãos, nossas 60 religiosas, nossos 30 oblatos, os mosteiros e
os carmelos que se abrem e se desenvolvem, a multidão dos fiéis que vêm para nós.
A Verdade, aliás, não se realiza no número, o número não faz a Verdade. Mesmo se
eu estivesse sozinho, se todos os meus seminaristas me deixassem, mesmo se toda a
opinião pública me abandonasse, isto me seria indiferente no que me concerne. Estou
ligado a m eu credo, a meu catecismo, à tradição que santificou todos os eleitos que estão
no céu, quero salvar minha alma. A opinião pública, conhece-se muito bem, foi a que
condenou Nosso Senhor alguns dias após tê-lo aclamado. É o domingo de Ramos e
depois há a Sexta-feira santa. Sua Santidade Paulo VI me perguntou: ”Mas enfim, no
interior de vós mesmo, não sentis alguma coisa que vos reprova o que fizestes? Vós
causais na Igreja um escândalo enorme, enorme. Vossa consciência não vo-lo diz?
Respondi: Não, Santíssimo Padre, absolutamente. Se eu tivesse alguma coisa a me
reprovar, cessaria imediatamente”.
O papa João Paulo II não confirmou nem invalidou a sanção pronunciada contra
mim. Por ocasião da audiência que me concedeu em novembro de 1979, ele parecia


bastante disposto, após uma conversação prolongada, a deixar a liberdade de escolha na
liturgia, a deixar-me fazer, no final de contas, o que eu solicito desde o começo: entre
todas as experiências que são efetuadas na Igreja, “a experiência da tradição”.
Parecia ter chegado o momento em que as coisas se iriam arranjar, não mais
ostracismo contra a missa, não mais problema. Mas o cardeal Seper, que estava
presente, viu o perigo; exclamou: “Mas Santíssimo Padre, eles fazem desta missa uma
bandeira!” A pesada cortina que se havia erguido num instante recaiu. Será preciso
esperar ainda.


XXI
A declaração de 21 de novembro de 1974 que desencadeou o processo do qual eu
acabo de falar, terminava por estas palavras: ”Agindo assim... nós estamos convencidos
de permanecer fiéis à Igreja Católica e romana, a todos os sucessores de Pedro, e de ser
os fiéis dispensadores dos mistérios de Nosso Senhor Jesus Cristo.” O “Osservatore
Romano”, publicando o texto, omitiu este parágrafo. Há dez anos e mais, nossos
adversários estão interessados em rejeitar-nos da comunhão da Igreja deixando entender
que não aceitamos a autoridade do papa. Seria bem cômodo fazer de nós uma seita e
declarar-nos cismáticos. Quantas vezes a palavra cisma foi pronunciada a nosso respeito!
Não cessei de repetir: se alguém se separa do papa, este alguém não serei eu. A
questão se resume nisto: o poder do papa na Igreja é um poder supremo, mas não
absoluto e ilimitado, pois está submetido ao poder divino, que se exprime na tradição, na
Sagrada Escritura e nas definições já promulgadas pelo magis tério eclesiástico. De fato
este poder encontra seus limites no fim para o qual ele foi dado sobre a terra ao Vigário
de Cristo, fim que Pio IX definiu claramente na Constituição Pastor aeternus do concílio
Vaticano I. Não exprimo pois uma teoria pessoal ao dizê-lo.
A obediência cega não é católic a; ninguém esta isento da responsabilidade por ter
obedecido aos homens mais que a Deus, aceitando ordens duma autoridade superior,
seja ela do papa, se se revelam contrárias à vontade de Deus tal como a tradição no-la
faz conhecer com certeza. Não se poderia considerar uma tal eventualidade, certamente,
quando o papa compromete sua infalibilidade, mas ele não o faz senão num número
reduzido de casos. É um erro pensar que toda a palavra saída da boca do papa é
infalível.
Dito isto, eu não sou daqueles que insinuam ou afirmam que Paulo VI era herege e
que, pelo próprio fato de sua heresia, não era mais papa. Em conseqüência disto, a maior
parte dos cardeais nomeados por ele não seriam cardeais e não teriam validamente eleito
um outro papa. João Paulo I e João Paulo II por isso não teriam sido eleitos
legitimamente. Eis a posição daqueles que se intitulam sede-vacantistas.
É preciso reconhecer que o papa Paulo VI colocou um sério problema para a
consciência dos católicos. Este pontífice causou mais danos à Igreja do que a Revolução
de 1789. Fatos precisos como as assinaturas apostas ao artigo 7 da “Institutio Generalis”
assim como ao documento sobre a liberdade religiosa, são escandalosos. Mas o
problema não é tão simples de saber se um papa pode ser herege. Bom número de
teólogos pensam que ele o pode ser como doutor particular, não como doutor da Igreja
universal. Seria preciso portanto examinar em que medida Paulo VI quis comprometer sua
infalibilidade em casos como aqueles que acabo de citar.
Ora, nós pudemos ver que ele agiu muito mais como liberal do que se atendo à
heresia. Com efeito, desde que se lhe fazia notar o perigo que corria, tornava o texto
contraditório acrescentando uma fórmula oposta ao que era afirmado na redação:
conhece-se o exemplo famoso da nota explicativa preliminar inserida em seguida à
constituição Lumen Gentium sobre a colegialidade. Realmente ele redigia uma fórmula
equívoca, o que é próprio do liberal, por natureza incoerente.
O liberalismo de Paulo VI, reconhecido por seu amigo o cardeal Danielou, basta para
explicar os desastres de seu pontificado. O católico liberal é uma pessoa de duplo
aspecto, em contínua contradição. Ele quer permanecer católico mas é possuído pela
sede de agradar ao mundo. Um papa pode ser liberal e continuar papa? A Igreja sempre
censurou severamente os católicos liberais mas nunca os excomungou. Os sede-
vacantistas adiantam um outro argumento: o afastamento dos cardeais de mais de 80


anos e os conventículos que prepararam os dois últimos conclaves não tornam inválida a
eleição destes papas? Inválida é afirmar demais, mas eventualmente duvidosa. Todavia a
aceitação posterior e unânime do fato por parte dos cardeais e do clero romano basta
para tornar válida a eleição. Tal é a opinião dos teólogos.
O raciocínio daqueles que afirmam a inexistência do papa coloca a Igreja numa
situação inextricável. A questão da visibilidade da Igreja é por demais necessária à sua
existência para que Deus possa omiti-la durante decênios. Quem nos dirá onde está o
futuro papa? Como se poderá designá-lo, se não há mais cardeais? Vemos aí um espírito
cismático. Nossa Fraternidade se recusa absolutamente a entrar em semelhantes
raciocínios. Nós queremos continuar ligados a Roma, ao sucessor de Pedro, recusando
porém o liberalismo de Paulo VI, por fidelidade a seus predecessores.
É claro que em casos como a liberdade religiosa, a hospitalidade eucarística
autorizada pelo novo direito canônico ou a colegialidade concebida como a afirmação de
dois poderes supremos na Igreja, é um dever para todo clérigo e fiel católico resistir e
recusar a obediência. Esta resistência deve ser pública, se o mal é público e representa
um objeto de escândalo para as almas. É por isso que, referindo-nos a Santo Tomás de
Aquino, Dom Castro Mayer e eu enviamos a 21 de novembro de 1983, uma carta aberta
ao papa João Paulo II para suplicar-lhe que denunciasse as causas principais da situação
dramática na qual se debate a Igreja. Todas as diligências que fizemos em particular
durante quinze anos foram em vão e calar-nos parecer-nos-ia fazer de nós cúmplices da
confusão das almas no mundo inteiro.
“Santíssimo Padre, escrevíamos, é urgente que esse mal estar cesse logo, porque o
rebanho se dispersa e as ovelhas abandonadas estão seguindo mercenários. Nós vos
conjuramos, pelo bem da fé católica e da salvação das almas, a reafirmar as verdades
contrárias a estes erros. Nosso grito de alarme se torna ainda m ais veemente diante dos
erros, para não dizer heresias do novo direito canônico, e das cerimônias e discursos ao
ensejo do quinto centenário do nascimento de Lutero.”
Não tivemos resposta, mas fizemos o que devíamos. Não podemos desesperar
como se se tratasse duma empresa humana. As convulsões atuais passarão como
passaram todas as heresias. Será preciso voltar um dia à tradição; na autoridade será
necessário que reapareçam os poderes significados pela tiara, que um tribunal protetor da
fé e dos bons costumes se estabeleça de novo permanentemente, que os bispos
reencontrem seus poderes e sua iniciativa pessoal.
Será preciso liberar o verdadeiro trabalho apostólico de todos os impedimentos que
hoje o paralisam e que fazem desaparecer o essencial da mensagem; restituir aos
seminários sua verdadeira função, recriar sociedades religiosas, restaurar as escolas
católicas e as universidades desembaraçando-as dos programas leigos do Estado,
sustentar organizações patronais e operárias decididas a colaborar fraternalmente no
respeito dos deveres e dos direitos de todos, interditando-se o flagelo social da greve, que
não passa de uma guerra civil fria, promover enfim uma legislação civil conforme às leis
da Igreja e ajudar na designação de representantes católicos movidos pela vontade de
orientar a sociedade para um reconhecimento oficial do reinado social de Nosso Senhor.
Enfim, pois, que dizemos todos os dias quando rezamos? “Venha a nós o vosso
reino, seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu”. E no Glória da missa? “Vós
sois o único Senhor, Jesus Cristo”. Nos cantaríamos isto, e, apenas saídos da Igreja,
diríamos: ”Ah não, estas noções estão ultrapassadas”, é impossível encarar no mundo
atual a possibilidade de falar no reino de Jesus Cristo? Vivemos nós no ilogismo? Somos
cristãos ou não?
As nações se debatem em dificuldades inextricáveis, em muitos lugares a guerra se


eterniza, os homens tremem ao pensar na possível catástrofe nuclear, procura-se o que
poderia ser feito para que a situação econômica se reerga, o dinheiro se valorize, o
desemprego desapareça, as indústrias sejam prósperas. Pois bem, mesmo do ponto de
vista econômico, é preciso que Nosso Senhor reine, porque es te reino é o dos princípios
de amor, dos mandamentos da lei de Deus, que criam um equilíbrio na sociedade, trazem
a justiça e a paz. Pensais que seja uma atitude cristã colocar sua esperança em tal ou
qual homem político, em tal combinação de partidos, imaginando que talvez um dia um
programa melhor que outro resolverá os problemas dum modo seguro e definitivo,
enquanto que deliberadamente se põe de lado “o único Senhor” como se Ele nada tivesse
a ver com os assuntos humanos, como se isto não lhe fosse concernente? Qual é a fé
daqueles que fazem de sua vida duas partes, com uma barreira estanque entre sua
religião e suas outras preocupações políticas, profissionais, etc.? Deus que criou o céu e
a terra não seria capaz de regular nossas miseráveis dificuldades materiais e sociais? Se
vós já rezastes a Ele nos maus momentos de vossa existência, sabeis por experiência
que Ele não dá pedras a seus filhos que lhe pedem pão.
A ordem social cristã se situa no oposto das teorias marxistas que jamais causaram,
em todas as partes do mundo onde foram pos tas em prática, senão a miséria, o
esmagamento dos mais fracos, o desprezo do homem e a morte. Ela respeita a
propriedade particular, protege a família contra tudo o que a corrompe, encoraja a família
numerosa e a presença da mulher no lar, deixa uma legítima autonomia às iniciativas
privadas, encoraja as pequenas e médias indústrias, favorece o retorno à terra e estima
em seu justo valor a agricultura, preconiza as uniões profissionais, concede a liberdade
escolar, protege os cidadãos contra toda a forma de subversão e de revolução.
Esta ordem cristã se distingue com toda a certeza também dos regimes liberais
fundados na separação da Igreja e do Estado e cuja impotência para superar as crises se
afirma cada vez mais. Como o poderiam, após estarem voluntariamente privados d'Aquele
que é “a luz dos hom ens”? Como poderiam reunir as energias dos cidadãos, uma vez que
não têm mais outro ideal a propor-lhes senão o bem estar e o conforto? Eles puderam
entreter a ilusão durante certo tempo porque os povos conservavam hábitos de
pensamento cristãos e seus dirigentes mantinham, mais ou menos conscientemente,
alguns valores. Na época das “reconsiderações”, as referências implícitas à vontade de
Deus desaparecem; os sistemas liberais, abandonados a si mesmos, não sendo mais
acionados por alguma idéia superior, se extenuam, são uma presa fácil para as ideologias
subversivas.
Falar da ordem social cristã não é portanto apegar-se a um passado que teria
terminado; é, ao contrário, uma posição de futuro com o qual não deveis ter medo de
contar. Vós não travais um combate de retaguarda, vós sois os que sabem, porque
receberam as lições d'Aquele que disse: “Eu sou o Caminho, a Verdade, a Vida”. Temos a
superioridade de possuir a Verdade, o que não é defeito nosso, não temos que nos
ensoberbecer com isto mas devemos agir conseqüentemente; a Igreja tem sobre o erro a
superioridade de possuir a Verdade. Cabe a Ela, com a graça de Deus, propagá-la e não
a esconder vergonhos amente sob o alqueire.
Ainda menos misturá-la ao joio, como se vê fazer constantemente. Li no Osservatore
Romano, com a assinatura de Paolo Befani1 6 , um artigo interessante sobre o favor
concedido ao socialismo pelo Vaticano. O autor compara a situação da América Central e
a da Polônia e escreve:
“A Igreja, deixando a situação da Europa, se encontra confrontada duma parte com a
situação dos países da América Latina e a influência dos E.U.A. que se exerce sobre eles,

16 OSSERVATORE ROMANO, 18.1.84.


e doutra parte com a situação da Polônia que se encontra na órbita do império soviético.
“Chocando-se de encontro a estas duas fronteiras, a Igreja que, com o concílio,
assumiu e ultrapassou as conquistas Iíbero-democráticas da Revolução Fr ancesa, e que
na sua marcha para a frente (ver a encíclica Laborem exercens) se constitui como um
“após” da Revolução russa marxista, oferece uma solução à falência do marxismo nesta
“chave” dum “socialismo post-marxista, democrático, de raiz cristã, autogestionária e não
totalitária.”
“A réplica ao Leste é simbolizada pelo Solidarnosc que arvora a cruz em face aos
Estaleiros Lenine. É o erro da América latina procurar a solução no comunismo marxista,
num socialismo de raiz anticristã.”
Eis aí bem o ilusionismo liberal que associa palavras contraditórias com a persuasão
de exprimir uma verdade! É a estes sonhadores adúlteros obcecados pela idéia de
consorciar a Igreja com a revolução que nós devemos o caos do mundo cristão que abre
as portas ao comunismo. São Pio X dizia dos sillonistas: “Eles anseiam pelo socialismo,
com o olhar fixo numa quimera”. Seus sucessores continuam. Após a democracia cristã, o
socialismo cristão! Acabaremos por chegar ao cristianismo ateu.
A solução a encontrar não concerne somente à falência do marxismo, mas à falência
da democracia cristã, que não é preciso demonstrar. Basta de compromissos, de uniões
contra a natureza! Que iremos buscar nestas águas turvas? O católico tem a verdadeira
“chave”, é seu dever trabalhar com todas as forças, seja comprometendo-se
pessoalmente na política, seja por seu voto para dar à sua pátria prefeitos, conselheiros,
deputados resolvidos a restabelecer a ordem social cristã, a única capaz de obter a paz, a
justiça, a verdadeira liberdade. Não há outra solução.


XXII
É o tempo apropriado de reagir. Quando Gaudium et Spes fala do movimento da
história que “se torna tão rápido que cada um tem dificuldade de o seguir”, pode-se
entender este movimento como uma prec ipitação das sociedades liberais na
desagregação e no caos. Acautelemo-nos de o seguir!
Como compreender que dirigentes apelem para a religião cristã ao passo que
destroem toda a autoridade no Estado? Importa ao contrário restabelecê-la, que foi
querida pela Providência nas sociedades naturais de direito divino cuja influência neste
mundo é primordial: a família e a sociedade civil. É a família que recebeu nestes últimos
tempos os mais rudes golpes; a passagem para o socialismo em países como a França e
a Espanha não fez senão acelerar o processo.
As leis e medidas que se sucederam mostram uma grande coesão na vontade de
arruinar a instituição familiar: diminuição da autoridade paterna, divórcio facilitado,
desaparecimento da responsabilidade no ato da procriação, reconhecimento
administrativo dos casais irregulares e mesmo de duplas homossexuais, coabitação
juvenil, casamento de experiência, diminuição das ajudas sociais e fiscais às famílias
numerosas... O mesmo Estado, em seus interesses próprios, começa a perceber as
conseqüências disto no que toca à diminuição da natalidade, ele se pergunta como, num
tempo próximo, as jovens gerações poderão assegurar os regimes de retração daquelas
que deixaram de ser economicamente ativas. Mas os efeitos são consideravelmente mais
graves no domínio espiritual.
Os católicos não devem seguir mas ponderar com todo o seu peso, uma vez que
são também cidadãos, para endireitar tudo o que for preciso. É por isso que eles não
poderiam ficar à margem da política. Portanto seu esforço será sobretudo sensível na
educação que proporcionam a seus filhos.
Sobre este assunto, a autoridade é contestada nas suas próprias fontes por aqueles
que declaram que “os pais não são os proprietários dos filhos”, querendo dizer com isto
que a educação destes cabe ao Estado, com suas escolas leigas, suas creches, suas
maternais. Censuram-se os pais de não respeitar a “liberdade de consciência” de seus
filhos quando os educam segundo suas próprias convicções religiosas.
Estas idéias remontam aos filósofos ingleses do século XVII que não queriam ver
nos homens senão indivíduos isolados, independentes de nascimento, iguais entre si,
subtraídos a toda autoridade. Nós sabemos que isto é falso. A criança recebe tudo de seu
pai e de sua mãe, alimento corporal, intelectual, educação moral, social. Eles se fazem
ajudar por professores que partilharão, no espírito dos jovens, a sua autoridade mas, seja
por meio de uns ou por meio de outros, a quase totalidade da ciência adquirida no
decurso da adolescência pessoal será mais uma ciência apreendida, recebida, aceita, do
que uma ciência deduzida da observação e da experiência pessoal. Os conhecimentos
vêm por uma parte considerável da autoridade que transmite. O jovem estudante acredita
em seus pais, em seus professores, em seus livros e assim seu saber se estende.
Isto é ainda mais verdadeiro com os conhecimentos religiosos, com a prática da
religião, com o exercício da moral conforme à fé, às tradições, aos costumes. Os homens
em geral vivem em função das tradições familiares, isto se observa em toda a superfície
do globo. A conversão a uma outra religião do que aquela que se recebeu durante a sua
infância encontra sérios obstáculos.
Esta extraordinária influência da família e do meio é querida por Deus. Ele quis que
seus benefícios se transmitissem em primeiro lugar através da família; é por esta razão
que concedeu ao pai de família uma grande autoridade, um imenso poder sobre a


sociedade familiar, sobre sua esposa, sobre seus filhos. A criança nasce numa fraqueza
tão grande que se pode julgar da necessidade absoluta da permanência do lar, de sua
indissolubilidade.
Querer exaltar a personalidade e a consciência da criança em detrimento da
autoridade familiar, é fazer a sua desgraça, impeli-la à revolta, ao desprezo dos pais,
enquanto que a longevidade é prometida àqueles que honrarem os seus. São Paulo, ao
relembrá-lo, estabelec e também um dever aos pais de não exasperarem os filhos, mas de
educá-los na disciplina e no temor do Senhor.
Se fosse preciso esperar ter a inteligência da verdade religiosa para crer e converter-
se, não haveria senão bem poucos cristãos atualmente. Crê-se nas verdades religiosas
porque as testemunhas são dignas de credibilidade por sua santidade, seu desinteresse,
sua caridade. Pois, como diz Santo Agostinho, a fé dá inteligência.
A função dos pais tornou-se muito difícil. Nós o vimos, a maioria das escolas livres
foram laicizadas de fato, e nelas não se ensina mais a verdadeira religião nem as ciências
profanas a luz da fé. Os catecismos difundem o modernismo. A vida trepidante é
devoradora de tempo, as necessidades profissionais distanciam pais e filhos dos avôs e
avós que participavam outrora da educação. Os católicos não estão apenas perplexos
mas desarmados.
Mas isto absolutamente não a ponto de não poderem assegurar o essencial,
suprindo a graça de Deus o resto. O que é preciso fazer? Existem escolas
verdadeiramente católicas, se bem que em número reduzido. Enviai para lá vossos filhos,
mesmo se isto pesar no vosso orçamento. Abri novas, como alguns já o fizeram. Se não
podeis freqüentar senão escolas onde o ensino é desnaturado, manifestai-vos, reclamai,
não deixeis os educadores fazer vossos filhos perder a fé.
Lede, relede em família o catecismo de Trento, o mais belo, o mais perfeito e o mais
completo. Organizai “catecismos paralelos” sob a direção espiritual de bons sacerdotes,
não tenhais medo de ser tratados, como nós, de “selvagens”. Aliás, numerosos grupos já
funcionam que acolherão vossos filhos.
Rejeitai os livros que veiculam o veneno modernista. Fazei-vos aconselhar. Editores
corajosos difundem excelentes obras e reimprimem as que os progressistas destruíram.
Não adquirais qualquer Bíblia; toda família cristã deveria possuir a Vulgata, tradução
latina feita por são Jerônimo no século IV e canonizada pela Igreja1 7 . Atende-vos à
verdadeira interpretação das Escrituras, conservai a verdadeira missa e os sacramentos
tais como eram administrados por toda a parte ate bem pouco.
Atualmente o demônio desencadeou-se contra a Igreja pois é bem disso que se
trata: nós assistimos talvez a uma de suas últimas batalhas, uma batalha geral. Ele ataca
em todas as frentes e se Nossa Senhora de Fátima disse que um dia ele subiria até as
mais altas esferas da Igreja, é que isto podia acontecer. Nada afirmo de mim mesmo,
entretanto há sinais que podem fazer-nos pensar que, nos mais elevados organismos
romanos, pessoas perderam a fé.
Devem-se tomar medidas espirituais urgentes. É preciso rezar, fazer penitência,
como a Santíssima Virgem o pediu, recitar o terço em família. As pessoas, viu-se em cada
guerra, se põem a rezar quando as bombas começam a cair. Mas precisamente, elas
caem neste momento: estamos a ponto de perder a fé. Compreendeis que isto ultrapassa
em gravidade todas as catástrofes que os homens temem, as crises econômicas mundiais
ou os conflitos atômicos?

17 As traduções francesas da Vulgata são, infelizmente, difíceis de encontrar. Pode-se referir quer à antiga edição de “Crampon”, quer,
para o Novo Testamento, à edição feita por Dominique Martin Morin.


Renovações se impõem, mas não creiais que não pos samos contar para isto com a
juventude. Não é toda a juventude que está corrompida, como se tenta persuadir-nos.
Muitos têm um ideal, a muitos outros basta propor um. Abundam os exemplos de
movimentos que fazem apelo com sucesso à generosidade: os mosteiros fiéis à tradição
os atraem, não faltam vocações de jovens seminaristas ou de noviços que pedem
formação. Há um magnífico trabalho a realiz ar conforme as instruções dadas pelos
Apóstolos: Tenete traditiones... Permanete in iis quae didicistis.
O velho mundo chamado a desaparecer é o do aborto. As famílias fiéis à tradição
são ao mesmo tempo famílias numerosas, sua própria fé lhes assegura a posteridade.
“Crescei e multiplicai-vos!” Conservando o que a Igreja sempre ensinou, vós vos ligais ao
futuro.


XXIII
Vinte anos se passaram, podia-se crer que as reações suscitadas pelas reformas
conciliares se apaziguariam, que os católicos perderiam a esperança na religião na qual
haviam sido criados, que os mais jovens, não a tendo conhecido, entrariam nas fileiras da
nova. Tal era ao menos a aposta feita pelos modernistas. Eles não se admiravam
demasiadamente das contracorrentes, seguros de si mesmos nos primeiros tempos. Eles
o ficaram menos em seguida: as múltiplas e essenciais concessões feitas ao espírito do
mundo não davam os resultados antecipadamente gozados, ninguém queria mais ser
sacerdote do novo culto, os fiéis se afastavam da prática religiosa, a Igreja que se queria
a Igreja dos pobres tornava-se uma Igreja pobre, obrigada a recorrer à publicidade para
fazer recolher o dinheiro do culto, e a vender seus imóveis.
Durante este tempo, a fidelidade à tradição se fortificava em todos os países cristãos
e particular mente na França, na Suíça, nos Estados Unidos, na América Latina. O artífice
da nova missa, Mons. Aníbal Bugnini, foi ele mesmo obrigado a verificar esta resistência
mundial no seu livro póstumo18 . Resistência que não cessa de se desenvolver, de se
organizar, de atrair o mundo. Não, o movimento “tradicionalista” não está “em perda de
velocidade”, como escrevem de tempos em tempos os jornalistas progressistas para se
tranqüilizarem. Onde há tanta gente na missa como em São Nicolau de Chardonnet, e
também tantas missas, tantas visitas ao Santíssimo Sacramento, tantos belos ofícios? A
Fraternidade de São Pio X conta no mundo setenta casas com ao menos um sacerdote,
igrejas como a de Bruxelas, a que compramos ultimamente em Londres, a que foi
colocada à nossa disposição em Marselha, escolas, quatro seminários.
Carmelos se abrem e já enxameiam. As comunidades de religiosos e de religiosas,
criadas desde uma quinzena de anos ou mais e que aplicam estritamente a regra das
ordens de que dependem, regurgitam de vocações, é preciso sem cessar ampliar os
alojamentos, construir novos edifícios. A generosidade dos católicos fiéis não deixa de
maravilhar-me, particularmente na França.
Os mosteiros são centros de irradiação, para aí se dirigem em grande número e
freqüentemente de muito longe; jovens extraviados pelas ilusórias seduções do prazer e
da evasão sob todas as suas formas aí encontram seu caminho de Damasco. Ser-me-ia
preciso citar todos os lugares onde se conserva a verdadeira fé católica e que por esta
razão atraem: Le Barroux, Flavigny sur Ozeraim, La Haye-aux-Bonshommes, as
beneditinas de Alès, de Samairé, as irmãs de Fanjeaux, de Brignoles, de Pontcallec, as
comunidades do padre Lecareux.
Viajando muito, eu vejo claramente por toda a parte a mão de Cristo que abençoa a
sua Igreja. No México, o povo humilde expulsou das igrejas o clero reformador
conquistado pela pretensa teologia da libertação, o qual queria retirar as estátuas de
santos. “Não são as estátuas que partirão, sois vós”. As condições políticas nos
impediram de fundar uma casa no México; é dum centro instalado em El Paso, na
fronteira dos Estados Unidos, que irradiam os sacerdotes fiéis. Os descendentes dos
Cristeros lhes fazem festa e lhes oferecem suas igrejas. Eu administrei ali 2.500
confirmações, chamado pela população.
Nos Estados Unidos, os jovens casais com numerosos filhos vão ter com os padres
da Fraternidade. Em 1982 ordenei neste país os três primeiros sacerdotes formados
inteiramente nos nossos seminários. Os grupos tradicionais se multiplicam, enquanto que
as paróquias se degradam. A Irlanda que havia permanecido refratária às novidades, fez
sua reforma desde 1980, altares foram lançados nos rios ou reutilizados como material de

18 LA REFORMA LITURGICA, Edizioni Liturgiche, Roma.


construção. Simultaneamente se formavam grupos em Dublin e em Belfast. No Brasil, na
diocese de Campos, da qual já falei, a população ficou agrupada em torno dos padres
excluídos de suas paróquias pelo novo bispo; desfiles de 5.000, 10.000 pessoas
percorreram as ruas.
É portanto o bom caminho que nós seguimos; a prova está aí, a árvore se reconhece
pelos seus frutos. O que fizeram clérigos e leigos apesar da perseguição do clero liberal
— pois, dizia Luis Veuillot “nada há mais sectário do que um liberal” — é quase
miraculoso.
Não vos deixeis iludir, caros leitores, pelo termo ”tradicionalista” que se tenta fazer
tomar em mau sentido. É de certo modo um pleonasmo, pois não vejo o que pode ser um
católico que não foss e tradicionalista. Creio tê-lo demonstrado neste livro, a Igreja é uma
tradição. Nós somos uma tradição. Fala-se também de “integrismo”; se se entende com
isto o respeito da integridade do dogma, do catecismo, da moral cristã, do Santo Sacrifício
da Missa, então sim nós somos integristas. Mas eu não vejo como possa ser católico
quem não fosse integrista neste sentido.
Escreve-se também que minha obra desaparecerá depois de mim, porque não
haverá bispos para substituir-me. Estou certo do contrário, não tenho inquietação alguma.
Posso morrer amanhã, o Bom Deus tem todas as soluções. Encontrar-se-ão pelo mundo,
eu o sei, bispos suficientes para ordenar nossos seminaristas. Mesmo se ele se cala hoje
em dia, um ou outro destes bispos receberia do Espírito Santo a coragem de se erguer a
seu turno. Se minha obra é de Deus, Ele saberá mantê-la e fazê-la servir ao bem da
Igreja. Nosso Senhor no-lo prometeu: as portas do inferno não prevalecerão contra ela.
É por isso que eu me obstino, e se quereis conhecer a razão profunda desta
obstinação, ei-la. Eu não quero, na hora de minha morte, quando Nosso Senhor me
perguntar: “Que fizeste de teu episcopado, da tua graça episcopal e sacerdotal?” ouvir de
sua boca estas palavras terríveis: “Tu contribuíste para destruir a Igreja com os outros.”

4 de julho de 1984


ÍNDICE



I – Porque os católicos estão perplexos? ............................................................................5
II – “Estão mudando nossa religião” ....................................................................................8
III – Missas ou quermesses? .............................................................................................13
IV – A Missa de sempre e a missa “ao sabor do vento” ....................................................16
V – “Vocês são retrógrados” ..............................................................................................21
VI – O novo batismo, o novo casamento, a nova penitência, a nova extrema-unção........25
VII – Os novos padres .......................................................................................................31
VIII – Do catecismo Holandês a “Pierres Vivantes” ...........................................................35
IX – A nova teologia ...........................................................................................................40
X – O ecumenismo ............................................................................................................43
XI – A liberdade religiosa ...................................................................................................46
XII – Os camaradas e os irmãos........................................................................................50
XIII – Liberdade religiosa, Igualdade colegial, Fraternidade ecumênica ............................55
XIV – “Vaticano II, é o 1789 na Igreja” ...............................................................................60
XV – Conúbio da Igreja com a Revolução .........................................................................65
XVI – O neo-modernismo ou “Pierre Vivantes” em ruínas .................................................68
XVII – Que é a Tradição? ..................................................................................................73
XVIII – A verdadeira obediência ........................................................................................76
XIX – As sanções romanas contra Ecône..........................................................................80
XX – A Missa dita “de S. Pio V”, Missa de sempre ............................................................84
XXI – Nem herege nem cismático .....................................................................................87
XXII – As famílias devem reagir........................................................................................91
XXIII – Construir, não destruir............................................................................................94

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: