segunda-feira, 30 de abril de 2012

Santo Agostinho: pena de morte e guerra justa.




"Livro I

Capítulo XXI

Homicídios não considerados criminosos

A mesma autoridade divina estabeleceu, porém, certas exceções à proibição de matar alguém. Algumas vezes, seja, como lei geral, seja por ordem temporária e particular, Deus ordena o homicídio. Ora, não é moralmente homicida quem deve à autoridade o encargo de matar, pois não passa de instrumento, como a espada com que fere. Desse modo, não infringiu o preceito que, por ordem de Deus, fez guerra ou, no exercício do poder público e segundo as leis, quer dizer, segundo a vontade da razão mais justa, puniu de morte criminosos." (p. 51)

Fonte: "A Cidade de Deus", Parte I, Editora Universitária São Francisco, Bragança Paulista, 2003

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Chico Xavier.


Quem foi Chico Xavier?

Em 2010 os espíritas de todo o país comemoraram 100 anos do nascimento deste que consideram o maior "médium" brasileiro. Podemos sem dúvida considerar o Sr. Francisco Cândido Xavier (1910-2002), mais conhecido como "Chico Xavier", uma das personalidades mais populares e também mais polêmicas da história recente do nosso país. E como a nossa mídia (incluindo grandes emissoras de TV, redações dos grandes jornais e revistas e o meio artístico em geral) está repleta de militantes do espiritismo, estamos presenciando atualmente um verdadeiro festival de apologia à figura de Chico Xavier. Filmes nos cinemas, peças de teatro, lançamentos de uma infinidade de livros, especiais de TV, matérias de capa nas revistas...

Mas o fato é que é muito raro a grande mídia abordar as diversas facetas desse controverso personagem: existe uma outra realidade bem diferente dessa que estamos acostumados a ver nos meios de comunicação, e que pode ser comprovada muito facilmente. A revista Voz da Igreja é uma publicação comprometida com a verdade. Longe de querer provocar polêmicas, e com todo o respeito a todos os espíritas, não poderíamos deixar de abordar esses fatos. Para falar de uma personalidade tão conhecida, o bom senso e a boa consciência nos obrigam a abordar o assunto de maneira responsável e imparcial. - Algo bem diferente da tremenda propaganda que temos presenciado nos meios de comunicação.

Apresentamos uma série de fatos a respeito de Chico Xavier que é desconhecida da maioria. Advertimos que todas as questões aqui colocadas são fundamentadas na pesquisa histórica e documentada, e em depoimentos que foram publicados em veículos sérios e respeitados.

1. Foi comprovado que Chico Xavier usou truques de pirotecnia em "shows de mediunidade" no começo de sua carreira.

As fotos ao final deste texto retratam algumas dessas exibições. Existem muitas outras, que se encontram facilmente na internet: em salões alugados, ele se sentava em frente a uma cortina, diante da plateia. Luzes piscavam por detrás do pano, e um cheiro de éter enchia a sala. Aos poucos, vultos surgiam atrás das cortinas e Xavier, junto com outros "médiuns", diziam que eram espíritos se materializando... Fotos da revista “O Cruzeiro” (1964) mostram claramente que eram pessoas vestindo lençóis brancos e véus cobrindo a cabeça. Mesmo assim, alguns ingênuos pareciam acreditar na farsa. O pesquisador Eurípedes Tahan disse que as pessoas da plateia podiam até tocar as tais "entidades" e tirar fotos! Nessa época, "médiuns" e mágicos costumavam viajar pelo país com seus shows. Chico dizia que usava seus "poderes" para materializar os espíritos. Ele ficava sentado e dizia se concentrar, enquanto as “entidades” saíam de trás do pano. Curioso é que as figuras nunca “apareciam” na frente da plateia, como deveriam, se fossem entidades etéreas se materializando. Convenientemente, elas saiam de trás da cortina, como se vê nos shows de mágica mais rudimentares. Anos mais tarde, a farsa foi definitivamente desmascarada, e Otília Diogo, uma das pessoas que se passava por “espírito” chegou a ser presa. Foi com esses shows que Chico começou a se tornar conhecido.

2. O sobrinho de Chico Xavier, numa entrevista ao jornal "O Diário de Minas", confessou que as psicografias do tio não passavam de farsa.

Amauri Pena Xavier, sobrinho de Chico, também se dizia "médium" e afirmava psicografar textos e cartas de pessoas falecidas. Aos 25 anos de idade, sondado por jornalista do referido jornal, ele declarou, textualmente: "Aquilo que tenho escrito foi criado pela minha própria imaginação". Na ocasião, ele também desmascarou o tio famoso, Chico Xavier, dizendo que as cartas "psicografadas" por ele não passavam de fraude: "Assim como tio Chico, tenho enorme facilidade para fazer versos, imitando qualquer estilo de grandes autores. Com ou sem auxílio de outro mundo, ele vai continuar escrevendo seus versos e seus livros". - O mais incrível é que, depois dessa, tanta gente tenha continuado a acreditar nas psicografias de Chico Xavier. Foi nessa época que ele, acuado pelas investigações, saiu de Pedro Leopoldo e foi para Uberaba, local onde o espiritismo se encontrava em expansão, onde recebeu apoio.

3. Em 1971, o repórter José Hamilton Ribeiro, da revista Realidade, visitou as sessões de psicografia de Chico, e denunciou que ali aconteciam truques para impressionar os mais crédulos.

Declarou o repórter: "Meu fotógrafo viu um dos assessores de Chico levantar o paletó discretamente e borrifar perfume no ar". Chico era famoso pelo perfume que parecia surgir "do nada" em meio às sessões de “psicografia”. - "As pessoas pensavam que o perfume vinha dos espíritos", completou Ribeiro.

4. Em muitos livros de Chico Xavier, especialistas encontraram casos claros de plágio de obras literárias publicadas por diversos autores.

O pesquisador especializado Vitor Moura, criador do website "Obras Psicografadas", comparou trechos dos livros ditos psicografados por Chico com livros de outros autores e descobriu evidências inquestionáveis. Um dos casos mais impressionantes é o da cópia quase literal de trechos da obra "Vida de Jesus", do filósofo Ernest Renan, no livro "Há dois mil anos", que Chico afirmou ter sido psicografado pelo "espírito Emmanuel".

5. Já foi definitivamente comprovado pela pesquisa histórica que o tal “Públio Lentulus”, que Chico descreveu como "procurador da Judéia do tempo de Jesus" em seus livros, e afirmou tratar-se de um dos seus orientadores espirituais, nunca existiu.

Hoje se sabe que, historicamente, não existiu nenhum senador de Jerusalém ou procurador da Judéia cujo nome tenha sido “Públio Lentulus”. Além disso, os nomes, datas e detalhes que constam na obra de Chico são incompatíveis com os fatos históricos. Para saber detalhes, acesse:
http://obraspsicografadas.haaan.com/

6. Apesar de muitos pensarem que Chico Xavier dizia detalhes sobre os entes queridos falecidos das pessoas que o procuravam, que não teria como saber, a verdade é que ele dava um jeito de conseguir esses dados, e sem nenhuma ajuda de espíritos.

O próprio Waldo Vieira, médico que foi uma espécie de sócio de Chico por quase duas décadas (desde o tempo dos ‘shows de mediunidade’), declarou o seguinte: "Funcionários do centro espírita iam às filas pegar detalhes dos mortos. Ou aproveitavam as histórias relatadas por parentes nas cartas em que pediam uma audiência. O que as mensagens de Chico continham eram essas informações". Chico ou seus assessores faziam uma entrevista com as famílias que participariam das sessões de "psicografia". O engenheiro Maurício Lopes conta que quando seu irmão de 9 anos foi morto num atropelamento, sua família procurou Chico atrás de ajuda. Ele diz: "Chico perguntou à minha mãe detalhes da morte e nomes de parentes, e tudo isso foi citado na carta, depois".

7. A teoria de que Chico Xavier, sendo semi-analfabeto, não teria como escrever seus livros, é completamente falsa.

Chico não foi longe na escola, mas era autodidata. Ele sempre estudou muito por conta própria, e lia muitíssimo. Colecionava recortes de textos e poesias, comprava livros e mais livros e montou uma biblioteca particular (preservada até hoje em Uberaba), com obras em inglês, francês e hebraico! Nessa coleção estão os livros dos autores que ele dizia "receber do além” para escrever seus próprios livros, como Castro Alves, Humberto Campos e outros...


8. Apesar de o espiritismo se declarar uma “ciência”, Chico Xavier se recusava a permitir que cientistas estudassem seus alegados poderes. Ele dizia que seu "guia" não permitia. Mas o que ele temia?

Se as suas habilidades fossem verdadeiras, as pesquisas só poderiam demonstrar a veracidade dos fenômenos e ajudar na propagação do espiritismo...


9. Otília Diogo era uma charlatã que se cobria com lençóis para se passar pelo espírito "Irmã Josefa" nos "shows de mediunidade" de Chico Xavier e Waldo Vieira. Ela foi enquadrada e presa anos depois.


10. O repórter Hamilton Ribeiro foi até Uberaba e desmascarou as mensagens ditas psicografadas de Chico, de maneira muito simples:

Ele inventou nome e endereço falsos e os entregou a Chico, se passando por crédulo e pedindo uma psicografia. Na edição de novembro de 1971 da revista Realidade, ele publicou a conclusão do seu experimento: "Receita psicografada: do pedido que fiz hoje, em nome de ‘Pedro Alcântara Rodrigues, da Alameda Barão de Limeira, 1327, apto 82 - São Paulo’ (dados falsos), me veio a orientação espiritual: "Junto aos amigos espirituais que lhe prestam auxílio, buscaremos cooperar espiritualmente em seu favor. Jesus nos abençoe...’”(!) Mas como?? Não existia ninguém com aquele nome, nem naquele endereço, era tudo inventado! Sim, mas os “espíritos de luz” que assistiam ao Chico Xavier se comprometeram a auxiliar essa pessoa de mentira nos planos espirituais.


** Aí estão alguns dados concretos. São fatos comprovados. Não se tratam de opiniões ou considerações, mas de fatos. Que cada um tire as suas próprias conclusões. Encerramos o assunto com a exortação de nosso Mestre maior: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça!” .(Mateus 11, 15) - E quem tem olhos para ver...



Fotos publicadas na revista "O Cruzeiro" e outras, mostram o jovem Chico Xavier ao lado de “espíritos materializados” em shows de mediunidade que promovia no início de sua carreira. Entre estes, o "espírito" de “Irmã Josefa”, que era, na verdade, a charlatã Otília Diogo vestindo panos brancos: ela foi desmascarada e presa em 1970 (publ. ‘O Cruzeiro’). Estes fatos raramente constam nas biografias oficiais, e nunca são retratados nos fimes.

_________________
Fontes e bibliografia:
QUEVEDO, Oscar González. Os mortos interferem no mundo?: tratado; 5 vol. São Paulo: Loyola, 1992, pp. 32-35;
REVISTA SUPERINTERESSANTE. São Paulo: Editora Abril, ed. 277, pp. 50-60, abril 2010;
OBRAS PSICOGRAFADAS. Disponível em:
http://obraspsicografadas.haaan.com/2011/materializaes-de-uberaba-otlia-a-mulher-barbada-fotos-inditas/,
acesso em 04 abril 2010

FONTE: http://vozdaigreja.blogspot.com.br

Misandria: o que é?


O que é a misandria e o que é a anti-misandria?

Misandria é o ódio ou desprezo dirigido ao sexo masculino (homens ou meninos). A palavra vem do grego misos (μῖσος, "ódio") e anēr, andros (ἀνήρ, caso genitivo ἀνδρός; "homem"). É paralelo à misoginia, o ódio para com o sexo feminino. Misandria é o antónimo de filandria, que é o apreço, admiração ou amor aos homens.


Os adeptos da misandria podem ser tanto homens como mulheres, mas na maioria são mulheres mentalmente perturbadas adeptas do feminismo. Anti-misandria é, portanto, o esforço que é feito de modo a remover a misandria da sociedade e da cultura.

Podes me dar um ou mais exemplos de misandria?


Claro. Basta levar em conta à visão que a segunda vaga feminista tem do homem. Valerie Solanas, a feminista radical que atirou contra Andy Warhol em 1968, ofereceu-nos um exemplo claro de misandria no seu manifesto SCUM.


Se estás em dúvida em relação ao significado de SCUM, o mesmo quer dizer 'Society for Cutting Up Men'. Ou seja, um apelo ao generocídio, a eliminação do homem. De modo literal, Sonalas expressou o desejo de "destruir o sexo masculino".

Impressionante como um livro que apela ao generocídio possa ter sido publicado tão recentemente.


Se não fosse a utilidade do feminismo na destruição da família e no aumento do poder do governo, este livro provavelmente nunca teria sido publicado.

Isso é mau demais! O que é que podemos fazer para combater a misandria?


Para começar, podemos rejeitar essa ideologia como um "estilo de vida".

Há muitos anos atrás o respeito era uma via de dois sentidos. Hoje em dia o respeito é uma via com um só sentido onde aos homens é exigido que respeitem as mulheres - mesmo aquelas que não merecem e nem tentam merecer - ao mesmo tempo que o desrespeito ao homem é aceite, perpetuado, esperado e ensinado.


Nós podemos fazer a diferença recusando viver assim. Se as mulheres querem o respeito dos homens, elas têm que merecê-lo. Graças ao feminismo, o tempo do respeito automático pelo "sexo fraco" acabou.

Espera lá. Disseste "ensinado"? A misandria é ensinada como algo normal e aceitável?


Exactamente. Da próxima vez que ligares a televisão, conta as vezes que os programas caracterizam os homens como estúpidos, esquecidos, ignorantes, abusivos ou pedófilos.


Muda o canal para o emissora infantil e repara quantas vezes os desenhos animados reflectem o estereótipo "pai idiota" ou o "irmão intimidador".

Ao mesmo tempo que fazes isso, repara como quase todas as mulheres são inteligentes, sexy, bem humoradas e cheias de luminosidade, capazes de conjugar um estilo de vida profissional com os filhos, o marido e o círculo de amigos. Não te esqueças de notar que ela é sempre uma excelente cozinheira e nunca se esquece dos aniversários dos amigos e familiares.


Se este tipo de imagens são constantemente emitidas pelos órgãos de informação , qual é a mensagem que passa? Que os homens são estúpidos, abusivos e inúteis.


Isto é culpa do feminismo ou dos órgãos de informação?


É culpa de ambos, mas nenhum deles teria o poder que tem se não fosse o . . . . . governo.

Sim, a destruição da família fomentada pela marginalização da figura paterna serve os interesses dos governos uma vez que, com a figura paterna removida, o governo pode justificar o aumento de impostos como forma de "tomar conta" das mães solteiras.


O que os governos não dizem é que, muitas vezes, são as políticas do governo que criam condições para o aumento das mães solteiras. A destruição da instituição do casamento, a normalização de comportamentos sexuais auto-destrutivos e a legalização da matança de bebés intra-uterinos (tudo com o apoio do governo) são medidas que, a longo prazo, aumentam o poder do governo mas fragilizam os relacionamentos.


O feminismo é uma ferramenta útil para os governos que tenham planos para tomar conta de toda a sociedade de forma opressiva. Ambos positivamente se aliam na criação de projectos feministas de teor anti-homem.

Como assim?


Pensem em coisas como "Projecto Contra a Violência Dirigida às Mulheres". Reparem como a violência contra os homens ou contra as crianças não é mencionada. Agora vamos pensar assim: se há violência contra as mulheres, quem é que leva a cabo tais actos? Exactamente.

O título em si é suficiente para criar um grupo agressor (os homens) e um grupo protegido (as mulheres), pese embora os dados empíricos recolhidos nos últimos 30 anos demonstrarem que a violência entre casais é practicamente mútua.

Estudo após estudo revela esta verdade - que os homens são tão violentos contra as mulheres tal como estas o são contra os homens - no entanto sempre que as feministas exigem tratamento preferencial ou "direitos" adicionais, o governo confere-os rapidamente.


Por isso é que para se lutar contra o ódio que as feministas vomitam na sociedade é importante cortar o seu financiamento. Sem dinheiro, o feminismo vai-se tornar em algo análogo aos movimentos neo-nazis: largamente e felizmente marginais e sem grandes hipóteses de serem aceite pela sociedade.

FONTE: http://omarxismocultural.blogspot.com.br/2011/11/o-que-e-misandria-e-o-que-e-anti.html

Efeitos do paganismo: escravos do instinto por não se submeterem ao doce jugo de Cristo (machismo e feminismo).


Veja o que acontece quando Cristo não reina nos corações de homens e mulheres: o instinto animalesco impera! Pontos a ponderar...

Porque é que as mulheres preferem os cafas quando são jovens e bonitas, e os betas quando se tornam gordas e feias?

Esta é uma imagem que um certo blogue editado por uma fêmea colocou num dos posts. Não tenho razões para pensar que a dona do blogue seja feminista e como tal não a vou considerar como tal.

Mas apesar de ela não dar evidências directas dela ser subscritora das mentiras igualitárias, ela diz, no entanto, algumas coisas que merecem um breve comentário.


Em jeito de resposta à pergunta presente no título de seu post "Por que as mulheres preferem os cafas?", e resposta à imagem mostrada em cima, ela diz:

Quando vi essa tirinha no Testosterona ri muito! Porque é EXATAMENTE assim que acontece!!

Tá duvidando de mim? Então vamos lá mulheres, sejam sinceras: quem NUNCA ficou com um cara que era romântico, inteligente, bonitinho e largou dele pra voltar com um cafajeste com menos romantismo e um tantão ASSIM de malícia a mais, que levante a mão!!

O que ela defende aqui é que, sim, confirma-se o que a imagem de cima revela: as mulheres normalmente rejeitam os homens que lhes tratam "bem" por homens que elas identificam como "cafajeste manipulativo". Estes últimos são normalmente homens bastante auto-confiantes e razoavelmente populares entre as mulheres.

Aposto que pelo menos uma vez na vida vcs já fizeram essa escolha… E por que isso é tão comum??

Um amigo meu diria que fazemos essas escolhas pela nossa porção animal, que as vezes fala mais alto. Optamos pelo macho que tem as melhores características a serem transmitidas pra a posteridade.

Pode ser… Mas eu acho que tem outros fatores que conspiram contra os rapazes românticos-legais-carinhosos. Qual é a emoção que nós temos com caras assim?? Eles nos dão segurança, nos dão carinho, nos dão romance… mas onde tá a adrenalina?

Impressionante como ela chegou à resposta correcta logo no início do texto mas agora busca outro tipo de "explicações". A verdade dos factos é que as mulheres são por natureza hipergâmicas e desde logo, atraídas por homens cujo estatuto elas entendam ser superior ao seu.

Os homens "bonzinhos", aqueles que colocam as mulheres num pedestal são rejeitados pelas mulheres precisamente porque as colocam num pedestal. Esse tipo de atitude é entendido no subconsciente feminino como alguém que está ao mesmo nível ou inferior ao seu.

Isso faz com que elas percam o interesse nesse pobre coitado. Isto não tem nada (ou muito pouco) a ver com a adrenalina mas com o estatuto.

Os cafas/alfas, ao não se importarem minimamente com o que as mulheres pensam, são vistos por estas como alguém cujo estatuto é superior ao seu. E aí, o seu instinto hipergâmico é activado.

Não é preciso procurar respostas mirabolantes e fantasiosas para algo que tem uma explicação +/- directa.


Claro que a psicologia feminina é muito mais complexa do que seria possível detalhar num post, mas o motivo principal que leva a que os "bonzinhos" sejam rejeitados em detrimento dos "mauzões" é a hipergamia.

A autora do texto continua:

Masoquismo? Talvez… Mas o desafio de “consertar” um homem perdido é muito mais instigante!

Existem milhares de "homens perdidos" não-cafas que precisam de ser "consertados" com "terapia" feminina. Porque é que as mulheres não vão atrás destes e deixam de perseguir os alfas manipulativos e auto-confiantes?

A incerteza dos sentimentos dele pela gente gera mais vontade de ficar linda, de conquistá-lo, de seduzí-lo… E aí nunca vira rotina, nunca entramos no marasmo.

Ou seja, quanto mais desapego o alfa mostra para a mulher, mais ela se esforça para agrada-lo.

Pode ser fase? Claro que sim! Acredito que uma hora nós enxergamos a juventude indo embora e o desejo de ter uma família, uma vida mais calma, vai chegando. E quem quer casar com o cafa?? Eu não quero! Hehehehhe!

Não quer? Ou já não é possível?

Aí a gente passa a procurar um homem pensando se ele vai ser um bom pai pros nossos filhos…

Quando as mulheres vão atrás os cafas/alfas, elas já estão a pensar que ele vai ser bom para os filhos. Mas enquanto que os cafas são vistos inconscientemente como bons pais ao nível de informação genética que será passada aos filhos, os não-cafas (betas, etc) provedores são vistos como bons para criar os filhos em si.

Esta mulher está inconscientemente a dizer precisamente isso.

E então, mesmo a mais aventureira das mulheres, entra num novo capítulo da sua vida: criar e formar o seu filho pra ele não se tornar um cafa!

Por "aventureira" entenda-se "mulher rodada por vários alfas durante vários anos a fio".


Conclusão:

Sem ser a sua vontade, esta blogueira revela uma faceta muito comum entre as mulheres dos dias de hoje: enquanto são jovens, bonitas e esbeltas, elas "entregam-se" aos homens alfas.

Mais tarde, depois de terem saltado de cama em cama durante anos, elas "entram num novo capítulo da vida" onde - pasme-se! - já reconhecem valor ($$$) nos homens que rejeitaram durante os melhores anos da sua beleza física.
Outra coisa que convém ressalvar é que um dos motivos que leva a que as mulheres da era "pós-aventureira" busquem outros homens que não sejam alfas é: . . . . . os alfas não lhes ligam nenhuma.

Ou seja, contrariamente ao que a autora do texto quis fazer indicar, não são as mulheres que escolhem rejeitar os alfas quando elas passam uma certa barreira etária: são eles que escolhem rejeitar as trintonas e quarentonas quando estas se tornam gordas e/ou feias.

Uma vez que a beleza física destas é, em média, inferior à beleza física das mulheres "aventureiras" na casa dos 20-25 anos, os alfas escolhem as mais novas.
As mais velhas, lambendo as feridas causadas no seu ego (habituado a ser o objecto sexual de cafas manipulativos), correm para os braços dos mesmos homens que elas anteriormente desprezavam.
Impressionante como o tempo realmente faz "milagres".

Fonte: http://omarxismocultural.blogspot.com.br/2011/12/porque-e-que-as-mulheres-preferem-os.html

Conclusões sobre as mulheres e os homens (e sua submissão aos instintos animalescos):

1. As mulheres acreditam em mentiras se as mesmas as beneficiam e são úteis aos seus propósitos (frieza calculista, pragmática e utilitarista).

2. As mulheres se convencem de que as mentiras são A verdade.

3. As mulheres tentam persuadir todas as pessoas que as mentiras são A verdade sem contestação (para posarem de boazinhas que não são - e, claro, demonizar algo ou alguém). Esses dogmas são inatacáveis (o feminismo é o Santo Ofício desse satanismo).

4. Toda mulher que escolhe o bonzinho é realmente porque é o único que sobrou (o cafa desejado está fora de seu alcance porque a) está feia, velha e/ou muito chata; b) o cafa prefere o oposto do que ela é; c) pelo menos o bonzinho serve para lhe dar a segurança para si e sua ninhada = estabilidade monótona; d) quando ela se cansar da "monotonia", ela procurará um cafa e começará a maltratar o bonzinho; é a hora do bonzinho cair fora ou ser "despejado" pela mulher).

5. Um bonzinho dificilmente conquistará uma mulher e raramente a manterá, mesmo se tiver dinheiro, status, etc. Ela quer vida boa, ainda que use o bonzinho ingênuo e / ou imbecil, mas deseja mesmo é o cafa.

6. A estabilidade é boa, mas a adrenalina é ainda melhor, segundo as mulheres. As mulheres querem emoções fortes: é o jogo da conquista, da sedução, de inflar o próprio ego conquistando e mantendo um cafa e afastando as concorrentes (que geralmente querem o mesmo homem), da "redenção do pecador" (para descartá-lo depois se ele se tornar um "bonzinho", aqui conhecido como beta, delta, etc., mas nunca o alfa); logo, para a mulher, amor bom é o erótico, não o estóico (o amor ágape, misericordioso, heróico, de Cristo, que põe um fim a essa sem-vergonhice - mais uma contribuição cristã para a moralidade da civilização; esse amor estóico ela quer do homem para sua prole e para servir aos seus interesses; quando isso não ocorre, a separação é iminente).

7. O feminismo libera a mulher de princípios éticos / morais cristãos para que ela se entregue aos seus instintos selvagens incofessáveis (descritos supra), os quais destroem as famílias, os relacionamentos e a civilização, como fez Eva com o resto da humanidade (e mentia tão bem que arrastou Adão a essa fraude). Deu no que deu... Logo, o feminismo é satânico.

8. Se entendermos o machismo como uma forma de os homens serem cafas e se beneficiarem (ou abusarem disso) com comportamentos compatíveis com esse jogo, isto é, demonstrações de violência, brutalidade, promiscuidade, pouca estima pelas pessoas – em especial pela mulher, egolatria, egocentrismo, vaidade, sentimentos de superioridade (justificáveis ou não) e adrenalina sexual - e ocasionalmente romântica para alimentar a vaidade da "deusa", que quer ser idolatrada e adorada de vez em quando, desdém pela mulher, etc - em suma, atitudes nada cavalheirescas), o comportamento machista é a outra face da mesma moeda satânica. É o comportamento de amar o atraente (eros) ou o agradável (philia), e NÃO O AMOR VERDADEIRO (ÁGAPE - O AMOR MISERICORDIOSO E HERÓICO DE CRISTO), É O CERNE DO MACHISMO TANTO QUANTO O DO FEMINISMO! É o materialismo e o deleite sensual no lugar do amor (luxúria). O mesmo ocorre com o homem que cai nessa armadilha (ver passos 6 e 7 supra, com a vantagem de que pelo menos os homens assumem que querem mesmo é se aproveitar disso - um pouco mais de sinceridade e menos farisaísmo de falsos virtuosos).

9. Quem quiser uma companhia 100% fiel e leal em nossos dias, escolha um cão. Lembre-se: Deus é fiel, nós acreditamos em Deus; os outros pagam à vista. "Maldito o homem que confia em outro homem", dizia o profeta Jeremias.

10. Só um retorno aos valores antigos de cavalheiros e damas (submissão ao reinado dos Sagrados Corações de Jesus e de Maria) restaurará nossa civilização paganizada, impiedosa e idólatra. Começar a comportar-se como um cavalheiro (para homens) ou uma dama (para mulheres) é o que extermina cafas e vagabas.



quinta-feira, 26 de abril de 2012

Castidade: os benefícios.




“Só os castos são fortes”

Do latim “castitas”, de “castus”, originariamente termo da linguagem religiosa que significava: conforme aos ritos; posterior­mente foi tomado como particípio do verbo “careo” = carecer e passou a significar tam­bém: isento de, puro.

É uma virtude moral que preserva o homem de qualquer complacência indevida com a satisfação sexual.

É a expres­são de uma plena vitória da vontade sobre o instinto.

É uma nota inconfundível das almas nobres e fortes.

O homem casto não é apenas aquele que não tem uma vida desregrada, mas é o que exerce pleno controle não só sobre seus atos e palavras, mas também sobre seus impulsos íntimos e seus desejos.

As reações do animal obedecem, de modo exclusivo e ine­lutável, aos estímulos dos instintos de conser­vação e reprodução. Mas nele esses instintos têm uma regulação automática e um equilíbrio natural. No homem, esse equilíbrio é exercido pela razão consciente e voluntária. E nisso re­side a nobreza do ser humano.

O devasso acaba se assemelhando ao animal, escravo dos próprios instintos. O casto controla os seus ins­tintos, segundo as finalidades superiores da razão: não vive para comer, mas come para viver; não vive para o sexo, mas submete a atividade sexual à sua função imanente de transmitir o dom da vida e de permitir entre os esposos a realização da plenitude de amor humano.

A castidade é o resultado de uma autodisciplina, permanentemente exercida so­bre os pensamentos, os desejos, os sentidos num ideal de nobre austeridade voluntaria­mente aceito. A impostura dos devassos con­siste em se apresentarem como corajosos, li­bertos de todos os tabus.

Na realidade, são covardes que abdicaram da luta interior e se tornaram escravos de suas paixões, porque, de fato, só os castos são fortes.
_______________________

Fonte: Pe. Fernando Bastos de Ávila, S.J. – Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo, MEC – Ministério da Educação e Cultura, FENAME – Fundação Nacional do Material Escolar, 2a edição, 1975, verbete Castidade, página. 116.

Benefícios da Abstinência

Nós vivêmos numa cultura onde a sexualidade foi trivializada para níveis absurdos. Para algumas pessoas, o facto de haver pessoas que promovam a abstinência sexual (AS) “não faz sentido”. Os nossos líderes tentam desesperadamente combater a gravidez juvenil e a propagação das doenças sexualmente transmitidas, mas deixam de lado o único método que funciona sempre que é seguido.

Alguns “especialistas” dizem que a AS não funciona porque há pessoas que não conseguem manter o compromisso. Embora isto seja verdade, não deixa de ser ilógico. Para se vêr a ilogicalidade deste ponto de vista basta fazer a pergunta: há algum programa de combate à SIDA que funcione sempre? Por outras palavras, deve o sucesso (e o insucesso) de um determinado programa social ser medido por aqueles que não o seguem ou por aqueles que o seguem? Porque é que os secularistas apontam para casos em que as pessoas não seguem o programa como evidência contra o programa?

Há pessoas que se comprometeram a não fumar para o resto da sua vida, mas que a determinada altura cederam. Será que isto que dizer que todos os programas que promovem o combate ao tabagismo “não funcionam”? Ou será que a pessoa deixou de seguir o program anti-tabagista?

Do mesmo modo, há pessoas que se comprometeram a não ter relações sexuais antes do casamento, mas que a determinada altura cedem. Isso não invalida que a AS seja o método mais fiável para se combater muitos males. Semelhantemente, o facto de haver pessoas que não conseguiram manter o compromisso, não invalida que haja quem consiga.

A sociedade em geral promove mais o uso da preservativos do que a abstinência. O uso de preservativos nem sempre funciona, mas a abstinência funciona sempre que é seguido. Qual é o método que deve ser implementado? O método que funciona sempre que é usado, ou o método que pode falhar mesmo que seja usado correctamente?

Claro que tanto a cada vez mais secularizada europa, bem como as escolas públicas americanas sob o domínio dos secularistas, nem querem ouvir falar de programas que promovam a abstinência. Para eles, legislação que promova a abstinência é um “ataque à liberdade”.

Não só isso, mas aos poderosos lobbies infanticidas (Planned Parenthood et al) não lhes interessam políticas que possam afectar os seus rendimentos. Quanto mais promíscua uma mulher é, maiores são as chances de ter uma gravidez não desejada. Quanto mais promíscuo o homem é, maiores as hipóteses de engravidar alguém. E depois da gravidez não planeada acontecer, lá aparecem os abutres infanticidas a “sugerirem” o assassínio do bébé inocente.

Quais são as vantagens da abstinência sexual? Eis aqui algumas.

1. Consciência tranquila perante Deus devido a ausência desse pecado.

2. Paz de espírito na vida, nos relacionamentos futuros e no casamento.

3. Mais auto-respeito, mais respeito pelos outros, e mais respeito dos outros.

4. Numa relação saudável o respeito precede o amor, e a sexualidade extramarital apenas acaba com o respeito próprio e o com o respeito pelo parceiro.

5. A abstinência sexual faz com que se entre no casamento com expectativas positivas e sem fardos emocionais.

6. Liberdade para ti e para o futuro cônjuge.

7. Maiores chances de se ter um casamento estável e satisfatório.

8. Relacionamentos mais longos. A sexualidade extra-conjugal é o factor que mais termina relacionamentos.

9. Não se é alvo de comparações sexuais.

10. Fica-se livre de preocupações relativas à gravidez indesejada, bem como livre de preocupações em torno de doenças sexualmente transmitidas (DST).

11. Menos preocupações em relação à má reputação.

12. É um facto confirmado que as pessoas que têm sexo antes do casamento são mais propensas a infidelidade matrimonial do que as pessoas que se preservam puras até o casamento.

13. A sexualidade pré-matrimonial por vezes engana a pessoa a casar-se com alguém que não era certa para ela.

14. No que toca a parceiros de namoro ou futuros cônjuges, os rapazes e as raparigas mais “experientes” são geralmente menos desejáveis e menos respeitadas.

15. Há 98% de hipótese de não te casares com o namorado ou namorada do liceu, portanto é melhor ficares puro/pura até o dia do casamento.

….

Há dias vi um programa que falava do aumento dos infectados com o virus da SIDA. Como não poderia deixar de ser, eles atacaram a igreja católica por ser contra os contraceptivos. O programa foi do mais enganador que se poderia ser no que toca a posição da igreja católica, e eu explico porquê.

A ideia que ficou é que a igreja católica proíbe o uso de preservativos durante a sexualidade extra-matrimonial. Mas isto é enganador. A igreja católica proíbe a sexualidade fora do vínculo matrimonial, quer seja com ou sem preservativo. O programa “esqueceu-se” de mencionar isso, deixando a imagem que a igreja católica estava a ser irresponsável ao proibir o uso do preservativo durante os relacionamentos sexuais, dentro e fora do casamento.

O ênfase é no acto em si, e não no que se faz durante o acto. O programa não fêz essa distinção.

Conclusão

A AS é o único método verdadeiramente eficaz no combate à gravidez juvenil e à propagação das DST. As entidades governativas têm gasto tempo e dinheiro em “informação” em torno do uso do preservativo e afins. O seu “sucesso” tem sido debatível. As DST continuam a infectar mais pessoas, e a gravidez juvenil não parece estar a diminuir. Não será tempo dos governantes investirem tempo e dinheiro no método de Deus, o único que verdadeiramente funciona a 100% quando é aplicado?

1 Tessalonicenses 4
1. Finalmente irmãos, vos rogamos e exortamos no Senhor Jesus, que assim como recebestes de nós, de que maneira convém andar e agradar a Deus, assim andai, para que abundeis cada vez mais.2. Porque vós bem sabeis que mandamento vos temos dado pelo Senhor Jesus.

3. Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição.

Hebreus 13
4. Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros Deus os julgará.

Numa era em que os valores cristãos estão a ser atacados como nunca dantes, que o Senhor Jesus Cristo use a Sua Igreja para exibir a Sua Luz num mundo que vive na escuridão do pecado.

Amén.

FONTE: http://darwinismo.wordpress.com

Criacionismo x evolucionismo: a versão do Gênesis é mais verossímil do que a dos cientistas evolucionistas (astrofísicos, geólogos, biólogos, etc.).


14 fenómenos naturais que contradizem os mitológicos “milhões de anos”

Se és Cristão, antes de leres este texto, aconselho-te vivamente que leias o texto seguinte:

Eis aqui 14 fenómenos naturais que estão em conflito com a ideia evolutiva dum universo com milhões e milhões de anos. Os números listados em baixo a negrito (usualmente na ordem dos milhões de anos) são idades máximas possíveis para cada processo e não as idades actuais.

Os números em itálico são os números requeridos pela teoria da evolução para cada item. O propósito é mostrar como o número de anos possível é sempre inferior ao requerido pela teoria da evolução, enquanto que a linha temporal Bíblica se encaixa confortavelmente dentro do número máximo de anos possível.

Portanto, os itens são evidência contra a linha temporal evolutiva e em favor da linha temporal Bíblica. Muitas outras evidências em favor da Terra Jovem poderiam ser listadas, mas por uma questão de brevidade e simplicidade, o número foi restrito.

Alguns dos factos listados só podem ser harmonizados com os “milhões de anos” se usarmos uma série de assumpções improváveis e nunca provadas; outros factos só se ajustam com uma criação recente.

1. As galáxias rodam demasiado depressa

As estrelas da nossa galáxia, a Via Láctea, giram em torno do centro galáctica a velocidades diferentes – as do interior rodando mais rapidamente que as do exterior. As velocidades de rotação observadas são tão rápidas que se a nossa galáxia tivesse mais do que algumas centenas de milhões de anos, ela seria um disco de estrelas sem forma em vez da forma em espiral actual. No entanto, a nossa galáxia supostamente tem mais de 10 mil milhões de anos.
Os evolucionistas, que chamam a isto de o “winding-up dilemma”, já estão cientes dele há mais de 50 anos. Eles construíram muitas teorias ao longo dos tempos, mas cada uma delas acabou por ser rejeitada por não se ajustar às observações.

O mesmo dilema “winding-up” também se aplica a outras galáxias. Durante as últimas décadas a tentativa favorita para resolver este puzzle tem sido uma teoria complexa chamada de “density waves.”. A teoria tem problemas conceptuais, tem que ser arbitrária e muito bem calibrada, e foi posta em causa pela descoberta feita pelo Hubble Space Telescope de estruturas espirais bastante detalhadas no centro da galáxia “Whirlpool”, M51.2

2. Há poucos restos de supernovas.

De acordo com as observações astronómicas, as galáxias como a nossa são palco de uma supernova (estrela violentamente explosiva) de 25 em 25 anos. O gás e a poeira resultantes de tais explosões (como a “Crab Nebula”) expandem-se rapidamente para o exterior e deveriam-se manter visíveis por milhões de anos.

No entanto as partes da nossa galáxia onde nós podemos observar tais gases e poeiras acomodam apenas 200 resquícios de supernovas. Este número é consistente com apenas 7,000 anos de supernovas.

3. Os cometas desintegram-se rapidamente.
De acordo com a mitologia evolutiva, os cometas deveriam ter a mesma idade do sistema solar – cerca de 5 mil milhões de anos. No entanto, cada vez que um cometa navega perto do Sol, ele perde tanto da sua composição que não poderia sobreviver mais do que 100,000 anos. Muitos comentas possuem idades na ordem dos 10,000 anos.

Os militantes evolucionistas explicam esta discrepância assumindo que

(a) os cometas originam-se duma nunca-observada “Nuvem Oort”, bem para além da órbita de Plutão
(b) interacções gravitacionais improváveis onde estrelas com passagens infrequentes chocam com planetas e lançam cometas no sistema solar.
(c) outras improváveis interacções onde planetas atrasam a velocidade dos cometas com frequência suficiente para justificar as centenas de cometas observadas.
Até hoje, nenhuma destas crenças foi comprovada pelas observações ou através de cálculos realistas.

Ultimamente, tem havido muito discussão em torno do “Kuiper Belt”, um disco onde supostamente os cometas se encontram, um pouco depois da órbita de Plutão. Alguns corpos de gelo do tamanho de asteróides existem nessa localização, mas eles não resolvem o problema dos evolucionistas uma vez que de acordo com a evolução planetária, o Kuiper Belt rapidamente ficaria exausto se não houvesse a Nuvem Oort para a nutrir.

4. Não há lama suficiente no fundo do mar.

Os rios e as tempestades de poeira atiram para o mar lama a taxas mais rápidas do que aquelas que a subducção das placas tectónicas consegue remover.

Todos os anos, a água e os ventos corroem cerca de 20 mil milhões de toneladas de lama e pedras dos continentes para os oceanos. Este material acumula-se como sedimentos soltos no fundo dos mares composto por rochas de basáltico.

A profundidade média em todos os oceanos é menos de 400 metros. A forma principal de remoção dos sedimentos e através da subducção por via das placas tectónicas. Isto é, o fundo do mar desliza alguns centímetros por baixo dos continentes, levando alguns sedimentos com ele.

De acordo com a literatura científica secular, actualmente este processo só remove cerca de mil milhões de toneladas por ano. De acordo com o que se sabe, os outros 19 mil milhões anuais continuam a acumular. À esta taxa, a erosão haveria de depositar a presente massa em menos de 12 milhões de anos.

No entanto, de acordo com a mitologia evolutiva, a erosão e a subducção das placas ocorrem desde que os oceanos vieram a existir – alegadamente há 3 mil milhões de anos. Se isto fosse verdade, estas taxas implicariam que os oceanos estivesses totalmente engasgados com quilómetros de sedimentos.

A interpretação que melhor se ajusta aos dados observacionais é a defendida pela Bíblia: se o Dilúvio de Noé realmente ocorreu, então as águas dessa calamidade, percorrendo os continentes, depositou a quantidade actual de sedimentos há cerca de 5,000 anos atrás.

5. Não há sódio suficiente nos mares.
Todos os anos, os rios e outras fontes depositam mais de 450 milhões de toneladas de sódio para dentro dos mares. Todos os anos, apenas 27% deste sódio consegue sair dos mares. De acordo com o que actualmente se sabe, o remanescente sódio simplesmente acumula-se nos oceanos.

Se inicialmente o mar não tivesse sódio, ele acumularia a quantidade actual de sódio em menos de 42 milhões de anos (assumindo as velocidades que input e output actuais). Isto é muito menos que os 3 mil milhões de anos necessários para a teoria da evolução.

A resposta tradicional dos evolucionistas para esta discrepância entre a ciência e a sua teoria é alegar que, no passado não empiricamente observável, as taxas de input eram menores e as de output maiores. Mas mesmo que se assumam cálculos extremamente generosos para a teoria da evolução, os mesmos dão idades máximas na ordem dos 62 milhões de anos. Cálculos para outros elementos marinhos dão idades ainda mais recentes.

6. O campo magnético da Terra está a decair depressa demais.

A resistência eléctrica do núcleo da Terra gasta a corrente eléctrica que produz a campo magnético do nosso planeta. Isto causa a que o campo perca energia rapidamente.

A energia total retida no campo magnético da Terra está a decrescer com uma meia-vida de 1,465 (± 165) anos. As teorias evolutivas que tentam explicar este rápido decréscimo – bem como a Terra pôde manter o seu campo magnético durante milhares de milhões de anos são muito complexas e inadequadas.

Uma melhor explicação criacionista está disponível; a mesma é directa, baseada em argumentos físicos sólidos e explica muitas das características do campo: a sua criação, as suas rápidas reversões durante o Dilúvio de Noé, o decréscimo e acréscimo da intensidade superficial até ao tempo do Senhor Jesus, e a queda regular desde então.

Esta teoria está de acordo com os dados paleo-magnéticos e históricos disponíveis (especialmente com as evidências de alterações rápidas).

A conclusão principal é a de que a energia total do campo (e não a intensidade superficial) têm sempre decaído pelo menos tão rapidamente como agora. À esta taxa, o campo não pode ter mais do que 20,000 anos.

7. Muitos estratos [geológicos] estão curvos de forma demasiado compacta.
Em muitas zonas montanhosas, estratos com centenas de metros de espessura estão curvos e dobrados em formas semelhantes a grampos para o cabelo. A linha temporal geológica convencional “ensina” que os processos que causaram estas estruturas demoraram “milhões de anos” a ocorrer.

Mas isto não faz sentido nenhuma uma vez que as dobraduras das rochas foi feita sem rachas e com raios demasiado pequenos. Estas formas só podem ter ocorrido enquanto as rochas ainda estavam húmidas e moldáveis. Isto implica que o dobramento ocorreu num espaço de tempo inferior a milhares de anos.

8. Material biológico decompõem-se demasiado depressa.

A radioactividade natural, as mutações (e o decaimento) rapidamente desintegram o ADN bem como os outros materiais biológicos. Medições das taxas de mutação em torno do ADN mitocondrial forçaram os evolucionistas a rever a idade da “Eva mitocondrial” duns teóricos 200,000 anos para….. 6,000 anos (Gibbons A., Calibrating the mitochondrial clock, Science279:28–29 (2 January 1998) ) .
Peritos insistem que o ADN não consegue sobreviver no meio ambiente mais de 10,000 anos, no entanto ADN intacto foi aparentemente recuperado de fósseis alegadamente mais antigos: ossos de neandertal, insectos em âmbar e mesmos fósseis de dinossauro (Cherfas, J., Ancient DNA: still busy after death, Science 253:1354–1356 (20 September 1991). Cano, R. J., H. N. Poinar, N. J. Pieniazek, A. Acra, and G. O. Poinar, Jr. Amplification and sequencing of DNA from a 120-135-million-year-old weevil, Nature 363:536–8 (10 June 1993). Krings, M., A. Stone, R. W. Schmitz, H. Krainitzki, M. Stoneking, and S. Pääbo, Neandertal DNA sequences and the origin of modern humans, Cell 90:19–30 (Jul 11, 1997). Lindahl, T, Unlocking nature’s ancient secrets, Nature 413:358–359 (27 September 2001). ).

Bactérias alegadamente com “250 milhões de anos” foram reavivadas sem danos no ADN (Vreeland, R. H.,W. D. Rosenzweig, and D. W. Powers, Isolation of a 250 million-year-old halotolerant bacterium from a primary salt crystal, Nature 407:897–900 (19 October 2000)).

Tecido macio e glóbulos sanguíneos deixaram os evolucionistas espantados um pouco por todo o mundo (Schweitzer, M., J. L. Wittmeyer, J. R. Horner, and J. K. Toporski, Soft-Tissue vessels and cellular preservation in Tyrannosaurus rex, Science 207:1952–1955 (25 March 2005)).

9. A radioactividade fóssil reduz as “eras” geológicas para apenas alguns anos.
Halos de rádio são anéis coloridos formados em torno de minerais radioactivos microscópios nos cristais rochosos. Os mesmos são evidências fósseis do decaimento radioactivo.

Halos de rádio de polónio-210 indicam que o Jurássico, o Triásico e o Eocénico do planalto do Colorado foram depositados no espaço de meses entre eles, e não centenas de milhões de anos separados como imaginado pelos evolucionistas. Halos de rádio de polónio-218 “órfão”, ausente de qualquer evidência do elemento de onde provém, implicam decaimento nuclear acelerado e formação rápida dos minerais associados (Gentry, R. V., Radiohalos in a radiochronological and cosmological perspective, Science 184:62–66 (5 April 1974).)

10. Há demasiado hélio nos minerais.
O urânio e o tório geram átomos de hélio à medida de decaem para chumbo. Um estudo publicado no “Journal of Geophysical Research” mostrou que o tal hélio produzido em cristais de zircão provenientes de rochas graníticas pré-câmbricas não teve tempo suficiente para escapar (Gentry, R. V., G. L. Glish, and E. H. McBay, Differential helium retention in zircons: implications for nuclear waste containment, Geophysical Research Letters9(10):1129–1130 (October 1982).).

Embora as rochas contenham 1,5 mil milhões de produtos provenientes de decaimento nuclear, medições recentes das taxas de hélio perdido originárias do zircão mostram que o hélio está a vazar a apenas 6,000 (± 2000) anos (Humphreys, D. R, et al., Helium diffusion age of 6,000 years supports accelerated nuclear decay, Creation Research Society Quarterlyhttp://www.creationresearch.org/crsq/articles/41/41_1/Helium.htm 41(1):1–16 (June 2004). See archived article on following page of the CRS website: )

Não só isto é evidência para um terra jovem, como também confirma ocorrências de aceleração das taxas de decaimento de meias-vidas longas num espaço de milhares de anos. Isto comprime enormemente as linhas temporais radioisótopicas.

11. Demasiado carbono14 nos estratos geológicos profundos.
Com a sua meia-vida de apenas 5,700 anos, quantidade alguma de átomos de carbono-14 deveriam existir em carbono mais velho que 250,000 anos. No entanto, já se provou como impossível encontrar fonte natural alguma de carbono antes do Pleistoceno (Idade do Gelo) que não contenha quantidades significativas de carbono-1 – embora seja suposto serem estratos com milhões ou milhares de milhões de idade.

Laboratórios convencionas de carbono-14 estão cientes desta “anomalia” desde o princípio dos anos 80. Os mesmos têm lutado para a eliminar mas não conseguem justificar a “anomalia”.

Recentemente, após ter sido contratado por criacionistas, um dos melhores laboratórios mundiais de investigação em torno do carbono-14 (com mais de duas décadas de medições minúsculas de C14) confirmou tais observações em amostras de carvão e mesmo em mais de uma dúzia de diamantes. Estes não podem ser contaminados in situ com carbono recente (Baumgardner, J. R., et al., Measurable 14C in fossilized organic materials: confirming the young earth creation-flood model, Proceedings of the Fifth International Conference on Creationism, vol. II, Creation Science Fellowship (2003), Pittsburgh, PA, pp. 127–142. Archived at http://globalflood.org/papers/2003ICCc14.html).

Isto é uma evidência muito forte em favor duma Terra com milhares de anos, e não milhões de anos, como erradamente subscrevem os evolucionistas.

12. Não há esqueletos da Idade da Pedra suficientes .
Antropólogos evolucionistas afirmam agora que o Homo sapiens existiu pelo menos durante 185,000 anos antes da agricultura começar (McDougall, I., F. H. Brown, and J. G. Fleagle, Stratigraphic placement and age of modern humans from Kibish, Ethiopia, Nature 433(7027):733–736 (17 February 2005)). Durante esse período a população humana mundial manteve-se constante entre 1 e 10 milhões – tempo esse onde eles enterraram os seus mortos, muitas vezes com artefactos.

De acordo com esta mitologia hipótese, o homem teria enterrado pelo menos 8 mil milhões de corpos (Deevey, E. S., The human population, Scientific American 203:194–204 (September 1960)). Se a linha temporal evolutiva está correcta, os ossos enterrados deveriam durar mais do que 200,000 anos. Portanto, muitos dos supostos 8 mil milhões de mortos deveriam ainda estar entre nós (mais os seus artefactos). No entanto, apenas cerca de poucos milhares foram encontrados.
Isto implica que a Idade da Pedra foi muito mais curta do que aquilo que os evolucionistas pensam – provavelmente apenas algumas centenas de anos em muitas áreas.

13. Agricultura é demasiado recente.
Segundo a mitologia evolutiva, o homem existiu como caçador e colector durante 185,000 anos durante a Idade da Pedra. Isto supostamente ocorreu antes da “descoberta” da agricultura há 10,000 anos atrás (Deevey, E. S., The human population, Scientific American 203:194–204 (September 1960)).

No entanto, as evidências arqueológicas mostram que os homem da Idade da Pedra era tão inteligente como o homem actual. Dado isto, é muito pouco provável que nenhum dos 8 mil milhões de seres humanos que alegadamente existiram durante a Idade da Pedra tenha reparado que as plantas crescem a partir de sementes.

Faz mais sentido acreditar que o homem tenha estado por um pouco de tempo sem agricultura logo após o Diluvio de Noé (Dritt, J. O., Man’s earliest beginnings: discrepancies in evolutionary timetables, Proceedings of the Second International Conference on Creationism, vol. II, Creation Science Fellowship (1991), Pittsburgh, PA, pp. 73–78, order from http://www.creationicc.org/).

14. A História é demasiado recente.

De acordo com os evolucionistas, o Homo sapiens da Idade da Pedra existiu durante 190,000 antes de começar a escrever registos históricos (cerca de 4,000/5,000 anos atrás).

O homem “pré-histórico” construiu monumentos megalíticos, fez pinturas rupestres bonitas, e deixou registos das fases da lua. Porque é que ele esperaria milhares de séculos até começar a usar as mesmas capacidades para escrever registos históricos?

A linha temporal Bíblica faz mais sentido.

Sete motivos para o Cristão rejeitar os mitológicos “milhões de anos”

Existe uma controvérsia intensa entre os Cristãos em torno da idade da Terra. Durante os primeiros 18 séculos da história Cristã a posição universal era a de que Deus havia criado o mundo em seis dias normais aproximadamente há 6000 anos atrás, e que mais tarde havia destruído o mundo antigo por meio do Dilúvio de Noé.

Mas há cerca de 200 anos atrás alguns cientistas começaram a desenvolverem teorias que necessitavam duma Terra bem mais antiga que os 6000 anos revelados pela Bíblia. Devido a isto, começaram a postular novas teorias sobre a idade da Terra – os mitológicos milhões de anos.

Em jeito de resposta a essa invenção não-científica, alguns líderes Cristãos começaram a desenvolver tentativas de acomodar os imaginados “milhões de anos” com a Bíblia. Estas tentativas incluem a teoria da falha, a noção de que “dia” significa “Era” ou “Idade”, a teoria dum dilúvio localizado, a evolução Teísta, a criação progressiva e muitas outras teorias.

Um crescente número de Cristãos (agora chamados de Criacionistas da Terra Jovem – CTJ), incluindo muitos cientistas, mantiveram a visão tradicional de Génesis, alegando que esta é a única visão que tem o suporte das Escrituras e a aprovação dos dados observacionais.

Muitos Cristãos alegam que a questão da idade da Terra não é importante (para além de ser, segundo eles, “divisória”), e que o mais importante é a proclamação do Evangelho. Mas será esse o caso? Se Deus diz que Ele criou os céus e a Terra em seis dias normais, mas outro alguém alega que a Terra é o resultado dum processo que durou milhões de anos, é isto algo periférico ou é um ataque frontal à Autoridade da Palavra de Deus?

Eis aqui alguns motivos segundo as quais os Cristãos não podem aceitar os milhões de anos sem causar grandes estragos à Igreja e ao seu testemunho perante o mundo.

A Bíblia claramente ensina que Deus criou em seis dias normais há alguns milhares de anos atrás. O termo hebraico para “dia” em Génesis é yom. Na esmagadora maioria dos casos onde o termo é usado na Bíblia Hebraica ela significa um dia literal. Onde yomnão significa um dia literal, o contexto torna-o óbvio.Semelhantemente, o contexto em Génesis claramente mostra que os dias da criação foram dias normais.
Primeiro, yom é definido logo na primeira vez que é usado na Bíblia (Gen. 1:4–5) no seu entendimento literal: a porção luminosa do ciclo dia/noite e todo o ciclo luz/noite).

Segundo, yom é usado com as palavras “tarde” e “manhã”. Em todo o lado onde estas duas palavras são usadas na Bíblia, quer seja juntas ou separadas, com ou sem a palavra yomno contexto, elas significam sempre uma manhã e uma tarde literais dum dia normal.

Terceiro, yomé modificado com um número: primeiro dia, segundo dia, terceiro dia, etc.. Em todas as outras partes da Bíblia este tipo de construção significa sempre um dia normal.

Quarto, yom é definido literalmente em Gen. 1:14 em relação aos corpos celestiais.
Que estes dias da criação ocorreram há cerca de 6,000 atrás é feito óbvio pelas genealogias de Génesis 5 e Génesis 11 (que nos dá cronologia detalhada).

Êxodo 20:11 bloqueia todas as tentativas de se inserirem os milhões de anos em Génesis 1. Este versículo dá-nos a razão para o Mandamento de Deus dirigido aos Israelitas para eles trabalharem seis dias e descansarem no Sábado. Yom é usado em ambas as passagens do Mandamento. Se Deus quisesse que os Judeus trabalhassem durante seis dias devido ao facto de Ele ter criado em seis longos períodos de tempo, Ele poderia ter usado uma das três palavras hebraicas para a classificação de tempo indefinido.No entanto, Deus deliberadamente escolheu usar a única palavra que significava um dia literal e os Israelitas interpretaram o Mandamento de forma literal.
Por estes motivos é que a noção do dia-era ou a hipótese “framework” têm que ser rejeitadas. A teoria da falha ou qualquer outra tentativa de se colocarem os mitológicos milhões de anos antes dos seis dias da criação são falsas uma vez que Deus disse que em seis dias criou Ele os céus, a Terra e os mares e tudo o que neles há.Portanto tudo o que existe foi criado durante esses seis dias (incluindo os anjos) e nada foi criado antes.


O Dilúvio de Noé “varre” os milhões de anos.As evidências em Génesis 6–9 para uma catástrofe global são esmagadoras. Por exemplo, o dilúvio tinha como propósito não só destruir os pecadores mas também todos os animais e áves terrestres. Isto só poderia ser levado a cabo por um catástrofe global.O propósito da Arca era o de preservar dois animais de cada tipo de forma de vida terrestre para que os mesmos pudesse repopular o meio ambiente.A Arca seria totalmente desnecessária se o Dilúvio tivesse sido um evento geograficamente localizado uma vez que as pessoas, os animais e as áves poderiam ter migrado para fora da zona onde o dilúvio iria ocorrer e mais tarde voltar. Ou isso, ou então essa área seria repopulada por animais que viviam fora da zona do dilúvio localizado.A natureza catastrófica do evento é vista pelos 40 dias de chuva contínua que produziria uma maciça erosão, deslizamento de lama e furacões.A palavra hebraica de onde extraímos a expressão “se romperam todas as fontes do grande abismo” (Gen. 7:11) claramente aponta para uma ruptura tectónica na superfície terrestre durante um período de 150 dias, resultando em actividade vulcânica, terremotos e tsunamis.O Dilúvio de Noé produziria exactamente o tipo de registo geológico que hoje temos: milhares de metros de sedimentos claramente depositados pela água e mais tarde endurecidos até se transformarem em rochas contendo milhares de milhões de fósseis.

Se o Dilúvio é responsável pela maioria das camadas rochosas e pela maioria dos fósseis, então estas rochas e os fósseis nunca poderiam representar a história da Terra, como alegam os crentes nos milhões de anos. É também por isso que os evolucionistas atacam ferozmente o Dilúvio de Noé.

O Senhor Jesus é Um Criacionista da Terra Jovem. O Senhor Jesus consistentemente tratou as descrições milagrosas de forma directa, verdadeira e como eventos que decorreram no espaço e no tempo (a criação de Adão, Noé e o Dilúvio, Lot e a sua esposa em Sodoma, Moisés e o maná do céu, Jonas na barriga do peixe gigante, etc). Ele continuamente afirmou a Autoridade das Escrituras sobre as ideias e tradições humanas (Mateus 15:1–9).Em Marcos 10:6 o Senhor declara que Adão e Eva estiveram presentes desde o princípio da criação, e não milhões de anos após o princípio, como seria de esperar se o universo realmente tivesse milhões de anos.

Portanto, se o Próprio Filho de Deus, o Autor da Criação (João 1:1-3), declara que o Universo é “jovem”, como é que os Seus fiéis discípulos podem pensar de forma diferente?

A crença nos milhões de anos destrói o ensinamento Bíblico em torno da morte e em torno do Carácter de Deus. Seis vezes Génesis 1 diz que Deus chamou a criação de “boa”, chegando ao ponto de qualificá-la de “muito boa” depois do sexto dia da criação. O homem e os animais eram originalmente vegetarianos (Gen. 1:29–30: de acordo com as Escrituras, as plantas não eram “seres viventes” do mesmo modo que o são o homem e os animais).Mas Adão pecou, resultando no julgamento de Deus em toda a criação. Na mesma hora Adão e Eva morreram espiritualmente, e depois da Maldição, eles começaram a morrer fisicamente.
Eva e a serpente foram modificadas fisicamente e o próprio solo foi amaldiçoado (Gen. 3:14–19). Sabemos que “toda a criação geme e está juntamente com dores de parto” esperando pela redenção final dos Cristãos (Rom. 8:19–25), altura em que seremos testemunhas da restauração de todas as coisas (Actos 3:21, Col. 1:20) para um estado semelhante ao mundo antes da Queda, onde não haverá mais comportamento carnívoro (Isaías 11:6–9) nem doenças, sofrimento ou morte (Rev. 21:3–5) uma vez que já não haverá mais Maldição (Rev. 22:3).

Aceitar a ideia dos milhões de anos, juntamente com a ideia da morte e sofrimento animal antes da criação e Queda, contradiz e destrói o ensinamento Bíblico em torno da morte e Trabalho Redentor do Senhor Jesus Cristo. Torna Deus Num Criador Cruel que, sem causa moral alguma, usa (ou não consegue prevenir) a doença, desastres naturais e a extinção que desfiguram o Seu trabalho criativo e mesmo assim chama à criação de “muito boa”.

A ideia dos milhões de anos não veio dos factos da ciência.A mesma foi desenvolvida por uma minoria de cientistas deístas e ateus do final do século 18, princípio do século 19. Estes homens usaram bases filosóficas e ideológicas para interpretar as camadas geológicas duma forma que claramente estivesse em oposição com a Bíblia, especialmente em oposição com a criação e com o Dilúvio de Noé.Muitos líderes religiosos (maioritariamente protestantes) rapidamente adulteraram os ensinamentos Bíblicos e acomodaram os milhões de anos com a Bíblia usando a teoria da falha, a noção da “dia-era”, o dilúvio localizado, etc., como forma de harmonizar os milhões de anos com o Cristianismo.

A datação radiométrica não prova os milhões de anos. A datação radiométrica só foi desenvolvida no início do século 20, altura em que uma grande parte da população mundial havia já aceite a mitologia dos “milhões de anos”. Portanto não se pode usar como evidência um ramo da ciência que só se desenvolveu depois de já se ter aceite os “milhões de anos”.Há já muitos anos que os cientistas criacionistas citam muitos exemplos em artigos publicados em revistas científicas onde se observam instâncias destes métodos de datação a atribuírem idades na ordem dos milhões de anos a rochas formadas nas últimas centenas de anos ou mesmo há apenas algumas décadas atrás.

Em anos recentes criacionistas do projecto RATE levaram a cabo pesquisas experimentais, teoréticas e prácticas para desmascarar mais evidências deste tipo (ex: diamantes que os evolucionistas afirmarem terem “milhões de anos” foram datados com carbono14 e verificado que possuíam apenas alguns milhares de anos). Os cientistas mostraram também que as taxas de decaimento eram maiores no passado, o que encolhe as datas dos milhões de anos para milhares de anos, confirmando a Bíblia.

Conclusão:

Estas são algumas das razões que mostram como os milhões de anos são falsos e que contradizem o Génesis nos revela àcerca da Verdade em torno das nossas origens. A Palavra de Deus tem que ser a Autoridade Final em assuntos a que ela alude: não só morais e espirituais mas também ensinamentos que tocam em eventos históricos, arqueológicos e geológicos.

O que está em causa é a autoridade das Escrituras, o Carácter de Deus, a doutrina da morte e as bases do Evangelho. Se os primeiros capítulos de Génesis não são eventos históricos, então a crença no resto da Bíblia está fragilizada, incluindo os ensinamentos em torno da salvação e da moralidade.

Examinemos cuidadosamente toda a gama de evidências que Deus nos disponibilizou (como se pode vêr no final do artigo original). A saúde da Igreja e a eficiência da sua missão para anunciar a Boa Nova estão em jogo.

Mitos em torno do Criacionismo Bíblico

1. “Criacionistas não acreditam que as espécies variam”
Uma muito popular caricatura dos criacionistas é a de que eles ensinam o fixismo (a crença de que as espécies não variam). Como as espécies obviamente variam, os evolucionistas adoram levantar este argumento-palha como forma de vencerem um debate que nunca o foi verdadeiramente.


Antes da publicação do livro On the Origin of Species por parte de Darwin, alguns cristãos de facto afirmavam que as espécies eram imutáveis.

Convém no entanto ressalvar que parte do problema se deve ao facto da palavra “espécie” possuir na altura uma definição ligeiramente distinta daquela que usamos hoje. Como se isso não fosse suficiente, não havia razão alguma para inicialmente se assumir o fixismo.

Os criacionistas há muito que se maravilham com a diversidade existente dentro do tipo-criado (ou “baramin“). Nós sabemos que as espécies variam, mas o problema (para os ateus) é que a variação que a ciência observa é sempre dentro do mesmo tipo. Por mais que se variem gatos, eles hão-de sempre ser gatos e nunca cães ou elefantes.

Os militantes ateus, por outro lado, acreditam que, desde que haja variações, tudo é possível. Parece que a genética mendeliana não ainda não foi bem aceite pela comunidade ateísta.

A variação das espécies por meio da selecção natural (e mutações) está perfeitamente de acordo com a Bíblia. Estas variações não são evidência de “evolução em acção”, mas sim mais um testemunho da variabilidade que Deus programou nas formas de vida (aumentando assim as suas hipóteses de sobrevivência nos mais variados ecossistemas deste mundo marcado pela Maldição do Pecado).


Ver também:

1. Adaptação não explica evolução

2. Variação genética não é evolução

2. “A Teoria do Design Inteligente é Criacionismo”

Embora alguns crentes ateus afirmem que o Movimento do Design Inteligente (MDI) é um cavalo de Tróia para o ensino do criacionismo nas escolas públicas, os cientistas envolvidos no MDI não são necessariamente cristãos, e muito menos criacionistas.

O Criacionismo começa com a crença de que a Bíblia é a Infalível Palavra de Deus. A Bíblia oferece-nos o suporte ideológico na base do qual nós melhor podemos interpretar mundo.

Uma vez que a Bíblia ensina que existe Um Criador (Génesis 1:1) e que a Terra é jovem (Êxodo 21:11), os criacionistas baseiam as suas pesquisas sobre estes fundamentos.

Por outro lado, os cientistas envolvidos no MDI afirmam que alguns aspectos dos seres vivos (e do universo) são melhor explicadas como tendo uma Causa Inteligente. A Identidade do Criador ou a questão da Bíblia ser ou não ser a Palavra de Deus são irrelevantes para o MDI.

Embora os criacionistas possam concordar com alguns aspectos da teoria do Design Inteligente, aqueles que o identificam como sendo equivalente ao Criacionismo Bíblico provavelmente não estão familiarizados com nenhum dos dois.

3. “A Bíblia não é um Livro de ciência”

A Bíblia não é um Livro de ciência no sentido de descrever minuciosamente e matematicamente como é que as leis da ciência operam. No entanto, apesar de não ser um Livro de ciência, a Bíblia faz um leque de declarações que aludem a princípios científicos, e quando o faz, a Bíblia mostra-se factual.

Se a Bíblia contém a verdadeira história do universo, como inspirada por Aquele que criou o dito universo, então fazer-se trabalho científico sem se levar em conta a cosmovisão Bíblica vai conduzir os cientistas a conclusões falsas ou imperfeitas.

Não é preciso ir muito longe para se encontrar evidências para isso. As tentativas evolucionistas em explicar a origem da vida na Terra estão literalmente envoltas em cenários confusos, mutuamente exclusivos ou não-científicos. Essa situação deve-se não a falta de empenho dos cientistas evolucionistas, mas na rejeição da Bíblia como Descrição Autoritária das origens da vida.

Um cientista ateu pode fazer descobertas fantásticas sem acreditar na Palavra de Deus, mas um conhecimento mais integral do mundo natural começa com Génesis.

Convém ressalvar um dado importante: o facto da Bíblia não ser um Livro de ciência até pode ser um elogio se levarmos em conta que, na “ciência”, o que hoje é verdade, amanhã pode ser mentira (Piltdown Man, Nebraska Man, etc).

Por outro lado a Palavra de Deus mantém a Mesma: Fiel, Transformadora e portadora de Esperança num mundo marcado pelo desespero.

4. “Os criacionistas possuem uma visão limitada/literal da Bíblia”

Isto é parcialmente verdade. Os criacionistas, tal como a maioria dos cristãos, acreditam que Deus deu-nos a Bíblia para ser entendida. Como nós acreditamos que Deus não só não mente, como também deu-nos a Bíblia para nos instruir, nós assumimos que a Sua Palavra é clara e exacta.Por outras palavras, não há razão para se pensar que nós temos que interpretar o “verdadeiro sentido” de palavras e frases que foram ditas com intenções históricas.

Por outro lado, a Bíblia não foi escrita só com um estilo literário. Estão presentes nas Sagradas Escrituras vários estilos: narrativa histórica, poesia, figurativo, e outros mais. O Próprio Senhor Jesus Cristo, Aquele que inspirou os profetas e os santos através dos séculos, era Adepto das hipérboles e das parábolas.

Portanto, os criacionistas interpretam a Bíblia de forma directa. Nós não aceitamos como literais as descrições poéticas (nós olhamos para elas tal como elas são) e nem aceitamos como “poesia” as narrativas históricas (Génesis 1 e Génesis 7-9).

5. “O criacionismo já foi refutado”
Em vez de se envolverem num debate cordial com os cépticos do evolucionismo, muitos crentes ateus preferem anunciar arbitrariamente que a teoria da Criação já foi refutada e como tal, recusam-se a ouvir qualquer tipo de discussão.No final de contas, o criacionismo é uma ideia “velhinha” que já foi substituída nas escolas, universidades e nos órgãos de informação maciça – na sua grande maioria – pela teoria da evolução .
O problema é que a realidade dos factos é exactamente a inversa a que os crentes ateus mantém. A teoria da evolução já estava refutada mesmo antes de Darwin ter nascido uma vez que Aquele que criou o universo revelou ao mundo como é que Ele criou (e não foi através dos não existentes milhões de anos).


Eu gosto muito da forma como a Bíblia King James Version (KJV) que tenho em casa põe as coisas:

“Created (Heb. bara’): This verb is used exclusively with God as its Subject. It referes to the instantaneous and miraculous act of God by which He brought the universe into existence. Thus the Genesis account of Creation [a única verdadeira] refutes atheism, pantheism, polytheim and evolution“ – página 5

Antes mesmo de ter sido postulada, a teoria da evolução já estava refutada.

Isto não é de admirar porque Deus “chama as coisas que não são como se já fossem” (Rom 4:17) e Ele sabia que mais cedo ou mais tarde o ser humano haveria de postular mitos como forma de justificar a sua rejeição do Criador.

A verdadeira questão aqui não é uma de evidências ou a falta delas, mas sim de ramificações espirituais. Se Deus é o Criador, então Ele é também o Juiz Supremo (o Ponto de Referência Absoluto para a moralidade).

Ao assumir que a Criação foi “refutada”, a teoria da evolução não só permite que muitas pessoas neguem a autoridade de Deus, mas também “ajuda-os” a ignorar as evidências óbvias deixadas pelO Criador (Romanos 1:20).

6. “Os criacionistas são contra a ciência”
É mais fácil atacar as imaginadas “más intenções” do opositor do que lidar com os seus argumentos. Por essa razão, muitos ateus caracterizam os criacionistas como sendo “contra a ciência”, ou como pessoas que querem regredir a ciência para o que ela era durante a “Idade das Trevas”.
A verdade dos factos é que muitos criacionistas amam a ciência porque eles amam a Deus. Explorar o universo significa ver mais de perto as coisas maravilhosas que Deus criou e como tal para um cristão é ilógico ser-se “contra a ciência”.

Existem geólogos, botânicos, astrónomos, químicos, físicos que são criacionistas, e todos eles gostam do trabalho que eles fazem. Ainda estamos por encontrar o criacionista que seja “contra a ciência”.

Por outro lado, os criacionistas de facto criticam ideologias e visões do mundo que negam a autoridade de Deus e o Seu lugar devido como o Criador. A maior parte dessas ideias emergem de crenças que assumem que o mundo material é tudo o que existe, e desde logo, assumem que Deus não existe.

Portanto, o criacionista não é contra a ciência propriamente dita, mas sim contra uma particular definição e entendimento do que a ciência é. Essa ideologia que hoje em dia se mascara de ciência é o naturalismo filosófico.



Quando o cristão usa a ciência para criticar a teoria da evolução, ele está perfeitamente de acordo com 2 Cor 10:5 que diz que ele deve destruir “os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo“.

Ser-se contra a teoria da evolução não é ser-se “contra a ciência”.

7. “Não há evidências para a Criação”

Existem evidências a favor da criação exactamente onde estás, a ler este texto. Os teus olhos (1,2,3,4,5), o teu cérebro (1, 2, 3, 4), e o oxigénio à tua volta todos testemunham para o Poder Infinito de Deus.
Obviamente que os ateus vêem essas mesmas coisas como sendo o efeito de processos naturais através dos milhões de anos. Para os ateus, tais forças são suficientes para explicar a origem do universo e a complexidade especifica das formas de vida.

As evidências por si só são apenas evidências e não uma fonte objectiva de verdade nelas mesmas. Elas tem que ser inseridas numa cosmovisão de modo a poder explicar como as coisas funcionam.

Enquanto que um ateu vê nas camadas do Grand Canyon milhões de anos e pouca água, os criacionistas olham para a mesma estrutura e observam um dos efeitos do Dilúvio catastrófico de Noé.

A mesma evidência pode ter diferentes interpretações, e é no campo das interpretações (e não das observações) que os cientistas ateus diferem dos cientistas criacionistas.

No entanto, e apesar de poder haver distintas interpretações para o mesmo dado, há algumas interpretações que se ajustam melhor com as observações. Por exemplo, alguns aspectos do nosso universo fazem muito mais sentido à luz da Criação e de uma Terra jovem do que à luz da evolução e de uma Terra com milhões de anos.

Esses aspectos não “provam” que a Bíblia está Certa, mas é consistente com a informação Bíblica.

8. “Os criacionistas negam as leis da ciência”

Nós estamos muito gratos a Deus pelas leis da Física e da Química que tornam a vida possível. Aliás, nos vemos essa leis como evidência da Mão Sustentadora de Deus no universo. Essas leis operam de forma constante porque Deus é Constante (Malaquias 3:6).

Nós negamos, contudo, que a descendência comum através da evolução seja uma “lei” ou um “facto”. A selecção natural, as mutações e as modificações genéticas são tudo processos observáveis (que se encaixam perfeitamente no modelo Bíblico). No entanto, a descendência comum é uma cosmovisão e não uma “lei da natureza”.

Nós esperamos que o universo seja ordenado e lógico porque começamos as nossa interpretações com a Bíblia. As leis da natureza não são nelas mesmas suficientes para criar o universo e a vida lá contida: elas apontam para o Criador.

9. “Os criacionistas negam as evidências para a evolução”
Quais evidências? Se algum evolucionista tiver alguma, por favor, envie.Entre muitas outras acusações que são feitas contra os criacionistas está a crença de que nós escolhemos as evidências que nos convém, e rejeitamos as que não nos convém. No entanto, como mencionado no ponto 7, o problema não está com as evidências mas sim com a interpretação e as conclusões que os crentes ateus dão às observações.

Só porque os ateus nos dizem como é que nós deveríamos interpretar uma dada observação, isso não significa que a sua interpretação é a melhor. O que os criacionistas fazem é separar os factos (baseados em observações e experimentações) das interpretações (baseadas no naturalismo/ateísmo). Isto não é ignorar-se o que não se gosta, mas sim separar o trigo do joio.

10. “Os criacionistas querem substituir o ensino da evolução pelo ensino da Criação”

Alguns crentes evolucionistas gostam de anunciar um pouco por todo o lado que os criacionistas querem banir o ensino da teoria da evolução. O único problema é que isto não é verdade
.
Embora seja difícil negar que muitos cristãos gostariam que o ensino de uma teoria com efeitos tão devastadores fosse removida das escolas públicas, muito poucas (se alguma) organizações criacionistas estão nesse grupo. Ao contrário dos crentes ateus, os criacionistas não tem intenções de silenciar as vozes dissidentes.

O que nós gostaríamos que fosse promovido é um debate honesto e civilizado sobre um assunto que nos toca a todos

Além disso, todos os cristãos tem a ganhar quanto mais eles souberem acerca da fé evolucionista. Enquanto que a Bíblia nos diz que Deus criou o universo em 6 dias (Êxodo 20:11), a maior parte da população ocidental foi influenciada pelos escritos de Darwin – mesmo que eles não se apercebam.

Portanto, um conhecimento firme de uma das religiões que se opõe ao Cristianismo seria sempre benéfico para o cristão na altura de anunciar as Grandezas de Deus (Actos 2:11) num mundo em passagem (1 João 2:17).

Fonte: http://darwinismo.wordpress.com/

Escassez de homens ( = faltam homens que queiram casar-se com feministas).


O medo das feministas. Carreirismo feminista é plano B:

Esqueçam a ambição, segurança financeira e qualificações superiores Um controverso estudo concluiu que o verdadeiro motivo que leva as mulheres a buscar carreiras é o medo que elas têm de não serem suficientemente atraentes para encontrar um marido.
A equipa de pesquisa, composta por 3 mulheres e 2 homens, afirmou que, quando há escassez de homens, as mulheres são mais susceptíveis de escolher a pasta em vez do bebé.

Eles alegam ainda que, quanto mais normal ela for [isto é, menos atraente], mais ela é motivada para suceder no mercado de trabalho.

Há já algum tempo que foi observado que, quanto mais feia é a mulher, mais susceptível ela é de ser uma feminista. Paralelamente, foi sempre lógico que as mulheres que não conseguiam competir com outras mulheres segundo a forma tradicional tentassem alterar as regras do jogo.


Agora, temos algum tipo de evidências científicas que suportam a observação e a lógica, e isto pode ser muito útil para neutralizar a propaganda feminista que inunda as moças mais jovens desde que elas são meninas - encorajando-as a perder a sua juventude e fertilidade em busca de carreiras e não em busca de um parceiro com quem construir uma família.
A mensagem é simples e directa: o feminismo é para as derrotadas no jogo da Vida.

* * * * * * *
O estudo aparentemente não diz (nem o autor do texto em cima diz), mas a verdade dos factos é que "não há escassez de homens" mas sim escassez de homens com vontade de casar com a mulher moderna.

Aparentemente, isto vai-se tornar num ciclo vicioso:


• 1. Feministas indoutrinam as moças mais jovens.

• 2. Isso, como era suposto, torna-as repulsivas aos olhos dos homens.

• 3. Elas, as moças, começam a acreditar que "há escassez de homens".

• 4. Como efeito, mergulham no mercado de trabalho, recebendo ainda mais indoutrinaçãoanti-homem e anti-família.

• 5. Quando chegam aos 40 anos, solteiras, sem filhos, estéreis, mais feias do que no passado e amargas com a vida, tornam-se activistas feministas.

• 6. Estas novas feministas indoutrinam a próxima geração de moças.

• 7. Assim sucessivamente.

Obviamente, há uma forma de quebrar este ciclo mas duvido muito que a maior parte das mulheres esteja interessada nela.


FONTE: http://omarxismocultural.blogspot.com.br/2012/04/o-medo-das-feministas.html

Fraudes espíritas: materializações.


AS MAIS ENGENHOSAS FRAUDES DE MATERIALIZAÇÃO

Aqui apresento um trecho de um livro do padre Negromonte chamado “O que é o Espiritismo”. Neste trecho são apresentadas diversas fraudes dos fenômenos de materialização. No entanto, não me limitei apenas a transcrever essa parte do livro. Como Negromonte oferece normalmente apenas uma breve descrição dos casos, sempre que possível acrescentei extensas notas de rodapé – reconhecidas como Nota do Revisor, ou N. R. – que oferecem descrições bem mais detalhadas de como as fraudes foram feitas, incluindo ainda diversas referências que permitem o leitor buscar mais informações. Eu mesmo confesso ter ficado impressionado com a engenhosidade e a coragem de algumas das fraudes. Elas são interessantíssimas! Então, sem mais demora, vamos a elas!

1. Marthe Béraud, ou Eva Carrière, tornou-se famosa pelas materializações da vila Carmen, residência do general Noel, em Argel. Dr. Richet assistiu às sessões, em que aparecia o “espírito” de Bien-Boa, e foi miseravelmente ludibriado em sua boa fé e no seu cavalheirismo. Rouby e Marsault descobriram tudo: o capacete de Bien-Boa era do empregado do general; o bigode era de crepe; as vestes suntuosas da noite em que Bien-Boa apareceu de rei mago eram emprestadas por uma funcionária do teatro municipal… Isto não impediu que, mais tarde, fosse ainda Eva Carrière levada a sério por cientistas![1]

2. Os Irmãos Davenport deixavam-se amarrar em cadeiras ou trancar-se em um armário: os espíritos os soltavam! No dia em que Elias Cyon os prendeu, não segundo as instruções recebidas, mas a seu modo, Davenport, depois de uma hora de esforço, declarou que os espíritos se negavam a agir, uma vez que não foram seguidas as suas instruções… Outra vez, em Paris, quando um deles se soltou da cadeira, um dos espectadores se levanta, sobe ao placo, arranca o espaldar da cadeira, apresenta-o à multidão que enchia o teatro, dizendo: “Senhores, esta trave é móvel”. Diante do tumulto, um funcionário da polícia acalmou os ânimos: “Senhores, o dinheiro das vossas entradas vai ser restituído”.[2]

3. Slade era especialista em escritas em ardósias. Metia a lousa debaixo da mesa (por que não em cima da mesa, onde toda gente escreve?) e aparecia, escrita, a resposta da pergunta que lhe faziam. Trancava num armário, à distância, a lousa em branco (?) e ela aparecia escrita. Flammarion[3] conta que selou duas ardósias que passaram dez dias em mãos de Slade e voltaram sem o mínimo vestígio da escrita. Em Londres, Lancaster arrebatou das mãos de Slade as ardósias no momento em que ele as levava para debaixo da mesa: já estava escrito o que os “espíritos” iam escrever… Mas, na Inglaterra, a coisa é diferente: custou a pena de três meses de trabalhos forçados a Slade…

4. Einer Nielsen, médium norueguês, entregava-se ao mais absoluto controle antes da sessão. Trabalhando com uma comissão de professores da Universidade de Cristiania, era inteiramente despido e metido num “maillot” que o vestia dos pés ao pescoço. Feita a escuridão necessária, ele produzia ectoplasmas que lhe saíam da boca e pelo nariz. Um dia, porém, o exame do “maillot” denunciou vestígios de fezes na abertura do pescoço e na extremidade da manga direita. Ele escondia no reto o tubozinho de gaze que servia de ectoplasma e depois o retirava para a demonstração, engolindo-o em seguida!…[4]

5. Vladislas Laszlo, polaco, também se deixava revistar totalmente antes da sessão. Era mais decente e limpo. Mas, certa vez, teve um acesso de tosse e atirou no rosto de Schenck um estranho projétil, do qual Schenck logo se apoderou, apesar dos esforços do médium para arrebatá-lo: era algodão envolto em gaze… Laszlo, depois de fazer a admiração dos sábios e ignorantes na Polônia, na Dinamarca e na Alemanha, foi surpreendido em Budapeste. E explicou, sem dificuldade, o truque: enquanto o despiam, ele punha o “ectoplasma” no bolso de um dos experimentadores; depois, de pronto, tirava-o e punha-o na boca.[5]


6. Mr. Brook. Dr. Atley e sua esposa teriam perecido num desastre de trem na Argélia. Brook invocou-os em Londres: eles “baixaram” e confirmaram a desencarnação, dando minúcias do desastre. Atley não tardou a aparecer vivo e são, em Londres. [6]

7. Mrs. Verrall. Myers entregou à Sociedade de Pesquisas Psíquicas uma carta fechada, cujo conteúdo viria revelar depois de morto. Verrall se declarou em comunicação com o espírito de Myers, que lhe tinha ditado o conteúdo da carta. Recebida a mensagem, aberta a carta, verificou-se que nada havia de semelhante entre as duas…[7]

8. Helena Smith, modesta caixeira em Genebra, era médium xenóglossa, ou mais compreensivelmente: faladora de línguas desconhecidas. Chegou a se comunicar com o planeta Marte, cuja língua falou… Flournoy perdeu longo tempo com este caso. A “língua de Marte” não passava de francês, sendo as palavras precedidas de “te” se eram masculinas, e de “ti” se eram femininas. Quando éramos crianças, também fizemos isto com a conhecida “língua do p”, sem sermos médiuns…[8]

9. Mac Farlane prometeu a Miss Maule a aparição de sua irmã Peggy, pelo módico pagamento de quatro libras esterlinas. No quarto escuro apareceu uma sombra branca e se ouviu uma voz que disse: “Eu sou Peggy”. Maule pediu-lhe que se aproximasse: “Peguei-a depressa, conta a vítima, e senti entre os dedos um tecido de lã. Neste momento o “espírito” foi puxado com força, mas eu o segurei até ele se rasgar. E gritei: “A senhora está desmascarada”. Quando se acendeu a luz, Farlane estava escondendo o tecido de lã.[9]

10. Godfrey Raupert, que depois se converteu ao catolicismo e escreveu um livro que o Dr. Lúcio dos Santos traduziu para o português,[10] tirava retratos seus, à luz do dia, e apareciam ao seu lado figuras misteriosas de espíritos materializados. Tendo-se conhecido dois desses “espíritos” como pessoas vivas, a fraude foi descoberta.
Mais umas indicações


O assunto daria muitos livros. Com ele Paul Herzé compôs os seus livros: “Où en est La Metapsychique” e “Les morts vivent-ils?”. E depois disto já muita água passou por debaixo das pontes. Mas para os leitores verem como é farta a messe, vamos fazer apenas mais algumas indicações, que pouparão tempo e espaço.
1. Islo produzia ectoplasma de algodão, como Laszlo.[11]
2. Eldred trazia no espaldar da cadeira os elementos com que produzia os “fenômenos espíritas”. [12]
3. O fotógrafo Boursnell, apanhado em trapaça, foi condenado pelo tribunal.[13]
4. Williams foi desmascarado da mesma fraude de Eldred, além do citado fato com Leymarie.[14]
5. Bailey foi surpreendido em Grenoble comprando pássaros, que transportava por via astral nas sessões![15]
6. Os fantasmas de Ebstein eram pintados, segundo Grasset, ou simples manequins.[16]
7. Sambor era auxiliado por um amigo.[17]
8. “Eu pude verificar a fraude de Ana Rothe”, diz Richet. E Rothe, pelas suas freqüentes fraudes, foi processada pela polícia prussiana.[18]
9. O cúmplice de Craddock era a própria esposa. [19]
10. Lúcia Sordi foi desmascarada por Schrenck.[20]
11. Caracini e Gazzera faziam a substituição das mãos, como Eusápia.[21]
12. Elizabeth Tomson simulava espectro, quando um moço a desmascarou, dando-lhe forte dentada.[22]
13. O insuspeito Maxwell cita os nomes de Wood, Fairlamb[23] e Haxby.[24]
14. Zucarini dizia-se levitado: De Marchi acendeu de repente as luzes e o viu de pé em cima da cadeira.[25]
15. De Miss Arbott disse Hyslop que a tinha apanhado muitas vezes em mentiras e enganos.[26]
16. Fournier d’Albe desfez o encanto das maravilhas da “alavanca psíquica” com que Miss Goligher iludira a Richet e a Crawford.
17. Miss Cadwel foi apanhada pelos redatores de World, nos Estados Unidos.[27]
18. O insuspeito coronel de Rochas acendeu a luz no momento em que sua médium Valentina espalhava fosforescências na sala, agitando os pés impregnados previamente de fósforos. [28]
19. Hodgson conta como ele mesmo materializou espíritos, com uma máscara coberta de musseline, ou um turbante e umas barbas postiças, sustentando um livro luminoso na mão.[29]

Se eu disser que poderia citar mais cem exemplos, algum leitor poderá levar à conta de exagero sectário. Prefiro então citar Flammarion, um dos pontífices espíritas. Em seu livro “As forças naturais desconhecidas”, depois de citar vários exemplos de fraudes e de dizer que ao menos a metade dos fenômenos espíritas podem ser taxados de fraude, acrescenta estas palavras que eu vou citar na própria língua do escritor:

“Je pourrais citer dês centaines d’exemples analogues observes par moi même depuis dês années” (pág. 285) — ou seja: “Eu poderia citar centenas de exemplos análogos observados por mim mesmo desde alguns anos.”

[1] Ver relato minucioso em Herédia, “O espiritismo e o bom senso” (Livraria Católica. Rio de Janeiro. S/d. 2ª Ed. provavelmente de 1927);páginas 209-232.

[2] Não consegui achar a fonte dessa informação. (N. R.)

[3] Les forces naturelles inconnues, pág. 265.

[4] Mais informações podem ser obtidas no site http://www.answers.com/topic/einer-nielsen, que diz, sobre Nielsen: “Médium dinamarquês, cujos fenômenos de materialização foram primeiramente divulgados pelo relatório sobre as experiências registradas pelo Barão Schrenck-Notzing, em seu livro Physikalische Phaenomene des Mediumismus (1920). Em 1922, em Christiania, Oslo, Nielsen foi declarado uma fraude, mas pareceu ter-se restabelecido completamente em 1924, em Reykjavik, nas sessões para a Sociedade de Pesquisa Psíquica da Islândia. O relatório do romancista Einar H. Kvaran, aprovado por cientistas e outras pessoas de alta posição, registrou a materialização de formas, às vezes duas aparecendo ao mesmo tempo perto do médium enquanto ele estava à vista. Levitação e outros fenômenos telecinéticos também foram vistos em abundância. Depois de sua exposição, em 1922, Nielsen se recusou a sentar com os investigadores. No entanto, isso não impediu exposição. Vários anos depois, em Copenhagen, ele foi acusado de fraude por Johs. Carstensen, líder do seu próprio círculo, e um espiritualista convicto. Após sua exposição em um panfleto, o médium foi a tribunal, mas perdeu o caso em abril de 1932. Ele continuou a trabalhar, mas nunca foi considerado credível novamente por pessoas de fora de seu pequeno círculo de influência. Ele morreu em 26 de fevereiro de 1965.” Outra fonte é o livro de Arthur S. Berger e Joyce Berger. The Encyclopedia of Parapsychology and Psychical Research. New York: Paragon House, 1991. Nielsen, Einer. Solid (N. R.)

[5] Mais informações podem ser obtidas no site http://www.answers.com/topic/laszlo-laszlo, que diz, entre outras coisas: “Depois de ler uma obra clássica sobre materialização do famoso pesquisador psíquico Barão Schrenck-Notzing, Laszlo deliberadamente buscou meios fraudulentos de conseguir tais efeitos, a fim de enganar o barão. Os materiais utilizados por Laszlo para o ectoplasma falsos foram gaze e algodão embebidos em gordura de ganso. Estes suportes eram escondidos no mobiliário da sala da sessão, e quando isso se tornou impossível por meio de controles rigorosos, Laszlo foi descaradamente hábil em deslizar seu adereços para os bolsos dos seus investigadores no momento em que ele era revistado, para em seguida pegá-los novamente de seus bolsos durante a sessão! Não se sabe se Schrenck-Notzing foi realmente enganado, mas muitos proeminentes investigadores psíquicos foram.” Outras fontes possíveis são os livros do jornalista Cornelius Tabori, My Occult Diary. London, 1951, e o livro de seu filho, o pesquisador psíquico húngaro Paul Tabori (1908-1974) chamado Companions of the Unseen. London: H. A. Humphrey, 1968. (N. R.)

[6] Não consegui achar a fonte dessa informação. (N. R.)

[7] Não consegui achar a fonte dessa informação, mas apenas para que fique claro, a Sra. Verrall nunca foi médium de materialização e jamais foi pega em fraude. (N. R.)

[8] Helena Smith era o pseudônimo de Catherine Elise Muller. Para mais informações, ver o site http://www.survivalafterdeath.org.uk/mediums/smith.htm ou An Encyclopaedia of Psychic Science, de Nandor Fodor, 1934. Ela não era médium de materialização. (N. R.)

[9] A médium se casou em 1916 com Henry Ducan e passou a se chamar Helen Victoria Duncan, em vez de Helen Victoria MacFarlane. Para mais informações, ver An Encyclopaedia of Psychic Science de Nandor Fodor, 1934. (N. R.)

[10] O Espiritismo — Tip. do Lar Católico, 1930.

[11] Não consegui achar a fonte dessa informação. (N. R.)

[12] O nome completo do médium é Charles Eldred. Mais informações podem ser obtidas no site http://www.answers.com/topic/charles-eldred, que diz, entre outras coisas: “Notório médium de materialização fraudulento de Nottingham, na Inglaterra (…). Ele ficou conhecido quando a revista Light (02 de setembro de 1905) publicou uma descrição de uma de suas sessões anteriores. No ano seguinte, Eldred foi desmascarado numa sessão em Londres, por Abraham Wallace. Uma cavidade foi encontrada na parte de trás da cadeira onde estava sentado e foi descoberto, após a sessão, uma cabeça de manequim desmontável com uma máscara de meia cor de carne, seis peças de seda chinesa branca medindo 13 metros no todo e outras “propriedades” da mediunidade falsa.” Outras fontes são os artigos “Exposure of Mr. Eldred”, publicado no Journal of the Society for Psychical Research 12: 242-52 e de Ellen Letort “The Frauds of Mediums” publicado no Annals of Psychic Science 3, no. 6 (1906). (N. R.)

[13] O nome completo do fotógrafo é Richard Boursnell (1932-1909). Mais informações podem ser obtidas no site http://www.answers.com/topic/richard-boursnell . (N. R.)

[14] Não consegui achar a fonte dessa informação. (N. R.)

[15] O nome completo do médium é Charles Bailey (1870 -1947). Mais informações podem ser obtidas no site http://www.answers.com/topic/charles-bailey. (N. R.)

[16] Não consegui achar a fonte dessa informação. (N. R.)

[17] O nome do médium é S. F. Sambor. Mais informações sobre ele podem ser obtidas no site http://www.answers.com/topic/s-f-sambor, que diz, entre outras coisas: “Uma série de suas sessões entre 1896 e 1902 foi registrada no jornal espiritualista russo Rebus. (…). Muitas das experiências foram realizadas pelo Conde Perovsky-Petrovo-Solovovo. No entanto, a crença do conde nos fenômenos de Sambor foi consideravelmente abalada quando descobriu que um dos assistentes, um cúmplice, intencionalmente soltava a mão de Sambor quando ele a deveria estar segurando. (N. R.)

[18] O nome correto da médium é Frau Anna Rothe (1850-1907). Mais informações podem ser obtidas no site http://www.answers.com/topic/frau-anna-rothe, que diz, entre outras coisas: ‘Trabalhadora alemã que, depois da morte do noivo de sua filha em aproximadamente 1892, desenvolveu mediunidade. Ela constantemente viu o falecido sentado no sofá em sua atitude costumeira. Ela tinha visões quando criança também, mas logo os fenômenos físicos se desenvolveram e Rothe especializou-se em aportes de flores e frutas em quantidade. Sua carreira mediúnica, no entanto, foi tempestuosa e finalmente suas fraudes a levaram a um julgamento sensacional e uma sentença de prisão.

Camille Flammarion realizou uma sessão com Rothe em maio de 1901, no seu próprio apartamento. Ele escreveu: “Durante sua continuação, buquês de flores de todos os tamanhos fizeram, em verdade, sua aparição, mas sempre de um quarto na sala oposta a que nossa atenção era desviada por Frau Rothe e seu gerente, Max Jentsch.”

“Quase estando convencido de que tudo era fraude, mas não tendo o tempo de dedicar-me a tais sessões, eu pedi a M. Cail para estar presente, tão freqüentemente quanto ele pudesse, nas reuniões que deviam ser feitas em salões parisienses diferentes. Ele com satisfação consentiu, e foi convidado a uma sessão na casa de Clément Marot. Tendo tomado seu lugar um pouco atrás da médium que espalhava flores, ele a viu habilmente escorregar uma mão debaixo de sua saia e extrair sucursais que ela arremessou no ar.”

“Ele também a viu tirar laranjas de seu buquê, e verificou que elas estavam quentes. A impostura era evidente, e ele imediatamente a desmascarou, ao grande escândalo dos assistentes, que jogaram insultos sobre ele. Uma sessão final tinha sido planejada para ser realizada em meu salão na terça-feira seguinte. Mas Frau Rothe e seus dois cúmplices tomaram pela manha o trem na estação ferroviária Oriental e nós não os vimos mais.”

Charles Richet declarou no seu livro Trinta Anos de Pesquisa Psíquica (1923): “A primeira vez que eu vi os desempenhos inesperados de Anna Roth, a ‘médium de Blumen’, fiquei deslumbrado; numa segunda sessão, perplexo; na terceira fiquei convencido que a coisa toda era uma fraude. Eu pedi a Anna Roth para permitir um controle mais completo que teria encerrado a questão. Ela recusou”.

O fato em que Richet baseou a sua crença na impostura de Rothe foi que ele a pesou antes da sessão e depois. A diferença era de duas libras, exatamente o peso das flores “aportadas”. Portanto, ele conclui, elas deviam estar escondidas em sua pessoa.

Uma exposição séria aconteceu na Alemanha em 1902, em conseqüência do que Rothe foi mantida em prisão por cerca de um ano antes do julgamento e depois foi sentenciada a dezoito meses de prisão e uma multa de 500 marcos. Os detetive postos como inquiridores acharam 150 flores e várias laranjas e maçãs numa série de sacos dobrados em sua anágua.’ (N. R.)

[19] O nome do médium (britânico) era Frederick G. Foster Craddock. O site http://www.answers.com/topic/frederick-g-foster-craddock diz, entre outras coisas: “Já em 1879, em Manchester, o espírito materializado “Rosetta” foi agarrado e a luz revelou o médium em sua camisa e uma meia. Craddock recuperou-se deste incidente e ainda exerceu sua mediunidade por muitos anos. Em 1904 ele voltou ao centro das atenções públicas quando Henry Llewellyn e Gambier Bolton narraram suas experiências no livro de Bolton Psychic Force (1904). Em 1906 Craddock foi levado ao tribunal pelo jornal Daily Express por obtenção de dinheiro sob falsos pretextos. O tenente-coronel Mark Mayhew, por escrito, Light, 24 de março de 1906, descreveu como o espírito “Abdullah” foi agarrado e descoberto ser o médium. As pessoas presentes à sessão também viram Craddock remover um bigode falso e colocá-lo no bolso. O almirante Usborne Moore, também presente na sessão, em seguida, fechou as portas, pegou a chave, e comandou uma busca. Craddock se colocou em posição de combate e sua mulher atacou o almirante com uma pá de fogo. A busca foi realizada de qualquer maneira. Em uma gaveta, uma pequena lanterna elétrica foi encontrada, o instrumento para as luzes espirituais.” Outras fontes são o livro de H. Dennis Bradley The Wisdom of the Gods. London: T. Werner Lavrie Ltd., 1925 e o artigo “Exposures of Mr. Craddock” do Journal of the Society for Psychical Research 12. Há ainda o livro de Walter Gibbons The Tragedy of the Heavens. N.p., 1930. (N. R.)

[20] Não consegui achar a fonte dessa informação, mas mais dados sobre Lucia Sordi podem ser encontrados no site http://www.answers.com/topic/signora-lucia-sordi. (N. R.)

[21] Carancini foi acusado de fraude pelo mágico Baggally e por outros em um artigo publicado no Annales des Sciences Psychiques, 1913, pp. 243-47 e no artigo “Some Sittings with Carancini” do Journal of the Society for Psychical Research 14 (June 1910). Gazzera não parece ter sido acusada de fraude. Mais dados sobre ambos podem ser encontrados nos sites http://www.answers.com/topic/francesco-carancini e http://www.answers.com/topic/linda-gazzera. (N. R.).

[22] Não consegui achar a fonte dessa informação (N. R.)

[23] O nome completo é Annie Fairlamb Mellon (1850-1938). O site http://www.answers.com/topic/annie-fairlamb-mellon diz, entre outras coisas: “Em 12 de outubro de 1894, uma exposição desastrosa de sua fraude aconteceu na casa de Mellon. T. Shekleton Henry, outro médium e amigo fingido, agarrou “Cissie”, o espírito materializado, que se revelou a própria médium semi-nua. Os pedaços faltantes de peça de roupa foram achados no gabinete. Mellon defendeu-se dizendo que ela pareceu ser projetada para dentro da forma agarrada e ser absorvida. Diz-se que ela sofreu uma lesão séria em conseqüência do agarramento do espírito, e após sua recuperação ela resolveu nunca sentar-se no gabinete outra vez mas sempre diante da cortina à completa vista dos assistentes.” (N. R.)

[24] O site http://www.answers.com/topic/w-haxby diz que o próprio Charles Richet acusou Haxby de fraude em seu livro Trinta Anos de Pesquisa Psíquica (1923). Mais informações podem ser obtidas no artigo “Alleged Mediumship of W. Haxby” publicado no Proceedings of the Society for Psychical Research 4. (N. R.)
[25] O nome do médium é Amedee Zuccarini. Não consegui descobrir onde foi publicada a acusação de fraude, mas o site http://www.answers.com/topic/amedee-zuccarini traz mais informações sobre o médium (N. R.)

[26] Não consegui achar a fonte dessa informação (N. R.)

[27] Não consegui achar a fonte dessa informação. (N. R.)

[28] Não consegui achar a fonte dessa informação. (N. R.)

[29] Não consegui achar a fonte dessa informação. (N. R.)

FONTE:http://obraspsicografadas.haaan.com/2010/as-mais-engenhosas-fraudes-de-materializao/

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: